Jane Austen: Livros e Filmes

Jane Austen, Thibaudet e um retrato da burguesia do séc. 18 Nascida em 16 de dezembro de 1775, a britânica Jane Austen foi uma das...

Mostrando postagens com marcador Miguel Gondim de Castro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Miguel Gondim de Castro. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 3 de julho de 2018

Miguel Gondim de Castro e o projeto ´Registra! Poesia´, por Sérgio Simka e Cida Simka

Miguel Gondim de Castro - Foto divulgação
Fale-nos sobre você.

Sou formado em Ciências Sociais pela FFLCH-USP com especialização em gestão cultural pela Universidade Carlos III de Madrid. Produtor cultural e fotógrafo nas horas vagas, já trabalhei como gestor cultural no primeiro estúdio público de São Paulo, o Lab C, Centro Cultural da Juventude da Secretaria Municipal da Cultura. Coordenei a área Artes, Ciência, Tecnologia e Sociedade do Centro Cultural da Espanha em São Paulo e fui responsável pela equipe de desenvolvimento e coordenação das equipes de formação da plataforma Mapas Culturais, hoje utilizada pelo MINC e Ministério da Cultura e Esporte do Uruguai.
De forma independente fui sócio fundador da casa de música autoral Serralheria, sediada no bairro da Lapa, em São Paulo. Sou membro do SP Dub Club e Dubversão Sistema de Som, que são experiências de uso dos espaços públicos valendo-se da cultura dos sistemas de som jamaicanos há 16 anos.
Hoje em dia encaro o desafio de coordenar a Casa da Palavra como assessor de gabinete da Secretaria de Cultura da Prefeitura de Santo André/SP.

ENTREVISTA:

Você é o coordenador da Casa da Palavra Mário Quintana, espaço da Secretaria de Cultura da Prefeitura de Santo André-SP. Fale-nos sobre ela e seu trabalho.


A Casa da Palavra é um espaço que, ao longo da sua história como equipamento cultural, já recebeu diversas ações da Secretaria conferindo a ela prestígio e reconhecimento, por parte dos artistas e escritores da cidade, como espaço da literatura, porque não, da palavra. Adotamos alguns caminhos, sendo um deles, o de elaborar atividades de produção de conteúdos envolvendo primordialmente a poesia, a palavra arte: verbo.

Esse "um dos caminhos” é o Registra! Poesia que está na sua fase piloto. Consiste em realizar registros de poesia autoral declamadas pelos próprios autores. Em resumo também é uma forma de mapeamento cultural e aproximação com o segmento. Modelos de residência e encontros estão em elaboração.

A outra frente é a de facilitar o uso do espaço (Casa e Concha Acústica) por parte dos agentes culturais. Isso se faz via uma “Solicitação do uso do espaço”, formulário que está no CulturaZ (http://culturaz.santoandre.sp.gov.br), procuramos atender dentro das potências e limitações do equipamento. As demandas são das mais diversas e a cada atividade pode-se reconhecer os agentes que por vezes trazem projetos e programas. Por ora são atividades pontuais, mas existem conversas para atividades continuadas.

Já no gabinete como assessor a atividade está no nome. Dou suporte à escrita e tradução de editais, questões técnicas, articulação e suporte na implementação do CulturaZ por ser a mesma plataforma do Mapas Culturais mencionado mais acima.
Casa da Palavra Mário Quintana - Foto divulgação
Como analisa a cultura de maneira geral?

Pergunta espinhosa e demasiado ampla. Mas para resumir numa postura ou entendimento, a cultura sempre está aí, ela é nossa referência de como nos colocamos frente às questões sociais, da cidade, e com as quais nos deparamos todos os dias, são nossos hábitos e eles são muitos e diversos. Nesse caldo do cotidiano essas referências ou posturas, por vezes, emergem como arte e manifestações culturais de toda a espécie. Falando sobre a gestão da cultura e o papel do Estado, vivemos de modo geral num período de retração dos fomentos e da falta de ampliação e manutenção das estruturas existentes. Isso é válido para os demais setores da economia nacional, mas a cultura como historicamente detém a menor porcentagem do orçamento acaba sentindo diretamente os impactos deste encolhimento.

Para quem trabalha com a cultura são tempos de articulação, aproximação para identificar as demandas que fortaleçam os laços dos e entre os “segmentos” e levar isso de forma mais horizontal no território da cidade. Cultura como lugar de troca e convivência e isso amplia o espectro, pois é o lugar do lazer, das ciências, da educação, da criação, da crítica, tudo verbo. Pensar no fazer com os agentes e reconhecer a diversidade.

Você desenvolveu um projeto chamado ‘Registra! Poesia’.


Vai no sentido descrito acima. Ao produzir conteúdo, você cria relações. A ideia surgiu em conversas com a direção que apontavam um desafio. Fazer com os recursos disponíveis um programa "de permanência" que não se resumisse a um evento. A cidade está repleta de poetas, cantores, rappers, as ladainhas da capoeira, os slans, ...
Deste modo, estamos alinhados à política cultural dos Territórios da Cultura e Múltiplos Tons da Secretaria. Estes buscam criar espaços de relacionamento e convivência. De alguma forma a palavra está presente em cada um dos segmentos que compõem a diversidade cultural da cidade.

O projeto e mais informações podem ser vistos no seguinte endereço:
http://culturaz.santoandre.sp.gov.br/evento/1900

O que tem lido ultimamente?

Há uma semana houve o lançamento do livro de Marcelo Mendez, O Baile dos Corações em Fúria. Ótima aproximação com a cidade para um forasteiro como eu.
Gênesis, do Robert Crumb. Natimorto do Lorenço Mutarelli. Tenho uma leitura errática e gosto de artigos de teoria social ligados a questões sobre a rede e a sociedade da vigilância. O que tem me acompanhado agora é a tradução em espanhol do Bass Culture, que é fantástico sobre a história religiosa, política e musical da ilha Jamaica dos idos dos anos 50 aos anos 80.

Quais os seus próximos projetos?


Consolidar o Registra e criar uma situação piloto para o desenvolvimento de modelos de residência e ocupação da Casa tendo a palavra como suporte, como verbo e como “acesso".

*Sérgio Simka é professor universitário desde 1999. Autor de cinco dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a coleção Mistério, publicada pela Editora Uirapuru.

Cida Simka é licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Coautora do livro Ética como substantivo concreto (Wak, 2014) e autora dos livros O acordo ortográfico da língua portuguesa na prática (Wak, 2016), O enigma da velha casa (Uirapuru, 2016) e “Nóis sabe português” (Wak, 2017).
Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels