Mostrando postagens com marcador Livros de FC. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Livros de FC. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 18 de maio de 2018

O Que Acontecerá Depois da Guerra Atômica?


Um cachorro magricela, fugindo de dois homens armados de porretes. Os dois correm em seu encalço, por uma rua em escombros de uma Nova York arruinada pelas explosões nucleares. O cachorro salta por cima de um monte de entulho e desaparece.

Katterson, ex-soldado do Exército de um Estados Unidos que nem perdeu, nem ganhou a guerra. Vaga pelas ruas. É um gigante, talvez a pessoa mais alta e mais forte do Ocidente. A última e devastadora notícia chega a todos, vinda de um alto oficial do Exército. Não haverá mais distribuição de comida para Nova York e redondezas, temporariamente. Todos pressentem o pior, que não seja apenas temporária a falta de comida. Talvez não haja mais alimento para ninguém.

Mallory procura Paul Katterson e lhe oferece comida. E um trabalho, o de coletar alimento. O tipo de alimento que logo será a última forma de alimentação que o ser humano poderá encontrar, em sua descida rumo à extinção: carne humana. Mallory entrega um endereço para Paul, que o soca. O outro desaparece pelas ruas, ferido e assustado.

Os dias que viriam, daqui para frente, seriam de fome crescente, em que o homem passaria a caçar seu semelhante. O ex-soldado Katterson resiste. Chega ao ponto de devorar livros, ingere amargamente encadernações de couro fervidas em água. Mas ele cede. Sai em busca de comida. Encontra cadáveres frescos nas ruas nevadas de Nova York. Luta por um corpo contra alguns outros homens, mulheres e crianças, nada mais do que espectros de pele e ossos. Volta a si, finalmente, a loucura da fome o abandonando momentaneamente.

Apanha o endereço de Mallory no bolso. Segue a passos claudicantes em direção ao lugar, à última esperança. Alucina com carne de porco servida em uma travessa por um rapaz, isso no auge do desespero, na escadaria que leva ao apartamento da salvação. Chega na soleira da porta, grita por Mallory. Abrem-na, Katterson ajoelha-se sem forças e cai de bruços.

Esta é a história do conto Estrada para o Anoitecer (Road to Nightfall), de Robert Silverberg, mestre das pequenas narrativas de Literatura Fantástica. Foi publicado no Brasil no volume Outros Tempos, Outros Mundos (Parsecs and Parables), editado pela Editora Cultrix.

O canibalismo seria uma realidade, neste mundo sombrio do amanhã? Depois de um ataque inicial maciço com armas nucleares, as capitais dos países em guerra teriam se transformado em restos radioativos. Elas são as principais cidades e os principais centros de comércio e indústria de cada país. A radiação se espalharia pelo planeta inteiro, impulsionada pelos ventos e chuvas, que carregariam as partículas radioativas. Só o simples fato de haver explosões atômicas já evidencia o horror de uma guerra desse tipo. A um primeiro momento, o calor extremo e os ventos supersônicos das detonações reduziriam a poeira e a metal retorcido grande parte da arquitetura das cidades atingidas, e a Humanidade seria aniquilada, em sua maior parte.

Mas o Inverno Nuclear seria outro ponto na desgraça: depois das detonações nucleares, poeira radioativa cobriria nossa atmosfera, causando uma diminuição das temperaturas de todo o globo. As plantações e rebanhos de gado seriam dizimados. Plantas absorvem energia do Sol, água e elementos químicos do substrato do solo. Pela luz solar, realizam fotossíntese; a água e elementos químicos completam este ciclo da planta, que devolve à atmosfera oxigênio. Sem os três fatores envolvidos, não há crescimento das gramíneas, nem produção de alimentos. A terra estaria contaminada e a camada de poeira impediria a passagem de luz solar. O homem também seria vítima dessa queda abrupta de temperatura, que contribuiria para a sua extinção.

Os animais de que o homem se alimenta morreriam, sem comida, ou se alimentando de um cardápio mortalmente contaminado. Rios, lagos, represas, mares e oceanos envenenados pela radiação não gerariam monstros gigantescos, à moda de filmes classe B de Ficção Científica. Na verdade, as explosões nucleares destruiriam todo o ecossistema do planeta.

O homem teria iniciado um processo de autodestruição. Mesmo que o canibalismo fosse solução, seria algo paliativo, a curtíssimo prazo. Porque, mesmo que o ser humano sobrevivesse às intempéries, o que aconteceria quando todos se devorassem?

Nas guerras do passado, aconteceu canibalismo. Um exemplo ocorreu na Segunda Grande Guerra, na Batalha de Stalingrado. Lá houve fome extrema. Mas são situações locais e muito temporárias. Por pior que tenha sido esta guerra, ao término dela, com a reconstrução das cidades semidestruídas pela população e pelos governos dos países envolvidos, puderam-se retomar as atividades de comércio e indústria. Aos poucos, sem o fantasma da guerra genocida, as cidades progrediram e os países continuaram a se desenvolver.

Edward Teller foi o Pai da Bomba de Hidrogênio, nos Estados Unidos da América. Propôs que se realizassem testes nucleares em órbita da Terra. Isso teria destruído a Civilização Humana. Pulsos eletromagnéticos lançados pelas detonações teriam acabado com o sistema de comunicação global. A radiação formaria um halo ao redor da Terra e contaminaria a estratosfera. A camada de ozônio seria destruída e as partículas energéticas mortais vindas do Sol, impulsionadas pelo vento solar, nos atingiriam, sem a proteção da ionosfera. A maior parte das pessoas contrairiam câncer e outras doenças gravíssimas. Como disse o astrônomo Carl Sagan, em sua magnífica obra Cosmos, um viajante vindo das estrelas não se sentiria compelido a visitar nosso planeta, sob essas circunstâncias. Nesse processo, o homem seria alvo da radiação das explosões nucleares no espaço, que pouco a pouco precipitar-se-ia sobre a superfície da Terra.

O canibalismo era visto por tribos tupinambás do Brasil como a forma pela qual a força e a energia do inimigo seria absorvida por quem ingerisse partes do corpo deste. É algo completamente diferente do que aconteceria em uma guerra que transformasse nossa Civilização em pó. Os índios tupinambás tinham esse costume, acreditando ser ele uma forma de se tornarem mais fortes, mais aptos a enfrentarem outros inimigos no futuro, após o ritual do canibalismo. Que é chamado de antropofagia.

Somente uma guerra nuclear seria capaz de aniquilar nossa Ciência, nossa cultura e nossa raça. Guerras convencionais destroem muito do que se levou centenas de anos para se alcançar, como cidades e patrimônios históricos. Matam milhões. Mas não acabam com a essência do espírito humano, sua esperança na reconstrução e na retomada da vida. Guerras atômicas não ocorreriam. Somente haveria uma única guerra nuclear. As próximas batalhas, depois dela, nem seriam travadas com paus e pedras. Não haveria nada para servir de arma.

E nem homens para usá-las.

Guerra Atômica: o fim da Civilização Humana. Destruição e aniquilação do homem, como ser que hoje é detentor do título de Senhor da Terra. Quando na verdade, ele é apenas dono de seu Destino, onde suas ações, boas ou nocivas, refletem-se no próprio mundo onde vive e em si mesmo.

Sobre Roberto Fiori:
Escritor de Literatura Fantástica. Natural de São Paulo, reside atualmente em Vargem Grande Paulista, no Estado de São Paulo. Graduou-se na FATEC – SP e trabalhou por anos como free-lancer em Informática. Estudou pintura a óleo. Hoje, dedica-se somente à literatura, tendo como hobby sua guitarra elétrica. Estudou literatura com o escritor, poeta, cineasta e pintor André Carneiro, na Oficina da Palavra, em São Paulo. Mas Roberto não é somente aficionado por Ficção Científica, Fantasia e Horror. Admira toda forma de arte, arte que, segundo o escritor, quando realizada com bom gosto e técnica apurada, torna-se uma manifestação do espírito elevada e extremamente valiosa.

Sobre o livro “Futuro! – contos fantásticos de outros lugares e outros tempos”, do autor Roberto Fiori:

Sinopse: Contos instigantes, com o poder de tele transporte às mais remotas fronteiras de nosso Universo e diferentes dimensões.
Assim é “Futuro! – contos fantásticos de outros lugares e outros tempos”, uma celebração à humanidade, uma raça que, através de suas conquistas, demonstra que deseja tudo, menos permanecer parada no tempo e espaço.

Dizem que duas pessoas podem fazer a diferença, quando no espaço e na Terra parece não haver mais nenhuma esperança de paz. Histórias de conquistas e derrotas fenomenais. Do avanço inexorável de uma raça exótica que jamais será derrotada... Ou a fantasia que conta a chegada de um povo que, em tempos remotos, ameaçou o Homem e tinha tudo para destruí-lo. Esses são relatos dos tempos em que o futuro do Homem se dispunha em um xadrez interplanetário, onde Marte era uma potência econômica e militar, e a Terra, um mero aprendiz neste jogo de vida e morte... Ou, em outro mundo, permanece o aviso de que um dia o sistema solar não mais existirá, morte e destruição esperando pelos habitantes da Terra.
Através desta obra, será impossível o leitor não lembrar de quando o ser humano enviou o primeiro satélite artificial para a órbita — o Sputnik —, o primeiro cosmonauta a orbitar a Terra — Yuri Alekseievitch Gagarin — e deu-se o primeiro pouso do Homem na Lua, na missão Apollo 11.
O livro traz à tona feitos gloriosos da Humanidade, que conseguirá tudo o que almeja, se o destino e os deuses permitirem. 

Para adquirir o livro:
Diretamente com o autor: spbras2000@gmail.com
Livro Impresso:
Na editora, pelo link: Clique aqui.
No site da Submarino: Clique aqui.
No site das americanas.com: Clique aqui.

E-book:
Pelo site da Saraiva: Clique aqui.
Pelo site da Amazon: Clique aqui.
Compartilhe:

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Fantasia e Ficção Científica em “Futuro! – Contos fantásticos de outros lugares e outros tempos”, de Roberto Fiori

Roberto Fiori - Foto divulgação
Roberto Fiori é um escritor de Literatura Fantástica. Natural de São Paulo, reside atualmente em Vargem Grande Paulista, no Estado de São Paulo. Graduou-se na FATEC – SP e trabalhou por anos como free-lancer em Informática. Estudou pintura a óleo. Hoje, dedica-se somente à literatura, tendo como hobby sua guitarra elétrica. Estudou literatura com o escritor, poeta, cineasta e pintor André Carneiro, na Oficina da Palavra, em São Paulo. Mas Roberto não é somente aficionado por Ficção Científica, Fantasia e Horror. Admira toda forma de arte, arte que, segundo o escritor, quando realizada com bom gosto e técnica apurada, torna-se uma manifestação do espírito elevada e extremamente valiosa.

ENTREVISTA:

Conexão Literatura: Poderia contar para os nossos leitores como foi o seu início no meio literário?

Roberto Fiori: Sempre fui uma pessoa que teve aptidão para escrever. Desde o ginásio, passando pelo antigo 2º Grau, minhas notas na matéria de redação eram altas, muito acima da média. O que me motivava a escrever eram minhas leituras, principalmente Ficção Científica e Fantasia. Descobri cedo, pelo mestre da Fantasia Ray Bradbury, que era a Literatura Fantástica que eu admirava acima de qualquer outro gênero literário.

Em 1989, sob a indicação de uma grande amiga minha, Loreta, que conheci a Oficina da Palavra, na Barra Funda, em São Paulo. E fiz uma boa amizade com o maior professor de literatura que já tive, André Carneiro. Sem dúvida alguma, se não fosse pelo André, eu jamais saberia o que sei hoje, sobre a arte da escrita. Nos cursos que ele ministrava, aprendi na prática a escrever, as bases de como tornar uma mera história de ficção em uma obra que atraísse a atenção das pessoas.
 
Conexão Literatura: Você é autor do livro "Futuro! - Contos fantásticos de outros lugares e outros tempos". Poderia comentar?

Roberto Fiori: “Futuro! – Contos fantásticos de outros lugares e outros tempos” é uma obra parte Fantasia, parte Ficção Científica, parte Horror, e que poderá vir a se tornar realidade, quer em outra época, no futuro, quer em outra dimensão paralela à nossa. Vivemos em um Cosmos que não é o único, nessa teia multidimensional chamada Multiverso. Ele existe, segundo as mais avançadas teorias da cosmologia. São Universos Paralelos, interligados por caminhos ou “wormholes” – buracos de minhoca. Um “wormhole” conecta dois buracos negros, ou singularidades, em que a gravidade é tão elevada que nada pode escapar de sua atração gravitacional, nem mesmo a luz. Em tais “wormholes”, o tempo e o espaço perdem suas características, tornam-se algo que somente podemos especular e deduzir matematicamente.

“Futuro! – Contos fantásticos de outros lugares e outros tempos” é uma coletânea de treze contos e noveletas. Invasões alienígenas por seres implacáveis, ameaças vindas dos confins da Via Láctea por entidades invencíveis, a luta do Homem contra uma raça peculiar e destrutiva ao extremo, terrível e que odeia o ser humano sem motivo algum. Esses são exemplos de contos em que o leitor poderá não enxergar qualquer possibilidade de sobrevivência para o Homem. Mas ao lado de relatos de pesadelo, surgem contos que nos falam de emoções. Uma máquina pode apresentar emoções? Ela poderia sentir, se emocionar? Nosso povo já esteve à beira da catástrofe nuclear, em 1962. Isso é realidade. Mas e se nossa sobrevivência tivesse sido conseguida com uma pequena ajuda de uma raça semelhante à nossa em tudo, na aparência, na língua, nos costumes? E que desejaria viver na Terra, ao lado de seus irmãos humanos? Há histórias neste livro que trazem ao leitor uma guerra milenar, que poderá bem ser parada por um casal, cada indivíduo situado em cada lado da contenda. E há histórias de terror, como uma presença, não mais que uma forma, que mata, destrói e não deixa rastros.

Enfim, é uma obra de ficção, mas que poderá vir a se revelar algo palpável para o Homem, como na narrativa profética da destruição de um planeta inteiro.
Conexão Literatura: Como foram as suas pesquisas e quanto tempo levou para concluir seu livro?

Roberto Fiori: Minhas pesquisas foram baseadas em toda uma série de livros e revistas de divulgação científica, e artigos da Internet. Levei três anos para concluir os rascunhos, as pesquisas e as inúmeras revisões a que submeti meus trabalhos originais. Livros de gabarito, como “Cosmos”, de Carl Sagan, ou “Civilizações Extraterrenas“ (“Extraterrestrial Civilizations”), de Isaac Asimov, me deram a base e a inspiração para descrever raças alienígenas. “O Colapso do Universo” (“The Collapsing Universe”), de Isaac Asimov, e “Buraco Negro, o Supremo Desconhecível” (“Black Holes: The End of the Universe?”), do cientista inglês John Taylor, foram as duas obras principais que me levaram a escrever sobre os buracos negros. A revista Scientific American Brasil me foi de imensa ajuda, para me inteirar sobre o Multiverso e as várias dimensões que nosso Universo possui. Pela Internet, fiz pesquisa sobre ervas e raízes venenosas e místicas. Essas são algumas das fontes que utilizei. Muitos outros livros foram consultados e a influência de autores como Isaac Asimov, Arthur C. Clarke, Robert Silverberg, Jack Vance e tantos outros foi essencial para formar meu próprio estilo literário.

Conexão Literatura: Poderia destacar um trecho do qual você acha especial em seu livro?

Roberto Fiori: Existe um trecho em meu conto “Filhos da Esperança”, que me emociona muito, cada vez que eu o leio:
“Ele custou a acreditar nas palavras de sua amada. Olhou fixo para os olhos dela e compreendeu. Eram opostos que se atraíam, ao mesmo tempo em que eram como a água e o vinho. Ele, o vinho, sem possibilidade de se misturar com ela, a água.
A nave partiu do vale, quando chegou a hora. Ninguém acompanharia Semiel. Demielle, ao lado de um monte, vendo a superestrutura subir, derramou uma lágrima. E disse para si que ele era um tolo, que levaria todos ao esquecimento, se o seguissem.

Ela deu as costas ao ponto de luz que desaparecia no céu, e dirigiu-se à sua casa, pelas ruas de terra e grama da vilazinha silenciosa.”

Conexão Literatura: Como o leitor interessado deverá proceder para adquirir o seu livro e saber um pouco mais sobre você e o seu trabalho literário?

Roberto Fiori: Para adquirir meu livro, o leitor poderá comprá-lo nos seguintes pontos de venda (lista que poderá sofrer alteração em decorrência da possível inclusão de novos pontos de venda ou exclusão):

1)    E-books: Pelo site da Saraiva, pelo link:                                                    
https://www.saraiva.com.br/futuro-10025928.html
2)     Pelo site da Amazon, pelo link:
https://www.amazon.com.br/Futuro-contos-fant%C3%A1sticos-outros-lugares-ebook/dp/B0798RVQ8K/ref=sr_1_13?ie=UTF8&qid=1517072073&sr=8-13&keywords=roberto+fiori
3)    Livros físicos (impressos): com o autor, na editora Livros Ilimitados ou em várias livrarias.
a)    Com o autor:  entrem em contato comigo, pelo e-mail spbras2000@gmail.com
b)    Na editora, pelo link: https://livrosilimitados.loja2.com.br/8050483-Futuro-contos-fantasticos-de-outros-lugares-e-outros-tempos
c)    No site da Submarino, pelo link: 
https://www.submarino.com.br/produto/30671333/livro-futuro-contos-fantasticos?pfm_carac=futuro%21%20contos%20fantasticos%20de%20outros%20lugares%20e%20outros%20tempos&pfm_index=1&pfm_page=search&pfm_pos=grid&pfm_type=search_page%20
d)    No site das americanas.com: pelo link:
https://www.americanas.com.br/produto/30671333/livro-futuro-contos-fantasticos?pfm_carac=futuro%21%20contos%20fantasticos%20de%20%20outros%20lugares%20e%20outros%20tempos&pfm_index=0&pfm_page=search&pfm_pos=grid&pfm_type=search_page%20
Haverá o lançamento do livro em formato físico e/ou em formato de e-books, nos pontos de venda:
e)    Livraria Galileu;
f)    Livaria da Folha;
g)    Pontofrio.com;
h)    Walmart;
i)    Livraria da Travessa – a livraria oficial da FLIP;
j)    Livraria Leitura;

Deverão ser lançados livros físicos e/ou e-books também nos pontos de venda:
k)    Árvore de Livros;
l)    Livraria Nobel;
m)    Livraria Argumento;
n)    Eldorado;
o)    Apple;
p)    Livrarias Curitiba.

Para conhecer um pouco de meu trabalho, possuo alguns exemplares do livro “UTOPIA – Contos Fantásticos”, lançado em 2014 pela Andross Editora, com dois contos de Ficção Científica meus, que foram ampliados nesta edição de “Futuro! – Contos fantásticos de outros lugares e outros tempos”.

Os interessados em conhecer meus contos em “UTOPIA – Contos Fantásticos”, podem entrar em contato comigo, pelo e-mail  spbras2000@gmail.com. Os compradores terão uma ideia de minha primeira versão para os dois contos que foram relançados agora, em uma nova versão que, espero, também agrade o leitor. “UTOPIA – Contos Fantásticos” está sendo lançado em um preço promocional, muito abaixo do mercado.

O vídeo de divulgação de “Futuro! – Contos fantásticos de outros lugares e outros tempos” pode ser acessado pelo Youtube, no link:
https://www.youtube.com/watch?v=LzTwDoTNwLc&list=PL0JiWTCuulya18ZYmDeIqyRwEmQpVNE-l

Um link preview, contendo o prefácio e o primeiro conto do livro “Futuro! – Contos fantásticos de outros lugares e outros tempos”, pode ser acessado pelo link:
https://issuu.com/livrosilimitados/docs/9788563194657_i

Conexão Literatura: Existem novos projetos em pauta?

Roberto Fiori: No momento, estou trabalhando em um projeto totalmente inovador, que deverá levar algum tempo para ficar pronto. Trata-se de um livro que trata da imaginação, do ato de imaginar, a nível bioquímico e a nível de possibilidade ilimitada de nossa consciência. Mas é somente uma ideia, existem outros projetos que eu já vinha desenvolvendo há anos, como um romance distópico em um futuro não muito distante.

Perguntas rápidas:

Um livro: Existem muitos excelentes, mas o meu preferido é e sempre será “2001 – Uma Odisseia no Espaço”.
Um (a) autor (a): Arthur C. Clarke, pela humanidade e simplicidade que ele coloca em suas obras.
Um ator ou atriz: Ator: Richard Gere ;  Atriz: Charlize Theron.
Um filme: “2001 – Uma Odisseia no Espaço”.
Um dia especial: Quando soube que a obra “UTOPIA – Contos Fantásticos” incluiria dois contos de minha autoria.

Conexão Literatura: Deseja encerrar com mais algum comentário?

Roberto Fiori: Sim. Hoje em dia, vivemos em uma época em que a leitura não é muito considerada, no Brasil.
Li que quatro a cinco volumes são lidos em média pelos jovens, em nosso país, por ano, incluindo os livros obrigatórios das escolas.
Isso não deveria ser assim! As pessoas deveriam gostar de ler, gostar verdadeiramente. Ler por prazer, seja que tipo de leitura for. Fazer do livro uma companhia constante. Nosso país precisa de mentes criativas, que somente a leitura pode oferecer, levando pessoas humildes a mundos inteiramente inovadores.

No livro “Maestria”, de Robert Greene, vemos o caso de um dos mais influentes cientistas da História, o físico e químico Michael Faraday. Ele descobriu o benzeno, os princípios de construção do motor e do gerador elétrico, descobriu os campos elétrico e magnético, enfim, sem Faraday, Thomas Alva Edison, Nicola Tesla e outros jamais poderiam ter conseguido aplicar a eletricidade em nossa sociedade. Estaríamos na estaca zero, isso se outros não tivessem feito tais descobertas.

Michael Faraday teve uma infância muito difícil, seu pai era ferreiro. Faraday teria sido um lavrador, segundo Greene, por vontade do pai. Mas ele nunca poderia ter tido sucesso como lavrador, mesmo porque sua constituição física não o tornava apto a trabalhar no campo. Ele era fisicamente fraco. Mas descobriu uma livraria, no centro de sua cidade, quando era bem jovem, e o dono da livraria, uma pessoa generosa, deixava que Faraday lesse livros de sua loja, depois do expediente. Michael Faraday trabalhava como menino de recados e como entregador de livros, para o livreiro, quando criança.

Faraday tornou-se apaixonado pelos fenômenos elétricos descritos nos livros. A partir de sua paixão pela leitura, tornou-se, ao longo de sua vida, membro da Royal Institution, por indicação de seu mestre, Humphrey Davy, conferencista, membro da Royal Society, perito em tribunais, aperfeiçoou o telescópio, inventou o dínamo, fundou a eletrólise, obteve um Diploma Honorário na Universidade de Oxford, recebendo a medalha Copley, a maior honraria dada por esta instituição. Tornou-se Professor Fulleriano na Royal Institution e recusou o convite para a presidência da Royal Institution, porque queria ter tempo para suas experiências, o que não teria se fosse presidente.

Em resumo, a paixão pela leitura levou Michael Faraday a se tornar um dos mais brilhantes cientistas que o mundo já conheceu. A leitura engrandece o espírito, traz paz à alma, é um remédio eficaz para o tédio, aumenta o conhecimento. Traz apenas benefícios.
Se cada um de nós se tornasse um “Faraday” consumidor de livros, o mundo seria outro!
Compartilhe:

sábado, 15 de julho de 2017

Livro Possessão Alienígena, reúne alguns dos melhores autores da FC brasileira

Olá, pessoal! A maioria dos leitores da revista Conexão Literatura, conhecem o meu trabalho apenas como editor e colunista, mas bem antes disso iniciei na área como escritor, tanto de contos (meu forte), como romances e organização de coletâneas para várias editoras. A soma de todas minhas participações em livros, seja como autor, coautor, editor ou até mesmo como prefaciador, ultrapassaram a marca de 40 títulos. Dei um tempo, principalmente para trabalhar mais na revista, mas tinha um trabalho engajado que estávamos trabalhando, um livro que leva o título "Possessão Alienígena", que tem a capa e ilustrações internas de um dos maiores artistas do mundo, o Vagner Vargas (http://vagnervargas.com.br). Ele foi o único artista brasileiro a ilustrar livros da série Jornada nas Estrelas, também foi o ilustrador da capa do livro O Jogo do Exterminador, do autor Orson Scott Card, romance vencedor dos prêmios Hugo e Nebula, que posteriormente virou filme (clique aqui e veja o cartaz), tendo participação dos artistas Harrison Ford, Ben kingsley, entre outros. Posso dizer que Vargas, além de excelente artista, é uma pessoa humilde. Adoro ficção científica. Já fui colaborador da UFO, a maior revista sobre ufologia da América Latina. Meu livro de cabeceira é Eram os Deuses Astronautas?, do Erich von Däniken. A criação do título e organização do livro ficou por minha conta e o convite dos autores participantes do Possessão Alienígena, foi feita a dedo. O trabalho conta com a participação do grande escritor Roberto Causo, Tibor Moricz, Marcelo Bighetti, Miguel Carqueija, Estevan Lutz, Jorge Luiz Calife e Mustafa Ibn Ali Kanso. A editora que publicará o livro é uma das mais sérias e legais. Posso dizer que mais de 50% das minhas hqs é dessa editora. E publicar um livro que trabalhei tanto juntamente dessas pessoas nessa editora, é uma grande realização. Essa editora é a Devir: http://devir.com.br/
O livro foi revisado pelo conceituado escritor Roberto de Sousa Causo, que também participa com o conto "Os Fantasmas de Lemnos". Já a diagramação, layout da capa e uma grande colaboração no livro, ficou por conta do autor e designer gráfico Marcelo Bighetti, colunista do nosso site que participa no livro com o conto "Conexão Kolob".

Esperamos que a publicação ocorra em agosto desse ano, no mais tardar em setembro.

Compartilhe:

segunda-feira, 2 de maio de 2016

5 livros para começar a ler Ficção Científica

João Paulo Balbino
Possivelmente, você conhece alguém que tentou ler um livro como Fahrenheit 451 ou 2001, uma odisseia no espaço e desistiu por achar o livro chato. A Ficção Científica (ou FC) é um gênero maravilhoso, mas há de se convir que muitos de seus autores não têm (ou tinham) a preocupação de fazer livros comerciais, e características como o lento andamento da trama ou as complexas teorias científicas podem desanimar o leitor.
Confira a seguir 5 indicações do escritor João Paulo Balbino de livros de FC para você que está dando os primeiros passos no gênero, ou que procura uma leitura mais leve. 

1 – Eu, robô, de Isaac Asimov
Isaac Asimov publicou Eu, robô em 1950, mas a escrita e a história continuam atuais e surpreendentes. A obra é uma coletânea de contos que abordam à interação do ser humano com robôs inteligentes, e não tem nada a ver com o filme de mesmo nome. O livro é bem melhor. 

2 – O Jogador Número 1, de Ernest Cline
Obra-prima de Ernest Cline, O Jogador Número 1 chegará aos cinemas em breve com direção de Steven Spielberg. A história se passa quase toda dentro de um jogo chamado Oasis, onde seu criador escondeu um easter egg e quem o encontrar se tornará o novo dono do jogo.  

3 – O Guia do Mochileiro das Galáxias, de Douglas Adams
Não se deixe levar pela capa infantil de O Guia do Mochileiro das Galáxias. Seu autor Douglas Adams consegue apresentar uma história de viagem no espaço capaz de agradar a todos os públicos. Vale ressaltar que o livro, com certeza, te fará chorar de rir.
 
4 – Realidades Adaptadas, de Philip K. Dick
Philip K. Dick é um dos autores mais importantes da FC, com inúmeras obras adaptadas para o cinema. Realidades Adaptadas compila seus principais contos que inspiraram filmes, como O Vingador do Futuro, Minority Report e Os Agentes do Destino.
 
5 – Jogos Vorazes, de Suzanne Collins
Um dos gêneros mais famosos da Ficção Científica é a distopia, e Jogos Vorazes foi um dos últimos grandes sucessos a abordar o tema, com um governo totalitário sendo desafiado pela jovem Katniss Everdeen. A trama consegue ser profunda sem comprometer a proposta de leitura leve.

João Paulo Balbino vive profissionalmente da escrita desde 2009, desenvolvendo textos para empresas. É autor do romance policial EU, ASSASSINO com lançamento previsto para agosto de 2016 pela editora Livrus. Também possui mais de uma dúzia de contos publicados em antologias nacionais e internacionais e um livro de estreia lançado em 2008, ainda aos 21 anos. Possui dois ebooks disponíveis na Amazon: RELATOS DE PAIXÕES & CRIMES e O ASSASSINO DE DEUS. Website: www.joaopaulobalbino.com.
Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email. Basta confirmar ):

Posts mais acessados da semana

Anuncie e Divulgue Conosco

CLUBE DO LIVRO UNIÃO

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

FUTURO! - ROBERTO FIORI

SROMERO PUBLISHER

Leitores que passaram por aqui

Labels