Conexão Nerd: Teoria da Conspiração, por Ademir Pascale

Cena do filme Teoria da Conspiração POR ADEMIR PASCALE Hoje não irei comentar sobre colecionáveis ou heróis, mas sobre um filme, um li...

Mostrando postagens com marcador Lígia Menna. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Lígia Menna. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 22 de outubro de 2019

Lígia Menna e seus livros sobre literatura infantil, por Cida Simka e Sérgio Simka

Lígia Menna - Foto divulgação
Fale-nos sobre você.

Sou doutora em Letras na área de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP). Estou com pós-doutorado em andamento, sob supervisão da professora Maria Zilda da Cunha, sob o título “Releituras do maravilhoso: A Rainha da Neve, de Hans Christian Andersen, suas figurações e múltiplos diálogos."
Sou professora de Literatura e coordenadora auxiliar do curso de Letras da Universidade Paulista (UNIP) e também no curso de pós lato sensu: Língua Portuguesa e Literatura no contexto escolar (UNIP interativa). 
Sou autora dos livros:  A carnavalização na literatura Infantil (Giostri, 2017) e A literatura infantil além do livro (Bonecker, 2019). Coautora da coleção didática para Ensino Fundamental II, intitulada: Português: uma língua brasileira, juntamente com Regina Figueiredo (Leya, 2014). Participei também da coletânea de poesias De Haicais a muito mais, organizada por Adilson Oliveira (Giostri, 2019).
Atuo nas seguintes áreas de pesquisa: Literatura Infantil e Juvenil; Literaturas em Língua Portuguesa; Estudos Comparados; Literatura e Sociedade; Literatura e Educação; Literatura e Imprensa; Leitura e Formação de Leitores; Ensino de Literatura; Literaturas e outras formas de saber; Teoria literária e Formação de Docentes.
Participo de dois Grupos de Pesquisa (CNPQ/CAPES): “Encontros interculturais na EAD: narrativas de vida dos diferentes brasis” (UNIP Interativa) e “Produções literárias e culturais para crianças e jovens” (FFLCH/USP).
Quando não estou ministrando aulas ou pesquisando, faço artesanato e cuido do meu jardim. Adoro viajar e curtir a natureza.

ENTREVISTA:

Fale-nos sobre o livro "A carnavalização na literatura infantil". O que a motivou a escrevê-lo?

Esse livro é fruto da minha dissertação de mestrado, na qual fiz um estudo comparado de três livros "O Reizinho Mandão", de Ruth Rocha; “As Aventuras do João Sem Medo”, do escritor português José Gomes Ferreira e "A montanha da água lilás", do escritor angolano Pepetela. Trato da carnavalização como uma forma de denúncia da exploração humana, presente nos três contextos em que essas obras foram escritas: Ditadura Militar no Brasil, Salazarismo no Brasil e Colonialismo e Pós-Colonialismo em Angola, respectivamente. Como pesquisadora e professora, tinha alguns questionamentos: As palavras possuem algum poder? Até que ponto a Literatura, enquanto arte da palavra, é capaz de denunciar arbitrariedades, como a exploração humana, e contribuir para mudar atitudes e modificar a sociedade?
Assim, esse livro surge como uma forma de refletir sobre essas questões, tendo como um dos principais motivos valorizar a literatura infantil como uma produção estética fundamental para a formação de leitores de todas as idades.

Fale-nos sobre o seu outro livro: "A literatura infantil além do livro".


Já esse meu segundo livro foi idealizado a partir de minhas pesquisas de doutorado. Quando fazia meu mestrado, descobri que o livro "As aventuras do João Sem Medo”, de José Gomes Ferreira, publicado em 1963, foi gestado nas páginas do jornal português O Senhor Doutor, em 1933. Ao ler esse jornal fiquei bastante admirada, um jornal para crianças em 1933? Daí surgiu a ideia de investigar os periódicos dedicados ao público infantil.
Analisei, em uma perspectiva história e comparatista, como a literatura infantil foi construída além do suporte livro, levando em conta diferentes concepções de infância e tendências pedagógicas. Focalizei no contexto da década de 1930, destacando a importância do jornal português "O Senhor Doutor" e da revista brasileira "O Tico-Tico", tanto para a formação de leitores como para a história da literatura infantil.

Como analisa a questão da leitura no país?

A leitura no Brasil sempre foi um problema a ser considerado. Nas primeiras décadas do século passado, produzir um livro era uma tarefa hercúlea, lembremos das experiências de Monteiro Lobato, além do que a quantidade de analfabetos era absurda, foi preciso criar leitores e livros para eles. Atualmente, a situação progrediu, o analfabetismo diminui consideravelmente e a produção de livros assumiu grandes proporções. Políticas públicas de fomento à produção e distribuição de livros foram bastante significativas, principalmente na primeira década deste século. Contudo, os problemas agora são outros. As livrarias e editoras passam por séria crise econômica, como outros segmentos em nosso país. Com um agravante, estamos vivendo momentos muito difíceis em que a leitura, a educação, o conhecimento e a cultura estão sendo severamente desvalorizados e perseguidos. Após anos de redemocratização, temos de volta o fantasma da censura nos rondando, sendo que várias manifestações artísticas e culturais, a literatura, o cinema, a arte em geral, estão sendo vigiadas e caladas.
Por outro lado, constato que há profissionais da educação com um comprometimento muito sério com a formação de leitores, com projetos admiráveis e com muitos frutos. Dizem que os jovens não leem. Muitos leem sim, é preciso verificar aquilo que os move e com que se identificam.

Como analisa a questão da escrita dos alunos, sobretudo na era de redes sociais?

A escrita tem se adaptado aos novos tempos. A forma de se escrever nas redes sociais e os gêneros utilizados são bem específicos e diferem do que vemos nos livros e jornais e isso é normal, a língua é dinâmica e se adapta a diferentes contextos.
Contudo, os alunos, crianças ou adultos, precisam exercitar mais a escrita em outros suportes, outros gêneros, muitas vezes mais formais e exigentes, pois isso lhes será cobrado em suas profissões e vida cotidiana. Por isso, a importância dos professores de Língua Portuguesa. São eles que apresentam aos alunos o mundo da leitura e da escrita de maneira diversificada, para práticas sociais e aplicações variadas. Os profissionais de Letras são essenciais para o desenvolvimento da nossa sociedade, são o suporte para as outras profissões, pois tratam da linguagem e de suas manifestações, algo basilar e imprescindível.  É preciso valorizar esses profissionais, sempre.
Cito aqui o importante trabalho de um professor do curso de Letras da UNIP, o professor Adilson Oliveira, um grande incentivador da cultura, da leitura e da escrita criativa. Ele tem organizado coletâneas de livros com produções dos alunos e professores do curso. O último foi a coletânea de poemas "De Haicais a muito mais" (Giostri, 2019), vale a pena conhecer esse projeto.
Vale também citar movimentos interessantes, já de uns 10 anos para cá, são os saraus da periferia e os slams. Um público variado tem participado desses eventos, produzindo literatura variada, o que também demanda muita leitura. Um bom exemplo é o Sarau da Cooperifa, na zona sul de São Paulo, com poetas e educadores como Sérgio Vaz, Márcio Vidal Marinho e muitos outros. 

Quais são os seus próximos projetos?

Atualmente estou pesquisando sobre Hans Christian Andersen, o conto a Rainha da Neve e suas releituras na atualidade e pretendo para o próximo ano publicar um livro com resultado dessa pesquisa.
Muito obrigada pelo convite e até breve.
Lígia Menna

Cida Simka é licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Coautora do livro Ética como substantivo concreto (Wak Editora, 2014) e autora dos livros O acordo ortográfico da língua portuguesa na prática (Wak Editora, 2016), O enigma da velha casa (Editora Uirapuru, 2016), “Nóis sabe português” (Wak Editora, 2017) e Prática de escrita: atividades para pensar e escrever (Wak Editora, 2019). Organizadora dos livros Uma noite no castelo (Editora Selo Jovem, 2019) e Contos para um mundo melhor (Editora Xeque-Matte, 2019). Integrante do Núcleo de Escritores do Grande ABC.

Sérgio Simka é professor universitário desde 1999. Autor de mais de cinco dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a série Mistério, publicada pela Editora Uirapuru. Organizador dos livros Uma noite no castelo (Editora Selo Jovem, 2019) e Contos para um mundo melhor (Editora Xeque-Matte, 2019). Autor, dentre outros, do livro Prática de escrita: atividades para pensar e escrever (Wak Editora, 2019). Membro do Conselho Editorial da Editora Pumpkin e integrante do Núcleo de Escritores do Grande ABC.
Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels