Jane Austen: Livros e Filmes

Jane Austen, Thibaudet e um retrato da burguesia do séc. 18 Nascida em 16 de dezembro de 1775, a britânica Jane Austen foi uma das...

Mostrando postagens com marcador José Luiz Alquéres. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador José Luiz Alquéres. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 11 de dezembro de 2020

As lições da história em três mil anos de política


Empresário e escritor José Luiz Alquéres resgata a trajetória do pensamento político desde a sua origem a partir de personagens como Santo Agostinho, Montaigne e Hobbes

Erros do passado apenas podem ser evitados ao se refletir sobre a história. Com este propósito construtivo em relação ao futuro, o escritor José Luiz Alquéres aborda a evolução da prática política ao traçar um panorama dos eventos mais importantes no curso da humanidade. São, mais precisamente, Três mil anos de política.

Assim como o título, o livro publicado pela Edições de Janeiro é tão fascinante quanto objetivo. Em 232 páginas, o autor apresenta a história do pensamento político desde a origem, na China e Grécia, passando pelos romanos, a Idade Média, a Idade Moderna e os acontecimentos mais contemporâneos, como o fenômeno do nacionalismo, os modelos totalitários e o neoliberalismo.

Uma nova classe burguesa emerge nas grandes cidades de então.
Gente que privilegia não apenas a arte religiosa, mas também temas
mitológicos ou laicos. Gente que participa do governo de suas cidades
livres, gente que resiste a pagar taxas para reis e cortes inúteis e dispendiosas.
Gente, enfim, que elege o valor liberdade – de agir, pensar,
movimentar-se e de comercializar – a um patamar de importância não
experimentado anteriormente pela humanidade.
(P. 107, Três mil anos de política)

Renomado empresário, editor e filantropo, José Luiz Alquéres traduz a essência de cada período por meio de personagens que marcaram a evolução do pensamento político. Santo Agostinho, Spinoza, Montaigne, Hobbes e Marx, entre tantos personagens, mostram que a história da política é, também, a história da própria humanidade.

“As ideias e movimentos políticos não surgem do azul, sem um propósito específico, mas, antes, de homens, sob circunstâncias que se encontram narradas neste delicioso livro”, pontuou o advogado e escritor José Roberto de Castro Neves, prefaciador da obra, que traz, ainda, francas e corajosas críticas do autor sobre os diferentes períodos.

Depois de sumarizar as principais ideologias que prevaleceram nos regimes políticos, Três mil anos de história conduz o leitor pelos temas que dominam a atual discussão, como a crise da democracia e os efeitos da globalização. Para concluir, Alquéres não poderia ser mais eloquente ao apresentar três “razões para esperança” e os desafios, como a necessidade de garantir maior inclusão e representatividade. Uma manifestação candente de apreço aos valores democráticos. 

Ficha técnica 
Título: Três mil anos de política
Autor: José Luiz Alquéres
Editora: Edições de Janeiro 
ISBN: 978-65-87061-01-6
Páginas: 232
Formato: 16x23 cm
Preço: R$ 54,00
Link de venda: https://bit.ly/3jlT64Z

Sinopse: Três mil anos de política apresenta, de forma leve, como uma gostosa conversa, a história do pensamento político, desde a sua origem, na China e na Grécia, passando pelos Romanos, a Idade Média, a Idade Moderna e os acontecimentos mais contemporâneos, como o fenômeno do nacionalismo, os modelos totalitários e o neoliberalismo, entre outros. Nada fica de fora.
Mais que relatar fatos, apresenta de forma objetiva uma inteligente perspectiva do movimento dos pensamentos políticos, com uma corajosa e franca crítica. Garantindo a fluidez da leitura, o texto não se perde em citações ou referências. Faz melhor: conta a história.



Sobre o autor: José Luiz Alquéres é engenheiro, empresário e editor. Com formação complementar em Sociologia e uma longa vivência de trabalho junto a entidades de interesse público, associações empresariais e culturais, sempre esteve em contato direto com o meio político. Contribui regularmente com artigos avulsos e colunas semanais em jornais e é membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB). Como escritor, publicou Petrópolis (Vianna & Mosley). 

 





Compartilhe:

quinta-feira, 13 de agosto de 2020

Dificultando o acesso ao livro

José Luiz Alquéres - Foto divulgação
José Luiz Alquéres*

Na proposta de reforma tributária endossada pelo Governo e enviada ao Congresso consta uma nova taxação. Contribuição sobre Bens e Serviços, que se pretende venha incidir sobre a indústria do livro e dos e-books. A CBL, Câmara Brasileira do Livro, dentre outras entidades, já se manifestou contra este acréscimo de custo na cadeia produtiva do livro, de impacto mínimo na receita federal, porém de consequências danosas para a cultura.

Essa ideia é extremamente inoportuna. Mesmo proporcionalmente à baixa renda média da nossa população e a extrema concentração de renda, somos um dos países que menos lê. O livro, por outro lado, continua sendo o mais eficaz caminho para mover uma população da falta de cultura e da ignorância para os saberes mais variados que o futuro nos demandará. Assim, são essenciais e merecem, isso sim, mais facilidade de acesso tanto os livros técnicos e escolares, como os romances e obras de literatura em geral, com sua riqueza de situações, tramas e tipos humanos que tanto estimulam a imaginação e a criatividade.

Um dos desafios pós-covid será a necessidade de uma reciclagem quase total das competências de várias profissões existentes e o surgimento de novas profissões e de novas técnicas. Tais conhecimentos chegarão às pessoas por meio de livros ou apresentações à distância (de algo que foi texto escrito ou impresso em algum momento).

Um curso de mestrado em Harvard demanda, além de comparecimento em aulas, cerca de 100 páginas impressas de estudo por dia. É razoável supor que em qualquer curso de ponta se dê algo semelhante. Parece impraticável que tal carga de leitura ocorra somente por meio de monitores de computadores, notebooks e assemelhados.

Estaremos sendo injustos do ponto de vista tributário? Alguém pode julgar que uns leem mais e outros menos, e quem lê mais tem mais dinheiro. Por isso, ao não tributar o livro, estaríamos concorrendo para agravar o problema da má distribuição de renda. Na verdade, teremos o contrário: quanto mais um povo ler, mais culto será. Da mesma forma, menor tenderá ser a concentração de renda, porque conhecimento é também poder, saber e dinheiro.

Nossa população é predominantemente de pobres e remediados. Embora a taxa não vá pesar na “meia dúzia” de ricos que leem, ela vai impactar fortemente os milhões de pobres que poderiam ler mais e disto ficarão privados.

Dificultar o acesso ao aprendizado e ao conhecimento só agrava a injustiça social e impedirá o aumento do capital humano. Este se mede a partir da idade média da população, dos seus anos de escolaridade e de sua expectativa de vida. Quantos mais anos de escolaridade, mais se lê. Agrava a iminente situação pós-covid na qual tudo indica que haverá no mercado de trabalho a necessidade de uma “segunda competência”, agora na área digital. O grau maior de sofisticação no treinamento do pessoal para as novas profissões e para os novos mercados será traduzido na maior necessidade de leitura.

Por fim, não podemos nos furtar a comentar que as iniciativas governamentais recentes no campo da educação e cultura têm sido desastrosas. Reconhecendo o fato, o governo fez uma série de alterações em nomes e cargos, ainda não atingindo o que dele se poderia esperar em termos de qualidade. Enquanto apregoa as qualidades do seu ministro da Economia PhD pela universidade de Chicago, o governo esbanja nomeações de gente pouco qualificada para as áreas de Educação e Cultura.

Os nossos índices de aprendizado evoluem lentamente e o impasse entre as posições de professores, governo e rede escolar privada parecem se agravar. Há uma grande falta de liderança na área neste momento em que a Educação é a esperança de um futuro melhor para todos. O livro é ainda o mais barato instrumento para modificar este estado de coisas. Que não sejam agravados os problemas que já fazem padecer a sua indústria. O preço a pagar será mais uma punhalada no nosso desenvolvimento social. 

* Editor e Conselheiro da Câmara Brasileira do Livro
Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels