O Grande Gênio Tim Burton, por Ademir Pascale

Por Ademir Pascale Timothy William Burton (Tim Burton), nasceu em Burbank, na Califórnia, no dia 25 de agosto de 1958. Burton foi um garoto...

Mostrando postagens com marcador Apaguei a playlist. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Apaguei a playlist. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

Editora Castanha Mecânica lança novo livro

“Apaguei a playlist/ comecei a dançar” reúne poesias em tom memorialístico

Mesmo diante do cenário de restrições gerado pandemia do novo coronavírus (Covid-19) ou mesmo as proposições acerca da taxação dos livros encarados erroneamente pelo Governo Federal como “artigo de luxo”, a editora pernambucana Castanha Mecânica realiza lançamento de novos livros. Está em pré-venda, no endereço eletrônico https://pag.ae/7WhXg1o2K, o livro “Apaguei a playlist/ comecei a dançar”, que reúne poesias do autor e jornalista pernambucano Fernando de Albuquerque. Com 96 páginas, ilustrações do baiano Márcio Junqueira, edição e design de Fred Caju, o título reúne 13 poemas de tom memorialístico e recebeu menção honrosa no Edital de Chamamento Público, divulgado em dezembro de 2019 pela editora Castanha Mecânica.
“Eu pensei em publicar apenas um livro com o edital. No entanto, me deparei com três obras instigantes. A de Fernando de Albuquerque me tocou por sua sensibilidade e por ser contextualizada num universo pop contemporâneo com um tom que não dissolve a identidade do autor entre as referências que o livro traz. Estava diante de um livro que precisava publicar”, disse o editor da Castanha Mecânica Fred Caju.
A música é o fio condutor que costura a relação do eu lírico construído pelo autor com os 13 personagens que dão título a cada um dos poemas em “Apaguei a playlist/ comecei a dançar”. Relações que envolvem perda, amizade, paixão e carinho são explorados nos poemas que tem forte viés narrativo, dicção coloquial, recriação da vida cotidiana e opção pelo verso livre. “Para a composição do livro criei um eu lírico que, diante de uma situação limite, começa a realizar um inventário das diversas relações que marcaram sua existência até aquele ponto. Ele começa a avaliar a forma como lidou com essas relações, os sentimentos e as lições guardadas”, disse o autor.
Os poemas são povoados por personagens bem realizados, ora com o mínimo de traços, como em “Renato” ou em “O chinês”. No primeiro, um conjunto de inflexões sobre a categoria dos “advérbios” na gramática funciona enquanto pano de fundo para, com muita ironia, o autor relativizar amores furtivos e casos de uma única noite. No segundo, uma série de imagens poéticas sobre cidades e locais como Nova Iorque, Istambul, Pretória e o Atol de Bikini enumeram as condições para o que os idealistas indicam como “amor à primeira vista”.
Além das referências musicais inseridas não só nas epígrafes como nos versos, a ironia e a melancolia são polos que vão definindo as composições, nunca como opostos, mas trabalhando para modular as zonas claras e escuras consolidadas na lírica contemporânea. Em “Ismael”, o autor reúne uma série de referências sobre as vivências da infância e a primeira paixão. Ou mesmo quando no texto “Thiago” fica latente a necessidade da perda para a reconstrução da própria identidade.
“Esse livro é, antes de tudo, um convite para nos despirmos daquilo que se acumulou em nossa consciência e nas nossas rugas. A experiência é o nosso trunfo, a tábua de salvação contra os erros e contra a inoperância de certas condutas. Mas ela não pode, jamais, ser o peso que nos impede de continuar e de nos reinventarmos. Não pode ser responsável pela continuidade e insistência no erro. Assim, o eu lírico criado viaja de forma profunda pelo seu catálogo de bons e maus encontros para logo depois se entregar à catarse”, disse o autor.
“Apaguei a playlist/ comecei a dançar” traz um depoimento forte, mas completamente despido de falsas grandiloquências sobre temas de grande importância para o homem de hoje, como o tempo, a memória, a maturidade, o abandono, o encontro e a perda. É um livro acessível, sem deixar de descortinar um mundo de refinadas referências literárias e culturais, como é possível atestar de forma clara a presença de Herman Melville, Albert Camus, Anton Tchecov, Carlos Drummond de Andrade, Jesus Martín Barbero, Umberto Eco e mesmo obras dos cineastas Wong Kar Wai e Ingmar Bergman. O livro tem prefácio do escritor pernambucano Cleyton Cabral.
Editora - A Castanha Mecânica surgiu em 2011 editando e-books livres numa plataforma gratuita. Após dois anos de atividades, passamos a incluir livros digitais também em copyright. E em 2016 foi a vez de inserirmos os analógicos em nosso acervo. Para o livro físico, pensamos em projetos gráficos que interferem na obra como elemento narrativo e provoquem experiências sensoriais e sinestésicas nos leitores. Acreditamos muito no livro como um vetor de transmissão de afeto e como uma arma de luta, por isso, na artesania das nossas edições, buscamos potencializar e reutilizar ao máximo os recursos empreendidos. Esse aceno para o livro de papel, porém, não nos fez recuar com nossa resistência em manter o e-book a um preço acessível. São dois formatos que manteremos coexistindo em nosso catálogo. A travessia nos livros em copyleft nos fez optar por diagramar utilizando apenas softwares livres e tipografias em domínio público ou doadas por seus autores.

Apaguei a playlist/ comecei a dançar
Editora Castanha Mecânica
Fernando de Albuquerque
R$ 50
Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels