Mostrando postagens com marcador 8x Hilda. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador 8x Hilda. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 28 de janeiro de 2021

8x Hilda: projeto reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online


A obra teatral completa de Hilda Hilst (1930-2004) é apresentada em 8x Hilda, ciclo de leituras online com participação dos atores Lavínia Pannunzio, Joca Andreazza, Flávia Couto e Kiko Rieser, entre os dias 7 de fevereiro e 28 de março. A curadoria é de Fábio Hilst e a direção se alterna, semanalmente, entre os próprios atores.

 

A transmissão é ao vivo e grátis, aos domingos, às 18 horas, pelo canal YouTube/CuradoriaHilst. As sessões serão gravadas e disponibilizadas com tradução em Libras no mesmo canal, sempre na quarta-feira seguinte a cada leitura, às 20 horas.

 

8x Hilda comemora os 90 anos de nascimento da escritora paulista, completados em 2020, trazendo à cena suas oito peças, escritas entre os anos de 1967 e 1969: A Empresa (A Possessa) (7/2), O Rato no Muro (14/2), O Visitante (21/2), Auto da Barca de Camiri (28/2), As Aves da Noite (7/3), O Novo Sistema (14/3), O Verdugo (21/3) e A Morte do Patriarca (28/3).

 

O projeto propõe um jogo cênico virtual que celebra e explora a dramaturgia hilstiana, criada em pleno período da ditadura militar brasileira. Segundo o idealizador Fábio Hilst, “a dinâmica consiste no mergulho dos quatro atores/encenadores  no universo de Hilda, desvendando os textos - e subtextos - e os mais de 60 personagens da obra, para mostrar ao público o processo de estudo de uma peça e o início da construção de personagens e cenas”. A ideia de encenar o teatro completo de Hilda Hilst é uma iniciativa que Fábio, pela produtora Três no Tapa, já havia colocado em andamento, em 2020, com a montagem de As Aves da Noite, cuja estreia foi adiada em decorrência da quarentena imposta pela pandemia do coronavírus.

 

A produção dramatúrgica de Hilda Hilst - criada no momento em que o teatro e os artistas viviam sob os mandos e desmandos da censura do regime militar - é considerada um ensaio para sua obra em prosa da década de 1970, mais livres nos artifícios da linguagem e nas tramas do cotidiano. Seus textos teatrais traduzem a atmosfera claustrofóbica de opressão e os questionamentos ao sistema, representado pela igreja, pelo Estado ou pela ciência, para se comunicar com as pessoas de forma "urgente" e "terrível". Os personagens, vítimas ou algozes, aparecem em situações limite, presos às estruturas que escravizam e alienam - celas, porões, colégios religiosos ou locais de julgamento e execução de prisioneiros. As máscaras sociais (juiz, carcereiro, monsenhor, papa, madre superiora) são arrancadas por Hilda, que mostra também personagens dotados de almas, tolhidas do seu verdadeiro voo.

 

As primeiras encenações ocorreram na cena universitária, na Escola de Artes Dramáticas, com O Rato no Muro e O Visitante, no final dos anos 60. O Verdugo teve a primeira montagem profissional, em 1973, sendo a única peça hilstiana editada na época. As quatro primeiras peças de Hilda Hilst foram publicadas, em 2000, pela Editora Nankin (Teatro Reunido). Em 2008, quatro anos após sua morte, a Editora Globo publicou seu teatro completo em volume único.

 

FICHA TÉCNICA: Textos: Hilda Hilst. Curadoria / idealização: Fábio Hilst. Elenco / direção: Lavínia Pannunzio, Joca Andreazza, Flávia Couto e Kiko Rieser. Produção: Três no Tapa Produções Artísticas. Assistência de produção: Fernanda Lorenzoni. Técnico de transmissão: Gustavo Bricks e Henrique Fonseca. Design / gerenciamento de mídia: Ton Prado. Sinopses: Hilda Hilst - Teatro Completo (L&PM / Leusa Araujo). Realização: ProAC Expresso LAB, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo. As leituras contam com participação de atores convidados, conforme a demanda de personagens de cada texto.

 

PROGRAMAÇÃO

 

Ciclo de leituras: 8x Hilda

Quando: 7 de fevereiro a 28 de março/2021

Horário: Domingos, às 18h

Onde: Youtube/CuradoriaHilst

Grátis. Duração estimada: 120 min. Classificação: 14 anos.

Com tradução em Libras (gravado): 10/02 a 31/03 – Quartas, às 20h

 

7 de fevereiro: A Empresa (A Possessa)

A Empresa (inicialmente, A Possessa) foi o texto de estreia de Hilda Hilst na dramaturgia, em 1967. Trata-se de uma crítica ao trabalho alienado, com o qual se busca mais a eficiência que a criatividade. América é uma adolescente questionadora que se rebela contra a tradição representada pelo colégio religioso e terá de prestar contas ao Monsenhor e ao Superintendente. Esse inconformismo é medido por certos “robôs eletrônicos" (personagens Eta e Dzeta) criados pela própria América que, depois, são utilizados pela instituição para conter as “asas do espírito” e a imaginação. Ou seja, os dirigentes do colégio/empresa impõem às Postulantes e a América um trabalho alienante, o que desencadeia a morte da protagonista. 7 personagens. Direção: Flávia Couto.

 

14 de fevereiro: O Rato no Muro

O ambiente do colégio religioso, recorrente na obra da autora, aparece em O Rato no Muro (1967) ainda mais estreito. Tudo se passa numa capela, onde a Superiora está cercada por nove irmãs, identificadas por letras de A a I. Estão ajoelhadas, e ao lado de cada uma delas, o “chicote de três cordas”. Cada uma das religiosas expressa visões diferentes, a partir de pequenos abalos ao austero cotidiano do claustro. Irmã H (alter ego da autora) é a mais questionadora e lúcida. Tenta em vão mostrar às outras a necessidade de libertação, representada pelo desejo de ser o rato, único capaz de ultrapassar os limites do muro da opressão e do pensamento único. 10 personagens. Direção: Kiko Rieser.

 

21 de fevereiro: O Visitante

Peça mais poética de Hilda Hilst, O Visitante (1968) gira em torno do conflito entre Ana e Maria – mãe e filha. Ana, encantadora e meiga, descobre-se grávida. Mas a filha, estéril e parecendo mais velha, levanta suspeitas sobre a paternidade, já que seu marido, genro de Ana, é o único homem da casa. A chegada de um visitante, o Corcunda, provoca uma distensão sem, no entanto, apagar o conflito que, de um lado tem o apelo da vida, do sexo e do amor e, do outro, a aspereza de um mundo sem prazer. 4 personagens. Direção: Lavínia Pannunzio.

 

28 de fevereiro: Auto da Barca de Camiri

Baseado em fatos reais, Auto da Barca de Camiri é a quarta peça de Hilda Hist, escrita em 1968. Em julgamento encontra-se o revolucionário argentino Ernesto Che Guevara, morto em Camiri, na Bolívia - ainda que seu nome não seja mencionado e que sua figura, na peça, seja confundida com a de Cristo. Sob a tensão permanente dos ruídos de metralhadora soando do lado de fora e com o desconforto do cheiro dos populares que desagradam os julgadores, Hilda introduz elementos grotescos e inovadores. A severidade da Lei é representada pelos juízes (vistos de ceroulas antes de vestirem as togas com abundantes rendas nos decotes e mangas). Há também o Prelado e o Agente. A condenação está decidida, a despeito do depoimento do Trapezista e do Passarinheiro que, assim como os demais humildes, serão executados pelas metralhadoras. 7 personagens. Direção: Joca Andreazza.

 

7 de março: As Aves da Noite

Escrita em 1968, As Aves da Noite é baseada na história real do padre franciscano Maximilian Kolbe, morto em 1941, no campo nazista de Auschwitz. Ele se apresentou voluntariamente para ocupar o lugar de um judeu pai de família sorteado para morrer no chamado “porão da fome” em represália à fuga de um prisioneiro. No porão da fome, a autora coloca em conflito os prisioneiros – o padre, o carcereiro, o poeta, o estudante, o joalheiro –, visitados pelo comandante da SS, pela mulher que limpa os fornos e por Hans, o ajudante da SS. O processo de beatificação do padre Maximilian Kolbe, iniciado em 1968, resulta na canonização em 1982, pelo papa João Paulo II. Hoje São Maximiliano é considerado padroeiro dos jornalistas e radialistas e protetor da liberdade de expressão. 7 personagens. Direção: Kiko Rieser.

