quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Diário Secreto de Ana Luísa – Marcos Well

O prólogo já nos coloca em contato com a personagem principal, Ana Luísa, que se envolve num acidente de moto. É ali que ela se depara com um homem que desperta algo diferente nela, mesmo que, a partir do que aconteceu ela tenha que voltar para casa, para a sua “vida de mulher, mãe e esposa”. Então, logo no início, já temos muito bem apresentado um aspecto que permeia todo o livro, a dualidade que a personagem enfrentará entre seus desejos mais intensos e tudo aquilo que vive no cotidiano.

Além disso, ela costumava observar o motoqueiro desde que o viu num galpão, “sem camisa, suado, os cabelos desgrenhados, o peitoral musculoso, farto”. Com o acidente ocorrido ela mantivera-se um pouco mais cautelosa, apesar da fantasia tomar-lhe a mente, provocar-lhe excitação.

Ana Luísa é uma mulher bem-sucedida, uma das melhores advogadas da Bahia. Tem quarenta anos, casada com Carlos Augusto, mãe de uma filha chamada Íris, mas que também carrega uma relação infeliz no que refere-se a sua condição de esposa. A rotina e o lar, além do trabalho árduo no escritório em que é proprietária, tomam conta de suas preocupações. Com o motoqueiro, o misterioso motoqueiro, sua feminilidade, seus desejos e sua sexualidade parecem aflorar. Por meio dele ela sente que pode ser mulher (além dos papéis sociais que lhe são impostos).

O autor utiliza de um recurso inusitado. Num supermercado a protagonista ouve alguém pronunciando seu nome e depois encontra Himeros – uma pessoa que aparece para ela, uma pessoa não, o “deus do desejo sexual”. Dele ela recebe um livro em branco, onde será registrado todos os seus desejos e aventuras sexuais. A entrada desse personagem na trama, com o objeto que dá título ao livro por tornar-se o Diário Secreto de Ana Luísa, sabiamente não toma o centro da história. Aparece como um elemento que paira nos segredos da alma de Ana Luísa. Só ela o vê, só ela conversa com o deus do desejo, só ela pode ler o que há no diário. Daí decorre que o próprio leitor pode interpretar como seu subconsciente falando com ela, ou como aquela “voz” com quem falamos sozinhos ou tal como se apresenta, o deus do desejo atiçando nela a volúpia.

Na confraternização dos funcionários do escritório, Ana Luísa tem a primeira possibilidade de extravasar os seus desejos. Ainda que seja um acontecimento efêmero, isso a faz sentir-se desejada, sentir-se mulher. Temos aqui a primeira história escrita no diário que tinha suas páginas em branco. Metaforicamente podemos interpretar o diário como uma possibilidade de Ana Luísa reescrever a história de sua vida ou de descobrir-se e registar os momentos de suas descobertas. Quando ela sai da festa, reforça que “estava pronta para vier a mulher que (...) deveria ter sido a vida toda”.

Em Ana Luísa reside o conflito do desejo com todos os pudores aprendidos ao longo da vida, ou que pelo menos não eram questionados até o encontro com o motoqueiro misterioso e com Himeros. Também reside nela o comodismo e o medo de qualquer acontecimento fora de seu casamento, ainda que, de algum modo, este último não lhe traga a felicidade plena e lhe cause desconfortos no roto cotidiano. Uma relação que pelo que nos é narrado por Ana Luísa mudou ao longo do tempo, mas que parece ainda deixa-la numa zona de conforto (por mais desagradável que lhe pareça).

“Eu sucumbi à necessidade. Talvez eu devesse ter feito isso há muito tempo. Entregar-me à minha verdade e viver a minha vida da forma que me aprazia. Mas ainda havia coisas que precisavam ser resolvidas e eu não sabia qual era a melhor forma de fazer aquilo”, confidencia a protagonista em determinado trecho do livro.

Note bem, caro leitor. Ana Luísa é uma personagem que apresenta uma transformação durante a trajetória da história. De acordo com suas vivências e seus questionamentos, vamos percebendo uma mudança gradual na forma com que ela se expõe e nos atos que pratica. Quando ela diz que “existem conflitos dentro de mim que precisam ser vencidos”, notamos que ela evolui em relação a tais conflitos. Eles a rondam, a perturbam, mas o que ela deseja é vencê-los e assim construir a sua própria trajetória como mulher.

Em dado momento é inegável que o leitor sentirá toda a angústia dos sentimentos que essa mulher carrega. Um misto de medo da liberdade fora do casamento e das sensações desconexas que ela tem em relação a tudo que sente. Os conflitos de sentimentos a tornam demasiadamente humana e crível. 

No que se refere ao tempo, a história se passa em semanas que precedem o Natal e vão até o próximo ano. Durante tal período, portanto, temos uma festa familiar que culmina no reforço das ambiguidades de sentimentos que tomam Ana Luísa: o papel de mulher que a sociedade espera e os seus desejos íntimos. Seus conflitos ganham potencialidade com essas nuances.

Diário Secreto de Ana Luísa é um livro com sexo e erotismo. Temos, portanto, cenas quentes, detalhadas, em que há a exacerbação do desejo de Ana Luísa e o fervor dos corpos que se entrelaçam. No entanto, o autor consegue de maneira magistral criar uma personagem profunda, que carrega suas indagações, seus anseios, sua inquietação no conformismo que chega a incomodar. A sua construção dá ao leitor o sentimento de angústia que mencionei anteriormente. Conseguimos ter empatia por ela, pelos seus confrontos e pelo rompimento que ela faz em relação a moral instituída pela sociedade.

Ana Luísa é a personagem que faz a narrativa. A história, contada em primeira pessoa, aproxima ainda mais o leitor dessa mulher e de sua vida. Faz todo sentido que ela seja a narradora, pois os conflitos partem dela e de seus desejos secretos. A descoberta que ela faz não é para o mundo, é para si mesma. A volúpia que domina vira combustível para dar coragem a enfrentar  tudo e todos, garantindo para si  que há possibilidade de ultrapassar limites ou de se desvencilhar daqueles que a limitam.

Não posso deixar de mencionar a bela capa que o livro tem. E, ao ler a história que nos é contada, vemos que a capa tem todo o clima da obra. Existe na mulher que a estampa toda a volúpia, a elegância e as características de Ana Luísa, a protagonista do livro. O clima da capa está em consonância com o conteúdo.

Diário Secreto de Ana Luísa é um ótimo livro. Marcos Well, mais uma vez, acerta na construção de sua história, na profundidade da criação de seus personagens e brinda o leitor com uma trama envolvente, sensual e ardente! Entre o desejo carnal, o sexo consumado, os sentimentos demasiadamente humanos Ana Luísa é fogo que arde!

Sobre o autor:

Marcos Well é baiano, graduando em Ciências Econômicas. Autor do romance Epicuro em Meu Jardim publicado em 2016. Sempre foi apaixonado por literatura. Começou a escrever ainda criança, quando fazia versões ilustradas de contos infantis clássicos. É autor dos contos eróticos: O  Homem dos Meus Sonhos e Taú e foi finalista do II Concurso Nacional de Criação Literária Kazuá: Prêmio Tatu de Romance.

Ficha Técnica:

Título: Diário Secreto de Ana Luísa
Escritor: Marcos Well
Editora: Independente
Edição: 1ª
Número de Páginas: 205
Ano: 2018
Assunto: Literatura brasileira


Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email. Basta confirmar ):

REVISÃO E LEITURA CRÍTICA

Posts mais acessados da semana

Anuncie e Publique Conosco

LIVRO DESTAQUE

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO "OS VELHACOS"

FUTURO! - ROBERTO FIORI

SROMERO PUBLISHER

Leitores que passaram por aqui

Labels