Conexão Nerd: Teoria da Conspiração, por Ademir Pascale

Cena do filme Teoria da Conspiração POR ADEMIR PASCALE Hoje não irei comentar sobre colecionáveis ou heróis, mas sobre um filme, um li...

Mostrando postagens com marcador Fabrina Martinez. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Fabrina Martinez. Mostrar todas as postagens

sábado, 5 de dezembro de 2020

Fabrina Martinez e o livro Sabendo que és minha, por Cida Simka e Sérgio Simka

Foto: Paula Mello - Ilustração da capa: Eva Uviedo

Fale-nos sobre você.

Fabrina Martinez, 42, nasceu em Campo Grande (MS) e mora desde 2012 em Marília (SP). É jornalista, mestre em letras -  estudos literários - e mediadora do Leia Mulheres Marília. Seu livro de estreia, Sabendo que és minha, foi contemplado pelo Proac em 2019 e publicado pela editora Jandaíra em 2020. 

ENTREVISTA:

Fale-nos sobre o livro. O que a motivou a escrevê-lo?

Sabendo que és minha conta a história de uma mulher que vê a mãe morrer durante o processo de restauração da relação delas. A partir do luto por essa perda, a narradora analisa suas escolhas, a relação com a própria filha, seu lugar na família e como o luto afeta sua existência num mundo obcecado pela felicidade. 

Quem, de fato, me motivou a escrever foi a Toni Morrison. Já havia um tempo em que eu procurava um livro que abordasse o luto pela morte da mãe e não encontrava. A Simone de Beauvoir (que sempre faz tudo) escreveu Uma Morte Muito Suave sobre os últimos dias de vida da própria mãe, mas não sobre o luto. Era algo que eu queria e precisava. Um dia me deparei com uma frase dela dizendo que "se você encontrar um livro que realmente queira ler, mas ainda não foi escrito, então deve escrevê-lo". Então, fiz.  Mas eu sentia que não era um livro que eu queria apenas escrever, mas também publicar. Foi quando me inscrevi no Proac em 2019 e fui contemplada. Honestamente, não sabia se conseguiria sem o aval do Proac. Foi um momento transformador porque eu não acreditava em mim, o irônico é que não duvidava do texto. O livro, assim como uma filha, é uma parte de mim que não sou eu. 

Como analisa a questão da leitura no país?

Acredito no poder transformador dos livros, mas não sei se posso fazer essa análise. O que posso dizer, com alguma segurança, é que precisamos de mais livros para termos menos problemas óbvios como os que enfrentamos agora.  

O que tem lido ultimamente?

Mulheres. Nos primeiros meses da quarentena li a Tetralogia Napolitana da Elena Ferrante e foi essencial para minha saúde mental. Depois que entreguei o livro passei por um período de ressaca, tanto da escrita quanto da leitura. Ainda não escrevi muitas coisas, mas tenho lido autoras brasileiras vivas como a Monique Malcher, Natália Borges Polesso, Morgana Kretzmann, Angélica Freitas, Conceição Evaristo, Pilar Bu e Nina Ferreira, entre várias outras escritoras. Acho que o único autor que li em 2020 foi o Domenico Starnone. Acho. Estar no Leia Mulheres Marília, primeiro como participante e depois como mediadora, mudou muito a minha perspectiva na hora de escolher um livro. Estou feliz com essa mudança.

Quais os seus próximos projetos?

Essa resposta muda de acordo com o dia e, talvez, com o horário em que me perguntam isso. hahahahaha

No momento, estou aprendendo a conviver com o Sabendo que és minha. Sabe, meu livro de estreia é baseado na frase que mais me dói dizer: minha mãe morreu. Por mais que ele seja outra coisa que não eu, o livro nasceu de uma parte muito machucada de mim. Isso torna difícil fazer coisas que, tenho certeza, seriam simples e agradáveis em outras circunstâncias. Por exemplo, divulgar o livro ou até mesmo responder essa entrevista. 

Apesar disso, tem uma parte minha que está sempre vendo uma ou outra situação e pensando que aquilo daria um bom texto, independentemente do formato. O que posso dizer com alguma surpresa é que logo, logo estarei em três antologias: duas de poesia e uma de contos. Mas sinto que o próximo livro será uma história de amor. O Sabendo que és minha também é, mas de outro jeito, outro amor. 

Uma pergunta que não fizemos e que gostaria de responder.

Leiam autoras brasileiras vivas, priorizem livros publicados por editoras independentes e comprem em livrarias de rua. 

Link para o livro:

https://polenlivros.lojavirtualnuvem.com.br/produtos/sabendo-que-es-minha/


CIDA SIMKA

É licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Autora, dentre outros, dos livros O enigma da velha casa (Editora Uirapuru, 2016), Prática de escrita: atividades para pensar e escrever (Wak Editora, 2019) e O enigma da biblioteca (Editora Verlidelas, 2020). Organizadora dos livros Uma noite no castelo (Editora Selo Jovem, 2019), Contos para um mundo melhor (Editora Xeque-Matte, 2019), Aquela casa (Editora Verlidelas, 2020) e Um fantasma ronda o campus (Editora Verlidelas, 2020). Colunista da revista Conexão Literatura.

SÉRGIO SIMKA

É professor universitário desde 1999. Autor de mais de seis dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a série Mistério, publicada pela Editora Uirapuru. Membro do Conselho Editorial da Editora Pumpkin e colunista da revista Conexão Literatura. Seu mais novo livro se intitula Pedagogia do encantamento: por um ensino eficaz de escrita (Editora Mercado de Letras, 2020).


Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels