sábado, 23 de março de 2019

Resenha | O Crime da Quinta Avenida – Anna Katharine Green

Anna Katharine Green é considerada a mãe do romance policial. Ainda que você não tenha ouvido falar dela, certamente você conhece muitos elementos que hoje estão presentes em livros, séries e filmes de suspense e que advém da obra da escritora. Veja-se como exemplo, o uso de técnicas forenses de investigação, a presença de um detetive que retorna em outras obras (como Sherlock Holmes e Hercule Poirot que fazem aparições em diversos livros de seus autores) e a existência de um personagem que rivaliza a investigação dos casos com o investigador principal. 

Por falar em Sherlock Holmes e Hercule Poirot, dois grandes detetives escritos por dois grandes autores, temos que mencionar que a Rainha do Crime, Agatha Christie, tinha inspiração em Anna Katharine Green, tanto que a cita em sua autobiografia. Bem como Arthur Conan Doyle também nutria admiração pela escritora americana que nasceu em 1846 em Nova York.

O Crime da Quinta Avenida tem sua primeira edição brasileira publicada pela Monomito Editorial, com tradução da escritora Cláudia Lemes. O livro tinha apenas uma tradução em língua portuguesa realizada por Fernando Pessoa. Por meio de um projeto de financiamento coletivo, Cláudia Lemes, que também preside a ABERST - Associação Brasileira dos Escritores de Romance Policial, Suspense e Terror, em parceria com a Monomito, trouxe ao público brasileiro a obra de Anna Katharine Green.

Antes de falarmos sobre o conteúdo, vale destacar o projeto gráfico da obra. A capa, a diagramação, as separações de capítulos e elementos que estão na parte interna, tem forte ligação com a história e tornam a jornada do leitor ainda mais agradável.

O livro começa com uma cena que coloca o leitor dentro do caso, com o clima de suspense e mistério que permeia toda a história. Numa firma chamada “Veeley, Carr & Raymond – Advogados e Conselheiros de Direito”, chega um homem esbaforido,  procurando pelo sócio do escritório, Sr. Veeley. Como este último está em viagem ele acaba por relatar ao interlocutor sobre a morte do Sr. Leavenworth, um antigo cliente da firma e amigo pessoal de Veeley, e comenta que, face ao crime, as duas sobrinhas da vítima serão interrogadas e precisam que alguém as acompanhe. Nesse plano inicial, que está nas primeiras páginas do livro, ficamos sabendo ainda que a arma do crime não foi encontrada e que ele, portanto, teria sido vitimado por um tiro.

“_Tudo que sei? Algumas palavras bastarão. Eu o deixei ontem à noite sentado como de costume à sua mesa na biblioteca, e o encontrei hoje pela manhã, sentado no mesmo lugar, quase na mesma posição, mas com um buraco na cabeça do tamanho da ponta do meu dedinho.”

As investigações acerca do crime se desenrolam, e entra em cena o detetive Sr. Benezer Gryce que terá como auxiliar, acompanhando a investigação, o Sr. Raymond. Sr. Harwell foi quem anunciou a ele a ocorrência do crime na cena inicial da obra.

Uma chave quebrada, o sumiço de um papel, o desaparecimento de uma criada no dia que precedeu o assassinato na residência localizada na Quinta Avenida e um lenço, se tornam pistas para a investigação e o desenrolar da trama. Mas não somente isso, outros aparatos serão inseridos ao longo do processo investigativo.

Em que pese o fato de o livro ter sido escrito há tanto tempo, vez que sua publicação original é datada de 1878, sob o título The Leavenworth Case, a narrativa se faz atemporal. Anna Katharine Green conta uma excelente história, repleta de personagens com personalidades diferentes e que apresentam uma trajetória instigante, além de trazer ao plano central da obra uma série de suspeitas que nos faz ter uma infinidade de interpretações e possibilidades de resolução do caso. 

A narrativa é ágil e não paira em camadas que não acrescentam à trama principal, o que deixa o leitor totalmente focado na busca pela solução do crime. Então, desde a primeira página o mistério é posto e vamos persegui-lo ao longo das 388 páginas da publicação. Não sem antes duvidarmos dos personagens, ficarmos intrigados com suas ações, buscarmos ler nas entrelinhas os acontecimentos e aquilo que eles falam nos diálogos que travam com outros personagens.

Ana Katharine Green surpreende com uma obra  repleta de mistério e que não deixa de tratar da natureza humana. Os personagens tem sentimentos e guardam segredos tal qual qualquer ser humano e isso, dentro da trama policial, se torna um viés interessante para que possamos fazer a leitura da personalidade com que cada figura se apresenta a nós.

Mary Leavenworth e Eleanore Leavenworth são primas e foram criadas por Horatio Leavenworth. Sobre elas, naturalmente, podem recair suspeitas. Temos ainda o assistente do homem, Sr. Trueman Harwell, que notificou sua morte, além de Hannah Chester, uma empregada da casa que fugiu na noite do crime. Na casa também habitam Thomas Dougherty, o modormo,  Kate que é cozinheira e Molly, a arrumadeira. Temos na trama ainda a menção ao Sr. Veeley, o amigo do Sr. Leavenworth que não está na cidade e outros personagens surgem, tais como Henry Clavering e Sra. Belden, para compor o emaranhado de relações e acontecimentos que podem ou não ter conexão com o assassinato.

“Por mais eloquente que seja a morte, mesmo nos rostos daqueles desconhecidos e não amados por nós, as causas e consequências desta eram importantes demais para permitir que a mente se detivesse na tristeza da cena em si.”

A trama é rica em detalhes que nos levam a conjecturar explicações para o caso, levantar suspeitos e imaginar inúmeras motivações. Green, pelo que é possível perceber nesse livro, foca sua trama nos acontecimentos e nos personagens, mais do que em descrições de cenários e ambientes (a não ser que seja imprescindível e apareça como elemento elucidativo). Aí está a riqueza e preciosismo com que opera o mistério em sua obra. Para além de lermos um excelente livro de literatura policial, que tem seu mérito por ser escrito por aquela que é considerada a mãe da literatura desse gênero, temos aqui uma aula de escrita, de enredo e de personagens.

Temos que agradecer à Monomito Editorial e à Cláudia Lemes por ter trazido essa obra para o Brasil. Fãs de Agatha Christie e Arthur Conan Doyle, aqui está uma escritora para vocês conhecerem (caso não conheçam) e lerem (caso não tenham lido).

O Crime da Quinta Avenida é um livro que não pode faltar na estante de um amante da literatura policial.

Sobre a autora:

Ana Katharine Green (1846 – 1935) foi uma romancista e poeta nascida em Nova York. Ela se destacou por criar histórias com tramas envolventes. Seu principal detetive foi Sr. Gryce, mas ela também foi a mãe de outros personagens investigadores com perfis peculiares, como senhoras solteiras ou jovens garotas com vida dupla. Anna Katharine Green assinou mais de sessenta histórias e ficou conhecida como a mãe dos romances policiais.

Ficha Técnica:

Título: O Crime da Quinta Avenida
Escritor: Anna Katharine Green
Tradutora: Cláudia Lemes
Editora: Monomito Editorial
Edição: 1ª
Número de Páginas: 388
ISBN: 978-85-907522-3-3
Ano: 2019 
Assunto: Literatura americana



Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email de confirmação):

Anuncie e Publique Conosco

Posts mais acessados da semana

SROMERO PUBLISHER

LIVRO "OS VELHACOS"

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

TAMARA JONG: A LUA NEGRA DE PATÂNIA

LIVRO DESTAQUE

FUTURO! - ROBERTO FIORI

LIVRO: TEU PECADO

LIVRO: TRAVESSURAS DA MINHA MENINA MÁ

Leitores que passaram por aqui

Labels