domingo, 21 de janeiro de 2018

Eni Allgayer e a Confraria da Tumba 55, por Sérgio Simka e Cida Simka

Eni Allgayer nasceu em Tupanciretã, mas mora em Sapucaia do Sul (Rio Grande do Sul), cidade que lhe concedeu os títulos de “Cidadã Honorária” e “Cidadã Sapucaiense”, entre outras homenagens. Autora de nove livros: três ensaios históricos (Sapucaia do Sul, enfim uma cidade, 1982, História de Sapucaia do Sul, Mercosul Editores, 1992, Escravidão Negros e Índios – Realidade, histórias e mitos, Rigel, 2005), cinco livros infantojuvenis e um livro de contos. Participa do projeto Autor em Sala de Aula e Autor Presente pelo IEL – Instituto Estadual do Livro, realizando encontros com os alunos, para discussão e avaliação de seus livros, além de palestras motivacionais.

ENTREVISTA:

Fale-nos um pouco sobre seus livros.

Bem, adoro história, e, então, procuro colocar sempre uma pitada dos mistérios do passado em minhas histórias. A história pode ser do Brasil ou mesmo universal.

Como é o processo de elaboração das histórias?

Sou bastante observadora e, geralmente, são os fatos que me inspiram.

Quanto tempo demorou para escrever "Confraria da tumba 55"?

“Confraria da tumba 55” ficou dormindo por cerca de cinco anos antes da sua publicação. Tem época que escrevo muito. Posso escrever uma história em uma semana. Depois deixo os livros amadurecendo, para só então serem relidos e revisados.

Qual o motivo que a levou a escrevê-los?

Escrever para mim é uma forma de diálogo com os jovens. Sei o quanto se interessam por mistérios e busco no real a inspiração para o imaginário.

Para você, o que é ser escritor?

Nunca me imaginei escritora, mas uma contadora de histórias. Minha infância foi povoada por histórias contadas pelos mais velhos (avós, pais e agregados), acho que foi por isso que tomei gosto.
 
Como analisa a questão da leitura no Brasil?

 Viver da literatura no Brasil é praticamente impossível, salvo raras exceções. As pessoas em geral leem pouco, e existe pouco investimento dos governos em projetos literários.

Está escrevendo algum livro no momento? Vai dar continuidade aos caçadores de enigmas?

Atualmente estou trabalhando em um romance histórico que a priori denominei de “A barca que atravessa o rio”. Conta a saga de meus antepassados vindos da Alemanha e a questão dos “mukers”, seita criada pela tia de minha bisavó, Jacobina Maurer, que foi morta com seus sectários pelo exército brasileiro.
Quanto aos caçadores de enigmas já tenho dois livros dormindo: um ambientado em Florianópolis e outro em Torres, Rio Grande do Sul.
       
*Sérgio Simka é professor universitário desde 1999. Autor de cinco dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a coleção Mistério, publicada pela Editora Uirapuru.

Cida Simka é licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Coautora do livro Ética como substantivo concreto (Wak, 2014) e autora dos livros O acordo ortográfico da língua portuguesa na prática (Wak, 2106), O enigma da velha casa (Uirapuru, 2016) e “Nóis sabe português” (Wak, 2017).
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email de confirmação):

Anuncie e Publique Conosco

Posts mais acessados da semana

SROMERO PUBLISHER

LIVRO DESTAQUE

LIVRO: TRAVESTIS BRASILEIRAS EM PORTUGAL

FUTURO! - ROBERTO FIORI

ENCONTRE UMA EDITORA PARA O SEU LIVRO

LIVRO: TRAVESSURAS DA MINHA MENINA MÁ

Passaram por aqui


Labels