Tirinhas do Snoopy foi uma das primeiras a ter representação racial

Conheça cinco curiosidades dos quadrinhos mais inteligentes e irônicas que impactaram gerações ganham livros colecionáveis em homenagem aos ...

Mostrando postagens com marcador Thiago Fernandes. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Thiago Fernandes. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 27 de julho de 2020

Thiago Fernandes e o livro O Fantasma de Vila Esperança, por Cida Simka e Sérgio Simka

Thiago Fernandes - Foto divulgação
Fale-nos sobre você.

Comecei cedo na arte da “criação”. Quando criança desenhava quadrinhos com personagens de séries que assistia na TV (séries japonesas, norte-americanas), sempre elaborando situações inéditas, com muito diálogo e ação. Minha mãe sempre me incentivava e eu mal sabia que já estava atuando como um legítimo roteirista. O tempo passou e acabei deixando os desenhos e histórias em quadrinhos para trás, pois estava descobrindo um novo talento, lá pelos meus vinte anos: os poemas. Escrevi pouco mais de cinquenta, um após o outro, brincando com as rimas, em versos e estrofes. Minha mãe, mais uma vez, amou!

Porém, somente em meados de 2003, com vinte e dois anos, foi que descobri que tinha o dom de aliar a criação com a escrita. No meu primeiro livro – Dragões da Noite – criei um reino gigantesco, com muitos personagens e lugares diversos, em quase mil páginas divididas em dois volumes. De lá para cá já foram mais oito livros (todos infantojuvenis) e ainda há muitos por vir.

ENTREVISTA:

Fale-nos sobre o livro.

“O Fantasma de Vila Esperança” foi o campeão de vendas entre os anos de 2007 e 2011. Apesar de ter sido a primeira grande aventura dos amigos, Ju, Elô, Paulinho, Régis e Bocão, os mistérios envolvendo as crianças da pequena cidade atraíram os leitores e causaram ótimas avaliações. A história começa com o desaparecimento da irmã de Henrique, um menino ainda novo na cidade, quando ambos exploram a entrada de uma mina abandonada. Os cinco amigos se juntam para tentar entender o que pode ter acontecido, mas mal sabiam que, a partir daquele momento, já estariam despertando a ira de um terrível ser.

A estratégia dele é simples; iniciar o domínio sobre Vila Esperança pelo lado mais fácil: as crianças. À medida que os cinco amigos vão investigando, aproximam-se mais dos segredos e mistérios que cercam o poderoso inimigo (um Palhaço), as ações vão se tornando perigosas e cada passo dado poderá ser o último.

Fale-nos sobre a coleção "A Turma 5".

A coleção foi publicada pela primeira vez em 2007 e chegou em 2011 com seis obras disponibilizadas para venda. Além de “O Fantasma de Vila Esperança” a coleção conta, também, com os títulos “O Enigma do Monstro”, “O Mistério do Além”, “A Colônia do Medo”, “O Jogo Mortal” e “O Cavaleiro das Sombras”.  Em todas elas, apesar de seus títulos “apavorantes”, sempre me preocupei em deixar boas mensagens, algo que pudesse fazer o leitor refletir. As palavras-chave na coleção são amizade, companheirismo, doação, luta e a minha preferida, coragem.

Em todas as aventuras os cinco amigos vão precisar de todas elas, na prática, pois o objetivo é mostrar que, para vencermos grandes obstáculos ou desafios, precisamos de amigos, precisamos de ajuda, precisamos ter coragem. Ninguém jamais conseguirá vencer sozinho, não obterá vitória sem alguém para se apoiar. A coleção vai além de simples histórias que todo mundo gosta de ler, ela mostra que podemos substituir os personagens e seu cenário fictício pela vida real e as nossas batalhas diárias. O segredo é não desistir, nunca.

Como analisa o mercado de livros infantojuvenis atualmente?

A meu ver, com tudo o que vivencio desde 2007, vejo um mercado discreto, hoje. Naquela época, talvez, não houvesse tantos títulos no gênero e o cenário econômico favorecia as vendas. Depois dos eventos esportivos, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, que a meu ver foram decisivos para a nossa situação econômica atual, vimos uma crise surgir e que até hoje se reflete na sociedade brasileira (alta taxa de desemprego aliada aos diversos escândalos de corrupção, impeachment, Lava-Jato etc.).

 A pandemia em que vivemos, claro, dificulta ainda mais o cenário, pois as escolas e colégios realizam adoções de livros do gênero, mas, como costumo dizer, haverá sempre um novo nascer do Sol e com ele tudo se renova. Devemos seguir em frente, pois só depende de nós.

Que dica poderia fornecer a um escritor principiante?

Don’t stop! Rsrsrs – Nunca pare. Jamais desista. Não há vitória sem sacrifício. Sempre ouvi de pessoas bem próximas (geralmente são muito próximas, mesmo) coisas do tipo – “Não gaste dinheiro com isso. No Brasil ninguém lê.” Ou “Você é doido de mexer com literatura em um país onde ninguém gasta dinheiro com livro” – então fiz uma escolha; decidi absorver tudo o que me diziam, que poderia dar errado, e transformei em combustível em mim mesmo, para quando estivesse mais fraco (sim, os grandes sonhos pesam e existem esses momentos) eu pudesse me lembrar de que poderia quebrar as barreiras que muitos achavam ser intransponíveis. Em outras palavras, viva, sonhe e lute. Tudo junto, todo dia!

O que deseja para o futuro?

Que todos tenham acesso à leitura. Que as escolas mais pobres possam ser as mais favorecidas. Que crianças e adolescentes, aqueles que residem, lá no interior do sertão do Brasil, possam ter livros de qualidade (conteúdo e físico), porque conheço belos trabalhos realizados por guerreiros anônimos, também conhecidos como professores, que lutam todos os dias para levarem o gosto da leitura para as salas de aula e, acreditem, eles conseguem obter resultados surpreendentes. Só precisamos de pessoas que acreditem, que se interessem, que façam valer a pena. 


CIDA SIMKA
É licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Autora, dentre outros, dos livros O enigma da velha casa (Editora Uirapuru, 2016), Prática de escrita: atividades para pensar e escrever (Wak Editora, 2019) e O enigma da biblioteca (Editora Verlidelas, 2020). Organizadora dos livros: Uma noite no castelo (Editora Selo Jovem, 2019), Contos para um mundo melhor (Editora Xeque-Matte, 2019), Aquela casa (Editora Verlidelas, 2020) e Um fantasma ronda o campus (Editora Verlidelas, 2020). Colunista da Revista Conexão Literatura.

SÉRGIO SIMKA
É professor universitário desde 1999. Autor de mais de seis dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a série Mistério, publicada pela Editora Uirapuru. Membro do Conselho Editorial da Editora Pumpkin e colunista da Revista Conexão Literatura. Seu mais novo livro se intitula Pedagogia do encantamento: por um ensino eficaz de escrita (Editora Mercado de Letras, 2020).
Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels