segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Crônica - O Prazer Mórbido em Apertar o Play

É indiscutível o tamanho e agilidade da transmissão de informações, seja através de noticiários, redes sociais e grupos de WhatsApp. O sensacionalismo quebrou barreiras e chegou nos aparelhos celulares. 

Qual o sentido em abrir um arquivo, seja foto, áudio ou vídeo pra simplesmente ver um ser humano agonizando seus últimos suspiros, nas mais diversas situações de desastres ou violência. 

O compartilhamento em massa perpetua aquela avidez descontrolada de chamar atenção de familiares, amigos e conhecidos para sentir os traços fúnebres da morte sendo evidenciados na lente de um celular. 

Qualquer pessoa está armada de um celular, até mesmo com dois aparelhos na bolsa/mochila. Com apenas um clique você pode filmar/fotografar e compartilhar quase que instantaneamente nas redes e grupos de amigos no “whats”. 

Possuímos um pouco do DNA de abutre, farejar algo mórbido, circular e presenciar o cheio de sangue espalhado pelo chão, presenciar o corpo da vítima se decompondo de forma lenta na câmera de algum dispositivo eletrônico. 

Vai chegar o dia, se isso já não aconteceu ou está acontecendo, da pessoa presenciar um acidente e ao invés de ligar para os bombeiros, sacar o celular e fazer imagens exclusivas das vítimas ainda “fresquinhas” para serem compartilhadas e admiradas na sede da morbidez gratuita.


Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email de confirmação):

Anuncie e Publique Conosco

Posts mais acessados da semana

SROMERO PUBLISHER

LIVRO DESTAQUE

LIVRO: TRAVESTIS BRASILEIRAS EM PORTUGAL

FUTURO! - ROBERTO FIORI

ENCONTRE UMA EDITORA PARA O SEU LIVRO

LIVRO: TRAVESSURAS DA MINHA MENINA MÁ

Passaram por aqui


Labels