Participe da antologia (e-book) CONTOS E POEMAS ASSOMBROSOS - VOL. VI. Leia o edital

  Participe da antologia (e-book) CONTOS E POEMAS ASSOMBROSOS - VOL. VI.  Leia o edital:  CLIQUE AQUI.

Mostrando postagens com marcador Irã. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Irã. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 5 de abril de 2022

Entrevista com Negar Emrani, Poeta Iraniana e Autora da Obra “Algum Lugar Entre O Mundo e o Espelho” (Paradise Ocean Books)


Biografia da autora

Negar Emrani, nasceu em Mashhad, Irã, formou-se em Biotecnologia. Após anos de carreira na ciência, devido à crise econômica no Irã, ela encontrou a oportunidade de se especializar em Literatura e na Arte da poesia, que eram seus interesses pessoais há anos. Algumas de suas obras na forma de poesia contemporânea foram publicadas em jornais não-iranianos, como "Asymptote Journal Tinge Magazine" "Tinderbox", "The Literati Quarterly". Suas canções e letras também foram publicadas em coleções como "Khorasaneh" (o livro de letras da província de Khorasan), às vezes com música ou apenas por escrito. 

Sinopse e link do livro

Usando uma mistura da linguagem direta com a linguagem emocional subentendida, Negar Emrani traz, em Algum Lugar Entre o Mundo e o Espelho, diversos aspectos que permeiam não apenas vivências pessoais, mas aquelas que, de certa forma, mesmo sendo privadas, são os revérberos de toda uma sociedade. Neste conjunto de poemas veremos o destrinchar dos mais profundos e – às vezes – controversos sentimentos da consciência humana perante seu ambiente e suas contrariedades, que ora fazem com que o leitor se identifique, ora fazem com que se aprofunde numa cadeia de misteriosas conotações sobre a solidão, a luta, a guerra, a força feminina, a sombra familiar e os reflexos da mente e, principalmente, do coração. Afinal, seriam esses reflexos emocionais, muitas vezes invisíveis para uns, e até mesmo abstratos demais para serem transformados em palavras concretas, mas tratados de forma rica e singela pela autora, justamente o que há entre o mundo e o espelho? 

Conexão literatura: Você poderia contar aos nossos leitores sobre seu início no mundo literário?

Negar Emrani: Desde criança me interesso por Literatura, mas por causa do meu campo de estudo - que é Biotecnologia e Ciências Naturais - não tive tempo para me dedicar a isso. Então, a primeira chance apareceu quando me formei no mestrado em 2012 e decidi parar os estudos de doutorado porque eu não via um futuro brilhante para isso no Irã. Naquela época, eu me deparava com muito tempo livre e um vasto mundo à minha frente. Lembro que comecei a escrever em grupos de poesia no Facebook. A primeira vez que minhas palavras foram vistas, foi em uma página do Facebook chamada “Poetas Sem Fronteiras”. Este foi um marco em minha vida. Depois disso, comecei a ler mais, estudar e receber cada vez mais opiniões de críticos profissionais, tanto na Internet quanto em encontros regulares semanais e mensais de poetas. Demorou cerca de dois anos até que minha primeira poesia fosse publicada nas páginas de um jornal de arte. Enquanto isso, minhas letras de música receberam mais atenção, sendo que algumas foram usadas por músicos. Mas tudo isso foi apenas no Irã. A primeira vez que um dos meus poemas foi publicado fora do Irã foi quando conheci o Sr. Seyed Morteza Hamidzadeh em 2016 e o ​​Sr. Kaveh Akbar em 2017. Desde então, graças a Deus, meu trabalho foi lido em todo o mundo. 

Conexão literatura: Você é autora de um livro de poesias em Língua Portuguesa, poderia comentar?

Negar Emrani: Puxa, ainda é inacreditável. Quer dizer, é uma necessidade fundamental para qualquer ser humano ser ouvido e visto por outros indivíduos. Eu nunca poderia ter sonhado com isso, ser lida em outros idiomas que não o farsi e o inglês, ser lida por mais pessoas ao redor deste nosso lindo mundo. Agora, eu sei que há mais pessoas neste universo com quem eu tive a chance de falar, é claro, não diretamente, mas mesmo desta maneira significa muito para mim e eu gostaria de poder ler ou ouvir comentários de pessoas que me leram, seja em inglês ou português. Essa chance maravilhosa que tive me fez sentir menos solitária. 

Conexão literatura: Como foi o processo de escrita do trabalho e quanto tempo levou para concluir seu livro? 

Negar Emrani: Ah... As poesias que estão publicadas no livro “Algum Lugar Entre o Mundo e o Espelho” não estão realmente relacionadas entre si. Eles são o resultado de todos e quaisquer eventos que aconteceram comigo na vida real, em todos esses anos, de 2012 até 2018. Por isso são tão pessoais, românticas principalmente. Cada uma delas foi escrita devido às minhas experiências pessoais na vida. 

Conexão literatura: Você poderia destacar um trecho que você considera especial em seu livro?

Negar Emrani: Isso é como pedir a alguém para escolher um filho favorito entre seus filhos. Eu realmente não posso fazer isso porque eu tenho sentimentos por todos eles, já que todos eles nasceram com verdadeiros sentimentos palpáveis ​​na minha vida real. Então, me perdoe, mas, não, eu não posso. 

Conexão literatura: Como o leitor interessado deve proceder para adquirir seu livro e conhecer um pouco mais sobre você e sua obra literária?

Negar Emrani: Bom, o livro está publicado em português e pode ser encontrado na Amazon em Língua Portuguesa. Além disso, tenho um perfil no Skoobs e Goodreads. Então, acredito que qualquer pessoa que queira conhecer meu trabalho pode me seguir lá. E, claro, sempre há o Instragram e ficarei feliz em entrar em contato pessoalmente com os leitores (Dedos cruzados, pois o governo do Irã está muito ansioso para restringir a Internet). 

Conexão literatura: Há novos projetos na agenda?

Negar Emrani: Ultimamente não tenho conseguido escrever muito, embora tenha lido mais, principalmente navegando nos campos da psicologia e da filosofia. Mas acredito que algumas poesias minhas serão publicadas em uma antologia e estou trabalhando em um novo livro. Tudo depende da gentileza do meu querido editor em publicá-las ou não. 

Perguntas rápidas:

Um livro: “Sin: Selected Poems of Forugh Farrokhzad”, traduzido e editado por Sholeh Wolpé, 2007.

Um autor: Arthur Schopenhauer

Um ator ou atriz: É muito difícil escolher um. Há muitos. Daniell Day-Lewis, Nicole Kidman, Anthony Hopkins, Denzel Washington, Meryl Streep ...

Filme: O Paciente Inglês

Um dia especial: O dia em que pudemos construir e abrir uma escola para meninas com problemas de visão em Mashhad, Irã, em nome do meu falecido pai. Observar os alunos e sua paixão foi a coisa mais alegre que me aconteceu desde então. 

Conexão literatura: Quer encerrar com mais comentários ou mensagens aos leitores?

Negar Emrani: Agradeço essa chance que a revista me concedeu. A vida é cheia de surpresas, sejam alegres ou dolorosas, todas elas têm lições para mostrar a todos nós. Não quero parecer uma pregadora. Só quero dizer o quanto sou grata por ter tido a chance de experimentar as maiores surpresas da vida e, ultimamente, tenho conseguido abraçar todas elas. Desejo o mesmo para todos, ver além de cada experiência e descobrir o verdadeiro sentido da vida. Os sonhos podem se tornar realidade mesmo que você ainda os tenha apenas sonhado.

PARA SABER MAIS OU ADQUIRIR O LIVRO: CLIQUE AQUI.

Compartilhe:

terça-feira, 22 de março de 2022

Entrevista com a escritora Iraniana Fatemeh Kalantari, autora do Livro “Alma das Mulheres”


Biografia da Autora

Fatemeh Kalantari nasceu em 19 de setembro de 1978, em Teerã, Irã. Ela é graduada em Contabilidade, tendo também formação acadêmica em escrita de roteiro. Fez cinco curtas-metragens e publicou quatro livros de poesia no Irã.

Sinopse e link do livro 

https://www.amazon.com.br/Alma-das-Mulheres-Fatemeh-Kalantari-ebook/dp/B08CN81VJM/ref=sr_1_9?crid=2Z2XCKNUN6LM0&keywords=paradise+ocean+books&qid=1647891589&sprefix=paradise+ocean%2Caps%2C318&sr=8-9

É com a intenção de dar vazão às mais diferentes e intrínsecas reflexões sobre a alma feminina que a iraniana Fatemeh Kalantari traz, nessa reunião de poesias, pontos de vista, experiências e reminiscências acerca do vínculo das mulheres com o mundo contemporâneo no que diz respeito aos laços familiares e à experiência de diversas formas de amor, entre elas a maternidade.

Suas palavras também carregam o peso da guerra e de seus efeitos, da crueldade de um mundo confuso e em conflito, da influência da religião e da esperança, além do toque não só abstrato, como também impiedoso do fim da vida.

Suas poesias são entremeadas com o trabalho do artista plástico brasileiro Sandro Braga, cujas ilustrações, através de suas cores, formas e singeleza, nos mostram momentos de essência vital em um mundo atordoado pela correria moderna.

ENTREVISTA

Revista Conexão Literatura: Você poderia contar aos nossos leitores sobre seu início no mundo literário?

Fatemeh Kalantari: Tenho interesse em escrever desde o ensino fundamental. A primeira vez que escrevi algo como um poema remonta à minha quinta série. Cada vez que me lembro dessa época, vejo uma garotinha com uma velha mala marrom deixada pelo pai, uma garotinha que mirava a foto desse pai depois que ele faleceu. A mala continha papel e caneta para escrever. Devo dizer que as primeiras sementes de minha ligação com o mundo da imaginação e da abstração foi a chama de uma vela na qual eu tentava encontrar a imagem do meu pai e me sentava em diálogo com ele, os quartos vazios da minha infância tornaram-se para mim uma página em branco, na qual escrevia com meus próprios olhos sobre a família, os amigos e o mundo. Acabei o ensino médio, e a caneta passou a ser minha única companheira constante, até que iniciei minhas atividades literárias no campo da poesia em 2001, participando de associações de poesia e participando de congressos literários. Sem dúvida, as palavras e a linguagem atingem a maturidade ao longo da trajetória de vida e os primeiros anos são uma espécie de prática da escrita e, em sentido mais amplo, toda a vida da escrita de um artista é uma prática da linguagem e das palavras de acordo com sua visão de mundo. Publiquei livros no campo da poesia, cada um dos quais foi uma experiência do processo de viver e estar profundamente deslumbrada em mim mesma, nos outros e no mundo. A publicação de quatro coleções de poesia no Irã, uma coleção de poemas na Plataforma Amazon e a publicação de um romance em persa e inglês são, até hoje, exercícios de uma mulher que quer continuar vivendo no mundo da poesia e da escrita. Porque eu nunca fui capaz de imaginar um mundo sem poesia e sem palavras desde minha infância.

Revista Conexão Literatura: Você é autora do livro “Alma das Mulheres”, uma obra poética publicada pela Paradise Ocean Books, poderia comentar?

Fatemeh Kalantari: O livro "Alma das Mulheres", publicado em português pela Paradise Ocean Books, contém poemas que refletem a vida interior e social de uma poetisa que tenta entregar a si mesma e seu corpo ao nascimento eterno com a arma da poesia através dos órgãos e tecidos de seu corpo.

Revista Conexão Literatura: Como foi o processo de escrita do livro e quanto tempo levou para concluí-lo?

Fatemeh Kalantari: Um café chamado "Nafas" na esquina da rua Vesal Shirazi em Teerã, capital do Irã, foi meu altar altar para a escrita que abrigou minhas palavras todos os dias por oito anos. Os poemas deste livro também nasceram naquele altar, um nascimento na multidão de orientações e despedidas, lágrimas e risos que emanavam das mesas espalhadas pelo café, das pessoas que ora deixavam os lábios nas mesas e ora as mãos permaneciam na xícara fria de chá. Depois de me despedir, minhas palavras removiam o restante das mesas e as ligavam à poesia no papel. Meus poemas não eram "meus" poemas, pertenciam a milhares de "eus" que se reproduziam nas camadas do meu ser. Foi assim que palavra por palavra foi se somando e o livro “Alma das Mulheres” nasceu misturado ao fluxo de cafés expressos, latte e bolos com sabores diversos, ora com cafés amargos, ora doces. 

Revista Conexão Literatura: Você poderia destacar um trecho que você considera especial em seu livro?

Fatemeh Kalantari: O destaque mais importante dentre os poemas do livro “Alma das Mulheres” é o constante desafio entre os três pontos de nascimento, vida e morte, estação em que a poetisa entra pela primeira vez na carroça do parto e se pergunta constantemente: O que é aniversário? Que pergunta: esta faca que esfaqueia bolos de aniversário quer responder, e o poeta grita para um oceano no meio do pântano da vida, movendo-se para ele palavra por palavra, e sabe que a morte é o nascimento evaporativo de um sol ardente? Raios em uma lagoa fluem em suas palavras.

Revista Conexão Literatura: Como o leitor interessado deve proceder para adquirir seu livro e conhecer um pouco mais sobre você e sua obra literária?

Fatemeh Kalantari: O livro "Alma das Mulheres" foi publicado pela Paradise Ocean Books e os interessados podem baixá-lo acessando o site da Amazon e pesquisando o nome do livro.

Revista Conexão Literatura: Há novos projetos na agenda?

Fatemeh Kalantari: Estou compilando uma coleção de poemas e escrevendo um romance que espero que seja publicado internacionalmente em um futuro próximo.

Perguntas rápidas:

Um livro: Em busca do tempo perdido

Um autor: Adeline Virginia Woolf

Um ator ou atriz: Kevin Spacey

Filme: A Redenção de Shawshank

Um dia especial: Dia Mundial da Poesia

Revista Conexão Literatura: Você gostaria de encerrar com mais algum comentário ou mensagem para os leitores?

Fatemeh Kalantari: Obrigada por me dar seu tempo, espero que a poesia e as palavras sejam como uma ponte eterna de comunicação com o público, artistas e amantes da palavra em todo o mundo, para que o amor, paz e amizade sejam palavras comuns e que não exista limites que separem os seres humanos.

Compartilhe:

domingo, 20 de fevereiro de 2022

Shahrzad Emadi, Fotógrafa e Autora na Antologia "Viver Sem Fronteiras" (Paradise Ocean Books)


Shahrzad Emadi nasceu em Mashhad, Irã (em 24 de Setembro de 2004). Ela estuda Design Gráfico. É fotógrafa e autora na Antologia "Viver Sem Fronteiras" publicada pela Paradise Ocean Books em fevereiro de 2022.  

Sinopse da Antologia:

Nos dias de hoje, muitas vezes, as imagens tem o poder de passar as mensagens de maneira mais simples e precisa para o público do que as palavras. "Viver Sem Fronteiras" é uma antologia fotográfica através da qual os leitores podem acessar conceitos de maneira rápida e concisa ao mesmo tempo que se conectam à natureza apresentada. Assim, admite-se que as imagens desempenham um papel importante no pensamento humano profundo.

Neste livro, fotos selecionadas de nove fotógrafos iranianos, foram tiradas de diferentes lugares de cidades iranianas. O leitor tem a oportunidade de conhecer a diversidade cultural e natural no Irã. 

A obra ainda conta com a participação especial do artista plástico brasileiro Sandro Braga que retrata de maneira impecável e sensível as paisagens do Brasil. Os nove fotógrafos iranianos autores da obra são: Elahe Beigi, Amin Dehghan, Mohammad Ali Mirzaei, Hannaneh Hadipour, Shahrzad Emadi, Hamid Pourmousa Kouhkamar, Fatemeh Varzandeh, Yasaman Mahdizadeh e Sara Moghaddam.

PARA ADQUIRIR OU SABER MAIS: CLIQUE AQUI.

Compartilhe:

domingo, 13 de fevereiro de 2022

"Mohammad Ali Mirzaei, Fotógrafo e Autor na Antologia “Viver Sem Fronteiras” (Paradise Ocean Books)"


Mohammad Ali Mirzaei
nasceu em Teerã, Irã (8 de agosto de 1982). Seu bacharelado é na área de Fotografia Jornalística pela Universidade de Cultura e Arte de Isfahan. Ele participou de vários festivais no Irã, tendo várias colocações como: Primeiro lugar no "Festival Nacional do Povo Iraniano", Escolhido do 4º Festival "Mulheres e Vida Urbana", Vencedor de Melhor Coleção no "Festival de Cinema e Photo Young Cinema”, Escolhido no Prêmio Fereshteh (Teerã 2015). Suas fotos também foram publicadas no Midway Journal, TAYO, Columbia Journal, Hawai'i Review, Oxford, The Missing Slate, Silk Road Review e The Adroit Journal.

Sinopse

Nos dias de hoje, muitas vezes, as imagens tem o poder de passar as mensagens de maneira mais simples e precisa para o público do que as palavras. “Viver Sem Fronteiras” é uma antologia fotográfica através da qual os leitores podem acessar conceitos de maneira rápida e concisa ao mesmo tempo que se conectam à natureza apresentada. Assim, admite-se que as imagens desempenham um papel importante no pensamento humano profundo.
Neste livro, fotos selecionadas de nove fotógrafos iranianos, foram tiradas de diferentes lugares de cidades iranianas. O leitor tem a oportunidade de conhecer a diversidade cultural e natural no Irã. A obra ainda conta com a participação especial do artista plástico brasileiro Sandro Braga que retrata de maneira impecável e sensível as paisagens do Brasil. Os nove fotógrafos iranianos autores da obra são: Elahe Beigi, Amin Dehghan, Mohammad Ali Mirzaei, Hannaneh Hadipour, Shahrzad Emadi, Hamid Pourmousa Kouhkamar, Fatemeh Varzandeh, Yasaman Mahdizadeh e Sara Moghaddam.

PARA SABER MAIS OU ADQUIRIR O LIVRO:

https://www.amazon.com.br/Viver-Fronteiras-Paradise-Ocean-Books-ebook/dp/B09S3DVSC6/ref=sr_1_1?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&crid=3BPL2LE869QGE&keywords=viver+sem+fronteiras&qid=1644694969&sprefix=viver+sem+fronteiras%2Caps%2C1183&sr=8-1

Compartilhe:

sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Conheça a obra "Nós e o olhar", da autora Hannaneh Hadipour (Paradise Ocean Books)


Em "Nós e O Olhar" Hannaneh nos presenteia com inesquecíveis fotografias de paisagens e retratos do Irã.




Hannaneh Hadipour nasceu em Rasht, Irã (15 de setembro de 1982). Ela é engenheira elétrica.

Devido ao seu interesse por fotografia, ela tem feito cursos profissionalizantes na área e também já participou de várias exposições do gênero.

PARA SABER MAIS: CLIQUE AQUI

Compartilhe:

quinta-feira, 2 de setembro de 2021

Revista Conexão Literatura, mencionada pelo everestclub.ir, do Irã

 

everestclub.ir

این شماره از نشریه برزیلی (ماه سپتامبر) بطور ویژه به مصاحبه با امین دهقان (عکاس و هیمالیانورد ایرانی) اختصاص داده شده است.

برای اولین بار در طول هفت سال انتشار این نشریه بزرگ برزیلی، عکس کاور مجله به یک ایرانی تعلق گرفته🧿

با سپاس از زحمات و پیگیری‌ های آقای مرتضی حمیدزاده و مترجم گرامی سرکار خانم نگار عمرانی


everestclub.ir

(tradução)

Este número da revista brasileira Conexão Literatura (setembro) é dedicado especificamente à entrevista com Amin Dehghan (fotógrafo iraniano e alpinista do Himalaia).

Pela primeira vez em sete anos desde a primeira publicação desta grande revista brasileira, a foto da capa pertenceu a um iraniano. Obrigado pelos esforços e acompanhamento do Sr. Morteza Hamidzadeh e da querida tradutora Sra. Negar Emrani.

Site do Everest Club: http://www.everestclub.ir/

Instagram: https://www.instagram.com/everestclub.ir/

Compartilhe:

terça-feira, 31 de agosto de 2021

Já está disponível a nova edição da Revista Conexão Literatura (Setembro/2021)


EDITORIAL

A nossa edição de setembro destaca Amin Dehghan, autor, fotógrafo e montanhista iraniano que conquistou o topo do Everest. Confira nas páginas da revista a entrevista bilingue que fizemos com ele. Agradecimentos especiais aos autores e editores Jamila Mafra e Seyed Morteza Hamidzadeh, da Paradise Ocean Books e também para a escritora Negar Emrani.

Além das dicas de livros, o leitor poderá conferir entrevistas com autores, contos, crônicas e poesias, inclusive uma do autor italiano Antonio Di Bianco.

Tenha uma ótima leitura!

Participe da nossa edição de outubro, seja com conto, crônica ou poema. Você também poderá divulgar o seu livro ou editora. Saiba como: clique aqui.

Tenha uma ótima leitura!

Compartilhe:

sexta-feira, 13 de agosto de 2021

Alireza Farzaneh e a obra "Vem Comigo" (Paradise Ocean Books)


Alireza Farzaneh
nasceu em 10 de setembro de 1987 (Teerã, IRÃ). Sua formação foi na área de Arquitetura na Azad Universidade Islâmica.

Vem Comigo

É nítida a intencionalidade da união da condição humana com seu ambiente nos registros de Alireza Farzaneh. Nesta coletânea de fotografias do autor, vemos entrelaçada a presença, muitas vezes solitária, do ser humano com os elementos da natureza. E isso não ocorre por mera ambientação. Ao olho perspicaz, fica clara a sensação de júbilo e paz de alguém fotografado de forma solitária, quando na presença de todo o esplendor que só a natureza é capaz de proporcionar. Até os mais reclusos se tornam mais vívidos, como se acompanhados de uma presença invisível às lentes, mas processada na mente e no coração.

É essa sensação de euforia e contemplação que Alireza é capaz de trazer à tona através de suas fotografias. Tiradas em diferentes regiões do Irã, elas mostram um mundo de cores, algo de beleza ímpar e exuberante, um universo de sensações apaziguadoras, cintilantes e que se mesclam com maestria ao amor, sentimento tão fortemente abordado nesta coleção. De forma geral, mostra quão mais belo o ser humano se torna conectado à natureza, à sua verdadeira essência.

PARA ADQUIRIR A OBRA: CLIQUE AQUI.

Compartilhe:

quarta-feira, 11 de agosto de 2021

Baixe a nova edição da Revista Conexão Literatura (Agosto/2021)


EDITORIAL

Direto da China, trazemos nesta edição Yin Xiaoyuan, importante autora de 18 epopeias enciclopédicas, que somam 70 mil versos, tendo traduzido e publicado seus textos em 30 países. Mantive contato direto com a autora durante alguns dias e agradeço pela gentileza, educação e presteza nas respostas, diferente de alguns autores brasileiros que temos muita dificuldade para entrar em contato, que só trocam mensagens através de assessores (isso quando resolvem responder). Muitos autores brasileiros dizem não ter incentivo, mas antes eles precisam querer ser incentivados. E se crescer no meio literário, seja humilde. Isso faz com que se abram ainda mais portas.
Também agradecemos pela parceria com a Paradise Ocean Books, editora que publica autores do Irã no Brasil.

Tenha uma ótima leitura!

Participe da nossa edição de setembro, seja com conto, crônica ou poema. Você também poderá divulgar o seu livro ou editora. Saiba como: clique aqui.

Tenha uma ótima leitura!

Compartilhe:

segunda-feira, 9 de agosto de 2021

Autora Yasaman Mahdizadeh e a Obra "As Luzes do Oriente" (Paradise Ocean Books)


Há algo mágico na luz. Na luz em si e, principalmente, na incidência dela sobre os arredores. Essa é a visão que os olhos bem atentos podem ter ao se depararem com os registros de Yasaman Mahdizadeh nesta coleção de fotos. Retratando regiões do Irã, sua terra natal, a fotógrafa tem nas luzes sua principal inspiração. Ela aparece em sua forma visível e também em meio a cenas que acendem nossa imaginação, nossa perspicácia, nossa busca por sentido. Não é essa a nossa luz interior, aquela que ilumina nossas decisões e a visão que temos do mundo?

As fotografias de Yasaman são plenas de expressões de fé e religiosidade, além da sua ótica cultural, passando pela música, arquitetura, ritos e cerimônias tradicionais. Mas ela também faz questão de retratar o cotidiano, as ações corriqueiras, a vida simples, o comércio, a correria das ruas, a simplicidade das crianças. Tudo se mistura em um mundo de cores. Todavia, cientificamente e espiritualmente, só podemos ver as cores na presença da luz. Que As Luzes do Oriente Médio sirvam como lentes para a experiência de se ver toda a expressividade de um povo envolto em uma cultura tão rica.

SOBRE A AUTORA:

Yasaman Mahdizadeh nasceu em 5 de abril de 2004 em Mashhad, IRÃ. Ela é estudante e adora Fotografia e Artes Visuais.

PARA ADQUIRIR A OBRA: CLIQUE AQUI 

Compartilhe:

segunda-feira, 2 de agosto de 2021

Revista Conexão Literatura no Irã

 


Nossa revista Conexão Literatura mencionada no Irã.

Compartilhe:

domingo, 1 de agosto de 2021

Autora Fatemeh Kalantari e a Obra "Alma das Mulheres"


Fatemeh Kalantari
nasceu em 19 de setembro de 1978 (Teerã, IRÃ).  Seu bacharelado foi em contabilidade e roteiro de cinema. Ela produziu cinco curtas-metragens e publicou quatro livros de poesia no Irã.

É com a intenção de dar vazão às mais diferentes e intrínsecas reflexões sobre a alma feminina que a iraniana Fatemeh Kalantari traz, nessa reunião de poesias, pontos de vista, experiências e reminiscências acerca do vínculo das mulheres com o mundo contemporâneo no que diz respeito aos laços familiares e à experiência de diversas formas de amor, entre elas a maternidade.

Suas palavras também carregam o peso da guerra e de seus efeitos, da crueldade de um mundo confuso e em conflito, da influência da religião e da esperança, além do toque não só abstrato, como também impiedoso do fim da vida.

Suas poesias são entremeadas com o trabalho do artista plástico brasileiro Sandro Braga, cujas ilustrações, através de suas cores, formas e singeleza, nos mostram momentos de essência vital em um mundo atordoado pela correria moderna.

