10 superséries baseadas em livros, por Ademir Pascale

Como bom leitor, adoro assistir séries baseadas em livros (também sou cinéfilo) e nesses tempos conturbados de pandemia, passei a assistir a...

Mostrando postagens com marcador Mafalda. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Mafalda. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 4 de novembro de 2020

66ª Feira do Livro de POA oferece clássicos em espanhol virtualmente

 

Entre as obras, Mafalda do cartunista Quino falecido recentemente e vários títulos de Isabel Alliende, que abriu a Feira deste ano  

Pela primeira vez na sua história de quase sete décadas, a 66ª edição da Feira do Livro de Porto Alegre ocorre,  de 30 de outubro a 15 de novembro de 2020,  em formato on-line.  

Livraria Calle Corrientes (Rua Uruguai, 35 / 231 – Centro – Porto Alegre), que há 25 anos participa da Feira na Ala Internacional, agora, é encontrada em  https://feiradolivropoa.com.br/2020/09/28/livraria-calle-corrientes/.

A única livraria de Porto Alegre especializada no idioma espanhol oferece  literatura hispano-americana, cultura e história de América Latina e, ainda,  temática gauchesca castelhana e brasileira. Entre os clássicos  estão Don Quijote de la Mancha e diversas edições de Martin Fierro, sendo  algumas ilustradas. Diversos títulos de autores latino-americanos como ,Neruda, Borges, Cortázar, García Márquez e  Vargas Llosa  estão expostos no portal. Livros da escritora chilena Isabel Alliende, que abriu, virtualmente,  a Feira deste ano também estão apresentadas.  Já os admiradores de Mafalda, encontram várias versões da criação do argentino Quino, um dos maiores cartunistas  do mundo falecido em setembro deste ano.

Embora não possa manusear o livro, como ocorria nas edições anteriores  da Feira realizadas na Praça da Alfândega,  o leitor tem diferentes vantagens, agora, na compra pela internet. No site da Calle Corrientes, pode ver as capas, ler as sinopses e receber suas compras em casa. Outras informações: alfarrabiocalle@gmail.com e  (51) 985839707 (whatsapp).  
Compartilhe:

sexta-feira, 2 de outubro de 2020

Professor de Literatura ressalta como o criador de Mafalda soube traduzir os anseios da humanidade em imagens e palavras


Professor de Literatura ressalta como o criador de Mafalda soube traduzir os anseios da humanidade em imagens e palavras

No dia 30 de setembro de 2020, o mundo ficou mais triste com a perda do cartunista argentino Quino, que encantou nações com a criação de uma menina, conhecida por enxergar a humanidade melhor que os adultos: Mafalda. Por meio de sua obra, que estreou no dia 29 de setembro de 1964, em uma revista argentina chamada Primeira Plana, ele soube distribuir sabedoria em imagens.

Não é à toa que, logo após a sua estreia, não demorou muito para que as tirinhas de Mafalda ultrapassassem fronteiras e ganhassem espaço em jornais de todo o mundo, sendo traduzidas em mais de 30 idiomas e tornando Quino o mais internacional cartunista de língua espanhola. Embora ele tenha decidido parar de desenhar a personagem em 1973, suas tiras seguiram nos cativando, o que mostra como ele já pensava à frente do seu tempo, com reflexões que servem, perfeitamente, para o mundo de hoje.

Por falar em reflexão, foi, justamente por meio da Mafalda, que o professor e doutor em Literatura pela USP, Jack Brandão, levou seus alunos a analisarem a relevância de pensar no outro, na diversidade e no mundo, de modo geral, despertando a consciência de valorizar o próximo.

Para o professor, Quino foi magistral ao produzir uma obra em um período marcado pela Guerra Fria, pelas ditaduras, de modo especial na América Latina, e por tantas incertezas do que estaria por vir, provocando uma grande reflexão a respeito de tudo isso. “Trata-se de um ser humano belíssimo que soube traduzir os anseios da humanidade em palavras e imagens”, ressalta Brandão, que também é diretor do Centro de Estudos Imagéticos CONDES-FOTÓS e pesquisador sobre a influência da imagem na sociedade.

De acordo com o diretor, poucas pessoas possuem o poder de concisão em relação às palavras. “Um exemplo é quem escreve poesia, como o Haikai, estrutura poética japonesa composta por três versos. Para escrevê-lo, é necessário ter uma excelente capacidade de concisão. Quino, por sua vez, não escrevia Haikai, mas conseguia alinhar, em linhas simples, palavras extremamente fortes e ácidas que servem para nós, nos dias de hoje”.

O pesquisador considera o cartunista “um revolucionário sem armas” e analisa algumas de suas tiras a fim de ressaltar tal afirmação. Para acompanhar tal análise e mais informações, basta acessar o link do Canal Imagens em Foco, pertencente ao CONDES-FOTÓS: https://www.youtube.com/watch?v=Zmq7D4BKClo&t=84s

Texto escrito por Mariana Mascarenhas

Jornalista e pesquisadora do CONDES-FOTÓS

Sobre o Prof. Dr. Jack Brandão:

Doutor em Literatura pela Universidade de São Paulo (USP). Diretor do Centro de Estudos Logo-imagéticos CONDES-FOTÓS Imago Lab, editor da Lumen et Virtus, Revista interdisciplinar de Cultura e Imagem, pesquisador sobre a questão imagética em diversos níveis, como nas artes pictográficas, escultóricas e fotográficas.   

Sobre Mariana Mascarenhas:

Jornalista. Mestra em Ciências Humanas pela UNISA. Especialista em Comunicação Organizacional. Pesquisadora da Comunicação. Desenvolveu projeto de pesquisa dedicado a estudar o papel do público midiático a partir de um novo estudo interdisciplinar das Teorias da Comunicação, assessoria de comunicação e pesquisadora do Centro de Estudos Logo-imagéticos CONDES-FOTÓS.

Compartilhe:

quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Quino Vive

"O amigo Quino está agora desenhando pelo universo com aqueles traços lindos e com um humor certeiro como sempre fez. Criou sua Mafalda, hoje de todos nós, no mesmo ano em que eu criei a Mônica, em 1963 - mas ela só estrearia nas tiras no ano seguinte. Por isso, nos tornamos irmãos latino-americanos para desbravar o mundo dos quadrinhos. Estive com ele em 2015, em Buenos Aires, no Centro Cultural Brasil-Argentina, onde o presenteei com uma Mônica ao lado da Mafalda na comemoração dos 50 anos das duas personagens. Uma pessoa dócil e um dos maiores desenhistas de humor de todos os tempos. Quino vive agora mais forte dentro de nós".

 

Mauricio de Sousa

Compartilhe:

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Mafalda e sua visão aguçada sobre política, saúde, cultura e problemas sociais

Mafalda
Muitos leitores nascidos no final da década de 80 ou 90, provavelmente nunca ouviram falar da personagem Mafalda. Criada em 1962 pelo cartunista argentino Quino, Mafalda era publicada em forma de tiras em jornais. Uma garotinha questionadora e com visão aguçada sobre política, saúde, cultura e problemas sociais. Como curto quadrinhos, Mafalda é a única personagem que mais me agrada no quesito de boas mensagens passadas para o leitor, pois suas historinhas vão muito além do entretenimento, nos faz pensar e refletir sobre o que acontece em nossa volta e ao redor do mundo. E apesar dos vários anos de suas tirinhas, 40 anos ou mais, elas continuam atuais, mostrando que os problemas mundiais permanecem:

Um excelente exemplo é quando Mafalda ouve no rádio a seguinte notícia:
"O Papa fez um chamado à paz"
Crítica e até irônica, Mafalda responde:
"E deu ocupado como sempre, não é?" 

É provavelmente a personagem dos quadrinhos que mais comenta sobre literatura, mas apesar da sua visão crítica, Mafalda tem 7 anos de idade, odeia sopa e adora assistir ao desenho animado Pica Pau. Quino, o criador desta incrível garota, criou outros personagens, inclusive para contracenarem com Mafalda, como Papá, Mamã, Felipe, Manolito, Susanita, Gui, Miguelito e até Liberdade, uma pequena garotinha que veio para mostrar também os problemas de sua época. Burocracia também faz parte dos personagens, uma tartaruguinha que Mafalda ganhou dos seus pais. E o seu nome tem tudo a ver, não é verdade? “Burocracia=Tartaruga=Lentidão”

Mafalda foi descontinuada do jornal logo no início da década de 70, mas Quino continuou promovendo sua personagem, agora com menos frequência. Em 1977, a pedido da ONU, ele volta a ilustrar Mafalda para a Edição Internacional da campanha mundial da Declaração dos Direitos da Criança e ela chegou a estampar um pôster para a UNICEF. Seu reconhecimento e popularidade repercutiram na América Latina e Europa.

INTERESSANTE:
O reconhecimento da personagem foi tão grande que na cidade de Buenos Aires existe uma praça chamada Mafalda.

Para conferir tirinhas da Mafalda, alguns brasileiros aficionados na personagem disponibilizaram um bom material, confira o blog abaixo:
- http://clubedamafalda.blogspot.com.br

E para curtir e saber ainda mais sobre Mafalda, encontrei um livro bacana em promoção, intitulado "A pequena filosofia da Mafalda - Injustiça" (Martins Fontes): Clique aqui. 

Livros e quadrinhos com personagens que questionam problemas sociais e dão soluções com suas visões aguçadas sobre mundo, podem nos fazer enxergar melhor. Procure isso em suas leituras ;)
Compartilhe:

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Mafalda: uma garotinha com visão aguçada

Mafalda
Muitos leitores nascidos no final da década de 80 ou 90, provavelmente nunca ouviram falar da personagem Mafalda. Criada em 1962 pelo cartunista argentino Quino, Mafalda era publicada em forma de tiras em jornais. Uma garotinha questionadora e com uma visão aguçada sobre política, saúde, cultura e problemas mundiais. Como curto quadrinhos, Mafalda é a única personagem que mais me agrada no quesito de boas mensagens passadas para o leitor, pois suas historinhas vão muito além do entretenimento, nos faz pensar e refletir sobre o que acontece em nossa volta e ao redor do mundo. E apesar dos vários anos de suas tirinhas, 40 anos ou mais, elas continuam atuais, mostrando que os problemas mundiais permanecem:

Um excelente exemplo é quando Mafalda ouve no rádio a seguinte notícia:
"O Papa fez um chamado à paz"
Crítica e até irônica, Mafalda responde:
"E deu ocupado como sempre, não é?" 

É provavelmente a personagem dos quadrinhos que mais comenta sobre literatura, mas apesar da sua visão crítica, Mafalda tem 7 anos de idade, odeia sopa e adora assistir ao desenho animado Pica Pau. Quino, o criador desta incrível garota, criou outros personagens, inclusive para contracenarem com Mafalda, como Papá, Mamã, Felipe, Manolito, Susanita, Gui, Miguelito e até Liberdade, uma pequena garotinha que veio para mostrar também os problemas de sua época. Burocracia também faz parte dos personagens, uma tartaruguinha que Mafalda ganhou dos seus pais. E o seu nome tem tudo a ver, não é verdade? “Burocracia=Tartaruga=Lentidão”

Mafalda foi descontinuada do jornal logo no início da década de 70, mas Quino continuou promovendo sua personagem, agora com menos frequência. Em 1977, a pedido da ONU, ele volta a ilustrar Mafalda para a Edição Internacional da campanha mundial da Declaração dos Direitos da Criança e ela chegou a estampar um pôster para a UNICEF. Seu reconhecimento e popularidade repercutiram na América Latina e Europa.

INTERESSANTE:
O reconhecimento da personagem foi tão grande que na cidade de Buenos Aires existe uma praça chamada Mafalda.

Para conferir tirinhas da Mafalda, alguns brasileiros aficionadas na personagem disponibilizaram um bom material, confira os blogs:
- http://clubedamafalda.blogspot.com.br
- http://tirasdemafalda.tumblr.com

E para curtir e saber ainda mais sobre Mafalda, encontrei um livro bacana em promoção, intitulado "A pequena filosofia da Mafalda - Injustiça" (Martins Fontes): Clique aqui. 

Livros e quadrinhos com personagens que questionam problemas sociais e dão soluções com suas visões aguçadas sobre mundo, podem nos fazer enxergar melhor. Procure isso em suas leituras ;)

Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels