Tirinhas do Snoopy foi uma das primeiras a ter representação racial

Conheça cinco curiosidades dos quadrinhos mais inteligentes e irônicas que impactaram gerações ganham livros colecionáveis em homenagem aos ...

Mostrando postagens com marcador Ana Cristina Braga Martes. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ana Cristina Braga Martes. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 21 de agosto de 2020

A socióloga Ana Cristina Braga Martes lança seu primeiro romance pela Confraria do Vento

Ana Cristina Braga Martes - foto: Carol Carquejeiro
Mesclando ficção e realidade, a estreia literária de Ana Cristina é parcialmente inspirada na vida e na obra da escritora mineira Maura Lopes Cançado para construir sua própria narrativa ficcional

A editora Confraria do Vento lança A origem da água, primeiro romance da socióloga Ana Cristina Braga Martes. O livro é uma "biografia inventada" sobre Maura Lopes Cançado, abordando questões como loucura e sanidade, maternidade, trabalho, família, relações amorosas, saúde mental e institucionalização, além da busca pela liberdade da mulher num Brasil patriarcal com legado escravocrata.

O livro conta a história da protagonista Laura, que se interna voluntariamente num hospital psiquiátrico do Rio de Janeiro, aos 25 anos. Com densidade psicológica e uma narrativa imersiva, a autora discorre sobre as percepções da protagonista nesse ambiente desde sua chegada: a falta de cores nas paredes e nas roupas, os silêncios, a maneira como é tratada pelos funcionários. "Passando o guichê e um longo corredor, no primeiro esbarrão já se percebe: tratar uma pessoa como louca é fechar a boca à sua frente, exercer muda contenção à sua volta".

De forma poética, concisa e densa, A origem da água, escrito em primeira pessoa, conduz o leitor para o universo da loucura a partir do olhar e do mundo íntimo da protagonista. Nascida numa fazenda no interior rural do Brasil, desde a infância Laura começa a conhecer, desvelar e estranhar essa realidade, em que os homens ditavam as regras, e os papéis sociais, especialmente os de trabalho e gênero, eram fixos e intransponíveis. 


"Obra ousada no tema, de linguagem refinada e atmosfera ficcional primorosa, o primeiro romance de Ana Cristina Braga Martes apresenta uma autora que tem muito a dizer".
Heloisa Jahn 

Com uma estrutura circular em que intercala passado e futuro, Ana Cristina escreve como se tateasse os limites entre a loucura e a lucidez, focalizando na trajetória de Laura sua paixão pelo pai e pelo sogro, a expulsão do colégio interno, a aviação como um modo de explorar fronteiras geográficas e simbólicas, o casamento e a maternidade ainda adolescente, além da internação e da busca pela autonomia e reconhecimento na capital do país. A jornada de Lauratão ousada quanto arriscada para a época- é retratada com delicadeza e profundidade numa linguagem aparentemente contida.

Laura ousou participar de um mundo dominado por homens, onde as mulheres não eram bem-vindas, e dificilmente obtinham reconhecimento no âmbito profissional, mesmo nos meios mais letrados e intelectualizados por onde circulava, quando colaborou para um grande jornal após receber um prêmio literário.

"Como uma represa que contém uma cachoeira, assim é a escrita de Ana Cristina Braga Martes, em que a elegância e a discrição não devem enganar o leitor: trata-se de contenção. O que essa frase oculta - e seu silêncio é eloquente - é de uma densidade não só reflexiva, mas também, muitas vezes, agressiva. Em "A origem da água", a personagem Laura, livremente baseada na escritora Maura Lopes Cançado, expõe os desvãos da loucura, denunciando, ao mesmo tempo, os desvãos dos tratamentos e das condutas dos supostamente "sãos". Os limites da linguagem de Martes não bloqueiam, mas, ao contrário, nos fazem imaginar outros territórios.".

Noemi Jaffe

Na história de Laura há também a descoberta da sexualidade, a busca pela palavra, os limites impostos dentro do hospital psiquiátrico, e uma observação primorosa sobre as outras mulheres internadas e as funcionárias, numa espécie de fluxo incontido que transita entre o distanciamento e a contemplação, a ousadia e a redenção. Amigas imaginárias, colegas de hospício, e a denúncia lúcida dos tratamentos abusivos e arbitrários dentro daquele espaço também fazem parte da construção narrativa.

A loucura de Laura se intensifica e a autora descreve sua vida interior com maestria e sutileza, atenuando os limites entre ficção e realidade, verdade e ilusão, devaneio, delírio e sonho, sem perder o fio condutor da narrativa e oferecendo ao leitor diversas possibilidades e visões de uma mesma personagem.

"Meu intuito é retratar a loucura indo além do lado depressivo e mórbido dos transtornos mentais, para mostrar um outro lado, o da criatividade, da pulsão de vida, ousadia e liberdade", conta Ana Cristina. "Quero fazer com que as pessoas se sensibilizem e se interessem por este outro lado".

Ana Cristina Braga Martes é socióloga, pesquisadora e ex-professora da Fundação Getulio Vargas de São Paulo. Nascida em Varginha (MG), mudou-se para São Carlos (SP) ainda na infância. Estudou Ciências Sociais na UNESP-Araraquara e fez mestrado e doutorado na Universidade de São Paulo, tendo feito parte do seu doutorado no Massachusetts Institute of Technology (MIT). Viveu em Boston por dois anos, pesquisando a imigração brasileira naquela região. Foi Pesquisadora Visitante na Universidade de Boston e fez pós-doutorado na Universidade de Londres (King´s College of London). Publicou e organizou diversos artigos e livros acadêmicos, entre eles Brasileiros nos Estados Unidos – um estudo sobre imigrantes em Massachusetts, pela editora Paz e Terra, em 2000; e New Immigrants, New Land – A study of Brazilians in Massachusetts, pela University Press of Florida, em 2011. Como organizadora publicou Redes e Sociologia Econômica, pela UFSCAR, em 2009 e Fronteiras Cruzadas – etnicidade, gênero e redes sociais, pela editora Paz e Terra, em 2003. Tem mais de 30 artigos publicados em periódicos na Argentina, Brasil, Estados Unidos e França. A origem da água é seu primeiro livro de ficção.

Mais informações sobre Maura Lopes Cançado em: https://bit.ly/2E9Am9U.

Confraria do Vento
A Confraria do Vento seria só uma editora, se não fosse antes uma tarefa: reunir escritores contemporâneos de diversas vertentes em uma mesma casa. A editora, localizada no Centro do Rio de Janeiro, tem apoiado inúmeras iniciativas e eventos culturais, que vão de saraus, simpósios e festivais de literatura pelo Brasil, além da promoção de intercâmbios e diálogos com grupos e escritores de todo o mundo. Já publicou livros de autores como Boaventura Sousa Santos, Carlos Felipe Moisés, Chico César e Hegel, entre outros. Entre os prêmios recebidos, estão Prêmio Brasília de Literatura e o Prêmio de Melhor Livro de Poesia do Ano da Biblioteca Nacional para o livro Aquário desenterrado, de Samarone Lima; Portugal Telecom na categoria contos para o livro Entre moscas, de Everardo Norões; e Prêmio Jabuti na categoria poesia para Corpo de festim, de Alexandre Guarnieri. Em 2018, Spoilers, de Diego Grando, recebeu o Prêmio Açorianos de Literatura. Mais informações em www.confrariadovento.com.
Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels