quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Exclusivo: O escritor Júlio Emílio Braz fala sobre seu livro "Pretinha, eu?" e os motivos para abrir sua própria editora, por Sérgio Simka e Cida Simka

Júlio Emílio Braz
Nesta entrevista exclusiva aos leitores da revista Conexão Literatura, o renomado escritor Júlio Emílio Braz, autor de quase 200 livros infantis e juvenis publicados, fala sobre o seu livro de maior sucesso e também por que resolveu abrir sua própria editora.

Por que resolveu abrir uma editora própria?

Eu resolvi abrir uma editora por duas razões básicas, a saber: produzo muito e cada vez mais as editoras estão publicando menos, e depois, porque sempre quis pelo menos tentar ter um controle absoluto sobre minha obra. Vale acrescentar ainda que acredito que o mesmo fenômeno que aconteceu no meio musical, ou seja, o das gravadoras perderem o poder que tinham de lançar e produzir músicos e grupos musicais, bem como dos artistas do meio viverem mais de suas apresentações do que da venda de CDs, em certa medida vai acontecer mais cedo ou mais tarde. O que quero dizer? As vendas dos livros serão parte do processo de faturamento dos autores e não o todo, os escritores vivendo mais de apresentações em escolas e eventos literários. Talvez eu esteja me preparando para esta fase, publicando uma parte de minha obra.

Por que escolheu exatamente o livro "Pretinha, eu?" para ser o primeiro de seu selo?

"Pretinha, eu?" é um de meus livros que mais vendem e possuidor de grande popularidade nas escolas brasileiras sejam elas públicas ou particulares (tenho inclusive notícias de vários trabalhos de conclusão de curso baseados e o tendo como objeto de análise). Quando distratei todos os livros que tinha nas antigas editoras Scipione e Saraiva (hoje Somos Educação), ele foi escolha natural para iniciar as atividades do meu selo editorial.

Por que o nome da editora?

Edições do Ogro foi uma brincadeira com uma ex-esposa que me considerava um Dom Quixote por querer de viver de literatura no Brasil e costumava me chamar de Ogro por meu estilo agressivo de lidar com as coisas da vida. Quando estava escolhendo um nome para a editora, fiz uma pequena eleição entre amigos que estavam me ajudando ou simplesmente acompanhando a produção do livro, e acabou este o nome preferido do selo. Outro ponto que influenciou a escolha do nome foi a bela logomarca que um outro dileto amigo, Ney Megale, fez para mim.

Pretende publicar todos os seus livros por sua editora?

Sim, pretendo publicar pelo menos todos os livros que retirei da Somos Educação, e, posteriormente, vários inéditos que compõem a coleção Fábulas Exemplares e alguns outros que tenho guardado de participantes de algumas oficinas literárias que dei e professores que conheci em palestras pelo Brasil.

Quais são os seus próximos projetos?

Acabei de começar Os Assassinos da Lua das Flores, origem do FBI, e entre meus próximos projetos estão a publicação de um policial intitulado "Quem Falará Pelos Mortos?", que tem Lima Barreto como protagonista e atualmente está sendo lido na Bertrand e na Melhoramentos, mas que pode ser lançado por outro selo que estou desenvolvendo chamado Caparaó (infelizmente ainda não tenho grana para tocar este, pois encontrar atualmente um investidor de coragem no Brasil está mais difícil do que um homem honesto em Brasília - na maior parte, nossos capitalistas ainda não leram Adam Smith e são adeptos da teoria da bola no pé e goleiro amarrado). Tenho também em mente mandar traduzir alguns infantis que trouxe há tempos da Alemanha e Bélgica, que farão parte de um outro selo, ainda sem nome e sem data para nascer (meu capital de giro ainda é oriundo dos livros que publico e vendo).

Abraços,
Júlio Emílio Braz                                 


*Sérgio Simka é professor universitário desde 1999. Autor de cinco dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a coleção Mistério, publicada pela Editora Uirapuru. Membro do Conselho Editorial da Editora Pumpkin e integrante do Núcleo de Escritores do Grande ABC.

Cida Simka é licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Coautora do livro Ética como substantivo concreto (Wak, 2014) e autora dos livros O acordo ortográfico da língua portuguesa na prática (Wak, 2016), O enigma da velha casa (Uirapuru, 2016) e “Nóis sabe português” (Wak, 2017). Integrante do Núcleo de Escritores do Grande ABC.
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email de confirmação):

Anuncie e Publique Conosco

Posts mais acessados da semana

SROMERO PUBLISHER

LIVRO DESTAQUE

LIVRO: TEU PECADO

FUTURO! - ROBERTO FIORI

ENCONTRE UMA EDITORA PARA O SEU LIVRO

LIVRO: TRAVESSURAS DA MINHA MENINA MÁ

Passaram por aqui


Labels