9 grupos no Facebook que todo bom leitor deve conhecer

Por Ademir Pascale Todos os dias são criados novos grupos no Facebook sobre assuntos e gostos diversos. Nós leitores e apaixonados...

Mostrando postagens com marcador Carolina Maria de Jesus. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Carolina Maria de Jesus. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

7 citações impactantes da escritora Carolina Maria de Jesus

Carolina Maria de Jesus - Foto divulgação

Por Ademir Pascale

Carolina de Jesus (Carolina Maria de Jesus, 1914-1977), está entre as primeiras e mais importantes escritoras negras do Brasil. Com problemas familiares desde a infância, era filha ilegítima e foi maltratada. Com muito sacrifício e apoio da mãe, frequentou a escola até o  segundo ano, aprendeu a ler e a escrever e foi justamente nessa época que começou a ter gosto pela leitura e escrita. Em seus manuscritos é fácil notar referências religiosas, mas Carolina foi expulsa da Igreja Católica, pois sua mãe tinha dois filhos ilegítimos. Já em sua fase adulta, também não foi readmitida na congregação, mesmo sendo católica devota. Com pouco estudo, foi uma mulher brilhante, sábia e visionária.

Sem dinheiro, Carolina só conseguia ler algo novo quando encontrava um livro ou revista que já tinham sido descartados por outras pessoas. Apaixonada pela leitura passou a escrever sobre o dia-a-dia na favela onde morava. Desempregada e grávida, isso em 1947, morando na favela do Canindé, em São Paulo, conseguiu emprego na casa de um famoso médico que liberou a leitura de seus livros de sua biblioteca particular, já que notou a paixão da empregada. Depois de ter mais dois filhos, passou a ser catadora de lixo, época em que voltou a registrar o seu cotidiano, somando vinte cadernos, sendo que um deles virou livro, intitulado “Quarto de Despejo – Diário de uma Favelada”, publicado em 1960. O livro foi um sucesso, tendo rapidamente três edições que somaram 100 mil exemplares vendidos e tradução para 13 idiomas, sendo vendido em mais de 40 países.

7 citações da escritora Carolina Maria de Jesus:

1 - Em 1948, quando começaram a demolir as casas térreas para construir os edifícios, nós, os pobres que residíamos nas habitações coletivas, fomos despejados e ficamos residindo debaixo das pontes. É por isso que eu denomino que a favela é o quarto de despejo de uma cidade. Nós, os pobres, somos os trastes velhos.
Carolina Maria de Jesus

2 - Escrevo a miséria e a vida infausta dos favelados. Eu era revoltada, não acreditava em ninguém. Odiava os políticos e os patrões, porque o meu sonho era escrever e o pobre não pode ter ideal nobre. Eu sabia que ia angariar inimigos, porque ninguém está habituado a esse tipo de literatura. Seja o que Deus quiser. Eu escrevi a realidade.
Carolina Maria de Jesus

3 - As crianças ricas brincam nos jardins com seus brinquedos prediletos. E as crianças pobres acompanham as mães a pedirem esmolas pelas ruas. Que desigualdades trágicas e que brincadeira do destino.
Carolina Maria de Jesus

4 - Antigamente o que oprimia o homem era a palavra calvário; hoje é salário.
Carolina Maria de Jesus

5 - Eu cato papel, mas não gosto. Então eu penso: faz de conta que eu estou sonhando.
Carolina Maria de Jesus

6 - Tem pessoas que, aos sábados, vão dançar. Eu não danço. Acho bobagem ficar rodando pra aqui, pra ali. Eu já rodo tanto para arranjar dinheiro para comer.
Carolina Maria de Jesus

7 - A tontura da fome é pior do que a do álcool. A tontura do álcool nos impele a cantar. Mas a da fome nos faz tremer. Percebi que é horrível ter só ar dentro do estômago.
Carolina Maria de Jesus

GOSTOU DO CONTEÚDO? ENTÃO ASSISTA O VÍDEO ESPECIAL QUE FIZEMOS SOBRE A CAROLINA MARIA DE JESUS E COMPARTILHE COM OS AMIGOS:

 

Compartilhe:

quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

Da luta aos livros: Carolina Maria de Jesus

(…) em 1948, quando começaram a demolir as casas térreas para construir os edifícios, nós, os pobres que residíamos nas habitações coletivas, fomos despejados e ficamos residindo debaixo das pontes. É por isso que eu denomino que a favela é o quarto de despejo de uma cidade. Nós, os pobres, somos os trastes velhos.
Carolina de Jesus

Carolina de Jesus (Carolina Maria de Jesus, 1914-1977), está entre as primeiras e mais importantes escritoras negras do Brasil. Com problemas familiares desde a infância, era filha ilegítima e foi maltratada. Com muito sacrifício e apoio da mãe, frequentou a escola até o  segundo ano, aprendeu a ler e a escrever e foi justamente nessa época que começou a ter gosto pela leitura e escrita. Em seus manuscritos é fácil notar referências religiosas, mas Carolina foi expulsa da Igreja Católica, pois sua mãe tinha dois filhos ilegítimos. Já em sua fase adulta, também não foi readmitida na congregação, mesmo sendo católica devota. Com pouco estudo, foi uma mulher brilhante, sábia e visionária.

Sem dinheiro, Carolina só conseguia ler algo novo quando encontrava um livro ou revista que já tinham sido descartados por outras pessoas. Apaixonada pela leitura passou a escrever sobre o dia-a-dia na favela onde morava. Desempregada e grávida, isso em 1947, morando na favela do Canindé, em São Paulo, conseguiu emprego na casa de um famoso médico que liberou a leitura de seus livros de sua biblioteca particular, já que notou a paixão da empregada. Depois de ter mais dois filhos, passou a ser catadora de lixo, época em que voltou a registrar o seu cotidiano, somando vinte cadernos, sendo que um deles virou livro, intitulado “Quarto de Despejo – Diário de uma Favelada”, publicado em 1960. O livro foi um sucesso, tendo rapidamente três edições que somaram 100 mil exemplares vendidos e tradução para 13 idiomas, sendo vendido em mais de 40 países.

Eu era revoltada, não acreditava em ninguém. Odiava os políticos e os patrões, porque o meu sonho era escrever e o pobre não pode ter ideal nobre. Eu sabia que ia angariar inimigos, porque ninguém está habituado a esse tipo de literatura. Seja o que Deus quiser. Eu escrevi a realidade. - Carolina de Jesus

Carolina teve o apoio do jornalista Audálio Dantas na publicação do seu livro “Quarto de Despejo – Diário de uma Favelada”, isso depois dele conhecer seus manuscritos.

Além do seu cotidiano, Carolina descrevia fatos políticos e sociais, reflexões sobre a pobreza que pode levar uma pessoa boa ao desespero, traindo seus princípios e cometendo atos dos quais jamais pensariam em cometer, diferente da autora que sustentava os filhos com o que encontrava no lixo.
Carolina Maria de Jesus morreu em 13 de fevereiro de 1977, vítima de insuficiência respiratória.
Segundo algumas informações de um site inglês, Carolina vendeu cerca de 30 mil cópias de seu livro em apenas três dias.
A fama e o dinheiro trouxe rapidamente inimizades. Seus vizinhos passaram a hostilizá-la e até jogavam pedras quando ela passava na rua.

PARA SABER MAIS:
Em 2014, foi criado o Portal Biobibliográfico de Carolina Maria de Jesus, mantido por Sergio Barcellos. Além de informações sobre a autora, leitores poderão conferir em detalhes a sua biografia, além de sua história em imagens: https://www.vidaporescrito.com
Compartilhe:

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Carolina Maria de Jesus - Quarto de despejo: Diário de uma favelada

Carolina Maria de Jesus - Foto divulgação
Catadora de papel e favelada. Carolina não correspondia ao perfil tradicional de escritor. Pelo menos até aquela época. A autora chegou a vender mais de 1 milhão de exemplares com o livro "Quarto de despejo: Diário de uma favelada" (Editora Francisco Alves). Mesmo depois da sua morte, em 1977, ainda existem 37 cadernos inéditos com suas poesias e crônicas.

Uma degustação do seu belo trabalho:

Meu Avô
Quando estava contente, cantava:
Cuidado com esta negra!
Que esta negra vai contá.
Cuidado que esta negra
É puxa-saco da sinhá.
Cuidado com esta negra
Que esta negra já contô.
Cuidado que esta negra
É puxa-saco do sinhô.
Esta negra é caçambeira.
Gosta só de espioná.
Esta negra é faladeira
E conta tudo pra sinhá.
Esta negra é perigosa!
Tudo que vê ela fala,
E a sinhá fica nervosa
E nos prendem na senzala.

JESUS, Carolina Maria de. Antologia pessoal. Organização de José Carlos Sebe Bom Meihy. Revisão de Armando Freitas Filho. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996. p. 157
Compartilhe:

segunda-feira, 5 de março de 2018

Editora Malê lança biografia de Carolina Maria de Jesus

Carolina Maria de Jesus - Foto divulgação
Escrito pelo jornalista e crítico literário Tom Farias, o livro Carolina: uma biografia apresenta, entre outros pontos, a personalidade forte da escritora, sua trajetória complexa, o sucesso com o livro quarto de despejo e a decadência no fim da vida.
A Editora Malê lança o livro Carolina: uma biografia, do jornalista e crítico literário Tom Farias, em São Paulo e no Rio de Janeiro.  Em São Paulo, o lançamento será no dia 15/03 (quinta-feira), a partir das 18 horas, na Casa das Rosas.  Na ocasião o autor vai participar de bate-papo sobre a vida e a obra da biografada, das 18h às 19h.  No Rio de Janeiro, o lançamento será na Livraria da Travessa, em Ipanema, a partir das 19 horas.  A biografia apresenta a complexa trajetória da escritora Carolina Maria de Jesus.  Da infância pobre, na cidade de Sacramento, em Minas Gerais, passando pelas cidades em que peregrinou na juventude em busca de trabalho e de diagnóstico e cura para uma doença nas pernas, até sua chegada a São Paulo, onde se instalou na favela do Canindé.  Detalha não somente sua relação com os filhos e o momento de ascensão, devido ao sucesso editorial do livro Quarto de despejo, mas também, o declínio em razão do desinteresse do mercado editorial e dos leitores em relação às suas publicações posteriores, o que, acrescido da sua personalidade forte e das barreiras sociais e discriminatórias brasileiras, levou a escritora retornar à mesma condição de pobreza em que viveu boa parte da sua vida.  A edição de Carolina: uma biografia dá prosseguimento aos objetivos da Editora Malê de promover a diversidade na literatura brasileira.

Serviço:
Lançamento de Carolina: uma biografia
15/03, 18 horas.
Local: Casa das Rosas. Av. Paulista, 37 - Paraíso, São Paulo.
20/03, 19 horas.
Local: Livraria da Travessa – Ipanema. R. Visconde, de Pirajá, 572 – Ipanema

Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels