segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Camilla Feltrin e o livro Vamos procurar satélites, por Sérgio Simka e Cida Simka

Camilla Feltrin - Foto divulgação
Camilla Feltrin é jornalista, tem 25 anos e trabalhou em diferentes veículos de comunicação, inclusive do ABC. Atualmente vive como free-lancer.

ENTREVISTA:

Fale-nos sobre seu livro "Vamos procurar satélites e outras histórias" (Patuá). Por que o tema de seus contos é o amor? Quanto tempo demorou para escrevê-lo? Foi fácil encontrar uma editora?

Meu primeiro livro reúne algumas tristes e divertidas histórias de amor. Reparei que já tinha alguns contos prontos a respeito desta temática e achei bom seguir a linha para ter uma publicação coerente. É um bom tema porque todo mundo, rico ou pobre, sabe do que se trata. É universal. Escrevi a maioria dos contos em 2016 e foi razoavelmente fácil encontrar uma editora porque eu já conhecia o trabalho da Patuá e achei que minha proposta se encaixava com a deles.

Qual o motivo que a levou a escrevê-lo?


Me animei com um concurso de contos promovido pela prefeitura de São Bernardo (SP) em 2016. Era uma época que eu tinha mais tempo livre para me dedicar a eles. Inscrevi dois contos, que constam no Vamos procurar satélites, neste concurso e me empolguei em escrever mais histórias.

Como vê a literatura nacional contemporânea? E o mercado de e-books?

Gosto da produção atual brasileira, sempre surgem autores com ideias diferentes. Consumo e-books, sobretudo de autores de fora do Brasil que ainda não foram traduzidos, e quando estou com pressa de ler algo também opto pelos livros virtuais. Acho excelente usar o Kindle no dia a dia, mas não acho que ele vá substituir os livros convencionais nunca. Há espaço para todos.
 
Para você, o que é ser escritora?


Procurar boas histórias que estão vagando por aí e contá-las da melhor maneira possível. A ficção ajuda a entender a realidade na medida em que podemos editar acontecimentos, incluir ações e dar destaques para certos detalhes. Ser escritora é mais do que digitar palavras. É algo relacionado ao pensamento e interpretação do mundo.
  
Como analisa a questão da leitura no Brasil?


Os dados mostram que o brasileiro lê pouco em comparação a outros povos. Na Argentina e Uruguai, por exemplo, é muito interessante ver as pessoas com livros e jornais nas mãos em parques, cafés, nas ruas. Claro que esse tipo de cena também é vista no Brasil, mas creio que com menos frequência e em círculos restritos. A questão da falta de leitura é reflexo da educação de baixa qualidade para a maior parte da população e isso é muito triste. Não tenho ideia de como resolver esse assunto a não ser por mais investimento na educação básica e transformar as pessoas em seres críticos e que possam desenvolver seus gostos pessoais, como leitura, por exemplo.

A TV e outras mídias concorrem para que sejamos um país que não lê?

Não acredito que a TV, smartphones e outras mídias concorrem em tempo com a leitura. São prazeres diferentes que podem existir simultaneamente. Ocorre que as pessoas não são incentivadas a terem o hábito de leitura. É um problema histórico e estrutural, que só vai ser resolvido quando o país tiver um sistema educacional melhor. E sejamos sinceros: nunca. Diante disso, acredito que pequenas ações podem tentar furar esse bloqueio, como doação de livros e falar sobre leitura e literatura de um jeito agradável para os jovens.
 
O que tem lido ultimamente?


Tenho lido alguns autores latinos contemporâneos, com destaque para os mexicanos Valeria Luiselli e Juan Pablo Villalobos. O último livro que li foi Tiempo Muerto, da colombiana Margarita García Robayo.
 
Quais são os seus próximos projetos?


Continuo editando o Granada, um zine virtual focado na produção de mulheres. Postamos a versão completa no nosso site (www.zinegranada.com.br) e também pelo Facebook (facebook.com/zinegranada). Tenho alguns projetos em andamento, mas nada muito certo.

*Sérgio Simka é professor universitário desde 1999. Autor de cinco dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a coleção Mistério, publicada pela Editora Uirapuru.

Cida Simka é licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Coautora do livro Ética como substantivo concreto (Wak, 2014) e autora dos livros O acordo ortográfico da língua portuguesa na prática (Wak, 2106), O enigma da velha casa (Uirapuru, 2016) e “Nóis sabe português” (Wak, 2017).
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: contato@fabricadeebooks.com.br

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email de confirmação):

Anuncie e Publique Conosco

Posts mais acessados da semana

EDITORA DRAGO

EDITORA PENALUX

LIVRO DESTAQUE

LIVRO: TRAVESTIS BRASILEIRAS EM PORTUGAL

FUTURO! - ROBERTO FIORI

ENCONTRE UMA EDITORA PARA O SEU LIVRO

LIVRO: TRAVESSURAS DA MINHA MENINA MÁ

Passaram por aqui


Labels