Autor(a) divulgue o seu livro, conheça o Pacote Divulgação Para Autores

Autor(a), saiba como divulgar o seu livro conosco, acesse: http://www.revistaconexaoliteratura.com.br/2020/09/autora-divulgue-o-seu-livro-co...

Mostrando postagens com marcador Jaime Kopstein. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Jaime Kopstein. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 20 de junho de 2022

INDICAÇÃO PARA LEITURA: "Diário de Otto Klein", do autor Jaime Kopstein


SINOPSE: O “Diário de Otto Klein” foi mantido por um judeu austríaco entre 1922 e 1939. Melhor do que uma narrativa meramente factual, ele registra as vivências do autor (do referido diário) ao longo de seu dia a dia, num texto, portanto, não influenciado pelos ardis e lacunas da memória tão frequentes nos relatos elaborados décadas depois dos acontecimentos. Frequentemente emotivo leva-nos a nos embrenhar, a mergulhar no espírito que prevalecia na Viena daqueles dias, a senti-lo, portanto. A ação nos conduz até o início da hecatombe que tanto abalou a Europa e o mundo na primeira metade do século XX, permitindo-nos acompanhar como aquilo evoluiu em Viena. O dia a dia de um homem em busca de realização pessoal em um meio crescentemente hostil, seus estratagemas para superar as privações familiares em que foi criado, obrigando-se para isso a abrir mão de sua identidade. O diário permite-nos acompanhar as contradições em que é obrigado a viver, as conquistas e perdas em sua vida profissional, social e amorosa até os dias do epílogo tão dramático quanto inesperado. Um interesse adicional da obra é o olhar penetrante que lança o leitor a um período pouco visitado pela literatura que existe a respeito. Refiro-me à determinada inflexão no desenrolar da história do Holocausto. Na verdade, a literatura de ficção inspirada no período da anexação austríaca (Anschluss) é extremamente rara. E esse é justamente o momento culminante do desenrolar de nossa narrativa, o drama do judeu austríaco ao eclodir o Anschluss, a súbita e brutal precipitação do ataque aos judeus, a extinção abrupta de sua identidade como cidadão austríaco, finalmente sua expulsão ou confinamento e morte.

SOBRE O AUTOR:

Sou brasileiro, médico, nefrologista, aposentado, idoso, casado, pai de dois filhos, Doutor em Medicina, realizei estágio no Hammersmith Hospital e no Royal Free Lawn Road, ambos de Londres, sou professor de Clínica Médica na Universidade Federal do RS, Brasil, e autor de outro livro, esse no estilo “memoirs”,  publicado (Vanity Printing) com o título "The Road to José Ignácio", em 2019.

RESENHA - POR RAFAEL BOTTER:

Diário de Otto Klein, traz uma memória e recordação jamais esquecida ou até mesmo apagada através do tempo. Estamos falando do horror que foi toda a Segunda Guerra Mundial.

Jaime Kopstein traz uma obra sensível e intimista que leva o leitor para dentro de toda a história, através da sensibilidade do protagonista, Otto Klein. Uma verdadeira viagem no tempo através dos capítulos.

Esse diário foi guardado a sete chaves, protegido dos olhares de curiosos, preservando uma verdadeira relíquia que narra toda a vida do nosso protagonista, deixando levar pelas lembranças através do tempo.

O autor possuí uma escrita intimista, óbvio! Estamos falando de um livro do qual é baseado em um diário. Fica evidente que o autor soube explorar os mínimos detalhes do personagem principal, contando tudo sobre a vida e a rotina do dia a dia. Ponto positivo! Detalhes e fluidez logo nas primeiras páginas.

Um ponto em destaque que merece atenção, é o fato do protagonista narrar de forma hábil toda situação vivida do início da Segunda Guerra Mundial e sofrimento dos judeus nas mãos dos nazistas.

O livro é sensível e tocante, levando o leitor para fazer parte da vida de Otto, protagonizando diversos momentos marcantes do personagem principal. Uma obra rica em fatos históricos e relevantes para entendermos como foi a Segunda Guerra Mundial pelos olhos dos judeus.

FICHA TÉCNICA:

Título: Diário de Otto Klein

Autor: Jaime Kopstein

Editora: Astrolábio Edições

Páginas: 474

Ano Lançamento: 2022

PARA SABER MAIS, CONFIRA ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O AUTOR JAIME KOPSTEIN: CLIQUE AQUI.

Compartilhe:

terça-feira, 14 de junho de 2022

[Resenha] Diário de Otto Klein - Jaime Kopstein



Título: Diário de Otto Klein

Autor: Jaime Kopstein

Editora: Astrolábio Edições

Páginas: 474

Ano Lançamento: 2022

O “Diário de Otto Klein” foi mantido por um judeu austríaco entre 1922 e 1939. Melhor do que uma narrativa meramente factual, ele registra as vivências do autor (do referido diário) ao longo de seu dia a dia, num texto, portanto, não influenciado pelos ardis e lacunas da memória tão frequentes nos relatos elaborados décadas depois dos acontecimentos. Frequentemente emotivo leva-nos a nos embrenhar, a mergulhar no espírito que prevalecia na Viena daqueles dias, a senti-lo, portanto. A ação nos conduz até o início da hecatombe que tanto abalou a Europa e o mundo na primeira metade do século XX, permitindo-nos acompanhar como aquilo evoluiu em Viena. O dia a dia de um homem em busca de realização pessoal em um meio crescentemente hostil, seus estratagemas para superar as privações familiares em que foi criado, obrigando-se para isso a abrir mão de sua identidade. O diário permite-nos acompanhar as contradições em que é obrigado a viver, as conquistas e perdas em sua vida profissional, social e amorosa até os dias do epílogo tão dramático quanto inesperado. Um interesse adicional da obra é o olhar penetrante que lança o leitor a um período pouco visitado pela literatura que existe a respeito. Refiro-me à determinada inflexão no desenrolar da história do Holocausto. Na verdade, a literatura de ficção inspirada no período da anexação austríaca (Anschluss) é extremamente rara. E esse é justamente o momento culminante do desenrolar de nossa narrativa, o drama do judeu austríaco ao eclodir o Anschluss, a súbita e brutal precipitação do ataque aos judeus, a extinção abrupta de sua identidade como cidadão austríaco, finalmente sua expulsão ou confinamento e morte.

Impressões:

Diário de Otto Klein, traz uma memória e recordação jamais esquecida ou até mesmo apagada através do tempo. Estamos falando do horror que foi toda a Segunda Guerra Mundial.

Jaime Kopstein traz uma obra sensível e intimista que leva o leitor para dentro de toda a história, através da sensibilidade do protagonista, Otto Klein. Uma verdadeira viagem no tempo através dos capítulos.

Esse diário foi guardado a sete chaves, protegido dos olhares de curiosos, preservando uma verdadeira relíquia que narra toda a vida do nosso protagonista, deixando levar pelas lembranças através do tempo.

O autor possuí uma escrita intimista, óbvio! Estamos falando de um livro do qual é baseado em um diário. Fica evidente que o autor soube explorar os mínimos detalhes do personagem principal, contando tudo sobre a vida e a rotina do dia a dia. Ponto positivo! Detalhes e fluidez logo nas primeiras páginas.

Um ponto em destaque que merece atenção, é o fato do protagonista narrar de forma hábil toda situação vivida do início da Segunda Guerra Mundial e sofrimento dos judeus nas mãos dos nazistas.

O livro é sensível e tocante, levando o leitor para fazer parte da vida de Otto, protagonizando diversos momentos marcantes do personagem principal. Uma obra rica em fatos históricos e relevantes para entendermos como foi a Segunda Guerra Mundial pelos olhos dos judeus.





Compartilhe:

segunda-feira, 16 de maio de 2022

Conheça o livro "Diário de Otto Klein", de Jaime Kopstein


O “Diário de Otto Klein” foi mantido por um judeu austríaco entre 1922 e 1939. Melhor do que uma narrativa meramente factual, ele registra as vivências do autor (do referido diário) ao longo de seu dia a dia, num texto, portanto, não influenciado pelos ardis e lacunas da memória tão frequentes nos relatos elaborados décadas depois dos acontecimentos. Frequentemente emotivo leva-nos a nos embrenhar, a mergulhar no espírito que prevalecia na Viena daqueles dias, a senti-lo, portanto. A ação nos conduz até o início da hecatombe que tanto abalou a Europa e o mundo na primeira metade do século XX, permitindo-nos acompanhar como aquilo evoluiu em Viena. O dia a dia de um homem em busca de realização pessoal em um meio crescentemente hostil, seus estratagemas para superar as privações familiares em que foi criado, obrigando-se para isso a abrir mão de sua identidade. O diário permite-nos acompanhar as contradições em que é obrigado a viver, as conquistas e perdas em sua vida profissional, social e amorosa até os dias do epílogo tão dramático quanto inesperado. Um interesse adicional da obra é o olhar penetrante que lança o leitor a um

período pouco visitado pela literatura que existe a respeito. Refiro-me à determinada inflexão no desenrolar da história do Holocausto. Na verdade, a literatura de ficção inspirada no período da anexação austríaca (Anschluss) é extremamente rara. E esse é justamente o momento culminante do desenrolar de nossa narrativa, o drama do judeu austríaco ao eclodir o Anschluss, a súbita e brutal precipitação do ataque aos judeus, a extinção abrupta de sua identidade como cidadão austríaco, finalmente sua expulsão ou confinamento e morte.

PARA ADQUIRIR O LIVRO OU SABER MAIS: CLIQUE AQUI.



Compartilhe:

sábado, 14 de maio de 2022

Entrevista com Jaime Kopstein, autor do livro Diário de Otto Klein

Jaime Kopstein - Foto divulgação

Sou brasileiro, médico, nefrologista, aposentado, idoso, casado, pai de dois filhos, Doutor em Medicina, realizei estágio no Hammersmith Hospital e no Royal Free Lawn Road, ambos de Londres, sou professor de Clínica Médica na Universidade Federal do RS, Brasil, e autor de outro livro, esse no estilo “memoirs”,  publicado (Vanity Printing) com o título "The Road to José Ignácio", em 2019. 

Conexão Literatura: Poderia contar para os nossos leitores como foi o seu início no meio literário? 

Jaime Kopstein: Comecei a ler cedo na vida, seduzido por livros de dois autores que infelizmente hoje perderam visibilidade: os de Karl May e os de Edgard Rice Burroughs. Maravilhosos estímulos à mente juvenil. 

Na adolescência, às vezes, eu me sentia doente de tanto ler. Aí veio o vestibular de Medicina e tudo mudou. Investi mais de 35 anos lendo quase somente textos relacionados à minha atividade profissional, preparando aulas, escrevendo artigos, participando de mesas redondas, na condição de Professor da FM da UFRGS. 

Aposentei-me e fui pego de surpresa pela rapidez como as coisas da minha vida foram modificadas, preocupado, temia acontecer comigo o que acontece com alguns nessa situação: depressão da aposentadoria. No horizonte nublado, pairava então a ameaça da perigosíssima cadeira de balanço. 

Necessitava de um novo projeto, algo que me energizasse. O amor pela leitura continuava intacto, e através dela resolvi revisitar uma particularidade de minha vida, minha sensibilidade ao belo, decidi refletir sobre a formação, sobre a gênese do meu gosto estético, cada encontro que tive na vida com algo que tenha  me encantado e revelado o que mais amo e pôr esses achados no papel. 

Surgiu então a ideia de escrever um livro classificável como do gênero “memoirs”. Revisitrei obras de arte, paisagens, certos episódios históricos, viagens, meu primeiro encontro com o mar e outros agentes de beleza que fui descobrindo passo a passo, ao longo dos meus dias. Meditar, ler sobre cada um e registrá-lo. 

Alguns autores eu já conhecia, mas aí foram surgindo os outros, à medida que os procurava, H. Ecco, Dostoewsky, Chekhov, Joseph Conrad, Fernando Pessoa, Eça de Queirós, Machado, a divina Cecília Meireles, Herbert Melville, John dos Passos, Nabokov, as irmãs Bronté, Stephan Zweig, meu Deus, é interminável. 

Refugiei-me, então, solitário, na beira do mar e li e escrevi como se não houvesse amanhã. Fiz meu primeiro livro que consegui que fosse vertido para o inglês (desejei publicá-lo; vãs esperanças) e o intitulei “Road to José Ignacio”. 

Ao terminá-lo temi esgotar-se o desejo de escrever, e ter de encerrar com ele minha carreira de escritor, mas não foi o que aconteceu. Escrever e ler estabeleceram-se na minha vida permanentemente. Escrevi, então, pequenos contos. 

Foi então que uma fotografia, uma simples fotografia que encontrei nas andanças literárias daqueles dias, funcionou como um click que disparou a ideia de editar o diário de um homem, cuja vida cheia de atribulações, alegrias, sucessos, derrotas e enorme capacidade de luta, voltou a motivar-me de maneira inesperada. Escrevê-lo foi simplesmente uma experiência ainda mais rica do que a primeira. 

E escrevi o Diário de “Otto Klein” 

Conexão Literatura: Como é o seu processo de criação? Quais são as suas inspirações? 

Jaime Kopstein: Eu escrevo porque me faz bem, eu diria que se tornou uma rotina quase terapêutica, 

Tudo começou há muitos anos, quando, até por razões profissionais foi necessário organizar  ideias caóticas que surgiam em meio a uma atividade intensa em enfermarias de hospitais, e o melhor caminho que encontrei foi escrevê-las e assim poder ordená-las em minha mente. 

Isso eu fiz durante anos, porém sempre relacionado ao meu trabalho: rotinas, terapêuticas, diagnósticos, problemas sociais e domésticos das pessoas com quem me envolvia profissionalmente. Com o passar do tempo adquiri certa desenvoltura e passei a escrever mais solto, digamos assim. 

Um dia, já aposentado, subitamente afastado das atividades que, durante anos,  compuseram meu dia a dia busquei um projeto que me injetasse novo entusiasmo, nova energia, comecei então a pôr no papel aquelas ideias que mais me dominavam a mente. Algo que substituísse uma rotina de toda uma vida. 

Comecei a escrever para organizar a mente, e com o tempo dei-me conta de que certas ideias eram mais afetivas ou mais carregadas de emoção do que outras e dediquei-me a proceder com aquelas assim como faz um jardineiro com suas plantas, irrigá-las, livrá-las de inço (ideias parasitas, desprovidas de sentimento), fortificá-las com bons nutrientes (ler bons autores), e delas venho colhendo o que poderíamos chamar de minha inspiração. 

Conexão Literatura: Poderia destacar um trecho do seu livro especialmente para os nossos leitores? 

Jaime Kopstein: Nahum, pela primeira vez, pode examiná-lo, ver-lhe o rosto, a pele rosada, olhos e o cabelinho negros como os de Emma. O bebê agora começara a chorar e desajeitadamente o devolveu a mãe. Sentaram-se num banco. Nahum tomou-lhe a mão e, quietos, começam ambos a chorar silenciosamente. E o nenê que ficara quieto voltou a chorar. Agora choram os três, então, riem-se ambos numa mistura de riso e choro. Finalmente acalmam-se. 

Conexão Literatura: Como o leitor interessado deverá proceder para adquirir o seu livro e saber um pouco mais sobre você e o seu trabalho literário? 

Jaime Kopstein: Está disponível no Grupo Editorial Atlântico. 

Quanto a mim e meu trabalho, você poderá encontrar alguns dados a meu respeito aqui e ali nas outras considerações que fiz acima. 

Conexão Literatura: Quais dicas daria para os autores em início de carreira? 

Jaime Kopstein: O que um escritor em começo de carreira terá de útil para dizer a iniciantes? 

Vejamos: o que primeiro me vem à mente é o fato de que encontrar uma editora disposta a imprimir nossos livros está muito difícil. A concorrência é tremenda. O mundo editorial está absolutamente congestionado pela oferta crescente de obras literárias. Milhões de livros são oferecidos às editoras anualmente. No mercado editorial anglo-saxônico, por exemplo, apenas um livro é aceito para publicação a cada MIL enviados às editoras para avaliação! 

Por isso está em voga a autopublicação. É muitas vezes o melhor ou único caminho para experimentar o prazer visual e tátil de segurar nosso livro físico finalizado, concretizado, nas mãos, contemplar-lhe a capa, folheá-lo, sentir seu cheiro de livro novo. 

Ao longo dos anos observei com interesse duas variedades de candidatos a publicar seus livros, entre outras: Aqueles que sonham com glória, com a carreira brilhante de escritor famoso e aqueles que simplesmente não conseguem parar de escrever. 

Destino este texto aos segundos que são aqueles com quem me identifico melhor. 

Em primeiro lugar, a mais necessária atitude para alguém tornar-se escritor é... escrever. Sim, é necessário escrever, minha gente. Escrever é como qualquer outro exercício, há que estar-se “em forma”, isto é, requer treino. O grande Ray Bradbury, em seu livro “Zen in the Art of Writing” recomenda a escritores escrever pelo menos 1000 palavras por dia, TODOS OS DIAS. 

Outro fator indispensável, concedido a poucos por Deus, é o talento. Se não há talento, sinto muito. 

E como saber se há talento? Ora, o jeito é escrever e submeter a obra ao crivo de gente decente e inteligente. Cuidado com inveja, malícia, certos “especialistas” e certas empresas etc. No final é o público quem decide se há talento, é o público quem valida a tua obra... ou não. Mas, com o livro pronto e editado, como vês, resta o problema, hoje, de chegar até esse público. 

Ao escrever é indispensável abrir o coração, portanto sejas verdadeiro contigo mesmo, cuidado, somos às vezes hipócritas conosco mesmo. Martin Amis, o vitorioso e consagrado escritor britânico escreveu: “novelas devem ser produzidas em êxtase”. E é absolutamente verdadeiro. Chegarás ao coração dos outros, se falares a partir do teu coração. 

Tens que gostar do teu livro, se não gostares dele, como esperar que outros gostem? 

Há cursos e imensa literatura disponíveis para quem quer se preparar para escrever bem. Eu não acredito neles. Não que lhes falte qualidade, há sim trabalhos muito bons. 

Entretanto se não houver talento, mesmo com imenso esforço e ajuda de cursos e literatura, o que o escritor desprovido de talento fará, será “mais” um livro a encher estantes. Claro, é inegável, cursos irão melhorar, e muito, tua técnica de escrita, mas ela sempre ficará ligeiramente aquém,... se não houver o indispensável talento. E aí vem uma advertência séria: a autoavaliação é muito difícil. 

Há, como disse, uma literatura vasta sobre “técnica” e, ao examiná-la, encontrei três obras que se sobressaíram às demais, ao meu juízo. Valem a pena pela sua qualidade literária. 

Ray Bradbury – ver acima, o título. 

Sandra Newman et al – “How not to write a novel”. Este é outra joia, vale cada palavra. 

A . L. Kennedy – On Writing. Este vale porque é ilustrativo e divertido, embora um pouco repetitivo. 

Não encontrei traduções dessas obras. Compra um Oxford (dicionário) e vai lê-los, vale a pena o esforço. E abrirás para ti uma porta valiosa. 

Conexão Literatura: Existem novos projetos em pauta? 

Jaime Kopstein: Sim, tenho, estou voltando a trabalhar no estilo de não ficção. É possível, aliás, que desta vez tenha embarcado em um projeto pretensioso, chegando mesmo, quem sabe, às raias do presunçoso. Mas o tempo dirá. 

Venho “dando tratos à bola” a um tema contundente, atual, vago, mas incendiário e apaixonante: a divisão ideológica que hoje separa especialmente as populações do Mundo Ocidental em duas facções até beligerantes: conservadores e progressistas. 

Aliás, não concordo completamente com essa nomenclatura, mas o que fazer? 

Estou revisando muita bibliografia, obras como as de Marx, Hayek, Ayn Rand, Roger Scruton, Gramsci, e muitos outros. Associado a isso, aguarda nas prateleiras algo da farta literatura disponível sobre a “Psicologia da Política”. 

Junto com essa pesquisa bibliográfica, venho delineando o esquema, a estrutura do livro que pretendo escrever e sobretudo aprimorando, tornando mais definido meu objetivo, ou seja, o de examinar as razões sociais e psicológicas que levam grupos enormes de indivíduos bem intencionados a divergir tão radicalmente (até violentamente) sobre a forma de sociedade em que acham que TODOS nós devemos viver. 

Tenho consciência de que para fazê-lo da melhor maneira necessito livrar-me, pessoalmente, de vieses e preconceitos ideológicos que por ventura venha acumulando ao longo dos anos. 

É um projeto de longo prazo que me induz a ler e meditar intensamente, o que é o meu objetivo atual no estágio que me encontro. 

É projeto de bem longo prazo. Espero chegar lá. 

Perguntas rápidas: 

Um livro: Flor de Poemas - Cecília Meireles 

Um ator ou atriz: Meryl Streep 

Um filme: Casablanca 

Um hobby: Antiguidades 

Um dia especial: aquele em que meus netinhos me abraçam espontaneamente

Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA
clique sobre a capa

DO INCISIVO AO CANINO - BERT JR.

MAFRA EDITIONS

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

DIVULGUE O SEU LIVRO

FUTURO! - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels