Resenha da série Altered Carbon (NetFlix), baseada no livro de mesmo título, por Ademir Pascale

SOBRE O LIVRO: Carbono alterado é o eletrizante thriller de ficção científica que inspirou a série da Netflix. No século XXV, a humanidade ...

Mostrando postagens com marcador Paulo Tadeu. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Paulo Tadeu. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Exclusivo: Paulo Tadeu, editor da Matrix Editora, fala sobre a publicação do livro Assassinato de Reputações II, por Sérgio Simka e Cida Simka

Paulo Tadeu - Foto divulgação
A revista Conexão Literatura tem a honra de publicar a entrevista com o jornalista e publicitário Paulo Tadeu, editor da Matrix Editora e autor de 79 livros, que publicou o livro Assassinato de Reputações II: muito além da Lava Jato, de Romeu Tuma Jr. e Claudio Tognolli.

Você é o editor da Matrix Editora, que publicou o livro Assassinato de Reputações II. O que o motivou a fazê‐lo? Comercial, editorial e ideologicamente falando.


É um livro com excelente histórico de vendas. O primeiro livro dessa série vendeu mais de 170 mil exemplares. E não foi por acaso. Quando foi publicado, Assassinato de Reputações foi uma espécie de Lava Jato do setor editorial, com denúncias seriíssimas de escândalos do governo do PT. Mas Romeu Tuma e Claudio Tognolli, autores da obra, não estão preocupados com este ou aquele governo. Querem apenas passar o Brasil a limpo, assim como eu. Foi por isso que decidi publicar o livro. Creio que como empresário preocupado com o futuro do Brasil – e acho que a maioria dos empresários quer um país com iguais oportunidades e chances de trabalhar com dignidade e honestidade – é uma contribuição para um país com menos corrupção. Não sou utópico ao achar que ela vai acabar. Mas se tivermos mais mecanismos de vigilância e transparência, vai ser muito mais difícil roubar o dinheiro do contribuinte.

O livro traz relatos contundentes nunca revelados dos bastidores da Lava Jato. Depois que o livro foi publicado, você sofreu ameaças? Se sim, de que tipo?

Neste, especificamente, não. Já recebi ameaças com a publicação de dois outros livros aqui pela minha Matrix Editora. Confesso que fiquei preocupado com o teor da obra e de suas revelações. Mas me mantive firme no propósito de levar adiante as informações e documentos. O medo não pode vencer a esperança. A luz não pode ceder às trevas. Meire Poza, a contadora de Alberto Youssef, que trouxe dados importantes para a 27ª fase da Operação Lava Jato, como narrado na obra, teve seu escritório incendiado, num episódio até agora não esclarecido pelas autoridades.

Como tem sido a receptividade da obra? Foram vendidos quantos exemplares até o momento?


O livro ganhou destaque em importantes veículos de comunicação. Esta entrevista aqui é parte desse reconhecimento da imprensa. E repetiu o sucesso do primeiro Assassinato de Reputações.

Com a publicação desse livro, você acredita que a maioria das pessoas começou a enxergar os assuntos tratados de outra maneira?

Com certeza. O livro está conscientizando as pessoas para outros escândalos ainda em fase de apuração. O livro mostra, por exemplo, como o dinheiro do BNDES irrigou obras, tocadas pelas grandes construtoras envolvidas na Lava Jato, em países da África, na Venezuela e em Cuba. Se elas estão envolvidas em escândalos aqui, tem dinheiro nosso que foi lá para fora também. E não de uma forma, digamos, franciscana.

Você acredita que o futuro ministro da Justiça e Segurança Sérgio Moro poderá reavaliar a atuação da Polícia Federal diante do que o autor do livro apresenta de modo indiscutível? Poderá sugerir novas investigações ou abertura de novos processos?

O trabalho do autor Romeu Tuma Jr. foi fruto, entre outras coisas, de sua passagem na Secretaria Nacional de Justiça, cargo abaixo do Ministro da Justiça. Tuma Jr. saiu porque é íntegro e se recusou a fazer parte do esquema de corrupção. Moro, por toda a sua experiência, poderá fazer história no novo cargo. Ele foi a pessoa certa na hora certa, quando a Lava Jato surgiu. Creio que sua escolha pelo atual presidente foi a mais acertada das decisões para o ministério. Com certeza ele não se intimidará com os desafios. E temos que pensar que o problema do Brasil não é exclusivamente aquele ligado à Lava Jato. Corrupção é algo muito entranhado em nossa vida. Uma doença difícil de combater e que vai exigir um tratamento longo e doloroso.

Você acredita que a facção criminosa apontada pelo autor está com os dias contados?

Os desdobramentos da Lava Jato ainda vão pegar muitos políticos, de diversos espectros ideológicos. Estamos vendo isso na prática dia a dia. Pode demorar um pouco mais para alguns, por conta dos caminhos jurídicos a serem seguidos e respeitados, mas é uma iniciativa sem volta. Mas, insisto, a Lava Jato não é ponto final. É o começo.

Com a publicação da obra, você acredita que a Justiça triunfará, afinal?

Acho que a teoria das janelas quebradas pode nos fazer pensar num país melhor. Relembrando, essa teoria surgida nos Estados Unidos diz que se os pequenos delitos não forem reprimidos eles acabam levando a condutas ou contravenções criminosas mais graves. Se a janela de um carro aparece quebrada e ninguém faz nada, em breve o carro estará depenado. A punição se faz necessária, é a questão do exemplo. “Se todo mundo está roubando, também vou querer pegar algo para mim” seria um pensamento de muitos nesse momento. O livro ajuda na conscientização das pessoas e mostra que a Justiça está sendo feita. Não quebre o vidro do carro porque você será preso.

Nota dos colunistas: o livro pode ser adquirido, com superdesconto, na Livraria Cultura: clique aqui.


*Sérgio Simka é professor universitário desde 1999. Autor de cinco dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a coleção Mistério, publicada pela Editora Uirapuru. Membro do Conselho Editorial da Editora Pumpkin e integrante do Núcleo de Escritores do Grande ABC.

Cida Simka é licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Coautora do livro Ética como substantivo concreto (Wak, 2014) e autora dos livros O acordo ortográfico da língua portuguesa na prática (Wak, 2016), O enigma da velha casa (Uirapuru, 2016) e “Nóis sabe português” (Wak, 2017). Integrante do Núcleo de Escritores do Grande ABC.
Compartilhe:

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Paulo Tadeu, o livro Proibido para maiores e a Editora Matrix, por Sérgio Simka e Cida Simka

Paulo Tadeu - Foto divulgação
Tivemos a honra de entrevistar o jornalista e publicitário Paulo Tadeu, editor da Editora Matrix (SP) e escritor, autor, dentre quase 80 obras, do livro “Proibido para maiores”, seu grande sucesso editorial.

ENTREVISTA:

Você tem dezenas de livros e jogos publicados. De modo geral, o que o motiva a escrevê-los?


São 79 obras já publicadas, para adultos e crianças. São dois meus incentivos: o primeiro é a vontade de alegrar e entreter as pessoas e, de quebra, incentivar o gosto pela leitura, de forma divertida. O segundo incentivo veio quando me tornei pai, há 17 anos. Quando meu filho completou 6 anos, veio a inspiração para entrar no universo infantil, coisa na qual não tinha pensado. Guilherme (o nome do meu filho) foi o responsável indireto pelo meu maior sucesso editorial, o livro Proibido para Maiores, que já tem mais de 175 mil exemplares vendidos. Sem contar outras obras eu fiz pensando nele.

Você é editor da Editora Matrix.  Fale-nos sobre ela. Como é o seu trabalho? Recebe quantos originais por mês? Quantos são publicados? Quem quiser publicar por sua editora quais os procedimentos a serem adotados?

A Matrix vai completar 19 anos em 2018. É uma empresa consolidada e respeitada no mercado. Mas espero crescer mais.
Meu trabalho é quase non-stop. Acordo e já checo como foram as vendas à noite no meu site e durmo vendo minha caixa de e-mails, para saber o que me espera no dia seguinte. Mesmo quando penso em descansar, algum autor resolve discutir um projeto pelo Whatsapp. Quase nunca digo não. Antes de ter a minha editora, eu já tive livros meus publicados por dois tipos diferentes de editora: uma pequena e uma gigante. A pequena não tinha estrutura para fazer as coisas acontecerem. A grande foi excelente até eu assinar o contrato. Depois me senti um número ali dentro, era difícil ter informações de coisas simples. Quando montei a Matrix, pensei em ter um número limitado de lançamentos mensais e uma estrutura também planejada de antemão, que me dessem condições de ter um controle melhor de todo o processo e me permitissem um contato mais próximo com meus autores. Por isso, não me importo de falar de um livro num sábado às 20h, antes de entrar no cinema. Sei que um autor se sente valorizado num momento assim. Todo mundo quer ter o livro mais bonito, o mais bem editado, o mais bem distribuído e vendido e o mais bem divulgado. Dá para ter tudo isso e ainda falar com o dono da empresa.
Recebo uma média de 2 projetos por dia, uns 60 por mês. Publico 5 novos títulos mensalmente, e já ultrapassei os 550 títulos lançados. São números que me deixam muito felizes.
Algumas das obras que lanço são fruto de ideias minhas. Nessas ocasiões vou procurar algum especialista no assunto. Já transformei alguns amigos em autores. Gente que nunca tinha pensado em estar assinando dedicatórias numa noite de autógrafos. Mas a maioria do que publico chega no  meu e-mail ou por indicação de outros autores. Quem quiser ser um autor da Matrix, basta ir ao meu site e procurar o link “torne-se um autor”. Trabalho com livros de não ficção e do segmento infantil.
 
Como é ser editor em um país como o Brasil?

Tem vezes que dá frio na barriga. Mas adoro o meu trabalho. Sou muito grato pelo que faço, por trabalhar com cultura, entretenimento, desenvolvimento pessoal, por ajudar pessoas a melhorar de vida. Outro dia, uma obra que lancei aqui, pensada para diversão entre amigos, tinha entrado em alguns consultórios de psicólogos e estava sendo usada com crianças autistas, com bons resultados. Já vi crianças em feiras de livros escolhendo seu primeiro livro e saindo com um sorriso de felicidade pela escolha feita. Tive e tenho a condição de lançar livros que jogam luz sobre os cantos escuros da política e da vida nacional. São essas pequenas conquistas que fazem o dia a dia valer a pena. Que me fazem levantar da cama e querer chegar logo à mesa de trabalho.
 
Como analisa a questão dos e-books?


Acho que é um outro canal de vendas. É como o mercado de streaming em relação ao cinema. Os dois convivem, os dois se completam, os dois têm seus públicos.

Quais são suas leituras preferidas?


Preciso de algumas doses de ficção de vez em quando, porque mesmo passando o dia lendo não ficção, ainda leio alguma outra coisa dela à noite, de outros editores. Acho que a boa ficção me renova os sentidos, a maneira de ver um texto. E a não ficção, me aguça o sentido de aprender. 

Está escrevendo novo livro? Poderia nos contar?

É uma obra para incentivar a criatividade e a interação entre as pessoas. Vai se chamar Duas Situações, Uma Resposta.

*Sérgio Simka é professor universitário desde 1999. Autor de cinco dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a coleção Mistério, publicada pela Editora Uirapuru.

Cida Simka é licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Coautora do livro Ética como substantivo concreto (Wak, 2014) e autora dos livros O acordo ortográfico da língua portuguesa na prática (Wak, 2016), O enigma da velha casa (Uirapuru, 2016) e “Nóis sabe português” (Wak, 2017).
Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels