Conexão Nerd: Teoria da Conspiração, por Ademir Pascale

Cena do filme Teoria da Conspiração POR ADEMIR PASCALE Hoje não irei comentar sobre colecionáveis ou heróis, mas sobre um filme, um li...

Mostrando postagens com marcador Fábia Alvim. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Fábia Alvim. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 10 de junho de 2021

ENTREVISTA: Conheça os editores da Saíra Editorial e a literatura com causa, por Cida Simka e Sérgio Simka

Rochelle Bonatto Mateika, Fábia Alvim e Felipe Augusto Neves Silva

Fale-nos sobre vocês.

Fábia Alvim nasceu em Minas, na divisa com o Rio. Veio para o estado de São Paulo fazer Mestrado em Ribeirão Preto depois de sua primeira graduação, em Fisioterapia. Depois, em 2009, começou sua segunda graduação, seguindo seu grande gosto pelas palavras: fez Letras. Em 2019, junto com Felipe e Rochelle, fundou a Saíra Editorial. É mãe do José e do Augusto.

Felipe Augusto Neves Silva nasceu em Franca, interior de São Paulo, e veio morar na capital aos 17 anos, quando foi aprovado no curso de Letras. Estudou português e latim, aqui no Brasil e na Itália, em uma academia especializada, em que também aprendeu o grego clássico. Juntou seu gosto pela leitura e pelo objeto livro na empreitada de fundar a Saíra Editorial junto com suas duas sócias.

Rochelle Bonatto Mateika nasceu em São Paulo. Iniciou seus estudos na área de Publicidade e Propaganda. Após trabalhar vários anos nessa área, resolveu voltar a estudar e se dedicou à Faculdade de Letras Português/Espanhol, com habilitação em tradução. Logo nos primeiros anos de faculdade começou a dar aulas de Espanhol e seguiu por esse caminho por quase 20 anos. Em 2019 aceitou, com muito orgulho e alegria, o convite da Fábia e do Felipe para se tornar sócia da Saíra.

ENTREVISTA:

Vocês são editores da Saíra Editorial. Falem-nos sobre ela.

A Saíra nasceu de um desejo em comum nosso de abrir uma editora que lançasse títulos para as crianças e os jovens (e também para adultos, já que o livro infantil não tem limite de idade) terem contato com temas que consideramos imprescindíveis. O objetivo de nossas obras é ajudar a arrefecer preconceitos e opressões, além de cuidar das representatividades e de estimular o pensamento livre.

Como é o trabalho de vocês? Recebem quantos originais por mês? Quantos são publicados? Quem quiser publicar pela editora quais os procedimentos a serem adotados?

Os três sócios da Saíra estão divididos entre a curadoria e os novos projetos, com a Fábia, o comercial, com a Rochelle, e o editorial, com o Felipe. No dia a dia, no entanto, todos da equipe acabam fazendo de tudo um pouco. Em média, recebemos uns 15 originais por mês, entre os quais uma média de 5 são escolhidos para publicação. Quase todos os que são recusados acabam não sendo publicados por não se encaixarem no recorte de literatura com causa. Quem quiser enviar um original para a equipe de curadoras deve enviar o texto para este e-mail: editorial@sairaeditorial.com.br.

Como é ser editor (publisher) em um país como o Brasil?

Pode até ser esperado dizer que é difícil, mas os problemas que envolvem o universo dos livros são mais comerciais e operacionais, pelo menos na literatura, do que propriamente literários. De modo geral, no entanto, a edição de livros no Brasil enfrenta os mesmos entraves que a educação, a arte e a cultura têm encontrado. Mais recentemente, ainda, a censura na literatura e o revisionismo nos didáticos têm sido fortes. É um lugar-comum afirmar-se que “o brasileiro lê pouco”, mas ainda não se tentou mexer fundo nessa ferida. Na média, pode até ser que o brasileiro, de fato, leia pouco, mas isso pode se dever ao fato de que a maioria esmagadora da população tem pouco ou nenhum acesso aos meios culturais.

Como analisam a questão dos e-books?

Achamos que os e-books são uma resposta natural do mercado a um processo de digitalização que vai muito além das editoras e dos livros; está em tudo. Não vemos os e-books como rivais dos livros impressos ou como entidades que competem com eles, mas, sim, como algo diferente. Há o nicho dos e-books e há o nicho dos livros impressos, podendo ambos conviver de forma harmônica. 

Quais são suas leituras preferidas?

Fábia, como boa mineira, gosta dos mineiros João Guimarães Rosa e Carlos Drummond de Andrade. Ama os versos de Bandeira. Ama João Cabral de Melo Neto. É fã dos contos de Mario de Andrade. E, atualmente, o que ela mais gosta de ler são os originais que a Saíra recebe.

Rochelle tem, para a leitura, um gosto bastante variado. Gosta dos grandes escritores brasileiros, como Machado de Assis, Érico Veríssimo e Guimarães Rosa, mas também se encanta com a literatura espanhola e hispano-americana. Atualmente está descobrindo na literatura infantil uma grande paixão.

Felipe tem como grande ídolo literário nacional o inesgotável Graciliano Ramos, sem deixar de amar incondicionalmente grandes do mundo, como Luigi Pirandello. Mais recentemente, tem se interessado muito por literatura não ficcional. Desde que entrou para a Saíra, divide seu tempo entre os originais da editora, os livros dos filhos e os didáticos que ajuda a produzir.

Que conselho podem dar a um escritor principiante?

Um escritor deve encontrar algo que lhe aqueça o coração. Escrever sobre aquilo que toca – em prosa, em verso, em romances, em tirinhas etc. – é transmitir ao possível leitor um pouco do próprio gosto pela literatura.

Uma pergunta que não fizemos e que gostariam de responder.

Gostaríamos de responder à questão “o que você espera do futuro?” e à questão “o que é a literatura com causa?”.

De um futuro próximo, para o nosso país, esperamos uma gestão mais eficaz, humana e democrática. De um futuro ainda mais próximo, esperamos vacina para todos e tratamento médico para todos os que dele precisarem, como uma forma de minimizar a tragédia em que a pandemia se transformou no Brasil.

Literatura com causa é aquela em que se exploram temas ligados, por exemplo, à construção de representatividades e à desconstrução de preconceitos. É uma literatura que tenta subverter, mesmo no âmbito infantil, determinadas amarras sociais sobre as quais as pessoas pararam de refletir.

Link para o site da editora: https://sairaeditorial.com.br/


CIDA SIMKA

É licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Autora, dentre outros, dos livros O enigma da velha casa (Editora Uirapuru, 2016), Prática de escrita: atividades para pensar e escrever (Wak Editora, 2019), O enigma da biblioteca (Editora Verlidelas, 2020), Horror na biblioteca (Editora Verlidelas, 2021) e O quarto número 2 (Editora Uirapuru, 2021). Organizadora dos livros Uma noite no castelo (Editora Selo Jovem, 2019), Contos para um mundo melhor (Editora Xeque-Matte, 2019), Aquela casa (Editora Verlidelas, 2020), Um fantasma ronda o campus (Editora Verlidelas, 2020) e O medo que nos envolve (Editora Verlidelas, 2021). Colunista da revista Conexão Literatura.

SÉRGIO SIMKA

É professor universitário desde 1999. Autor de mais de seis dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a série Mistério, publicada pela editora Uirapuru. Colunista da revista Conexão Literatura. Seu mais recente trabalho acadêmico se intitula Pedagogia do encantamento: por um ensino eficaz de escrita (Editora Mercado de Letras, 2020) e seu mais novo livro juvenil se denomina O quarto número 2 (Editora Uirapuru, 2021). 

Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels