Conexão Nerd: Teoria da Conspiração, por Ademir Pascale

Cena do filme Teoria da Conspiração POR ADEMIR PASCALE Hoje não irei comentar sobre colecionáveis ou heróis, mas sobre um filme, um li...

Mostrando postagens com marcador H. G. Wells. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador H. G. Wells. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 13 de julho de 2020

Sandra Abrano e o livro A ilha das almas selvagens de H. G. Wells, por Cida Simka e Sérgio Simka

Sandra Abrano - Foto divulgação
Fale-nos sobre você.

Meu nome é Sandra Abrano, sou escritora, autora de Vestígios - Mortes nem Um Pouco Naturais, e editora da Bandeirola, que este mês de junho completou dois anos de muita agitação. Não sou novata na profissão (rs), trabalhei em editoras como Abril, Atual e FTD e tenho outros livros publicados em coautoria, na linha de paradidáticos.

ENTREVISTA:

Fale-nos sobre o projeto na Catarse. O que a levou a implementá-lo?

Vivemos tempos assombrosos, não é mesmo? Esse isolamento social que nos protege a saúde, ao mesmo tempo nos coloca em difícil situação econômica. Uma editora independente como a Bandeirola depende fundamentalmente do leitor. Participamos de festivais e feiras literárias diversas e também estamos com nossos livros em livrarias, mas todas essas alternativas estão completamente fora de questão em tempos de pandemia.

O financiamento coletivo se torna, então, uma saída fenomenal porque nos coloca diretamente em contato com os leitores, oferecendo um livro fundamental escrito no final do século 19 e atualíssimo nos dias de hoje. A ILHA DAS ALMAS SELVAGENS de H. G. Wells, além de discutir o papel da ética na Ciência a obra também se comunica com questões ainda urgentes de nossos dias, como a exploração de populações específicas, o preconceito em relação a grupos sociais e a manipulação de indivíduos por meio do discurso científico.

A edição é especial, capa dura, com prefácio de Braulio Tavares, escritor, tradutor, compositor e conhecedor, como poucos, da literatura fantástica e de ficção científica. 

Fale-nos sobre outro projeto da Catarse (livro "O doutor negro"). Como foi a receptividade? 

A nossa primeira campanha de financiamento coletivo foi para o lançamento de O DOUTOR NEGRO de Conan Doyle, em livro de contos de espanto e horror, sem a presença de seu principal personagem, Sherlock Holmes.

A recepção foi ótima, apesar de ser a nossa primeira experiência nesse tipo de recurso. Aprendemos muito, principalmente porque a própria plataforma dispõe de  manuais explicativos em escrita direta e cheios de dicas.

Para quem pretende iniciar uma campanha, não pense que é simples e facinho: tem que ter muita organização, elaborar um bom e sério projeto e primeiro responder a uma pergunta simples: por que alguém gostaria de apoiar essa minha ideia? E tentar responder a essa pergunta, com sinceridade.

Tem que passar também um período observando como são os projetos semelhantes aos seus e pensar nos motivos que o levariam a apoiar este, não aquele, por exemplo. O financiamento coletivo pressupõe honestidade (com o outro e consigo próprio), criatividade e organização. 

Qual são seus próximos projetos?

A Bandeirola está trabalhando muito para lançar o livro que é um marco na literatura nacional de gênero, A ESPINHA DORSAL DA MEMÓRIA, escrito por Braulio Tavares, livro ganhador do prestigioso prêmio internacional Caminho de Ficção Científica, em Portugal, em edição comemorativa de 30 anos de sua primeira edição.

Essa nova edição contará com uma Fortuna Crítica, que é uma coletânea de artigos escritos por diversos críticos literários brasileiros e portugueses que analisam o livro e sua importância.

Lançamento conjunto com outro título de Braulio, MUNDO FANTASMO, também de contos, só que escritos em período posterior, já como autor conhecido e consagrado. Esse lançamento será em outubro de 2020. 
  
Link para o financiamento coletivo:


Veja a entrevista com a Sandra Abrano, o seu livro Vestígios e a Editora Bandeirola:



CIDA SIMKA
É licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Autora, dentre outros, dos livros O enigma da velha casa (Editora Uirapuru, 2016), Prática de escrita: atividades para pensar e escrever (Wak Editora, 2019) e O enigma da biblioteca (Editora Verlidelas, 2020). Organizadora dos livros: Uma noite no castelo (Editora Selo Jovem, 2019), Contos para um mundo melhor (Editora Xeque-Matte, 2019), Aquela casa (Editora Verlidelas, 2020) e Um fantasma ronda o campus (Editora Verlidelas, 2020). Colunista da Revista Conexão Literatura.

SÉRGIO SIMKA
É professor universitário desde 1999. Autor de mais de seis dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a série Mistério, publicada pela Editora Uirapuru. Membro do Conselho Editorial da Editora Pumpkin e colunista da Revista Conexão Literatura. Seu mais novo livro se intitula Pedagogia do encantamento: por um ensino eficaz de escrita (Editora Mercado de Letras, 2020).
Compartilhe:

sábado, 19 de outubro de 2019

Dez Contos Geniais de H. G. Wells


"Wells […] prodigalizou parábolas sociológicas, erigiu enciclopédias, dilatou as possibilidades do romance, [...] historiou o passado, historiou o porvir, registrou vidas reais e imaginárias."
Jorge Luis Borges (Otras Inquisiciones)

Herbert George Wells (1866–1946) foi um autor multifacetado e prolífico. Mais conhecido pelos romances de ficção científica, como A Guerra dos Mundos e A Máquina do Tempo, escreveu também romances sociais, como, por exemplo, Kipps e A História do Sr. Polly.
No campo não ficcional produziu obras que se tornaram best-sellers mundiais, como O Esboço da História e A Ciência da Vida, além de centenas de artigos, ensaios e conferências. Muitos tratam de direitos humanos; é notável que sua obra tenha servido de norte para a Declaração Universal dos Direitos Humanos.
Os dez contos deste e-book contêm uma pequena amostra dessa vasta e variada obra:
Ficção científica: "A estrela", "No abismo", "O bacilo roubado".
Fantásticos: "A maçã", "A loja mágica", "A porta no muro".
Sociais: "A rejeição de Jane", "A herança perdida", "O furto no parque Hammerpond".
Terror: "O quarto vermelho".
São traduções cuidadosas, diretamente do inglês e com linguagem moderna, contendo dezenas de notas interessantes, que esclarecem várias referências sobre a sociedade na época, história, literatura, ciência etc., podendo, inclusive, ser utilizadas em estudos interdisciplinares.
Boa leitura.

Ficha técnica:
Título: Dez Contos Geniais de H. G. Wells
Autor: H. G. Wells (1866-1946)
Tradutor: J. R. Pedroso
Editora: Jorupê
Nº de páginas: 154
Livro publicado na Amazon: https://tinyurl.com/y3rm9ogw
Compartilhe:

sábado, 6 de outubro de 2018

Via Leitura relança clássico da ficção científica que estava sem edição no Brasil


Ele desembarcou em terra fértil e perigosa! Antes disso a ficção científica nunca tinha visto nada parecido, antiético ou mesmo impressionante. Charles Prendick naufraga e participa de uma expedição a uma ilha que ameaça sua liberdade e sua sanidade mental.

Publicado em 1896, A Ilha do Dr. Moreau já estava sem edição no Brasil e o selo Via Leitura, da Editora Edipro, não podia deixar este exemplar de lado em uma coleção que há quatro anos encanta os amantes da literatura clássica.

A obra, de H. G. Wells, apresenta um médico obcecado pela ideia de transformar animais em homens. Porém, não se tratam apenas de experimentações científicas. O enredo traz à tona temas como a religião, a Teoria da Evolução e a ética na ciência. E, a partir dessas abordagens, o pai da ficção científica expõe suas críticas sociais.

Após ser levado à pequena ilha do Pacífico, Charles Prendick conhece o médico Moreau, expulso da Inglaterra por suas polêmicas experiências de vivissecação de animais. As experimentações facilmente fariam parte dos conhecidos Freak Shows, eram criaturas bestiais com uma aparência desconfortavelmente humana.

Narrado em primeira pessoa, o livro transmite ao leitor as aflições de conhecer os segredos do médico lunático e inteligente o suficiente para buscar na ciência a espécie perfeita, com a destreza dos animais selvagens e a inteligência e beleza do ser humano.

A Ilha do Dr. Moreau teve duas adaptações para o cinema (1977 e 1996), sendo a última estrelada por Marlon Brando e mais de cem anos após sua publicação, ainda se mostra um dos livros mais representativos da ficção científica.

Ficha técnica:
Editora: Via Leitura
Assunto: Literatura
Tradutor: Laurent de Saes
Preço: R$ 35,00
ISBN: 9788567097619
Edição: 1ª edição, 2018
Tamanho: 14x21 cm
Número de páginas: 144

Sobre o autor: H. G. Wells (1866-1946) estudou biologia que foi fundadora no desenvolvimento dos temas de que o escritor londrino trataria em seus romances, tornando-se um pioneiro da ficção científica. Além de compor tramas inquietantes, como uma viagem no tempo ou invasões alienígenas, tratou em seus livros de temas que se mantêm atuais quase um século após sua morte, como a ameaça de guerra nuclear e a ética na manipulação genética. Também foi autor de romances fora do gênero da ficção científica e membro da Sociedade Fabiana, núcleo político britânico nascido no final do século XIX e que visava a conceder às classes trabalhadoras o controle dos meios de produção na Inglaterra.
Compartilhe:

terça-feira, 18 de setembro de 2018

152 anos de H.G Wells - Um dos pioneiros da ficção científica


No dia 21 de setembro de 1866, há 152 anos, nascia na cidade de Bromley, na Inglaterra, o escritor Herbert George Wells - considerado um dos mais influentes de seu tempo. Seu legado é fonte de inspiração até hoje. Ao lado de Julio Verne e Marry Shelley, Wells é posto com um dos membros da “Santíssima Trindade da Ficção Científica”.

E nesse mês tão importante para a literatura ficcional, o selo ViaLeitura, da Edipro, especializado em clássicos literários, apresenta para os leitores uma nova edição de A Ilha do Dr. Moreau, que junto com A Máquina do Tempo e O Homem Invisível, expandem o catálogo da editora com obras do autor.

Seus livros tratam de temas a frente de seu tempo e permeiam diversas discussões importantes até hoje. É o que podemos observar em seu primeiro sucesso A Máquina do Tempo, de 1895. Na história, um cientista cria uma máquina capaz de viajar pela Quarta Dimensão (o tempo) e, ao testá-la, acaba transportado para o ano de 802.701. Neste período, a humanidade é dividida entre os pacíficos Elóis e o Morlocks, habitantes do subterrâneo. Acredita-se que o britânico foi a primeira pessoa no mundo a falar em viagem no tempo e o próprio termo “máquina do tempo” foi cunhado por ele.

No ano seguinte, em 1896, mais uma história intrigante e polêmica. A Ilha do Dr. Monreau volta a ressaltar o pioneirismo de Well, dessa vez na discussão compreendida atualmente como manipulação genética. Na narrativa, o naufrago Charles Prendick é levado a uma pequena ilha do Pacífico e lá conhece o Dr. Moreau que fora expulso da Inglaterra por suas polêmicas experimentações de humanos com animais. O escritor traz à tona também discussões sobre religião, a Teoria da Evolução e a ética na ciência.

Um ano depois, em 1897, o excêntrico O Homem Invisível e a crítica à ciência sem moralidade. A história se passa na pacata Iping (Inglaterra), com a chegada do cientista Griffin, que descobre por meio de seus experimentos, que alguns elementos químicos produzem refração da luz - o que consequentemente causa a invisibilidade. Aproveitando sua experiência, o cientista aplica a formula em si mesmo e tenta tirar proveito da situação, inclusive com atitudes criminosas.

Além da literatura, as obras de Wells servem de inspiração para os mais diferentes meios de mídia. Seja em inspirações para o cinema, referencias em séries ou adaptações para radionovela, o legado de H.G. Wells já está imortalizado e suas narrativas permanecem como fonte de inspiração para as mais diferentes gerações. O autor foi nomeado para o Prêmio Nobel da Literatura em quatro oportunidades (1921, 1932, 1935 e 1946).

Ficha técnica: A Máquina do Tempo
Editora: Via Leitura
Assunto: Literatura estrangeira
Preço: R$ 31,00
ISBN: 9788567097381
Edição: 1ª edição, 2017
Idioma: Português
Tradução: Marina Petroff
Tamanho: 21x14 cm
Número de páginas: 112

Ficha técnica: A Ilha do Dr. Moreau
Editora: Via Leitura
Assunto: Literatura/Ficção Científica
Preço: R$ 35,00
ISBN: 9788567097619
Edição: 1ª edição, 2018
Idioma: Português
Tradução: Laurent de Saes
Tamanho: 21x14 cm
Número de páginas: 144

Ficha técnica: O Homem Invisível
Editora: Via Leitura
Assunto: Literatura estrangeira
Preço: R$ 37,00
ISBN: 9788567097145
Edição: 1ª edição, 2017
Idioma: Português
Tradução e notas: Marina Petroff Garcia
Tamanho: 21x14 cm
Número de páginas: 160
Compartilhe:

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Invasões Extraterrenas e H. G. Wells, por Roberto Fiori

Pânico generalizado. Suicídios. Foi o comportamento de quem quer que estivesse ouvindo o rádio naquela emissora, naquele momento. Não foi um sonho delirante, um pesadelo. Ocorreu, após a emissão radiofônica da adaptação de “Guerra dos Mundos”, do escritor H. G. Wells. Este foi o efeito bombástico da locução que o futuro diretor de cinema Orson Welles ocasionou, em 1938, nos Estados Unidos.

Qual filme de cinema, ou, hoje em dia, uma transmissão de uma série no serviço de streaming Netflix para a televisão, poderia fazer com que houvesse um estado tal de ansiedade e medo, que levasse pessoas ao suicídio?

“Guerra dos Mundos” nos conta uma história de ficção científica, o tema da invasão da Terra por seres alienígenas vindos de Marte. Um romance proveniente da imaginação extremamente culta de H. G. Wells. Os marcianos se revelam invencíveis. Eles não descansam. Eles não possuem fraquezas. Destroem e matam, incessantemente. Mas...

Não vou contar o desfecho do livro. Você, homem comum, poderia confrontar tal situação e vencer? O que seria possível contra uma civilização belicosa e adiantada o suficiente para eliminar completamente o ser humano?

Vejamos... armas completamente revolucionárias teriam de ser criadas, isso em um espaço de tempo de meses, anos, no máximo. Armas que destruíssem, que devastassem o inimigo sem nos liquidar, ao mesmo tempo. E que acabassem com a ameaça antes dela nos eliminar.

O intelecto do homem pode ser mensurado em termos de seu Quociente de Inteligência. Um teste, um simples teste de múltipla escolha, com valores iguais para cada questão. Alfred Binet e Theodosius Simon o desenvolveram como método controlado e científico. Wechsler o aperfeiçoou.

O intelecto do homem pode estar milhares ou milhões de anos atrasado em relação ao de uma raça que se desloca corriqueiramente por milhões de anos-luz. Um ano-luz é o espaço que a luz percorre em um ano de viagem. A distância à estrela mais próxima da Terra, Alfa Centauri, é de quatro anos-luz. Corresponde a aproximadamente dez trilhões de quilômetros. Multiplique isso por mil e terá a distância a uma estrela distante quatro mil anos-luz.

Astronaves ou outra forma de transporte, como a conversão da matéria em energia luminosa (fótons), seriam utilizadas. A velocidade da luz é a velocidade máxima a que se pode atingir em nosso Universo. Fótons, ou partículas componentes da luz, viajam somente à velocidade de 300.000 quilômetros por segundo, ou, a velocidade da luz. Nada que contenha matéria pode atingi-la.

Viagens muito longas teriam de ser descartadas por alienígenas, a não ser que pretendessem conquistar e colonizar mundos, habitados ou não. Isso se alienígenas forem belicosos, caso contrário não teriam motivo para a conquista de planetas já habitados. Então, colônias de naves, ou mesmo uma única nave de dimensões colossais, teriam de ser utilizadas. Gerações de seres viveriam em tais naves estelares. Seus descendentes seriam os nossos inimigos.

Mas há um ponto. E se os alienígenas fossem tão, mas tão mais adiantados que nós, que já estivessem entre nós? Poderiam nos controlar à vontade. Poderiam nos matar, sem que soubéssemos. E em uma coisa, muitos escritores e cientistas concordam: seres altamente evoluídos não teriam motivo para invadir, matar, saquear, destruir, conquistar. Eles seriam autossuficientes.

O que motiva o ser humano à Arte da Guerra? O que o leva ao crime? Somente a ambição desmedida? Os genes fracos e doentes? A pressão da sociedade sobre o indivíduo menos favorecido pelo meio?

E se a resposta for que o Homem ainda não evoluiu o suficiente? Nesse caso, como há muito se falou no meio da Ficção e da Ciência, só nos resta esperar. Para que o Tempo, chamado em uma tradução de um livro de divulgação científica de “O Profundo Mistério do Universo” (“Timewarps”, do astrofísico britânico John Gribbin), nos conceda a bênção e nos permita pensarmos como “seres superiores”.

Crédito da imagem: Pixabay
Terra vista da Lua:  poderíamos, um dia, sermos alvo de uma invasão extraterrestre com base na Lua?

Sobre o autor:
Roberto Fiori
é um escritor de Literatura Fantástica. Natural de São Paulo, reside atualmente em Vargem Grande Paulista, no Estado de São Paulo. Graduou-se na FATEC – SP e trabalhou por anos como free-lancer em Informática. Estudou pintura a óleo. Hoje, dedica-se somente à literatura, tendo como hobby sua guitarra elétrica. Estudou literatura com o escritor, poeta, cineasta e pintor André Carneiro, na Oficina da Palavra, em São Paulo. Mas Roberto não é somente aficionado por Ficção Científica, Fantasia e Horror. Admira toda forma de arte, arte que, segundo o escritor, quando realizada com bom gosto e técnica apurada, torna-se uma manifestação do espírito elevada e extremamente valiosa.

Sobre o livro “Futuro! – contos fantásticos de outros lugares e outros tempos”, do autor Roberto Fiori:

Sinopse: Contos instigantes, com o poder de tele transporte às mais remotas fronteiras de nosso Universo e diferentes dimensões.
Assim é “Futuro! – contos fantásticos de outros lugares e outros tempos”, uma celebração à humanidade, uma raça que, através de suas conquistas, demonstra que deseja tudo, menos permanecer parada no tempo e espaço.

Dizem que duas pessoas podem fazer a diferença, quando no espaço e na Terra parece não haver mais nenhuma esperança de paz. Histórias de conquistas e derrotas fenomenais. Do avanço inexorável de uma raça exótica que jamais será derrotada... Ou a fantasia que conta a chegada de um povo que, em tempos remotos, ameaçou o Homem e tinha tudo para destruí-lo. Esses são relatos dos tempos em que o futuro do Homem se dispunha em um xadrez interplanetário, onde Marte era uma potência econômica e militar, e a Terra, um mero aprendiz neste jogo de vida e morte... Ou, em outro mundo, permanece o aviso de que um dia o sistema solar não mais existirá, morte e destruição esperando pelos habitantes da Terra.
Através desta obra, será impossível o leitor não lembrar de quando o ser humano enviou o primeiro satélite artificial para a órbita — o Sputnik —, o primeiro cosmonauta a orbitar a Terra — Yuri Alekseievitch Gagarin — e deu-se o primeiro pouso do Homem na Lua, na missão Apollo 11.
O livro traz à tona feitos gloriosos da Humanidade, que conseguirá tudo o que almeja, se o destino e os deuses permitirem. 

Para adquirir o livro:
Diretamente com o autor: spbras2000@gmail.com
Livro Impresso:
Na editora, pelo link: Clique aqui.
No site da Submarino: Clique aqui.
No site das americanas.com: Clique aqui.

E-book:
Pelo site da Saraiva: Clique aqui.
Pelo site da Amazon: Clique aqui.
Compartilhe:

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Três Contos de Ficção Científica, de H. G. Wells

A Editora Jorupê acabou de lançar Três contos de Ficção Científica, e-book composto pelos seguintes contos: "A Estrela"; "No abismo" e "O Bacilo Roubado", ambos de H. G. Wells e traduzidos por J. R. Pedroso.

Sinopse: Ao anunciar a produção de uma série sobre ficção científica, o diretor de cinema James Cameron declarou que, sem Júlio Verne e H. G. Wells, não haveria Ray Bradbury ou Robert Heinlein e, sem eles, não haveria Lucas, Spielberg ou Ridley Scott.
Um dos contos deste livro é "No Abismo", sobre a descida ao fundo do oceano, muito antes de Beebe e Barton terem utilizado sua batisfera para pesquisar a vida submarina.
Outro é "A Estrela", um dos mais antologizados do autor, que descreve os efeitos de um astro em rota de colisão com a Terra. Por fim, "O Bacilo Roubado", narrativa até cômica em algumas passagens, não deixa de conter seu ingrediente científico, o tema da epidemia ou do contágio criminoso. Os temas abordados por Wells aparecem até hoje no cinema, na literatura e outras artes.
Esta tradução cuidadosa, com linguagem moderna e dezenas de notas explicativas é um aperitivo para este aspecto da vasta obra do multifacetado H. G. Wells, a ficção científica. 

Serviço:
Título: Três Contos de Ficção Científica
Autor: H. G. Wells
Tradutor: J. R. Pedroso
Editora: Jorupê
Tipo: E-book
Gênero: Ficção Científica
Para adquirir o e-book, acesse: https://www.amazon.com.br/dp/B074W8XXQQ

ASSESSORIA EM DIVULGAÇÃO LITERÁRIA:
Ademir Pascale - pascale@cranik.com

Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels