Prêmio Sesc de Literatura abre inscrições para edição 2022

  As inscrições são gratuitas e os escritores podem concorrer com obras inéditas nas categorias Conto e Romance   Rio de Janeiro, 10 de jane...

Mostrando postagens com marcador Luciana Soares da Silva. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Luciana Soares da Silva. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Luciana Soares da Silva e a Aziza Editora, por Cida Simka e Sérgio Simka

Luciana Soares da Silva - Foto divulgação
Fale-nos sobre você.

Sou formada em Jornalismo pela Universidade Estadual Paulista – Unesp e em Letras Português/Francês pela Universidade de São Paulo – USP. Trabalho há 19 anos no mercado editorial, tendo exercido atividades de revisora de texto, preparadora, editora e coordenadora editorial. Também sou pesquisadora e contadora de histórias.

ENTREVISTA:

Você é editora da Aziza Editora. Fale-nos sobre ela. Como é seu trabalho? Quantos originais recebe por mês? Quantos são publicados? Quem quiser publicar por ela quais os procedimentos?

A Aziza nasceu há seis meses dedicada a publicar autores e ilustradores negros. Em meus quase 20 anos de mercado editorial pude observar como esses autores e ilustradores têm maior dificuldade de acesso a esse mercado. Os que conseguem ainda são exceção. Estou falando de racismo também na produção de livros, área que ainda guarda um consenso coletivo de que fazer livros é coisa de homem, branco, europeu. Mas se é sempre o outro que conta as nossas histórias não temos diversidade e a realidade é menos fiel. Acabamos caindo na "história única", como bem avaliou Chimamanda Ngozi Adichie.
Nesse sentido, a Aziza chega para ser mais um espaço para autores e ilustradores negros contarem suas histórias com base em suas experiências e no que sentem na pele. Queremos trazer histórias capazes de humanizar o negro, de reparar sua "dignidade roubada", ainda nas palavras de Chimamanda.
Somos uma editora pequena, por enquanto com apenas três pessoas no quadro fixo. O restante do trabalho é terceirizado. Sou eu que seleciono os originais, contrato os profissionais necessários e me responsabilizo pela qualidade no processo de produção de nossos livros. Temos recebido de cinco a dez originais por mês, mas o ritmo de produção ainda é modesto, apesar de em crescimento. Atualmente temos quatro títulos publicados e mais alguns esperando a pandemia passar para serem lançados. Para ter seu original avaliado, é necessário enviá-lo para originais@azizaeditora.com.br.   

Como é ser editor num país como o nosso?

Isso tem melhorado, a meu ver. Apesar de vermos editoras em crise e livrarias fechando, o número de leitores vem crescendo a cada ano, e o interesse pela literatura produzida no país também, mesmo diante de todo o ataque à cultura que temos por aqui. Isso se deve em grande parte à internet e aos novos meios de divulgação, à possibilidade de falar diretamente a esse leitor e de identificar mais facilmente quais são os interesses.
O que tem mudado é o perfil editor: editoras pequenas e autores independentes estão ganhando espaço, bem como uma literatura que traz mais diversidade. Parece-me que o que está em crise não é o livro em si, mas a maneira de tratá-lo: como algo distante, que não é sobre todo mundo nem para todo mundo. Vejo com grande entusiasmo, sobretudo, as editoras de nicho, especializadas em um assunto, em uma questão, como é o nosso caso.

Como analisa a questão da leitura no país?

O público leitor está crescendo. É o IBOPE dos livros quem diz. Isso tem alguns motivos. Volto a ressaltar o impacto da internet: hoje há muitos influenciadores digitais apresentando livros, estimulando a leitura, fazendo resenhas on-line e até escrevendo as próprias obras, o que aproxima o leitor do objeto livro. Também há muitos projetos de leitura por toda parte, no centro e na periferia, além de saraus e contações de história atraindo todas as faixas etárias e mostrando que o livro é pra todo mundo.   

O que tem lido atualmente?

Estou "maratonando" Scholastique Mukasonga: Baratas, Nossa Senhora do Nilo e, agora, A mulher de pés descalços. Me atrai o modo como ela trata de memória e de ancestralidade. E de como tudo isso está ligado a devolver nossa dignidade perdida, lutando contra o esquecimento e a desumanização do povo negro.

Site da editora:

CIDA SIMKA
É licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Autora, dentre outros, dos livros O enigma da velha casa (Editora Uirapuru, 2016), Prática de escrita: atividades para pensar e escrever (Wak Editora, 2019) e O enigma da biblioteca (Editora Verlidelas, 2020). Organizadora dos livros: Uma noite no castelo (Editora Selo Jovem, 2019), Contos para um mundo melhor (Editora Xeque-Matte, 2019), Aquela casa (Editora Verlidelas, 2020) e Um fantasma ronda o campus (Editora Verlidelas, 2020). Integrante do Núcleo de Escritores do Grande ABC e colunista da Revista Conexão Literatura.

SÉRGIO SIMKA
É professor universitário desde 1999. Autor de mais de seis dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a série Mistério, publicada pela Editora Uirapuru. Membro do Conselho Editorial da Editora Pumpkin, integrante do Núcleo de Escritores do Grande ABC e colunista da Revista Conexão Literatura.

Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA
clique sobre a capa

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

FUTURO! - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels