quinta-feira, 20 de julho de 2017

Resenha | Arco de Virar Réu - Antonio Cestaro

“Vivo entre a exacerbação de uma mente doente, que ignora limites e poderes, e uma encenação ordinária que impõe toda sorte de dúvidas temperadas com dores de intensidades variadas.”

Arco de Virar Réu, do escritor Antonio Cestaro, publicado pela Editora Tordesilhas, é narrado em primeira pessoa por um historiador, cujo interesse maior está centrado no estudo antropológico das sociedades indígenas.

Pedro, irmão do narrador, é internado depois de ter ficado um tempo desaparecido. Encontrado pela família, na internação vem o primeiro diagnóstico: desorientação. Ele apresenta um quadro grave de ansiedade e fala sobre uma disputa entre um coronel e um general. Aqui percebemos o primeiro descolamento entre realidade e imaginação. Pedro acaba atacando um colega e chega a ferir-lhe gravemente uma parte do corpo, o que leva aquele homem indefeso que fora por ele atacado, a seu fim.

Logo adiante, o diagnóstico confirma a esquizofrenia de Pedro. O narrador, inclusive, chega a tomar a frente numa reunião familiar para decidir o que fariam. Era preciso que ele fosse recebido no seio familiar e, ainda assim, garantir a harmonia. Cada detalhe prático deveria ser empregado de acordo com a situação, a seu tempo.

A família do personagem deixou marcas. Como toda família eles viviam seus problemas, tendo um pai ausente que fugiu de casa, uma mãe fragilizada que começa a se envolver com a bebida, um primo viciado em entorpecentes e que quer usar a historia de Pedro em seu projeto de cinema, aproveitando as falas de Pedro sobre a guerra imaginária, além da própria esquizofrenia do primo. Sem contar Carolina, que ora parece ser a esposa ou enamorada do narrador e ora parece ser apenas fruto de sua mente. Os fatos conturbados vividos pelas pessoas próximas deixam suas impressões na vida de todos.

Arco de Virar Réu trata da deterioração mental e física do narrador. O leitor vai adentrando aos poucos esse universo que é, de certo modo, a descoberta do próprio personagem em relação ao mal que o assola. Ele vai descobrindo nos males do irmão, também o seu mau mental e físico, enquanto narra os fragmentos de memórias e retalhos de uma vida que ele rememora e lança ao leitor. A linha tênue entre a loucura e a sanidade, o delírio e a realidade, se expressam na maneira como ele fala a quem o lê.

A narrativa adotada pelo autor para compor a sua obra não é linear, é, pelo contrário, um labirinto de informações e fragmentos que vão se interligando. Essa confusão proposital, em que o limite entre a realidade e o imaginário não fica estabelecido, leva o leitor para dentro da história. Antonio Cestaro faz isso magistralmente, dando o toque da sanidade que o personagem vai perdendo e da degradação física que vai encarando.

“Apesar de não saber ao certo em que tempo e circunstância mudei para dentro da cabeça, depois de resistir e tentar outros entendimentos, tive que aceitar que tenho passado a maior da vida na cabeça, onde prazeres, afeição e coragem se misturam com ódio, vergonha e medo.”

A identificação do narrador  não é dada logo no início, só ficamos sabendo no final do romance. Certo é que trata-se de um homem de meia-idade, interessado em antropologia, apaixonado pelos costumes dos índios tupinambás e que, em dado momento, lança-se ao costume de acobertar cadáveres o que vem da forma com que os índios tratavam o canibalismo. A história se passa durante toda a vida do personagem, desde o tempo em que seu irmão fora diagnosticado, passando pela sua juventude, pela fase de ocultação de corpos mortos e tem desfecho com a descoberta de sua própria loucura.

Antonio Cestaro, autor do livro, tem uma escrita apaixonante. A forma com que o autor lida com as palavras entrega ao leitor um belíssimo texto. A composição de fragmentos de memórias, dos pesadelos e dos delírios, que se unem nas anotações do personagem, lançam o leitor a questionar a própria veracidade das percepções desse homem. O que é a realidade afinal?

Sobre o autor

Antonio Cestaro nasceu em 1965, em Maringá, Paraná. É editor, fundador do selo Tordesilhas, dedicado à literatura. Em 2012 estreou como escritor com o livro de crônicas Uma Porta Para Um Quarto Escuro, que ganhou o Prêmio Jabuti na categoria Projeto Gráfico. Em 2013 publicou seu segundo livro de crônicas, As Artimanhas de Napoleão e Outras Batalhas Cotidianas. Arco de Virar Réu é o seu primeiro romance.

Ficha Técnica

Título: Arco de Virar Réu
Escritor: Antonio Cestaro
Editora: Tordesilhas
Edição:
ISBN: 978-85-8419-035-5
Número de Páginas: 151
Ano: 2016
Assunto: Ficção brasileira

Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: contato@fabricadeebooks.com.br

>> Para participar das edições: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Anuncie e Publique Conosco

Anunciante:

MENTES ADOLESCENTES

Posts populares

Inscreva-se e receba nossas novidades por e-mail:

LIVRO DESTAQUE

Drago Editorial

FARO EDITORIAL

LIVRO: NARRATIVAS DO MEDO

REVISÃO DE TEXTOS

REVISÃO DE TEXTOS
Revise o seu texto conosco.

Gostou do nosso trabalho?

Passaram por aqui


Labels