segunda-feira, 20 de julho de 2020

Gonzo!, de Arthur Veríssimo



O gonzo jornalismo foi criado por Hunter Thompson no final da década de 1960. Era um estilo tão pessoal, que parecia único, incapaz de ser imitado, com matérias em primeira pessoa, repletas de sarcasmo e ironias. Entretanto, no Brasil um jornalista chegou muito próximo do estilo de Thompson, adaptando-o ao ares tropicais. Seu nome, Arthur Veríssimo, e as matérias foram publicadas na revista Trip durante anos. É a junção dessas diversas reportagens que compõe a antologia Gonzo!, publicado pela editora Realejo em 2014.
O livro reúne 30 reportagens com temas absolutamente diversos e aleatórios. Arthur Veríssimo embarca em toda as roubadas possíveis, de atirar num campo clandestino de armas no Camboja a ser preso por engano na República Dominicana.
Arthur Veríssimo não é só o jornalista, mas também um personagem dessas reportagens.  Explica-se: o gonzo não acredita na ideia de objetividade jornalística e a proposta é fazer o repórter mergulhar na matéria e não só os bastidores das matérias são contados, mas também os momentos constrangedores.
Aliás, tanto títulos como subtítulos das matérias já dão o tom dos textos e são uma atração à parte. Exemplo: “Bombando Bombaim – de rolê na Índia, o repórter-gonzo visita o Kumb Mela, flerta com atrizes de Bollywood e, no fuzuê sacro do festival de Ganesh, o deus-elefante, quase é abduzido por travestis eunucos”.
Há matérias um pouco mais convencionais, como aquela sobre o edifício Demoiselle, uma favela vertical em pleno centro de São Paulo. Mas a grande maioria é totalmente fora da caixinha.
Uma das mais divertidas é “Deus é grande”, sobre uma cidade repleta de templos eróticos na Índia. Arthur argumenta que as minunciosas esculturas parecem ter vida própria. “Os frisos e laterais possuem aspectos tridimensionais. As cenas de zoofilia e outras bizarrices deixariam o Marquês de Sade espumando de felicidade (...) Passo a mão sobre uma sinuosa estátua e repentinamente sinto uma baita energia rasgando minhas entranhas. Efeito Kundalini. Fico de fallus eretus diante das ninfas e da força magnética de templo”.
Pouco depois, encontra um casal de portugueses aos amassos: “Marília, a noiva sem pudores, destila que nunca na vida havia feito tanto amor com seu adorável Manuel. ‘Ora, pá, isso aqui é orgiástico. Estou correndo para o quarto com meu Casanova de Lisboa’. Na mesma vibe, Manuel exclama: ‘Vamos simbora, Marília, que quero engatar a posição da tarturuga’”.
Ou seja, é um livro divertidíssimo, que mostra muito bem que humor e boas reportagens não são conceitos opostos.  

Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email. Basta confirmar ):

Anuncie e Divulgue Conosco

Posts mais acessados da semana

COMUNIDADE INFLUXO

SONHOS FULGURANTES - ROBERTO MINADEO

CLUBE DO LIVRO UNIÃO

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

FUTURO! - ROBERTO FIORI

SROMERO PUBLISHER

Leitores que passaram por aqui

Labels