quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

O livro "Dois anjos e uma menina", revela o grande talento da escritora Misa Ferreira

Misa Ferreira é itajubense. A Musa Editora (Ana Cândida Costa) fez um excelente trabalho contando com a equipe da Zellig, responsável pelo design impecável, tudo concebido plasticamente para resultar em livro bem editado. O ilustrador, João Kammal, é talentoso artista plástico carioca, já ilustrou reedição de livro infantil da Clarice Lispector. Um livro-objeto pra se guardar, boa leitura e também enfeitar a casa ou o quarto das crianças.
Maria Aparecida Fernandes, Diretora Pedagógica do Colégio G9 em Itajubá, Professora de Língua e Literatura Portuguesa, escreveu seu parecer sobre a história na orelha dianteira do livro.

Sinopse: Um anjo rebelde (Mikael) está de castigo no Planeta do Silêncio quando recebe a visita de um velho anjo (Raziel). Enquanto isso no Planeta Terra uma menina (Lia) está triste. Ela mora num orfanato e quer muito uma família. A governanta do orfanato (Dona Dona) e o mordomo (Anacleto Manso Tranquilo) se unem ao garoto (Téo) e seu cachorrinho (Petrusco) para pedir a Deus que ajude a menina.

Dois trechos do livro:
“E de fato, eles sentiram um vento quente e gostoso e, coincidência ou não, voou uma peninha que não era branca nem preta, que não era de galinha nem de pato nem de qualquer ave que eles conheciam. Téo e Petrusco correram atrás da peninha, o menino olhou bem para ela e a guardou no bolso. Num pressentimento santo e infantil o menino sacou que aquela peninha era um tesouro.”

“O funcionário do funcionário superior do secretário do comitê das autoridades competentes dos anjos estava ocupadíssimo com a tarefa de carimbar os pedidos que chegavam da Terra. Ele estava nervoso porque tinha que fazer duas coisas ao mesmo tempo: encaminhar os pedidos de ajuda que chegavam da Terra e preparar o relatório para o Congresso Angelical Universal que se realizava todos os anos.“

Dados técnicos: 
64 páginas, Literatura infantojuvenil brasileira, Musa Editora.
INTERESSANTE:
“Dois anjos e uma menina” já foi exposto na Primavera Literária do Rio de Janeiro, nos Jardins do Palácio do Catete (16 a 20 de novembro), em São Paulo, na Primavera Literária, Parque Villa-lobos, 26 e 27 de novembro. E fez boa figura na Festa do Livro da USP, 21 a 25 de novembro.
Como adquirir:
O livro “Dois anjos e uma menina” pode ser adquirido no site da Livraria Cultura. Também poderá ser solicitado pelo e-mail musacomercial@uol.com.br. Atendimento imediato, para qualquer lugar do Brasil. Saraiva, Travessa, Bossa Nova estão em fase de pré-registro nos sites.

Compartilhe:

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Jane Austen: Livros e Filmes


Jane Austen, Thibaudet e um retrato da burguesia do séc. 18

Nascida em 16 de dezembro de 1775, a britânica Jane Austen foi uma das figuras mais importantes da literatura inglesa, juntamente de William Shakespeare. Filha de um sacerdote, teve sete irmãos, destacando sua irmã mais velha Cassandra, que foi a autora do único retrato conhecido de Jane (o quadro se encontra na galeria nacional de arte de Londres).

Jane foi autora de celebres romances, dentre os quais “Razão e Sensibilidade” (1811); “Orgulho e Preconceito” (1813); “Emma” (1815) e “Persuasão” (1818). Não precisamos ter olhos atentos para identificarmos uma obra de Jane Austen, pois todas carregam incrível sensibilidade, além do retrato detalhado da burguesia da época.

Hoje discutiremos mais sobre as obras "Orgulho e Preconceito" e "Razão e Sensibilidade", que foram adaptadas para o cinema. Estes dois longas são incrivelmente semelhantes, retratando a vida de meros camponeses e burgueses da época. A simplicidade é o destaque dos enredos, e as narrativas são absolutamente admiráveis.

Em "Orgulho e Preconceito", foi criada uma atmosfera para que o espectador fosse levado ao mundo da protagonista Elizabeth Bennet (Keira Knightley). O ambiente do longa é indescritível, minuciosamente trabalhado e rico em detalhes.

O filme inicia-se com a bagunça de uma casa com cinco garotas virgens não muito prendadas, algo para repulsa de qualquer família nobre, principalmente para os pretendentes. Naquela época, era imprescindível uma mulher saber bordar, tocar piano, cantar e pintar, além de outras tarefas do cotidiano, como escrever poesias e ler contos, algo que a protagonista não dominava. Elizabeth Bennet era uma terrível pianista. E como toquei no assunto, a trilha sonora do enredo é interpretada por um dos grandes pianistas do mundo, Jean-Yves Thibaudet. Ouça: clique aqui.

No longa-metragem "Orgulho e Preconceito", encontramos vários planos através de janelas, significando os véus da percepção, uma espécie de mensagem subliminar (notamos as personagens através das janelas da sua própria percepção).
"A energia que você sente como diretor, filmando uma cena como essa, é a melhor sensação do mundo. A adrenalina é incrível.", disse o diretor Joe Wright ao filmar uma dança envolvendo quase todos os atores e dezenas de figurantes, sendo que a maioria eram realmente habitantes do local, sem nenhuma experiência em frente as câmeras.
INTERESSANTE
Tanto os livros como os filmes baseados nas obras de Jane Austen, são indicados nas universidades, principalmente nos cursos de Letras e História.

Conforme dito anteriormente, a autora também teve adaptado para as telas seu romance "Razão e Sensibilidade", num longa-metragem que carrega praticamente as mesmas características de "Orgulho e Preconceito". Ambos têm finais felizes, bem diferente da vida da autora, que morreu solitária em 28 de Julho de 1817. Acredito que um grande amor e uma vida feliz era tudo com que Jane Austen sonhava, deixando transparecer nitidamente em suas obras seu simples desejo.

Se um dia você for à Inglaterra, não se esqueça de visitar a casa-museu de Jane Austen, a qual foi sua última morada, tendo vivido no local entre 1809 e 1817 com sua irmã Cassandra e sua mãe.

Além de alguns contos, Jane deixou dois romances incompletos: "The Watsons” e “Sanditon".

Filme: Becoming Jane (2007)
(Becoming Jane, EUA/ Reino Unido, 2007)
Sinopse: Cinebiografia da escritora Jane Austen (Anne Hathaway) e seu romance com um jovem advogado irlandês Tom Lefroy, antes da fama. Seu relacionamento com ele a inspira na criação de personagens para seu mais famoso romance, Orgulho e Preconceito.
Gênero: Drama
Direção: Julian Jarrold
Elenco: Joe Anderson, Jessica Ashworth, Maggie Smith, Julie Walters, Anne Hathaway, James Cromwell, Laurence Fox, Anna Maxwell Martin, James McAvoy, Chris McHallem, Lucy McKenna, Donald O'Farrell
Site Oficial: becomingjane-themovie.com

Livro: Orgulho e Preconceito
Um retrato fiel, divertido e inteligente da sociedade inglesa do início do séc. XIX. Os costumes, o amor, a condição da mulher, os preconceitos e o casamento são abordados de maneira simples e engenhosa neste livro, considerado uma das primeiras comédias românticas da história e uma obra-prima da literatura universal. Tradução de Paulo Mendes Campos.
Editora: Ediouro
Ano: 2007
Edição: 1
Número de páginas: 156

Livro: Razão e Sensibilidade
Depois da morte do pai, as irmãs Marianne e Elinor Dashwood perdem toda a herança para um meio-irmão. Sem dote, têm poucas chances de fazer um bom casamento. Marianne (a sensibilidade) apaixona-se à primeira vista por um homem que não é tão leal quanto imagina. Elinor (a razão) gosta de alguém com quem não pode se casar.
Editora: Best Seller
Ano: 1997
Edição: 1
Número de páginas: 304

Compartilhe:

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Conheça o livro "Crossroads - Quando os destinos se cruzam", por ademir Pascale

TRECHO DO LIVRO "CROSSROADS - QUANDO OS DESTINOS SE CRUZAM", POR ADEMIR PASCALE:

"No trajeto, passaram por pentagramas desenhados em pedras e cascos de árvores, além de estranhos objetos ritualísticos. Antônio disse que era obra dos antigos que passaram por ali. Isso indicava que estavam próximos do portão para o inferno. Bezequiel, católico apostólico romano, pesquisador e conhecedor de várias doutrinas religiosas, tinha a mente aberta e sabia que o paganismo predominava na antiguidade, e até observou a semelhança da imagem do deus Pã com Asmodeus, ao ver a ilustração no livro de Cipriano, mas não sabia se os dois poderiam ser considerados o mesmo ser.
 Ao chegarem próximos à caverna, o vento soprou tão forte, que Antônio perdeu o seu boné. Bezequiel sentiu o frio percorrer pelo corpo. O tempo fechou e os sinais indicavam que logo viria uma tempestade.
 Os dois correram e entraram na caverna. E logo no início da entrada, Bezequiel pode notar as estranhas inscrições, mas algumas eram identificáveis, como o desenho do deus Pã segurando uma serpente." - Ademir Pascale

LEIA O LIVRO COMPLETO NO WATTPAD, ACESSE: https://www.wattpad.com/story/90248929-crossroads-quando-os-destinos-se-cruzam


Compartilhe:

Livro e Filme "O Iluminado" (The Shining)

Jack Nicholson
O nome de um é Stanley Kubrick, do outro Stephen King, o título do longa é "O Iluminado". Com o nome destes dois dinossauros envolvidos só poderia resultar num excelente trabalho.

O INÍCIO
Procurando um novo projeto para rodar, Kubrick se depara com o livro "The Shining", de Stephen King e em 1980, lança o longa-metragem "O Iluminado" que, no meu ponto de vista, é o longa que possui os movimentos de câmeras mais incríveis do mundo cinematográfico e isso porque foi elaborado na década de 80, época em que o protagonista Jack Nicholson abusava de sua juventude, mas sempre se mostrando um ator maduro. O destaque nas atuações vai sem dúvida nenhuma para "Nicholson", já a péssima atuação da atriz Shelley Duvall (Wendy), não atrapalha tanto e não baixa a cotação do longa que é excelente. Jack Nicholson não deixa muito espaço para outras atuações, nem mesmo para o pequenino ator Danny Lloyd (Danny Torrance, O Iluminado) que hoje deve estar beirando os seus 40 anos.

Sendo aéreas ou terrestres, as imagens são espetaculares e o operador de câmera deve ter sido um dos mais habilidosos que já existiu no mundo da sétima arte. Geralmente em uma resenha crítica, só é citado o nome dos atores e diretores, mas não devemos nos esquecer que um filme é elaborado na maioria das vezes por dezenas de pessoas. E para que um filme seja ótimo, toda a equipe também deve ser ótima, desde os câmeras até os assistentes, o qual acredito que o assistente de direção Brian Cook, deve ter tido uma grande participação, não deixando o mérito apenas ao excêntrico Stanley Kubrick. 
Cena do filme
O longa é um tremendo suspense/terror. Os longa-metragens do mesmo gênero que estão sendo lançados ultimamente, não chegam nem perto, pois se compararmos as datas, notaremos que na década de 80 não existia os mesmos recursos de hoje, efeitos especiais, etc e mesmo assim "O Iluminado" bate de frente com qualquer filme do mesmo gênero e ultrapassa as expectativas de qualquer bom cinéfilo.

Sobre o livro "The Shining", de Stephen King, Kubrick não seguiu a trama da história ao pé da letra e a modificou consideravelmente, dando uma pitada ao final do filme que só ele, Stanley Kubrick sabe fazer, dando a oportunidade de darmos diversos finais para um único longa-metragem, dependendo da criatividade de cada um, o que faz do final algo completamente incerto.

O livro de Stephen King fez tanto sucesso, que foi traduzido para diversas línguas e teve as mais variadas artes de capa.

Caso ainda não tenha assistido "O Iluminado", não perca tempo e procure por ele, mesmo sendo difícil encontrá-lo devido ao tempo de seu lançamento e pela grande quantidade de filmes que são lançados anualmente.

Título Original: The Shining
Gênero: Terror
Duração: 144 min.
Ano: EUA - 1980
Distribuidora: Warner Bros.
Direção: Stanley Kubrick
Roteiro: Diane Johnson e Stanley Kubrick, baseado em livro de Stephen King
Direção de Fotografia: John Alcott
Desenho de Produção: Roy Walker

Compartilhe:

Livro "A Morte do Capitão América", de Larry Hama

Sinopse: Ele foi um herói para milhões de pessoas. Uma inspiração para as forças armadas norte-americanas e personificação dos maiores ideais de sua nação. Ele viveu por seu país – e agora, alvejado a sangue frio, deu sua contribuição final à terra que tanto amou. A morte do herói tem sérias consequências. Falcão, seu parceiro de toda a vida, faz da vingança sua prioridade. Sharon Carter, prisioneira dos capangas de Caveira Vermelha, encontra-se fora de controle. E Bucky Barnes, mais conhecido como Soldado Invernal, precisa se reconciliar com seu passado sórdido, a fim de encarar uma missão que mudará sua vida. Testemunhe a monumental releitura do mito do Capitão América nesta incrível adaptação trazida ao Brasil com exclusividade pela Novo Século.

CURIOSIDADES:

Trecho do livro
Não tivemos outra escolha a não ser trazer o corpo dele para cá – Tony Stark disse. – Steve foi o único produto bem-sucedido do Programa do Supersoldado. As informações na cela dele são protegidas por diversos atos de segurança nacionais.
Aquilo simplesmente aumentou a minha raiva.
– Steve não era um 'produto'. Ele era seu amigo, Tony. Por um momento, pareceu que Tony Stark tinha uma consciência. Eu não estava com vontade de ser boazinha e compreensiva, e esperava que a culpa o apunhalasse no coração. Assim como acontecia comigo.
Eu considerava Tony Stark o responsável por aquilo. Não tinha sido o Homem de Ferro a ponta de lança para a aplicação do Ato de Registro? Não era o seu traje vermelho e dourado que estava em todos os cartazes? Não foi por culpa de Stark que Steve Rogers tinha sido preso?
E agora Stark é diretor da S.H.I.E.L.D., e Steve está esticado em uma gélida maca. Eu disse isso a ele, e ele respondeu que estava tentando fazer a coisa certa, que ver Steve daquele jeito também o matava.
Ficha técnica:
Título: A morte do Capitão América
Formato: 16x23
ISBN: 9788542808001
Ano: 2016
Páginas: 352
Autor:  Larry Hama
Editora: Novo Século
Para adquirir o livro: Clique aqui.

Compartilhe:

domingo, 4 de dezembro de 2016

Já leu a nova edição de Conexão Literatura?

Essa é a última edição do ano, não perca tempo e baixe a sua. Você poderá conferir entrevistas com escritores, contos exclusivos, crônicas, lançamentos e muito mais. BAIXE GRATUITAMENTE:
PARA BAIXAR A REVISTA CONEXÃO LITERATURA, Nº 18: CLIQUE AQUI.

Compartilhe:

Resenha - O Mágico de Oz


Título: O mágico de Oz
Título Original: The Wonderful wizard of Oz
Autor: L . Frank Baum
Editora: Zahar
Páginas: 224
Ano Lançamento: 2013

Dorothy e o Mundo de Oz, um livro encantador, emocionante e cheio de aventuras, relembrando nossa infância e todo aquele gostinho de nos apaixonarmos por essa história incrível.

Aventura narra tudo que a jovem Dorothy passou, quando um tornado levou sua cara para outro mundo, conhecido como Oz.

Esse livro é considerado como um dos mais importantes no gênero infantil, tendo sido adaptado para o cinema, musicais e peças de teatro, conquistando crianças e adultos. O autor possui uma escrita fluida e cativante, sendo uma leitura prazerosa.

Dorothy e seu fiel companheiro, o cachorrinho Totó acaba caindo em uma terra completamente desconhecida, assustada, começa a se aventurar nesse estranho Mundo, é a partir daí que inicia toda uma grande aventura.

Desbravando a Terra de Oz, Dorothy encontra pelo caminho um espantalho, um lenhador de lata e um leão covarde, cada um tem um objetivo e unidos vão em busca de conquista-los com o grande Oz. 

Uma aventura de autodescoberta e companheirismo, com ma mensagem forte para leitores de diversas idades.


Compartilhe:

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

A nova edição da revista literária Conexão Literatura (Dezembro) já está disponível. Baixe a sua


Chegamos em nossa última edição do ano. Foram 12 edições com dezenas de contos, crônicas e entrevistas publicadas. 2016 foi um ano marcante para nós: tivemos atenção da Amazon, Skoob, autores e várias editoras de pequeno, médio e grande porte, mostrando que estamos fazendo um trabalho sério em prol da cultura e disseminação da literatura brasileira. Esperamos fazer muito mais em 2017.
E para fecharmos esse ano com chave de ouro, destacamos em nossa capa Aline Basztabin, escritora brasileira que mora em Miami, autora das obras A Indiscutível Forma de Amar e A Essência da Dor. Confira a entrevista exclusiva que fizemos com ela baixando gratuitamente a nossa edição. Já na coluna Conexão Nerd, selecionamos 5 grupos literários do Facebook e fizemos uma entrevista com a criadora do grupo Loucas e Loucos Por Livros.

E como sempre, entrevistas, crônicas, contos, dicas de livros e filme aguardam por você nas páginas da revista ;)
Desejamos um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo repleto de realizações, leituras, paz e muito amor.

Forte abraço!

Ademir Pascale - Editor
Twitter: @ademirpascale
http://www.revistaconexaoliteratura.com.br

PARA BAIXAR A REVISTA CONEXÃO LITERATURA, Nº 18: CLIQUE AQUI.

Compartilhe:

Baixe a Revista

baixar

E-mail: contato@fabricadeebooks.com.br

Curta Nossa Fanpage

Posts populares

Inscreva-se e receba nossas novidades por e-mail:

Drago Editorial

URBAN STREET BOOKS

REVISÃO DE TEXTOS

REVISÃO DE TEXTOS
Revise o seu texto conosco.

Anuncie e Publique Conosco

Instagram

Gostou do nosso trabalho?

Passaram por aqui


Labels