Participe da antologia (e-book) TEMPO DE AMAR - CONTOS E POEMAS - VOL. VI. Leia o edital

  Participe da antologia (e-book)  TEMPO DE AMAR - CONTOS E POEMAS - VOL. VI . Leia o edital :  CLIQUE AQUI.

Mostrando postagens com marcador Marco Arroyo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Marco Arroyo. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 4 de agosto de 2022

ENTREVISTA COM ESCRITOR: Marco Arroyo e os seus livros, por Cida Simka e Sérgio Simka

Marco Arroyo - Foto divulgação
Fale-nos sobre você.

Nasci no sul do Chile, na cidade portuária de Talcahuano. Mudei-me para o Brasil em fevereiro de 1983. Morei alguns meses em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, antes de me radicar no Estado de São Paulo a começar pela cidade de Mauá onde morei por quase uma década. Sou formado em Pedagogia e Teologia com Mestrado em Ciências da Religião pela UMESP.  Em 1985 me tornei professor de história e geografia no extinto Colégio Humberto de Campo e em 1989 assumi a cadeira de Fundamentos das Ciências Sociais no Departamento de História e Geografia da FCLRP onde desempenhei, também, a função de Coordenador de Departamento. Por mais de cinco anos trabalhei como educador no Instituto Cajamar na formação de lideranças de movimentos sociais onde me especializei em métodos de planejamento estratégico. Desempenhei, inclusive, a função de assessor e consultor nessa área. Essa minha experiência em consultoria me permitiu prestar serviços na gestão pública de várias prefeituras, a começar pela cidade de Mauá que sempre considerei minha cidade “natal” aqui no Brasil. Hoje, às portas de me aposentar no mundo do trabalho, tenho como hobby e como grande motivação de vida a leitura e a escrita. 

ENTREVISTA: 

Fale-nos sobre seus livros. O que motivou a escrevê-los? 

Para dizer verdade, sempre gostei de escrever. Eu nasci na terra onde as glórias nacionais não estão fincadas no futebol ou em qualquer outra prática esportiva. O Chile, um país relativamente pequeno se comparado com o Brasil, tem como mérito produzir notáveis escritores já laureados, a exemplo de Gabriela Mistral e Pablo Neruda, entre outros que ainda não receberam o Prêmio Nobel, mas já alcançaram notoriedade internacional, entre eles Antonio Skármeta e Isabel Allende. No Chile se incentiva a imaginação e a escrita já na educação infantil junto ao processo de alfabetização nas escolas públicas. Eu tive excelentes professores que me incentivaram a escrever e não porque eu tivesse talento ou me destacasse sobre os outros alunos, mas por causa da política de formação oferecida para todos de forma igual. Posso assim concluir que a escola é o principal lugar para recebermos motivação pela escrita. No meu caso, a série de livros que tenho publicado ultimamente, foi gestada durante o momento de isolamento que a pandemia da covid nos impôs. A “era covídica” me motivou a tornar públicos os textos sobre assuntos do cotidiano que guardava para mim contendo reflexões acerca da experiência de vida. Eu já havia publicado alguns trabalhos acadêmicos e tinha produzido alguns cadernos pedagógicos tendo por assunto os métodos de planejamento. Também tinha publicado com finalidade caseira um conto infantojuvenil dedicado aos meus netos, com base no momento político que concluiu no afastamento do cargo da presidenta Dilma Rousseff. Na sequência publiquei o livro “A Caminho do Império do Sol – Um diário de aventura e reflexões” que conta uma série de reflexões inspiradas na visita a Machu Picchu. Após participar de uma série de antologias poéticas, lançamos recentemente na 26ª Bienal Internacional de São Paulo o livro “Poetizando o Cotidiano” sob os cuidados da Sarasvati Editora, de minha querida amiga Vânia Clares. E já se encontra no prelo o livro “Os Cristãos Pelo Socialismo Durante o Governo de Salvador Allende”, que tem por base a minha dissertação de Mestrado. 

Como analisa a questão da leitura no país? 

Creio que, de alguma forma indireta, ao falar da minha experiência na escola pública do Chile, já dei algumas dicas sobre como vejo a leitura no Brasil. Por um lado, não vejo de que maneira as políticas públicas de educação estejam avocadas a ensinar e produzir grandes escritores. E a bem da verdade, talentos não faltam. O povo brasileiro tem uma imaginação fértil e uma narrativa oral muito desenvolvida. Não há como se omitir de mencionar as grandes escritoras e escritores brasileiros, a exemplo de Cora Coralina, Clarice Lispector, Jorge Amando, Mario Quintana e Castro Alves, entre outros. Hoje vivemos um tempo de sucateamento do sistema de ensino público, somos afrontados por uma cultura obscurantista e negacionista que reprime o senso crítico e a criatividade. É preciso voltar a fazer da escola pública um celeiro de pensadores e escritores. Para além disso, é preciso criar a imprensa pública, capaz de publicar e vender livros de autores nacionais a preços acessíveis. Trata-se de políticas públicas destinadas a popularizar a produção da escrita e a leitura. 

O que tem lido ultimamente? 

Para mim a leitura é um alimento diário. Ainda me considero um aprendiz da língua portuguesa. Do ponto de vista da literatura, nos dois últimos meses, tenho lido muitas publicações de escritores atuais e independentes vinculados à Academia Contemporânea de Letras onde tomarei posse, após ter sido aceito, nos próximos dias. Cito entre essas leituras: “Quase Aragem” de Vânia Clares; “Emancipação” de Glafira Menezes Corti; “A Travessia Das Memórias” de Marly de Souza; “Os Versos São o Meu Universo” de Deobaldo Barbosa da Silva; “Sala dos Professores” de João Raimundo Coutinho. Super-recomendo. 

Uma pergunta que não fizemos e que gostaria de responder. 

Dá para ganhar dinheiro escrevendo? (Risos). Escritores independentes não ganham dinheiro com suas obras. Aliás, ESCRITOR ou ESCRITORA não é uma profissão, é um ofício nada rentável, a não ser para aqueles que se tornaram best-seller. 

 

CIDA SIMKA

É licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Autora, dentre outros, dos livros O enigma da velha casa (Editora Uirapuru, 2016), Prática de escrita: atividades para pensar e escrever (Wak Editora, 2019), O enigma da biblioteca (Editora Verlidelas, 2020), Horror na biblioteca (Editora Verlidelas, 2021) e O quarto número 2 (Editora Uirapuru, 2021). Organizadora dos livros Uma noite no castelo (Editora Selo Jovem, 2019), Contos para um mundo melhor (Editora Xeque-Matte, 2019), Aquela casa (Editora Verlidelas, 2020), Um fantasma ronda o campus (Editora Verlidelas, 2020), O medo que nos envolve (Editora Verlidelas, 2021) e Queimem as bruxas: contos sobre intolerância (Editora Verlidelas, 2021). Colunista da revista Conexão Literatura.

SÉRGIO SIMKA

É professor universitário desde 1999. Autor de mais de seis dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a série Mistério, publicada pela editora Uirapuru. Colunista da revista Conexão Literatura. Seu mais recente trabalho acadêmico se intitula Pedagogia do encantamento: por um ensino eficaz de escrita (Editora Mercado de Letras, 2020) e seu mais novo livro juvenil se denomina O quarto número 2 (Editora Uirapuru, 2021). 
Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA
clique sobre a capa

BAIXE O E-BOOK GRATUITAMENTE

APOIO E INCENTIVO À LEITURA

APOIO E INCENTIVO À LEITURA
APOIO E INCENTIVO À LEITURA

INSCREVA-SE NO CANAL

INSCREVA-SE NO CANAL
INSCREVA-SE NO CANAL

DO INCISIVO AO CANINO - BERT JR.

MAFRA EDITIONS

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

DIVULGUE O SEU LIVRO

FUTURO! - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels