segunda-feira, 17 de agosto de 2020

Os crimes do olho de boi



Marcos Rey foi um dos principais roteiristas das pornochanchadas brasileiras da década de 1970. Também foi um autor juvenil de sucesso, escrevendo principalmente histórias policiais. Ele mistura as duas coisas no romance Os crimes do olho de boi, publicado pela editora Global em 2010.
Na história, um detetive amador, sua governanta germânica, uma cantora de boate e um jornalista tentam desvendar um mistério: várias pessoas ricas, com um único herdeiro, morreram recentemente. A suspeita é de que elas foram assassinadas por uma quadrilha, que ficaria com parte da herança.
Rey é um mestre da criação de personagens, dos diálogos inspirados e da narrativa fluída, daquelas que tornam impossível largar um livro pela metade. Todas essas qualidades aparecem em Os crimes do olho de boi acrescidas de mais um deleite: o pendor único para retratar erotismo sem ser pornográfico, com um leve toque de humor.
O protagonista da história é Adão Flores, um empresário que agencia antigos artistas. Ele ficou famoso com um programa de TV chamado “Você é o detetive”, em que vários convidados eram desafiados a descobrir quem era o assassino de uma história policial. Adão participara uma vez e abocanhara o prêmio com tanta segurança e estilo na exposição que se tornou atração fixa, transformando-se em uma celebridade, ainda mais depois um amigo jornalista continuou contando suas peripécias, a maioria delas ficcionais, em sua coluna no jornal.
A história começa quando esse amigo jornalista desafia Adão a descobrir se há uma conexão entre os vários assassinatos de ricaços.
O resultado é um livro de 190 páginas que passam voando, deliciosas não só pela trama policial, mas pelo desfile de personagens secundários carismáticos:a  governanta germânica apaixonada pelo patrão, a contora Diana Bandida, com a qual Adão tem, todo ano, um encontro de dia inteiro em um hotel, no dia 23 de dezembro.
O resultado é como se lêssemos uma pornochanchada policial, e com maravilhosas sequências, como a seguir, de um momento íntimo do detetive com sua partner:
“Diana ergeu-se e sem trilha sonora de streaptease ficou de calcinha e sutiã.
- Acha que ainda estou em forma, Flores?
Saiu fumaça dos ouvidos e narinas de Adão, mas ela não percebeu. O visitante, embora sufocado, pôde pronunciar algumas palavras:
- Ainda está com muito pano, não dá para emitir uma opinião honesta”.

Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email. Basta confirmar ):

Anuncie e Divulgue Conosco

Posts mais acessados da semana

COMUNIDADE INFLUXO

SONHOS FULGURANTES - ROBERTO MINADEO

CLUBE DO LIVRO UNIÃO

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

FUTURO! - ROBERTO FIORI

SROMERO PUBLISHER

Leitores que passaram por aqui

Labels