PARA SABER MAIS OU ADQUIRIR O LIVRO: CLIQUE AQUI.

Compartilhe:

terça-feira, 13 de julho de 2021

Elahe Beigi e o livro "Terra Esquecida" (Paradise Ocean Books)

 


Elahe Beigi nasceu em 5 de abril de 1992, na cidade de Sanandaj, Irã. Ela possui formação acadêmica nas áreas de fotografia e arquitetura. A autora participa de exposições no Irã e no Iraque.

Sinopse: 

Nessa coletânea de dezenas de fotos capturadas por Elahe Beigi, a fotógrafa revela as cenas cotidianas do povo curdo que habita a região do Irã, no Oriente Médio. No entanto, estes não são meros registros ocasionais; muito pelo contrário, todas as imagens envolvem o espectador de uma forma completamente humana, fazendo-o transpassar a fotografia e encontrar-se quase que em contato direto com os personagens e lugares. Mais do que isso, em contato com sua história.

A região habitada pelos curdos, embora atualmente seja uma terra esquecida pelo poder público e por outros grupos étnicos e nações, é fortemente relembrada aqui, porque sua memória, ainda que estática em uma foto, é móvel aos olhos de quem vê. E por falar em olhos, é nos olhos desse povo que se encontra sua história, essa que jamais será esquecida.  

Para saber mais ou adquirir a obra "Terra Esquecida": Clique aqui

Compartilhe:

sexta-feira, 9 de julho de 2021

Autora Fatemeh Varzendeh e a obra Linhas da Vida


Fatemeh Varzandeh
nasceu em 27 de setembro de 1995 (Teerã, IRÃ). Seu bacharelado foi na área de Arte e Arquitetura. Também participou de dois curtas-metragens, atuando em um deles com o nome “A Simple Problem”, e “Death to Death” selecionado no festival Armenia High fest. Ela é uma fotógrafa profissional. Suas fotos foram publicadas na revista Camas (inverno de 2019) e na West Trade Review.

SOBRE A OBRA:

As linhas da vida, por esta não seguir uma receita calculada, não são de todo retas. Muito pelo contrário, as linhas que formam toda a existência física e abstrata são um emaranhado de curvas, voltas, arestas e, em muitos casos, infinitas. É esse o âmago presente nessa coleção de fotografias de Fatemeh Varzandeh.

Registradas no Irã – e algumas poucas na Armênia –, as imagens de Linhas da Vida são um retrato das intermináveis ramificações da vida como nós a conhecemos. Ela está presente na humanidade, mas também na natureza, na cultura e na singeleza e mistério que unem todos esses elementos.

A artista, com uma rica mistura de cores, sombras e luz, traz ao observador uma leitura muito mais que cultural de sua região: também retrata a amizade, a beleza natural de seus modelos, a graça e aventura das jornadas em meio à vastidão da natureza, as práticas religiosas e a vida social carregada de significado de um povo envolto com obstinação em sua própria essência.

PARA ADQUIRIR OU SABER MAIS: CLIQUE AQUI.

Compartilhe:

segunda-feira, 24 de maio de 2021

Hamid Pourmousa Kouhkamar e o livro Luzes Invisíveis (Paradise Ocean Books)


Biografia do Autor: 

Hamid Pourmousa Kouhkamar nasceu em 24 de agosto de 1981 em Marand, IRÃ.  Suas fotografias foram selecionadas para o Festival Trabzon (Turquia), Festival Turquesa (primeiro e quinto período), Bienal de Fotografia Iraniana e Festival do Açafrão. Em 2020 publicou seu primeiro livro de fotografia intitulado "Luzes Invisíveis" pela Paradise Ocean Books. 

Sinopse do livro "Luzes Invisíveis": 

Nesta coletânea com dezenas de fotos, Hamid Pourmousa Kouhkamar nos presenteia com mais do que registros fotográficos: uma visão panorâmica de todo um povo através de imagens, movimentos, sombras e luzes.

Retratando cenas cotidianas do povo nômade da região de Tabriz, no Irã, suas fotografias deixam à vista uma fusão da singeleza e simplicidade social e cultural de determinados espaços com a modernidade e as tendências urbanas de outros. Encontramos também pinceladas da vida religiosa, da vida compartilhada com amigos e familiares, da vida em meio à vastidão da natureza, além dos pequenos detalhes contidos em cada olhar e movimento capturados de seus moradores. Vê-se a alma de um povo refletida em seu ambiente, ou talvez o oposto: o ambiente moldando a alma de seus habitantes.

Há uma imensidão de tons de cinza na obra de Hamid, mas diversas tonalidades mais vívidas se destacam em outros poucos registros. Entretanto, todas elas têm em comum a luz: ora em sua forma perceptível aos olhos, ora em sua forma singular e perceptível apenas ao coração.

PARA ADQUIRIR OU SABER MAIS: https://www.amazon.com.br/Luzes-Invis%C3%ADveis-Hamid-Pourmousa-Kouhkamar-ebook/dp/B08F4N67XG/ref=sr_1_3?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&dchild=1&keywords=Paradise+Ocean+Books&qid=1621730247&sr=8-3















 

Compartilhe:

segunda-feira, 17 de maio de 2021

Negar Emrani e o livro Algum lugar entre o mundo e o espelho (Paradise Ocean Books)


Biografia da Autora:

Negar Emrani, nasceu em Mashhad, Irã, formou-se em Biotecnologia. Após anos de carreira na ciência, devido à crise econômica no Irã, ela encontrou a oportunidade de se especializar em Literatura e na Arte da poesia, que eram seus interesses pessoais há anos.

Algumas de suas obras na forma de poesia contemporânea foram publicadas em jornais não-iranianos, como "Asymptote Journal Tinge Magazine" "Tinderbox", "The Literati Quarterly".

Suas canções e letras também foram publicadas em coleções como "Khorasaneh" (o livro de letras da província de Khorasan), às vezes com música ou apenas por escrito. 

Sinopse da Obra:

Usando uma mistura da linguagem direta com a linguagem emocional subentendida, Negar Emrani traz, em Algum Lugar Entre o Mundo e o Espelho, diversos aspectos que permeiam não apenas vivências pessoais, mas aquelas que, de certa forma, mesmo sendo privadas, são os revérberos de toda uma sociedade.

Neste conjunto de poemas veremos o destrinchar dos mais profundos e – às vezes – controversos sentimentos da consciência humana perante seu ambiente e suas contrariedades, que ora fazem com que o leitor se identifique, ora fazem com que se aprofunde numa cadeia de misteriosas conotações sobre a solidão, a luta, a guerra, a força feminina, a sombra familiar e os reflexos da mente e, principalmente, do coração. Afinal, seriam esses reflexos emocionais, muitas vezes invisíveis para uns, e até mesmo abstratos demais para serem transformados em palavras concretas, mas tratados de forma rica e singela pela autora, justamente o que há entre o mundo e o espelho?

Link da Amazon: https://www.amazon.com/gp/product/B08BF628T6/ref=dbs_a_def_rwt_bibl_vppi_i0


Poesia

A Profetisa

Eu sonhava com terrenos chuvosos,

De uma mulher que estava 

Espalhando os cabelos à luz

Para que os pássaros pudessem colher grãos

Espalhados pelo chão.


Sonhei com dentes de leão 

Que não tinham nada a dizer ao vento.

Sonhei com uma joaninha

De uma asa costurando o chão no céu

E as folhas secas vagando ao léu.


A seca estava sobre nós, e minha mãe 

Estava se encolhendo em um canto da sala,

Juntando a chuva em seus olhos.


Alguma mulher 

Sai do espelho todos os dias,

E ela está se aproximando

Enquanto o mundo 

Aos poucos vai se acabando. 


Um dia para o aniversário dela,

Outro dia para sua morte

Sem sorte.


Alguma mulher 

Dentro do meu punho esquerdo,

Na crista dos meus seios, 

Entre os meus cabelos

Algumas vezes molhados!

Ela sai, e tudo o que resta dela

São as pegadas dela 

Marcadas em minha testa.


Alguma mulher, 

Cujo cabelo é a própria pobreza,

Estica dentro 

Dos meus braços para o amanhã.


Eu nunca soube

Qual dente podre 

Me deu meu sorriso.

Eu tenho escondido

A tristeza entre os pistácios, 

Ano a ano,

Pobre tentativa de fugir dos enganos. 


A morte está próxima.

Sentada, estou assistindo o pôr do sol,

Antes de murchar o último girassol. 


Um dia uma árvore crescerá 

Como uma profetisa em meu corpo,

Uma profetisa sem milagres,

Tudo o que ele poderá fazer

É separar o vento em duas partes.

 

Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA
clique sobre a capa

DO INCISIVO AO CANINO - BERT JR.

MAFRA EDITIONS

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

DIVULGUE O SEU LIVRO

FUTURO! - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels