sábado, 7 de setembro de 2019

O corcunda de Notre Dame - por Gian Danton



A catedral de Notre Dame é o destino turístico mais visitado não só na França, mas em toda a Europa. Boa parte desssa popularidade se deve ao romance O corcunda de Notre Dame, de Victor Hugo. De fato, a catedral é tão importante na trama que o título original era apenas Notre-Dame de Paris (o corcunda só entrou no título a partir das edições inglesas).
O livro ajudou não só a popularizar a catedral, mas também a preservá-la. Segundo relato do próprio autor, na época em que escreveu a história, Notre Dame sofria com abondono e descaracterização, já que naquela época a arquitetura medieval era considerada de mau-gosto. O livro foi uma das primeiras obras a resgatar a beleza da catedral, que hoje deslumbra turistas do mundo inteiro.
A história é centrada em dois personagens, a cigana esmeralda e o corcunda e caolho Quasímodo.
Ambos parecem opostos absolutos, de maneira que descrição de ambos é uma pérola da antítese.
Quasímodo é assim descrito: “Sua pessoa inteira era uma careta só. Uma cabeçorra espetada de cabelos ruivos. Entre os dois ombros, uma enorme corcunda cujo peso se compensava à frente. Um sistema de coxas e pernas tão estranhamente disposto que elas só se encostavam à altura do joelho e, vistas de frente, pareciam dois arcos de foice que se juntassem pelo cabo. Pés grandes, mãos monstruosas, e, completando toda essa deformidade, uma atitude de aterrorizante vigor, agilidade e coragem”.
As qualidades de Esmeralda são opostas: “o pezinho era também andaluz, pois se mostrava simultaneamente tolhido e à vontade na graciosa sapatilha (...) Ao redor, todas as atenções estavam fixas, todas as bocas abertas, e, de fato, enquanto ela assim dançava – ao som do pandeiro que seus dois braços roliços e puros erguiam acima da cabeça delicada, frágil e viva como uma vespa, vestindo um corpete dourado sem dobradura, os ombros nus, a saia colorida que inflava e deixava às vezes que se vissem as pernas finas, os cabelos pretos, os olhos ardentes - , era uma criatura sobrenatural”.
Mas essas descrições, puramente objetivas, escondem o que realmente importa. Conservador na juventude, Victor Hugo foi aos poucos se tornando um progressista, preocupado com o povo miserável da França e os problemas sociais.  Assim, seu romance investiga a questão por trás da aparência e a essência e sobre a questão do preconceito. Quasímodo, feio, monstruoso, é um espírito muito mais bondoso e nobre que o frívolo capitão Phœbus de Châteaupers, pelo qual Esmeralda se apaixona, e muito mais cristão que o arquidiácono Claude Frollo, que, apaixonado por Esmeralda, a denuncia à inquisição.
Aliás, a questão do preconceito já transparece logo após a descrição de Esmeralda. A imagem é descrita pelo poeta e filósofo Gringoire, que a avista dançando em frente à catedral e a considera uma ninfa, uma deusa. Mas quando descobre que se trata de uma cigana, toda a ilusão desaparece.
Na história, todos se apaixonam por Esmeralda: o corcunda, o capitão da guarda, o arquidiácono da catedral de Notre Dame. O capitão, belo e bem posicionado na sociedade representa os nobres. O arqudiácono a religião. E o pobre Quasímodo é apenas um rejeitado pela sociedade. No entanto, é o único que demonstra amor verdadeiro pela cigana. O capitão quer apenas se aproveitar dela (e no momento em que poderia salvá-la, faz que não a conhece) e o religioso, em seu amor possessivo, chega ao ponto de denunciá-la para a inquisição. E mesmo Esmeralda, em sua visão juvenil e ingênua, parece entender muito pouco sobre o que é o amor.
A história é uma grande tragédia de fazer inveja a George Martin. Mas é, acima de tudo, uma investigação sobre como as pessoas se deixam levar pela aparência, poucas vezes indo além da mesma.
Victor Hugo constrói uma trama bem elaborada, com reviravoltas sensacionais e texto primoroso. Um único porém, que pode afastar alguns leitores: o autor tende a digressões. Em determinados momentos paralisa a trama, para explicar, por exemplo, como era Paris na época da história, ou como a imprensa matou a arquitetura gótica.   

Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email. Basta confirmar ):

REVISÃO E LEITURA CRÍTICA

Posts mais acessados da semana

Anuncie e Publique Conosco

LIVRO "VAIVÉNS DA ALMA"

LIVRO "JORNAL EM SÃO CAMILO DA MARÉ"

LIVRO: CONVERSA NOTURNA E OUTRAS HISTÓRIAS

LIVRO DESTAQUE

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

FUTURO! - ROBERTO FIORI

SROMERO PUBLISHER

Leitores que passaram por aqui

Labels