terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Evill Rebouças lança livro em português e francês na SP Escola de Teatro no dia 7 de dezembro


Evill Rebouças, dramaturgo que ao longo da sua trajetória recebeu várias indicações e prêmios, entre eles, o APCA e o Shell, lança o livro Como plumas ao vento - Comme des plumes au vent, publicação em português e francês no mesmo exemplar, e que aborda o lugar de (não) pertencimento em relação a refugiados. O evento acontece no dia 7 de dezembro, sábado, na SP Escola de Teatro, às 18 horas.

A peça de teatro ora publicada no livro foi criada a partir de duas experiências de pesquisas do dramaturgo. A primeira delas ocorreu, em 2016, quando Evill Rebouças recebeu convite para escrever uma peça de teatro na sede da companhia francesa Nie Wiem - um galpão fabril em Chateauvillain, a duas horas de Paris. O desafio foi agregar as experiências anteriores do dramaturgo no espaço não convencional às arquiteturas do galpão industrial e seus arredores, tendo como ponto de partida o olhar dos franceses sobre os refugiados.

A segunda pesquisa ocorreu, em 2018, quando o dramaturgo recebeu o Prêmio ProAc Editais - Texto de Dramaturgia.  Foi mantido o mesmo referencial de pesquisa, ou seja, os refugiados, porém surge um novo texto a partir das experiências contadas por congoleses, sírios, haitianos e venezuelanos no Brasil. Assim, a peça mostra acontecimentos que estão interligados por olhares e culturas diferentes e complementares, mas tendo o refugiado como centro de investigação.

Serviço

Lançamento / noite de autógrafos:
Como plumas ao vento - Comme des plumes au vent
Autor: Evill Rebouças / Editora: independente
Dia 7 de dezembro. Sábado, das 18 às 21h
SP Escola de Teatro (Saguão)
Praça Franklin Roosevelt, 210 - Consolação
Valor do livro: R$ 25,00 (cartão crédito e débito)
Contatos autor: (11) 94126 7714 – evillreboucas@yahoo.com.br

Relato sobre o processo de criação (por Evill Rebouças)

O processo de criação de Como plumas ao vento está intrinsecamente ligado à escrita e pesquisa de Sonhos & Songes, peça criada para a Compagnie Nie Wiem, coletivo com sede em Châteauvillain, cidade na região de Chamoagne-Ardenne, na França. 

Escrevi Sonhos & Songes em 2016, tendo como partida o olhar dos franceses sobre esses sujeitos que chegam à sua pátria. Havia também a minha percepção diante da experiência que vivia ali com os integrantes da Nie Wiem, pois não dominava a língua francesa e em muitos momentos eu só conseguia me comunicar porque estava à mercê de um tradutor. Foram quase dois meses de intenso processo de criação na sede da Nie Wiem, um antigo galpão fabril que recebe o nome de Centro Cultural Simone – Camp d´Entrainement Artistique. Inicialmente o nome do centro cultural me intrigava, mas foi só andar um pouco mais por Châteuvillain para ver inúmeras referências a Simone de Beauvoir – ela e Sartre tinham casa de veraneio na cidade e até hoje o imóvel se encontra conservado.

Importante detalhar um pouco mais esse primeiro processo de criação, uma vez que boa parte das experiências que vivi também está em Como plumas ao vento. Inicialmente, tínhamos apenas alguns disparos temáticos: o estrangeiro, o refugiado, o nômade, o viajante, o infortunado, aquele que acolhe, aquele que expulsa... Disparos, apenas. Sem norte certo, ou melhor, com infinitas possibilidades de rotas. Como um mar aberto. O que me cabe enquanto dramaturgo nesse mar de possibilidades? Como criar poéticas e discursos ao trabalhar com culturas, línguas, poéticas e formações artísticas tão diferentes? Resolvo devorar a pluralidade do encontro. Sem me preocupar se a dramaturgia teria discurso aberto/esgarçado/explodido ou se criaria tessituras com malhas mais fechadas (ainda que a estrutura fechada não seja bem a minha “praia” ideológica).

Nesse processo criativo em que as dramaturgias vão se estabelecendo por meio de um coletivo, há um pedaço de cada um. Um dia Bénédicte Lavocat – atriz, moradora de Châteauvillain dispara em nossa roda de discussão: “Los otros pueden venir em mi casa, pero no estan benvenidos em mi pais” (Os outros podem vir na minha casa, mas não são bem-vindos em meu país). Toca-me profundamente o incômodo dela. Intuo. Coloco-me no lugar. Fico matutando.

Outros pedaços me chegam. Histórias de moradores de Châteauvillain com diferentes formações e histórias: uma museóloga que, além de administrar um museu local, conhece intimamente as histórias dos moradores da cidade; uma especialista em geleias de cereja fabricadas com as frutas de seu quintal; uma ex-prefeita que também atuou em espetáculos teatrais; um vaqueiro que alimenta seus animais com produtos orgânicos; e uma senhorinha que mora em uma pousada municipal e acolhe, geralmente, peregrinos que estão indo em direção ao Caminho de Santiago de Compostela. Seu nome: Madame Clément. Oitenta e nove anos de encontros e abandonos, oitenta e nove anos de uma história que parece gritar: “Sou estrangeira de mim mesma”. Essas são as histórias que me atravessaram e me levaram para além dos temas inicialmente pensados.

Inúmeras histórias escutadas nas entrevistas e muitos materiais cênicos que não foram incluídos em Sonhos & Songes permanecem vivos. Em convivência com esses “pedaços” vivos me deparo, rotineiramente, com a realidade dos refugiados em meu país. Nas ruas, as sonoridades de idiomas estrangeiros passam a habitar nossos ouvidos: são muitos congoleses, haitianos, sírios, venezuelanos... Quais as diferenças e os aspectos em comum entre brasileiros e franceses no tratamento dado aos refugiados?  Como unir França e Brasil em uma nova peça sobre refugiados, sem, necessariamente, localizar ou universalizar demasiadamente as características de cada cultura? Foi a partir dessas inquietações que, em 2018, proponho para a Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, via Programa ProAc Edital de Dramaturgia, a escrita de Como plumas ao vento. O projeto foi contemplado. Vieram os desafios. Se em Sonhos & Songes a escrita ocorre a partir do olhar de quem recebe ou acolhe o refugiado, em Como plumas ao vento a ideia é ouvir aqueles que chegam a uma pátria que não é a sua.

Não foi difícil encontrar histórias dilacerantes aqui em meu país. Haitianos que perderam seus familiares, suas casas, suas plantações de subsistências... advindos de um país devastado onde o Estado oferece basicamente água, onde não há iluminação pública, coleta de lixo, gás, escolas ou hospitais públicos – isso em decorrência do terremoto ocorrido em 2010. Situação idêntica vivem os congoleses, pois os serviços públicos praticamente inexistem no Congo em função das inúmeras guerras civis ocorridas em pouco mais de cinquenta anos de independência. Não diferentes são os relatos dos sírios, mas com um diferencial: a guerra pode ter matado e expulsado seus parentes, mas seus hábitos culturais permanecem vivos.

De todos os entrevistados, os relatos mais contundentes são os dos venezuelanos. São muitos pais e mães que deixaram suas casas e seus filhos sob o cuidado de parentes para trabalharem no Brasil e enviarem dinheiro para seus familiares. Um venezuelano muito jovem me disse que veio para o Brasil porque sua mulher foi diagnosticada com gravidez de risco e em seu país não havia hospitais públicos para acolhê-la. O mesmo me contou que ele e ela ficaram dois meses se alimentado de restos de comidas jogadas no lixo, já que ele não conseguia arrumar uma colocação de trabalho no Brasil. Outro venezuelano, dessa vez um senhor de quase sessenta anos de idade, motorista de caminhão, abandonou sua família e seu lar para trabalhar em qualquer atividade. Vender a casa e trazer a família para o Brasil é algo impensável, uma vez que aqui ele jamais conseguirá comprar um barraco de madeira com o dinheiro da venda de sua casa.

São muitos e muitas, de todas as idades, sem famílias, sem empregos, sem residências fixas, em busca de alguma colocação em um país que, infelizmente, vive um momento de extrema vulnerabilidade social, econômica e com políticas humanísticas inexistentes por parte do atual governo. Histórias difíceis, histórias parecidas. Como ultrapassar essas repetições e revelar outras humanidades? Elejo, então, imagens que possam transpor, de modo poético, a ideia de não pertencimento, de não lugar – um infindável estado de travessia, estejam os refugiados em solo pátrio ou não.  No entanto, em Como plumas ao vento, há também situações que remetem ao cômico, ao nonsense. Elas foram inspiradas em relatos que, vez ou outra provocavam riso: “No Congo eu tive namorada, aqui é difícil namorar. As brasileiras se acham!”.

Ao final desses dois processos de criação percebo que os oceanos são apenas detalhes enquanto fronteira entre Brasil e Congo, e Haiti, e Síria, e Venezuela, e França... As fronteiras podem ser rompidas, desde que haja disponibilidade para entrelaces...   Nesse entrelace de histórias e experiências vividas na França e no Brasil, aprendi muita, muita coisa...  Ah! Aprendi também que na língua francesa não é habitual o sujeito ser oculto. Presentes! Todos presentes nessa escrita! Que os refugiados, tão presentes na atual realidade em que vivemos, também possam ser figuras presentes em nossas vidas.

Apresentação do livro (por Alexandre Mate)

Evill Rebouças (um grande querido) tem sua vida dedicada ao teatro: como ator, diretor, autor, pensador... As participações em teatro, antes de nosso contato no Instituto de Artes da Unesp (onde estudou e formou-se mestre e licenciou-se em Artes Cênicas), não conheci. Entretanto, sua produção dramatúrgica – desde as primeiras obras criadas – me foi sendo apresentada pelos anos que se seguiram... Assim, por intermédio de diversas paletas temáticas experimentadas, do ponto de vista da forma, suas criações são épicas. De fábulas mais tradicionais às narrativas mais ligadas aos experimentalismos contemporâneos, o chão histórico de suas obras é apreensível e funciona como um lócus no qual todos os tipos de maus tratos são denunciados. Em suas obras, e pelos mais diversos vieses, Evill “elegeu” representar pessoas – sem possibilidades de escolha – à margem, em seus processos de andanças diaspóricas pelo mundo. Gente sem lugar!

Como Plumas ao Vento (2019) caracteriza-se em um texto que, desde seu título, pode ser lido/interpretado de diferentes formas. O como, na condição de advérbio ou conjunção, pode designar ao “modo de”, no caso específico: à semelhança de/das plumas (cuja forma concentra beleza formal, perfeição, leveza etc.) que, arrancadas de uma pele/organismo original, são levadas, descontroladamente, pela sagacidade e volubilidade dos ventos. O como do título pode ser tomado, também, na condição de verbo: declinado no presente, na primeira pessoa do singular, a indicar a ação de comer... Inúmeras metáforas podem decorrer de, pelo menos, esta dupla interpretação/interpenetração... A partir daí (do título que, na condição de isca, deixa algo pendente), a dramaturgia se inicia com uma pergunta/ indagação: O que me separa do outro? Mesmo sem ter a pretensão de responder a tal questão, a obra leva, em proposição processional, a inúmeros ambientes heterotópicos em situações distópicas... Gente sem lugar!

Em tese, a obra atravessa e é atravessada por lugares (in)determinados. Do ar ao mar; do de dentro ao de fora, inexplicavelmente; do presente ao sem futuro (porque o passado não mais pode plasmar o agora e o vindouro)... figuras interditadas de si, pis(ote)adas, trapeiras e em coro (porque não seria apropriado usar aqui o conceito de personagem), não podem mais nada: nem o para trás, nem o agora, nem o vindouro, em razão de estes não mais existirem, senão na condição de linguagem, cujo idioma não tem mais rizoma. Portanto, em estado de sufocamento, os esboços de gente, brasileira, venezuelana, síria, haitiana, de todas as Áfricas, châteauvillaines... não tem traduzibilidade.

O conteúdo da obra é híbrido e repleto de escamas. As cenas, construídas a partir de plumas/penas – volúveis, como já citado –, referem-se tanto a travesseiros como a punições e fazem alusão a sufocamentos (in)compreensíveis.  As paisagens abrigam e são atravessadas por imagens e ausências da História e de histórias. Estados, com detentores de poder – e seus fiéis capangas-camareiros, e como algo a preparar imensas porções de quantidades daquilo que não-mais-nunca couberam, e, por isso, repleto por conjuntos de metáforas absurdas, fúrias (in)controláveis. Gente escafandra, que constrói travesseiros, mas que neles não pode descansar.

Espetáculo ambientado em uma desumanizada republiqueta de galinhas, repleta de pilhas de travesseiros... Espetáculo de dramaturgia atordoante! Dramaturgia que, apesar dos travesseiros, não promove o sonho, mas o pesadelo: acre e insuportável! Espetáculo-rito que não responde àquilo que me separa/aparta do outro, nem, tampouco, àquilo que me separa e me aparta de mim... mesmo. Dramaturgia que expressa tempos obscuros e fasciscizantes. Dramaturgia em tempos de que falar em árvores é quase um crime, pois implica no silenciamento de tantas coisas, conforme vaticinou Brecht. Espetáculo em tempos, como escreveu Vinícius de Moraes, de “[...] águias acorrentadas pelos pés”. Espetáculo de “[...] tempos de homens partidos”, como escreveu Drummond. Espetáculo de tempos em que não se sabe, como escreveu Cecília Meireles, “[...] em que espelho ficou perdida minha face!?” 

Alexandre Mate é professor da graduação e pós-graduação do Instituto de Artes da Unesp – Universidade Estadual Paulista. Pesquisador teatral, autor de textos e livros sobre teatro.

Foto de Evill Rebouças: by Giovanna Gelan
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email. Basta confirmar ):

REVISÃO E LEITURA CRÍTICA

Posts mais acessados da semana

Anuncie e Publique Conosco

LIVRO "VAIVÉNS DA ALMA"

LIVRO "JORNAL EM SÃO CAMILO DA MARÉ"

LIVRO: CONVERSA NOTURNA E OUTRAS HISTÓRIAS

LIVRO DESTAQUE

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

FUTURO! - ROBERTO FIORI

SROMERO PUBLISHER

Leitores que passaram por aqui

Labels