sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Pelos Jardins do Inferno – Plácido Rodrigues

“O inferno são os outros”, disse Sartre. O filósofo e escritor francês foi um dos maiores representantes do existencialismo, uma corrente filosófica que reflete o sentido que o homem dá a própria vida. Nessa ótica apontada pelo filósofo, os nossos projetos entrariam em conflito com os projetos que os outros fazem para a nossa vida. No entanto, ao mesmo tempo seria pelo olhar do outro que nos reconheceríamos, uma vez que com a convivência expomos nossas fraquezas, por isso os outros seriam o inferno. 

Os outros despertam em nós o “inferno” que habitamos. Contudo, devemos frisar que não é por culpa do outro que adentramos o inferno, mas pelo outro vemos aquilo que há de pior em nós, porque somos sempre responsáveis por nossas ações e suas consequências.

De que forma o ser humano resolve abrir “portões proibidos” para passear “pelos jardins do inferno”? O caminho para chegar lá pode ser variado como demonstra Plácido Rodrigues no seu livro Pelos Jardins do Inferno, publicado pela Luva Editora em 2018.

A chegada ao inferno pode ocorrer pela falta de diálogo que leva à ocorrência de crimes que usurpam a vida de um entre próximo e de outras pessoas. Também pode aparecer de modo sobrenatural em escritos tenebrosos que levam alguém a ter sua sanidade questionada e que se revela de modo assustador naquilo que foi feito contra crianças. O inferno pode surgir num relacionamento que se desfaz em meio a ofensas, agressões e verbalizações terríveis que culminam em morte.

Os personagens dos contos emergem de sua vida cotidiana para um cenário de pavor, medo, aflição, terror e escuridão. Pode ser apresentado ao leitor num campo mais imaginário ou sobrenatural, bem como pode aparecer em aspectos concretos, mais realistas e palpáveis, como a ocorrência de um crime pelas mãos humanas.

“Vendo que não havia mais nada a fazer, soltou o papel no chão ao lado da cabeça da mulher e se afastou do corpo, rastejando, deixando atrás de si uma via de sangue; queria tomar outro trago. Só mais um. O último!”

Alguns dos contos trazem ao centro da cena um casal, mostrando o inferno que há na relação. Numa interpretação mais rápida logo após a leitura, podemos crer que trata-se da desconstrução daquilo que a sociedade prega como o paraíso: depositar no outro a busca de sentido pela sua própria vida. Ora, não era isso que Sartre questionava ao dizer que “o inferno são os outros”? Se o outro é capaz de despertar as nossas fraquezas e expor o nosso lado mais cruel, numa relação afetiva (ou que pelo menos começou dessa forma) não haveria de ser diferente. 

Os personagens criados pelo autor apresentam nuances que vão se destacando com o avançar do conto. E há neles um momento em que o seu psicológico ganha um contorno mais realçado e é daí que surgem os momentos mais impactantes de todas as histórias que nos são relatadas. É a partir desses pontos que o descontrole, a falta de empatia e o terror tomam conta, exacerbando as características mais cruéis e mais obscuras dos protagonistas.

A escrita de Plácido Rodrigues é esmerada e o texto tem fluidez que leva o leitor, o conduz pelas histórias bem montadas que revelam o inferno que é a vida de cada um dos personagens criados e que protagonizam os nove contos apresentados no livro. Para cada um deles a estrada que o levará ao inferno surge por uma pessoa, pelos atos que cometeu ou pelas consequências que advém dessas ações. Pode ser que o arrependimento surja, mas não é tão fácil assim quando eles já adentram os jardins do inferno.

Nos contos estão presentes a dor, o medo, o pavor, o suspense, os mistérios humanos, o fantasma da traição – com referências literárias à Dom Casmurro e Otelo, a piedade (ou a falta dela), entre tantos outros e tenebrosos elementos que movem o humano. Sangue, corpos sofrendo algum ferimento, questões psicológicas que abalam os personagens... caminho para o inferno que eles vivem são múltiplos.

Temos bons contos nesse livro para aterrorizar o leitor.  Me surpreendi positivamente com a escrita do autor e com os sentimentos que os contos nos despertam. Vale a leitura.

Sobre o autor:

Plácido L. Rodrigues nasceu no dia 7 de maio de 1982 em São Miguel, RN, mas reside em Guarulhos, SP, desde os 2 anos. Estudou em colégios públicos, graduou-se em Letras pela UnG (Universidade Guarulhos) em 2010 e é pós-graduado em Língua Portuguesa pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). Publicou seu primeiro romance, Histórias Concêntricas — O Mistério do Viúvo Maldonha, em 2012, embora o tenha escrito em 2006. Venceu um Concurso de Poesia e de Miniconto com o soneto Vida Ausente, Morte Presente em maio de 2010, na VI Jornada de Letras, um evento promovido pela universidade na qual se formou. Além de sua paixão pela leitura e escrita, tem grande afeição pela música e tenta conciliar seu tempo entre escrever, ler e estudar música, enquanto tenta manter ativo seu blog, no qual posta crônicas, contos e alguns. Leciona Língua Portuguesa e Literatura desde 2010 e já atuou na rede particular e pública de ensino. Atualmente, é professor titular na Prefeitura de São Paulo, onde já coordenou projetos de escrita criativa com alunos do Ensino Fundamental II.

Ficha Técnica

Título: Pelos Jardins do Inferno
Escritor: Plácido Rodrigues
Editora: Luva
Edição: 1ª
Número de Páginas: 180
ISBN: 978-85-93350-14-6
Ano: 2018
Assunto: Contos brasileiros

Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email de confirmação):

Anuncie e Publique Conosco

Posts mais acessados da semana

SROMERO PUBLISHER

LIVRO DESTAQUE

LIVRO: TRAVESTIS BRASILEIRAS EM PORTUGAL

FUTURO! - ROBERTO FIORI

ENCONTRE UMA EDITORA PARA O SEU LIVRO

LIVRO: TRAVESSURAS DA MINHA MENINA MÁ

Passaram por aqui


Labels