sexta-feira, 6 de julho de 2018

Imigrante brasileira na Alemanha cria técnica de teatro do oprimido para mulheres negras e latinas

Bárbara Santos - Foto divulgação
Bárbara Santos escreveu "Percursos Estéticos" para aproximar teoria da prática e lança obra em diferentes estados através da padê editorial

Imigrante brasileira em Berlim, a artista-ativista Bárbara Santos passou 28 anos vivendo e pesquisando o "Teatro do Oprimido" ao lado de Augusto Boal, criador do método, e agora publica o livro "Percursos Estéticos", a primeira publicação sobre o tema voltada às mulheres negras e latinas. Ela é também a primeira mulher negra a construir uma teoria sobre o tema. A obra é uma publicação da padê editorial.

Os lançamentos ocorrem no Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador. Conforme a autora, o livro apresenta abordagens originais sobre Teatro do Oprimido enquanto um veículo de comunicação e arte marcial. A publicação é uma extensão da primeira obra de Bárbara "TEATRO DO OPRIMIDO, Raízes e Asas: uma teoria da práxis", que traz um apanhado do método criado pelo teatrólogo Augusto Boal até o surgimento do conceito da Estética do Oprimido.

Bárbara notou que a partir da morte de Boal, em 2009, surgem diferentes formas de formação, articulação política e atuação em rede ancoradas nos exercícios e técnicas do dramaturgo, dando origem ao que Bárbara Santos chama de "Estética do Oprimido". No livro, ela reúne contos, poemas e exercícios que desenvolveu ao longo de quase uma década de pesquisa e direção artística de grupos teatrais formados por mulheres negras, latinas e imigrantes na Alemanha.

"Este segundo livro, além de fazer uma análise da história recente do Teatro Oprimido, especialmente a partir de 2009, após a morte de Augusto Boal. Os percursos criativos foram impulsionados pela necessidade de avanço e desenvolvimento do método", explica a autora.

A obra compartilha processos de investigativos sobre a estética do Teatro do Oprimido, desenvolvidos depois da morte de Augusto Boal, criador do método com quem a autoria trabalhou por duas décadas e traz, não só um profundo vínculos artístico com o autor, como também a trilha de um processo de autonomia. Trata-se de uma leitura fundamental a pessoas interessadas no desenvolvimento de processos críticos e criativos.

"Como consequência desses percursos estéticos, criamos um conjunto original de exercícios, jogos e técnicas - imagem; som/ritmo; palavra -, que alterou significativamente nossas produções artísticas e os processos de formação que oferecemos", contou Bárbara.

As descobertas estéticas já foram compartilhadas em festivais e produções coletivas na Europa e na América Latina, daí surgiu também a ideia de reunir tais conceitos em uma publicação impressa. "Tenho o desejo de contribuir com a ampliação das possibilidades de atuação artístico-ativista das participantes do Teatro do Oprimido", destacou a escritora.

Sobre a autora
Socióloga formada pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Bárbara Santos nasceu em 1963 e é uma mulher negra com experiência internacional, somando 28 anos de experiência ininterrupta com o método, tanto no Brasil como em outros 40 países dos cinco continentes.

Trabalhou por duas décadas com Augusto Boal e foi também a primeira mulher negra a publicar um livro teórico sobre Teatro do Oprimido, que foi lançado em português, tanto no Brasil como em Portugal, e também em espanhol na Espanha, na Argentina e no Uruguai.

Além disso, Bárbara é diretora de KURINGA, espaço para o Teatro do Oprimido em Berlim, do grupo Madalena-Berlin e de Companhia Teatral Together Internactional – cooperação entre organizações de sete países europeus.
Difusora do Teatro das Oprimidas, inovadora experiência estética sobre opressões enfrentadas por mulheres, é diretora artística da Rede Ma(g)dalena Internacional, formada por grupos feministas da Europa, África e América Latina. Bárbara também é fundadora e diretora artística de uma rede de mulheres negras fazendo teatro com engajamento político.

Sobre a Padê editorial
Seguindo a premissa do "faça você mesmo", as poetas Tatiana Nascimento e Bárbara Esmênia criaram, em 2015, a padê editorial. Com livros artesanais de tiragem especial (de 200 a 500 exemplares), é dedicada à publicação de autoras negras periféricas, lésbicas, for a dos grandes circuitos literários.

"A parceria com a padê deve à postura alternativa da editora diante do conservadorismo e por assumir abertamente o compromisso em publicar escritas que combatem opressões e celebram a vida", evidencia a autora.

AGENDA DE LANÇAMENTOS

- 16 de julho na Livraria Suburbano em São Paulo
- 28 de julho em Belo Horizonte
- 30, 31 de julho e 01 de agosto em Salvador

Serviço – Mais informações podem ser obtidas na página https://www.facebook.com/percursosesteticos
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email de confirmação):

Anuncie e Publique Conosco

Posts mais acessados da semana

DRAGO EDITORIAL

LIVRO DESTAQUE

LIVRO: TRAVESTIS BRASILEIRAS EM PORTUGAL

FUTURO! - ROBERTO FIORI

ENCONTRE UMA EDITORA PARA O SEU LIVRO

LIVRO: TRAVESSURAS DA MINHA MENINA MÁ

Passaram por aqui


Labels