 

14 de março: O Novo Sistema

O Novo Sistema, escrita em 1968, volta ao tema da privação da liberdade e da criatividade por regimes totalitários. O personagem central, o Menino prodígio em física, não se conformará com a execução dos dissidentes em praça pública nem com a opressão – desta vez exercida pela ciência – à evolução espiritual do indivíduo. Assim como em A Empresa, é evidente a afinidade com a literatura distópica de George Orwell e Aldous Huxley. 12 personagens. Direção: Joca Andreazza.

 

21 de março: O Verdugo

O Verdugo foi escrito em 1969 e, no mesmo ano, recebeu o prêmio Anchieta. Conta a história do carrasco que se recusa a matar o Homem, um agitador inocente, condenado pelos Juízes e amado por seu povo. Temendo reações contrárias, os Juízes tentam - em vão - subornar o verdugo para que este realize a tarefa o mais rápido possível. Apenas o jovem filho entende a recusa do pai. A mulher, ao contrário, aceita a oferta em dinheiro e toma o lugar do marido ao pé do patíbulo, com a concordância da filha e do genro. No final, o verdugo reaparece, desmascara a mulher e conta ao povo o que se passara após sua decisão. O povo reage violentamente matando a pauladas o carrasco e o Homem. O filho sobrevive e foge com os Homens-coiotes, símbolos de resistência. 10 personagens. Direção: Flávia Couto.

 

28 de março: A Morte do Patriarca

Em A Morte do Patriarca (1969) podemos reconhecer o humor ácido e o tom de escárnio de Hilda. Um Demônio com “rabo elegante” e de modos finos discute os dogmas da religião e o destino humano com Anjos, o Cardeal e o Monsenhor, ante a visão dos bustos de Marx, Mao, Lenin e Ulisses, de uma enorme estátua de Cristo e da tentativa do Monsenhor de colocar asas na escultura de um pássaro. O Demônio seduzirá o Cardeal a tomar o lugar do Papa; posteriormente, o próprio Papa é morto pelo povo. 9 personagens. Direção: Lavínia Pannunzio.

 

PERFIS

 

Hilda Hilst (1930-2004, Jaú/SP) – Hilda Hilst foi ficcionista, cronista, dramaturga e poeta, considerada uma das maiores escritoras em língua portuguesa do século XX, com traduções em países como Itália, França, Portugal, Alemanha, Estados Unidos, Canadá e Argentina. Iniciou sua produção literária em São Paulo, com o livro de poemas Presságio (1950). Em 1965, mudou-se para Campinas e iniciou a construção de seu porto de criação literário, a Casa do Sol, espaço que a abrigou durante a realização de 80% de sua obra. Autora de linguagem inovadora, na qual atemporalidade, realidade e imaginação se fundem, a estreia de Hilda na dramaturgia foi em 1967 e, três anos depois, na ficção com Fluxo-floema. Em cerca de 50 anos, ela escreveu mais de 40 títulos, muitos com edições esgotadas, incluindo poesia, teatro e ficção, que lhe renderam prêmios literários importantes no Brasil. Em sua obra nos deparamos com a fragilidade humana que nos surpreende com personagens em profundos questionamentos na viagem de entender e descobrir o essencial. A partir dos anos 2000, a Globo Livros reeditou sua obra completa e, em 2016, os direitos de publicação foram para a Companhia das Letras. Mais recentemente, a L&PM Editores lançou em livro toda a sua dramaturgia. O acervo deixado pela escritora encontra-se na Sala de Memória Casa do Sol e no Centro de Documentação Cultural Alexandre Eulálio da Unicamp.

 

Lavínia Pannunzio (atriz) - Atriz e diretora formada pela UNICAMP, Lavínia acumula importantes prêmios no currículo como APCA, Coca-Cola/Femsa, Shell e Mambembe. Foram mais de 50 trabalhos realizados apenas em teatro, em parte deles acumulando a função de diretora. Entre os principais trabalhos, destacam-se: A Vida é Cheia de Som e Fúria e Temporada de Gripe, com direção de Felipe Hirsch; Esperando Godot e O Mambembe, com direção de Gabriel Villela; Cacilda! com direção de Zé Celso; além de outros dirigidos por José Possi Neto, Silney Siqueira, Mário Bortolotto, Regina Galdino, Eric Lenate, Márcio Aurélio etc. Como diretora, destacam-se Pelos Ares (vencedor do 14º Festival Cultura Inglesa), A Serpente (de Nelson Rodrigues) e Era uma Vez um Rio (vencedor dos prêmios APCA e Coca-Cola/Femsa). No audiovisual, atuou no clip Gouts Dripping (de Gui Cicarelli, direção de Willians Mezzacappa), Pérola (adaptação de Murilo Benício para a peça de Mauro Rasi), O Quarto (de Luna Grimberg), Boleiros 2 – Vencedores e Vencidos (de Ugo Giorgetti), Tudo que é Sólido Pode Derreter (de Rafael Gomes) e Cama de Gato (de Alexandre Stockler). Na TV participou de: Éramos Seis, Aruanas, Ligações Perigosas e Sandy & Junior (Rede Globo); Samantha! (Netflix); Beleza S/A (O2 Filmes); Psi (HBO); 9mm (Fox); Descolados (MTV); Além do Horizonte e Dois Apês (TV Cultura); Dance, Dance, Dance (Band), As Pupilas do Senhor Reitor, O Direito de Nascer e Chiquititas (SBT).

 

Joca Andreazza (ator) - Joca atua há mais de 20 anos como ator, diretor, mascareiro, aderecista e professor. Formado em Artes Cênicas pela Unicamp, onde docente por dois anos, e na UNISO - Universidade de Sorocaba - trabalhou como docente por três anos. Foi bolsista do FAP-Funcamp (Fundação de Apoio à Pesquisa de Unicamp), onde desenvolveu o projeto de pesquisa Um Estudo da Comédia do Renascimento Italiano. Ganhou o prêmio APCA de melhor ator com as peças A Bilha Quebrada, de H. von Kleist, e  A Ilusão  Cômica, de Pierre Corneille com direção  de Márcio Aurelio, e Prêmio da Cooperativa Paulista de Teatro de melhor elenco por Anatomia Frozen, de Bryony Lavory. Integrou por 25 anos a Cia. Razões Inversas, atuando nos premiados Agreste e Anatomia Frozen, apresentados no Brasil inteiro e exterior. Atuou em A Estrada e Protocolo Volpone (direção de Johana Albuquerque), Assim É se lhe Parece (de L. Pirandello, direção de Marco Antônio Pâmio), ganhador de vários prêmios, e A Língua em Pedaços (direção de Elias Andreato). Atuou na série O Caçador (direção de José Alvarenga) e Felizes para Sempre (direção de Fernando Meirelles), ambas na Rede Globo. Integrou a série Escola de Gênios (Gloob), além de participar de O Escolhido (Netflix).

 

Flávia Couto (atriz) - Atriz e produtora, doutoranda no Programa de Artes da Cena na linha Poéticas e Linguagens da Cena da Unicamp, mestre em Pedagogia do Teatro e bacharel em Interpretação Teatral. Em 2020, dirigiu e atuou no experimento cênico online O Amor e a Peste, em parceria com o ator Pedro Guilherme e participou do Tablado Lírico de Hilda Hilst (online) da Biblioteca Mário de Andrade. Em 2019, pela Bolsa Aprimoramento do ProAC, realizou o Workshop/Formação Intensiva Teatro Total  com A Dança das Intenções (de Roberta Carreri, do Odin Teatret) e Alquimia Corpo/Texto (com Fábio Ezechiele Sforzini, do Théâtre des Grands Chemins). Como atriz destacou-se nos solos Anaïs Nin à Flor da Pele (direção Aline Borsari, do Théâtre du Soleil) e Floema (de Hilda Hilst, direção de Donizeti Mazonas) e em Hamlet-ex-machina (direção de Érika Bodstein), A Casa de Bernarda Alba (leitura dramática musical, Itaú Cultural, Ocupação Laura Cardoso), Vestir o Pai (de Mário Viana), Selvagens - Homem de Olhos Tristes (direção Hugo Coelho) e O Unicórnio (de Hilda Hilst, direção Christina Trevisan). No cinema participou dos longas Amador e À Procura de Borges, ambos com direção de Cristiano Burlan, e da série A Vida Alheia, da TV Globo.

 

Kiko Rieser (ator) - Formado em Artes Cênicas pela ECA-USP, Kiko dirigiu Capitu, Olhos de Mar (autoral), Na Cozinha com a Autora (com Adriana Londoño e Camila dos Anjos), Amarelo Distante (autoral, baseado em Caio Fernando Abreu), A Dama da Noite (de Caio F. Abreu, com André Grecco), A Vida Útil de Todas as Coisas (autoral - indicações ao Prêmio Aplauso Brasil) e os infantis Braguinha - Sons, Canções e Histórias (parceria com Cristiano Tomiossi, Sesc’s Ipiranga e Pinheiros, Quatro indicações ao Prêmio São Paulo) e O que Fica das Pessoas que Vão (autoral). Produziu todos esses espetáculos (exceto A Dama da Noite), além de Cabarezinho (por dois anos no CIT-Ecum), Gardênia (em cartaz por seis anos), Consertando Frank (indicado a melhor espetáculo no Prêmio APCA), Volpone (Teatro MuBE), Moinhos e Carrosséis (infantil), A Cabala do Dinheiro (direção de Clarice Niskier e André Aciolli), Esperando Godot (Grupo Garagem 21, indicado ao Prêmio Shell 2017 de Melhor Figurino), O Quarto Estado da Água (com Anderson Di Rizzi e Kiko Pissolato) e Brian ou Brenda? (direção Yara de Novaes e Carlos Gradim). Em 2012, foi um dos vencedores do concurso Dramaturgias Urgentes, do CCBB, com a peça Desassossego. É autor de Lapsos (poemas, Editora Patuá, 2017) e Átimo (romance, Editora Instante, 2018).

 

Fábio Hilst (produtor e curador) - Produtor teatral há mais de 15 anos, Fábio Hilst assina a produção executiva de vários espetáculos de sucesso, recomendados pela crítica. Ao lado de nomes como Jarbas Homem de Mello, Henrique Benjamin, Sandro Chaim e Alexandra Golik, entre outros, realizou os seguintes trabalhos nos últimos anos: Forever Young (comédia musical, há três anos em cartaz) e Musical Popular Brasileiro, ambos com direção de Jarbas Homem de Mello; os infantis O Jovem Príncipe e a Verdade (direção Regina Galdino, vencedor de editais da Petrobrás e Caixa Cultural) e O Corcunda Quaquá (clássico da literatura adaptado para o público infantil com foco na acessibilidade); Bola de Ouro (direção Marco Antonio Braz, com Celso Frateschi, Walter Breda e outros); Selvagens - Homem de Olhos Tristes (direção Hugo Coelho), O Terraço (de Jean-Claude Carrière, direção Alexandre Reineck); A Graça do Vira (com Paulinho Serra, Guilherme Uzeda e outros, direção Alexandra Golik); Vovó Delícia (infantil adaptado do livro de Ziraldo, com Anna Karolina Lannes). Atualmente, está à frente da produção de As Aves da Noite (de Hilda Hilst, direção Hugo Coelho, com Marco Antônio Pâmio, Marat Descartes e Genézio de Barros) e do infantojuvenil Hora do Recreio (escrito e interpretado por Fernando Lyra Jr.). É proprietário da Três no Tapa Produções Artísticas.

 

Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email. Basta confirmar ):

Posts mais acessados da semana

Anuncie e Divulgue Conosco

CLUBE DO LIVRO UNIÃO

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

FUTURO! - ROBERTO FIORI

SROMERO PUBLISHER

Leitores que passaram por aqui

Labels