segunda-feira, 22 de junho de 2020

Dreadstar



No início da década de 1980 a Marvel criou um selo de quadrinhos em que os direitos dos personagens ficavam com seus autores. Foi a senha para o mestre das sagas espaciais, Jim Starlim, criar uma das melhores séries de ficção científica de todos os tempos: Dreadstar.
Dreadstar é uma mistura de elementos: é uma space opera, no estilo Star Wars, é uma distopia, estilo 1984, e super-heróisno estilo de trabalhos anteriores do próprio Starlin, como Warlock e Capitão Marvel.
Na trama, a galáxia é dividida entre duas grandes potências em guerra: a Monarquia, governada por um rei fantoche, e a Intrumentalidade, uma organização religiosa governada pelo Lord Papal. É uma crítica severa ao fanatismo religioso e ao pensamento único. Em territórios conquistados, a Intrumentalidade realiza uma santa inquisição: empatas identificam quem poderia tem pensamento contrário à igreja e esses são executados, aos milhões – uma das cenas mais chocantes dos quadrinhos mostra o Lorde Papal vistando uma dessas inquisições e os soldados acumulando uma montanha de crânios.
A guerra parece eterna até que surge Vanth Dreadstar, um herói, vindo de uma galáxia destruída, que, após ver o planeta que o abrigou ser dizimado, resolve acabar com a guerra. Unem-se a ele Oedi, um homem-gato, Willow, uma telepata  cega que enxerga através dos olhos de um macaco e é capaz de controlar máquinas e emitir rajadas mentais, Syzygy Darklock, um místico misterioso e o mercenário Skeevo.
De todos os personagens secundários, Willow é a mais interessante. O capítulo dedicado a contar a sua história ecoa diretamente a influência de 1984, de George Orwell. No mercado a mãe da personagem resmungara uma reclamação sobre o preço dos alimentos. Como resultado, foi presa pelos guardas da instrumentalidade e desaparece. A menina passa a ser criada pelo pai, que, cada vez mais enlouquecido pela perda da esposa, chega a abusar da filha antes de ser enviado para a guerra. Willow vai, então, para um orfanato e chega se tornar prostituta antes de ser encontrada por Dreadstar.
Starlim transformou essa ficção científica com pegada de super-herói em uma saga impressionante repleta de ação em meios às críticas sociais. Destaque para o capítulo em que, para pegar Dreadstar, Lorde Papal ordena o bombardeio de bombas nucleares numa cidade com milhões de habitantes. Era apenas o terceiro volume, mas já mostrava até essa série poderia chegar.
Esse material foi publicado no Brasil inicialmente na revista Epic, da editora Abril. Posteriormente a editora Globo lançou um gibi com o título, publicando toda a fase da Marvel a partir do ponto em que a Abril havia deixado. Em 2014 a Mythos lançou um encadernado em capa dura com o personagem. Deveria ser o volume 1, mas o segundo volume até hoje não foi publicado. No entanto, vale muito a pena. A narrativa de Starlim é do tipo que não deixa desgrudar os olhos do gibi e, a publicação no formato original permite perceber que ele não só era um grande roteirista, mas também um ótimo desenhista, algo que não tinha destaque no formatinho.

Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email. Basta confirmar ):

Anuncie e Divulgue Conosco

Posts mais acessados da semana

CLUBE DO LIVRO UNIÃO

REVISÃO E LEITURA CRÍTICA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

FUTURO! - ROBERTO FIORI

SROMERO PUBLISHER

Leitores que passaram por aqui

Labels