Mostrando postagens com marcador contos de fadas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador contos de fadas. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 13 de outubro de 2020

Contos de fadas: inúteis ou necessários?


Professor doutor em Literatura aborda como tais histórias são fundamentais para ajudar as crianças a lidarem com os problemas da vida

Qual criança não teve sua infância permeada por histórias da menina que vai à casa da vovozinha e corre o risco de ser devorada pelo lobo mau, ou da enteada cuja madrasta quer matá-la e vai parar numa casa com sete anões, ou ainda da menina que vai parar num universo totalmente diferente conhecido como País das Maravilhas?

Mas, engana-se quem pensa que tais contos infantis não passam de pura fantasia para divertir as crianças, bem como para distraí-las, ou fazê-las dormir... Eles vão muito além disso, pois são fundamentais para o desenvolvimento dos pequenos e para ajudá-los a encarar os desafios da vida real, aceitando as dificuldades que surgem ao longo da vida. Assim, vemos que os contos são de fada; mas, de fantasiosos não têm nada por mostrarem questões da realidade por meio das imagens.

O Prof. Jack Brandão, doutor em Literatura pela USP, diretor do Centro de Estudos Imagéticos CONDES-FOTÓS e pesquisador do poder da imagem na sociedade considera tais histórias uma fonte imagética inesgotável que exerce grande poder sobre nós. “Elas nos trazem, muitas vezes, mais do que meras imagens consideradas ‘bonitinhas’, mas a luta de determinadas comunidades e pessoas, ao longo da história, em busca de desvendar e enfrentar os seus próprios monstros”, completa.

A fim de compreendermos melhor a relevância dos contos de fada, basta analisarmos alguns pontos que eles possuem em comum como: a presença de heróis carismáticos e de vilões assustadores e antipáticos; protagonistas sem mães, maltratados pela madrasta e que, geralmente, enfrentam seus conflitos sozinhos; um final feliz; entre outras questões.

Tais pontos em comum não são obra do acaso, mas estratégias para incentivar as crianças não somente a fazer o bem – personificado em personagens atraentes, ao contrário dos vilões – como também a compreender que ele deve prevalecer, por meio do final feliz. “Conforme os pequenos conhecem os contos, eles absorvem as imagens presentes neles. Por isso, a representação imagética do mal em personagens assustadores é uma forma de alertar a criança para fugir do que é perverso, enquanto os mocinhos são bonitos, do ponto de vista social”, diz Brandão.

Porém, o pesquisador destaca que a grande lição trazida pelos contos é a preparação para os problemas da vida real. Há pessoas, no entanto, que criticam tais histórias, justamente por acreditarem que somente imagens agradáveis e otimistas deveriam ser apresentadas aos pequenos, algo que o pesquisador discorda, já que assim elas correriam o risco de crescerem em “bolhas”, sem condições de lidar com as frustrações da vida. “A literatura infantil atual tende a abordar um mundo extremamente ‘cor-de-rosa’, o que pode impedir a criança de desenvolver autonomia para enfrentar certos problemas, tornando-se, assim, um adulto problemático”.

Portanto, Brandão considera um erro apresentar aos pequenos apenas histórias infantis totalmente desprovidas de conflitos, vilões, mortes etc. “Como eu, enquanto pai, posso preparar o meu filho ou minha filha para a realidade do mundo, sem mostrá-la em sua totalidade?”, questiona o pesquisador. Ele considera que o resultado de tudo isso seria a formação de pessoas imaturas, frustradas e crentes que o mundo gira ao seu redor.

Ciente de tudo isso e para auxiliar crianças e adolescentes a compreender melhor os desafios do mundo real, Brandão escreveu uma obra chamada Douglas e o Livro de Luz que aborda, entre outras questões, o tema da morte, ainda um tabu para ser falado com as crianças. “Todos precisam entender que trata-se de algo natural e, por isso, não podemos esconder”, conclui. O livro narra a história de um garoto e de seus amigos, que precisam decifrar códigos imagéticos com o objetivo de encontrar um livro com a luz de todo o conhecimento humano.

Para saber mais a respeito da obra e também sobre outras informações relacionadas aos contos infantis, basta clicar aqui para assistir ao vídeo do canal Imagens em Foco, pertencente ao CONDES-FOTÓS, que traz um aprofundamento do tema.

Texto escrito por Mariana Mascarenhas

Jornalista e pesquisadora do CONDES-FOTÓS

Sobre o Prof. Dr. Jack Brandão:

Doutor em Literatura pela Universidade de São Paulo (USP). Diretor do Centro de Estudos Logo-imagéticos CONDES-FOTÓS Imago Lab, editor da Lumen et Virtus, Revista interdisciplinar de Cultura e Imagem, pesquisador sobre a questão imagética em diversos níveis, como nas artes pictográficas, escultóricas e fotográficas.   

Compartilhe:

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Jornalista reescreve contos de fadas à brasileira

"Era uma vez, Conto outra vez" é o título do livro recém-criado da escritora e jornalista Sueli Gutierrez. Ela faz uma releitura, à moda brasileira, de histórias infantis mundialmente conhecidas. Dirigido ao público juvenil, o protagonismo dos contos está a cargo gênero feminino, quem vai lutar contra o mal e vai vencer com estratégias inteligentes. 

Sem perder a importante relevância do gênero masculino que se mostra mais atento à sensibilidade, a autora dá voz às diversas singularidades de perfis. Nesse sentido, Gutierrez pretende que "a estética e a aparência sejam um padrão de beleza bem brasileiro, por isso componho suas características diversificadas nos personagens". Tipos brancos, negros, indígenas, asiáticos e mestiços, portanto, convivem harmoniosamente nas narrativas, promovendo com isso a compreensão e a boa comunhão com o diferente.

Outro elemento importante é a produção de partes do cenário da fauna e da flora e do Brasil do século XVII/ XVIII, para contextualizar pedaços da história do país.

A escritora homenageia mulheres que tiveram forte relevância no mundo artístico, literário, científico e feminista, adotando seus nomes nos personagens. Frida Kalo, Maria Quitéria e Joana D'Arc são algumas das personalidades homenageadas.

A autora lançará o livro em São Paulo, na Bienal Internacional do Livro no dia 12 de agosto às 14h. Realiza também um pré-lançamento para quem mora na região do Grande ABC, que acontece neste mês, dia 30 de junho às 11h na livraria Alpharrabio. Rua Dr. Eduardo Monteiro, 151. Bela Vista. Santo André. Mais informações pelo celular: (11) 99197-8627.
Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Receba nossas novidades por e-mail (você receberá um email. Basta confirmar ):

Anuncie e Divulgue Conosco

Posts mais acessados da semana

COMUNIDADE INFLUXO

SONHOS FULGURANTES - ROBERTO MINADEO

CLUBE DO LIVRO UNIÃO

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

FUTURO! - ROBERTO FIORI

SROMERO PUBLISHER

Leitores que passaram por aqui

Labels