O Grande Gênio Tim Burton, por Ademir Pascale

Por Ademir Pascale Timothy William Burton (Tim Burton), nasceu em Burbank, na Califórnia, no dia 25 de agosto de 1958. Burton foi um garoto...

Mostrando postagens com marcador Bárbara Santos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Bárbara Santos. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Imigrante brasileira na Alemanha cria técnica de teatro do oprimido para mulheres negras e latinas

Bárbara Santos - Foto divulgação
Bárbara Santos escreveu "Percursos Estéticos" para aproximar teoria da prática e lança obra em diferentes estados através da padê editorial

Imigrante brasileira em Berlim, a artista-ativista Bárbara Santos passou 28 anos vivendo e pesquisando o "Teatro do Oprimido" ao lado de Augusto Boal, criador do método, e agora publica o livro "Percursos Estéticos", a primeira publicação sobre o tema voltada às mulheres negras e latinas. Ela é também a primeira mulher negra a construir uma teoria sobre o tema. A obra é uma publicação da padê editorial.

Os lançamentos ocorrem no Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador. Conforme a autora, o livro apresenta abordagens originais sobre Teatro do Oprimido enquanto um veículo de comunicação e arte marcial. A publicação é uma extensão da primeira obra de Bárbara "TEATRO DO OPRIMIDO, Raízes e Asas: uma teoria da práxis", que traz um apanhado do método criado pelo teatrólogo Augusto Boal até o surgimento do conceito da Estética do Oprimido.

Bárbara notou que a partir da morte de Boal, em 2009, surgem diferentes formas de formação, articulação política e atuação em rede ancoradas nos exercícios e técnicas do dramaturgo, dando origem ao que Bárbara Santos chama de "Estética do Oprimido". No livro, ela reúne contos, poemas e exercícios que desenvolveu ao longo de quase uma década de pesquisa e direção artística de grupos teatrais formados por mulheres negras, latinas e imigrantes na Alemanha.

"Este segundo livro, além de fazer uma análise da história recente do Teatro Oprimido, especialmente a partir de 2009, após a morte de Augusto Boal. Os percursos criativos foram impulsionados pela necessidade de avanço e desenvolvimento do método", explica a autora.

A obra compartilha processos de investigativos sobre a estética do Teatro do Oprimido, desenvolvidos depois da morte de Augusto Boal, criador do método com quem a autoria trabalhou por duas décadas e traz, não só um profundo vínculos artístico com o autor, como também a trilha de um processo de autonomia. Trata-se de uma leitura fundamental a pessoas interessadas no desenvolvimento de processos críticos e criativos.

"Como consequência desses percursos estéticos, criamos um conjunto original de exercícios, jogos e técnicas - imagem; som/ritmo; palavra -, que alterou significativamente nossas produções artísticas e os processos de formação que oferecemos", contou Bárbara.

As descobertas estéticas já foram compartilhadas em festivais e produções coletivas na Europa e na América Latina, daí surgiu também a ideia de reunir tais conceitos em uma publicação impressa. "Tenho o desejo de contribuir com a ampliação das possibilidades de atuação artístico-ativista das participantes do Teatro do Oprimido", destacou a escritora.

Sobre a autora
Socióloga formada pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Bárbara Santos nasceu em 1963 e é uma mulher negra com experiência internacional, somando 28 anos de experiência ininterrupta com o método, tanto no Brasil como em outros 40 países dos cinco continentes.

Trabalhou por duas décadas com Augusto Boal e foi também a primeira mulher negra a publicar um livro teórico sobre Teatro do Oprimido, que foi lançado em português, tanto no Brasil como em Portugal, e também em espanhol na Espanha, na Argentina e no Uruguai.

Além disso, Bárbara é diretora de KURINGA, espaço para o Teatro do Oprimido em Berlim, do grupo Madalena-Berlin e de Companhia Teatral Together Internactional – cooperação entre organizações de sete países europeus.
Difusora do Teatro das Oprimidas, inovadora experiência estética sobre opressões enfrentadas por mulheres, é diretora artística da Rede Ma(g)dalena Internacional, formada por grupos feministas da Europa, África e América Latina. Bárbara também é fundadora e diretora artística de uma rede de mulheres negras fazendo teatro com engajamento político.

Sobre a Padê editorial
Seguindo a premissa do "faça você mesmo", as poetas Tatiana Nascimento e Bárbara Esmênia criaram, em 2015, a padê editorial. Com livros artesanais de tiragem especial (de 200 a 500 exemplares), é dedicada à publicação de autoras negras periféricas, lésbicas, for a dos grandes circuitos literários.

"A parceria com a padê deve à postura alternativa da editora diante do conservadorismo e por assumir abertamente o compromisso em publicar escritas que combatem opressões e celebram a vida", evidencia a autora.

AGENDA DE LANÇAMENTOS

- 16 de julho na Livraria Suburbano em São Paulo
- 28 de julho em Belo Horizonte
- 30, 31 de julho e 01 de agosto em Salvador

Serviço – Mais informações podem ser obtidas na página https://www.facebook.com/percursosesteticos
Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels