Livros que foram rejeitados pelas editoras - 15 motivos para você autor(a) continuar tentando

Tirando os youtubers famosos, a maioria dos escritores já tiveram seus livros rejeitados por algumas (ou inúmeras) editoras. Eu també...

Mostrando postagens com marcador Marilda Soares. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Marilda Soares. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 13 de janeiro de 2022

ENTREVISTA COM ESCRITOR: Marilda Soares e os livros Etnicidade Afrodescendente, por Cida Simka e Sérgio Simka

Marilda Soares - Foto divulgação

Fale-nos sobre você.
 

Marilda Soares é bacharel e licenciada em História, com mestrado e doutorado em História Social; pedagoga, com especialização e Psicopedagogia e Neurociência; MBA em Administração Pública e Gerência de Cidades.

Foi professora na Educação Básica e no Ensino Superior durante 25 anos.

Atualmente é coordenadora geral da Educação Básica, na Secretaria de Educação do Município de Piracicaba, e professora associada profissional do Pecege-Esalq-Usp (Programa de Educação Continuada em Economia e Gestão de Empresas), orientando os trabalhos de conclusão de curso de Especialização em Gestão Escolar.

Integra a Rede de Atendimento e Proteção à Mulher, é membro do Conselho da Comunidade Negra e vice-presidente do Centro de Documentação, Cultura e Política Negra de Piracicaba. 

ENTREVISTA: 

Fale-nos sobre os livros. O que motivou a escrevê-los? 

Creio que a intenção inicial foi de responder a inúmeras perguntas que eu fazia a mim mesma, como pesquisadora da história e como cidadã, mulher negra, no contexto da sociedade brasileira. Especialmente por não ver a história dos afrodescendentes representada nas narrativas históricas oficiais.

Assim, “Etnicidade Afrodescendente” surgiu da necessidade de repensar a História do Brasil considerando a africanidade como elemento constitutivo da nossa nacionalidade. Durante a coleta de dados, o tema foi se desvendando e motivando a busca de novos métodos, recortes, fontes e interpretações.

O primeiro volume é destinado ao registro de passagens da História da África, com referências a povos, etnias, culturas e nações africanas, e o segundo volume é dedicado a passagens da História do Brasil, especialmente à presença negra na formação histórico-social do país.

A presença africana e afrodescendente no Brasil, geralmente, é apresentada de forma esparsa e superficial, com o destaque para algumas passagens relacionadas à história da expansão portuguesa e europeia na África, o início da colonização do Brasil, a produção açucareira, o ciclo da mineração, a produção cafeeira, o movimento abolicionista e a Lei Áurea. Isso significa dizer que o conhecimento histórico, desde que se definiu um modelo curricular para o ensino da História no Brasil, a exaltação ao passado europeu da população e da nacionalidade brasileira pode ser identificada na ênfase ao modelo curricular de ensino da História Universal definido pela elite local, que reivindicava para si a ascendência europeia, desprezando o processo de miscigenação, inicialmente com africanos e indígenas e, posteriormente, com outros povos de origem asiática e árabe.

Até recentemente a educação escolar e, na mesma medida, as pesquisas acadêmicas que lhes dão suporte teórico, não contemplavam a abordagem histórica dos povos africanos e afrodescendentes do Brasil, o que provocou grande desconhecimento dessa parcela da História. O mesmo ocorreu com a História dos povos Indígenas, cujos currículos priorizaram as passagens históricas dos Incas, Maias e Astecas, como parte do processo de expansão colonizadora e predomínio dos espanhóis na América Central. Não obstante, são conhecimentos fundamentais para a formação da nossa identidade. 

Como analisa a questão da leitura no país? 

Vivemos um momento interessante, em que muito se lê, especialmente as publicações que circulam pelas redes sociais. Porém, temos que salientar a distância entre a quantidade e a qualidade do conteúdo lido.

Os textos clássicos e mesmo outros atuais, que apresentam repertórios mais densos, não estão incluídos entre os mais acessados.

A leitura compõe a base do desenvolvimento do indivíduo desde a infância. Temos que aprender a ler o mundo de diversas formas, entender seus símbolos e códigos para nos constituirmos como pessoas. Mas, mesmo compondo a rotina de aprendizagem no ambiente escolar, a leitura precisa ser estimulada fora dos muros das escolas, especialmente no ambiente familiar, que é a base da formação de valores.

Família e Escola devem atuar juntas para incentivar o desenvolvimento dessa competência leitora – que é acompanhada do desenvolvimento de habilidades socioemocionais –, se apoiando mutuamente, estimulando o prazer de ler e, ao mesmo tempo, uma postura de investigação, de desejo de conhecer mais sobre o mundo e suas possibilidades de interpretação. 

O que tem lido ultimamente? 

Tenho lido bastante a obra de Cheikh Anta Diop, pesquisador senegalês, já falecido, destacado por sua ampla formação como físico, historiador, sociólogo, antropólogo e linguista. Ele é considerado um importante intelectual africanista do século XX por suas pesquisas referentes às origens africanas da civilização.

Diop utilizou conceitos extraídos das investigações linguísticas, arqueológicas, antropológicas e históricas que produziram conhecimentos acerca dos povos subsaarianos e seus legados, desde a Pré-história, para demonstrar que os grupos humanos originados na área central da África, devido às necessidades de sobrevivência, busca dos recursos naturais e mudanças climáticas, foram alcançando outros espaços, nos territórios do Egito, Mesopotâmia, Oriente, Europa e, em processos migratórios de milhares e milhares de anos, ultrapassaram o Estreito de Bering e alcançaram as Américas.

Um dos objetivos alcançados por Anta Diop foi desconstruir a imagem criada pela Egiptologia e outras linhas da investigação que buscaram subjugar as etnias africanas e distanciar a História do Egito da História da África.

Diop esclarece que parte significativa das referências históricas sobre a África foi calcada no racismo. Segundo ele, os apontamentos científicos eram usados para justificar a exploração colonialista ao afirmar a “inferioridade” dos povos africanos, atribuindo um caráter “natural” ao processo de dominação econômica e política exercida pelas “superiores” nações europeias. E como o Egito foi a mais proeminente civilização da Antiguidade, superior em riqueza e sofisticação cultural a muitos povos antigos de outras partes do mundo, realizou-se um esforço para dissociá-lo do restante do Continente, mormente da África negra.

Ao investigar uma rica documentação, Cheikh Anta Diop concluiu que os egípcios tinham originalmente a pele escura, ou seja, com grande concentração de melanina, que caracteriza as etnias da África negra. Com os processos de sucessivas migrações e invasões, parte da população passou a apresentar variações na pigmentação, o que não significa que a população egípcia fosse asiática em origem, pois se registra, em todo o arcabouço documental, a anterioridade daquela civilização em relação às demais. E, desse modo, Diop contrariou as tradicionais pesquisas eurocêntricas e fundamentou teoricamente a origem africana do Egito e da própria civilização. 

Como você avalia a relação das temáticas propostas nos livros e o contexto histórico atual? 

Em uma perspectiva positiva, podemos apontar que a temática da igualdade e dos direitos ganhou maior espaço nos estudos acadêmicos e embates políticos, estimulando uma revisão dos conceitos, preconceitos e estereótipos, buscando novos caminhos para a valorização da cultura e história dos povos africanos e afrodescendentes do Brasil e de toda parte onde a Diáspora desconstruiu as sociedades tradicionais da África e gerou novos processos históricos. 

Por outro lado, do início do trabalho, há alguns anos, até o momento em que encerramos a escrita, foi possível presenciar debates e lutas incansáveis de militantes dos direitos humanos e de ativistas negros, com a perspectiva de novas conquistas e avanços.

Propostas políticas dissonantes com os preceitos democráticos têm surgido, lamentavelmente, descontruindo as conquistas de diversos segmentos historicamente excluídos. Em tempos mais recentes, também tem sido possível presenciar, com perplexidade, o recrudescimento de linhas político-ideológicas avessas ao Estado Democrático de Direito, tão caro à esperança de um futuro igualitário e de uma sociedade mais justa e equilibrada.

Por essas razões, dentre os objetivos principais dessas publicações, apresentamos algumas passagens da História da África e da História do Brasil a partir da análise da temática étnico-racial e com o propósito de contribuir para as discussões, trazendo uma linguagem simples e acessível a todos os interessados. 

Links para os livros: 

Passagens da História da África - Etnicidade Afrodescendente I

https://clubedeautores.com.br/livro/passagens-da-historia-da-africa 

Passagens da História do Brasil - Etnicidade Afrodescendente II

https://clubedeautores.com.br/livro/passagens-da-historia-do-brasil 

 

CIDA SIMKA

É licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Autora, dentre outros, dos livros O enigma da velha casa (Editora Uirapuru, 2016), Prática de escrita: atividades para pensar e escrever (Wak Editora, 2019), O enigma da biblioteca (Editora Verlidelas, 2020), Horror na biblioteca (Editora Verlidelas, 2021) e O quarto número 2 (Editora Uirapuru, 2021). Organizadora dos livros Uma noite no castelo (Editora Selo Jovem, 2019), Contos para um mundo melhor (Editora Xeque-Matte, 2019), Aquela casa (Editora Verlidelas, 2020), Um fantasma ronda o campus (Editora Verlidelas, 2020), O medo que nos envolve (Editora Verlidelas, 2021) e Queimem as bruxas: contos sobre intolerância (Editora Verlidelas, 2021). Colunista da revista Conexão Literatura.

SÉRGIO SIMKA

É professor universitário desde 1999. Autor de mais de seis dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a série Mistério, publicada pela editora Uirapuru. Colunista da revista Conexão Literatura. Seu mais recente trabalho acadêmico se intitula Pedagogia do encantamento: por um ensino eficaz de escrita (Editora Mercado de Letras, 2020) e seu mais novo livro juvenil se denomina O quarto número 2 (Editora Uirapuru, 2021).

Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

PARCEIRA AMAZON:

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA
clique sobre a capa

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

FUTURO! - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels