Participe da antologia (e-book) TEMPO DE AMAR - CONTOS E POEMAS - VOL. VI. Leia o edital

  Participe da antologia (e-book)  TEMPO DE AMAR - CONTOS E POEMAS - VOL. VI . Leia o edital :  CLIQUE AQUI.

Mostrando postagens com marcador A história do cinema. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador A história do cinema. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2022

A história do cinema para quem tem pressa

 


Contar toda a história do cinema em menos de 200 páginas. Esse é o desafio do livro A história do cinema para quem tem pressa, de Celso Sabadin, da editora Valentina.

Parece um projeto destinado ao fracasso, mas Sabadin dá conta do serviço.  Autor de livros como “Vocês ainda não ouviram nada – a barulhenta história do cinema” e sócio fundador da Associação Brasileira de Críticos de Cinema, o autor consegue equilibrar a obra entre a profundidade e a rapidez, abordando desde o surgimento da sétima arte até os dias atuais em uma linguagem fácil e agradável.

O livro se destaca principalmente pelas curiosidades que ajudam a contar a história. Por exemplo, em 1872 o fotógrafo inglês Eadwear Muybridge foi contratado pelo governador da Califórnia para ajudar a elucidar uma questão. O governador havia apostado com um amigo que os cavalos tiram as quatro patas do chão enquanto correm. Muybridge espalhou pela pista 24 câmeras munidas de disparadores automáticos, que permitiram detectar minunciosamente os movimentos do equino. Ao ver as fotos ele percebeu que se elas fossem exibidas rapidamente em sequencia conseguiriam criar a ilusão de movimento, o que seria a base da câmera cinematográfica. A propósito: o governador ganhou a aposta.

Embora oficialmente o cinema tenha surgido na França, foi nos EUA que ele mais se difundiu, principalmente graças aos poeiras (niclelodeons), locais de exibição de limpeza precária, que vendiam aproximadamente 340 mil ingressos diários.

Foram os poeiras que enriqueceram Thomas Edson e o ajudaram a criar um verdadeiro truste que dominava completamente a produção cinematográfica no início do século XX.

Mas foram donos de poeiras (na maioria imigrantes que investiram todas as suas economias para montar as salas de exibição e ficaram ricos) que criaram os pequenos estúdios, que conseguiram vencer a guerra contra Edson. Esses pequenos estúdios se estabeleceram em Hollywood, na Califórnia porque o preço das terras era barato e porque dava para filmar o ano inteiro (ao contrário de cidades como Nova York, que sofre com nevascas, tempestades etc).

Universal, Warner, Fox, Colúmbia e MGM são alguns exemplos, empresas que até hoje, mais e um século depois, ainda dominam a produção de cinema norte-americano.

Entre essas empresas que surgiram nos poeirões estava a Warner Bros. Eram 11 irmãos Warner que haviam deixado a Polônia em busca de melhores oportunidades. Um deles, Sam, encantou-se com o cinema ao trabalhar como projecionista e convenceu o pai a investir todas as economias na compra de um projetor e aluguel de uma pequena sala.

O cineminha deu certo e logo se tornou produtora, mas estava a anos luz das maiores do ramo.

A aposta dos irmãos Warner passou a ser o cinema falado. Começaram com Dom Juan, que tinha apenas efeitos sonoros sincronizados, o que não despertou interesse da plateia nem da imprensa e gerou um belo prejuízo. A sorte da empresa viria com O cantor de jazz, em 1927. Apesar de ter poucas falas, os números musicais sincronizados encantaram a plateia.

Logo todo mundo só queria saber de filmes falados e os estúdios tiveram que se adaptar. Mas o equipamento de captação de som era rudimentar e os microfones enormes, do tamanho de um ralador de queijo. O jeito era escondê-los no cenário. Mesmo assim, os atores tinham que falar num tom mais alto que o normal. Assim era comum nos filmes da época os atores praticamente gritando ao lado de um vaso de flores no qual estava escondido o microfone.

São curiosidades e detalhes como esses que deixam o livro interessante. Mas a história do cinema para quem tem pressa também consegue analisar e explicar os movimentos cinematográficos, como o expressionismo alemão, o impressionismo francês, o realismo soviético e o neorrealismo italiano. E ainda dar uma passada de olhos sobre os dois países que mais produzem filmes no mundo, a Índia e a Nigéria.

Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA
clique sobre a capa

BAIXE O E-BOOK GRATUITAMENTE

APOIO E INCENTIVO À LEITURA

APOIO E INCENTIVO À LEITURA
APOIO E INCENTIVO À LEITURA

INSCREVA-SE NO CANAL

INSCREVA-SE NO CANAL
INSCREVA-SE NO CANAL

DO INCISIVO AO CANINO - BERT JR.

MAFRA EDITIONS

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

DIVULGUE O SEU LIVRO

FUTURO! - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels