9 grupos no Facebook que todo bom leitor deve conhecer

Por Ademir Pascale Todos os dias são criados novos grupos no Facebook sobre assuntos e gostos diversos. Nós leitores e apaixonados...

Mostrando postagens com marcador fantástico. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador fantástico. Mostrar todas as postagens

sábado, 5 de dezembro de 2020

Participe da antologia (e-book) O LEGADO DE H. P. LOVECRAFT e envie o seu conto ou poema. Leia o edital


PARTICIPE DA ANTOLOGIA (E-BOOK): O LEGADO DE H. P. LOVECRAFT

Sinopse: Apaixonado por poemas e por histórias clássicas do terror gótico, autor que revolucionou o gênero dos contos de terror, com elementos fantásticos e de ficção científica, criador de O Chamado de Cthulhu e de um dos artefatos mais incríveis já criados numa história, o Necronomicon, um livro fictício de invocação de demônios. Agora faz parte da nossa coleção de e-books, sendo o primeiro "O Legado de Edgar Allan Poe". Autores talentosos irão compor o e-book com contos de terror, seguindo o legado do mestre Lovecraft. 

REGRAS PARA PARTICIPAÇÃO NA ANTOLOGIA DIGITAL "O LEGADO DE H. P. LOVECRAFT":

1 - Escrever um conto ou poema do gênero terror. Aceitaremos até 2 contos ou poemas por autor. Caso sejam aprovados, os 2 contos ou poemas serão publicados.

2 - SOBRE O CONTO ou POEMA: até 4 páginas, fonte Arial, tamanho 12, incluindo título.
     
3 - Tipo de arquivo aceito: documento do Word (arquivos em PDF serão deletados).

4 - O conto ou poema não precisa ser inédito, desde que os direitos autorais sejam do autor e não da editora ou qualquer outra plataforma de publicação.

5 - Idade mínima do autor para participação na antologia: 18 anos completos. Menores poderão participar e caso o conto ou poema seja aprovado, enviaremos um arquivo (autorização) para o responsável pelo menor preencher.

6 - Envie o conto ou poema pré-revisado. Leia e releia antes de enviá-lo.

7 - Data para envio do conto: do dia 05/12/20 até 12/01/2021 (a data poderá ser prorrogada).

8 - Veja ficha de inscrição no final desse texto. Leia, copie as informações e preencha. Envie as informações da ficha + o conto ou poema para o e-mail: contato@edgarallanpoe.com.br. Escreva no título do e-mail: LOVECRAFT

CUSTO PARA O AUTOR:

R$ 50,00 por conto ou poema. Caso o autor envie 2 contos ou poemas e tenha os dois selecionados, o valor será R$ 100,00. As informações para depósito serão informadas ao autor no e-mail que enviaremos caso o conto ou poema seja aprovado.
O valor servirá para cobrir os custos de leitura crítica e revisão, diagramação e divulgação da obra.

A antologia será digital (e-book) e gratuita para os leitores baixarem através de download, ela não será vendida. A antologia será amplamente divulgada nas redes sociais da Revista Conexão Literatura: Fanpage e Grupos do Facebook, Instagram e Twitter, que somam cerca de 150 mil seguidores.

O resultado será divulgado no site www.revistaconexaoliteratura.com.br e na fanpage www.facebook.com/conexaoliteratura, até o dia 14/01/2021 (a data poderá ser prorrogada).

OBS: Enviaremos certificado digital de participação para os autores selecionados.


NOSSOS CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO:

A) - Criatividade;

B) - Textos preconceituosos, homofóbicos, racistas ou que usem palavras de baixo calão, serão desconsiderados;

C) - Seguir todas as regras para participação.

OBS.: Ademir Pascale, idealizador do concurso, disponibilizou para download uma apostila intitulada "Oficina Jovem Escritor", com dicas para quem está iniciando no mundo da escrita. Baixe gratuitamente, leia e pratique: CLIQUE AQUI.


FICHA DE INSCRIÇÃO DO AUTOR(A)

Nome completo do autor(a):

Seu Pseudônimo (caso use), para publicação na antologia:

Idade:

Título do conto ou poema:

E-mail 1:
E-mail 2 (caso tenha):

Biografia em terceira pessoa (escreva sobre você num máximo de 7 linhas):

Sinopse do seu conto (se for poema não precisará de sinopse). Escreva no máximo 10 linhas:


IMPORTANTE: Envie todas essas informações da ficha de inscrição para o e-mail: contato@edgarallanpoe.com.br. Escreva no título do e-mail: LOVECRAFT

O envio da ficha de inscrição + conto para o e-mail indicado significa que o autor(a) leu todas as informações e regras dessa página para participação na antologia.

Não fique fora dessa. O concurso cultural será amplamente divulgado nas redes sociais.

COMPARTILHE ;)

OBS.: para conhecer e participar de outras de nossas antologias: clique aqui.



Compartilhe:

sábado, 19 de outubro de 2019

Dez Contos Geniais de H. G. Wells


"Wells […] prodigalizou parábolas sociológicas, erigiu enciclopédias, dilatou as possibilidades do romance, [...] historiou o passado, historiou o porvir, registrou vidas reais e imaginárias."
Jorge Luis Borges (Otras Inquisiciones)

Herbert George Wells (1866–1946) foi um autor multifacetado e prolífico. Mais conhecido pelos romances de ficção científica, como A Guerra dos Mundos e A Máquina do Tempo, escreveu também romances sociais, como, por exemplo, Kipps e A História do Sr. Polly.
No campo não ficcional produziu obras que se tornaram best-sellers mundiais, como O Esboço da História e A Ciência da Vida, além de centenas de artigos, ensaios e conferências. Muitos tratam de direitos humanos; é notável que sua obra tenha servido de norte para a Declaração Universal dos Direitos Humanos.
Os dez contos deste e-book contêm uma pequena amostra dessa vasta e variada obra:
Ficção científica: "A estrela", "No abismo", "O bacilo roubado".
Fantásticos: "A maçã", "A loja mágica", "A porta no muro".
Sociais: "A rejeição de Jane", "A herança perdida", "O furto no parque Hammerpond".
Terror: "O quarto vermelho".
São traduções cuidadosas, diretamente do inglês e com linguagem moderna, contendo dezenas de notas interessantes, que esclarecem várias referências sobre a sociedade na época, história, literatura, ciência etc., podendo, inclusive, ser utilizadas em estudos interdisciplinares.
Boa leitura.

Ficha técnica:
Título: Dez Contos Geniais de H. G. Wells
Autor: H. G. Wells (1866-1946)
Tradutor: J. R. Pedroso
Editora: Jorupê
Nº de páginas: 154
Livro publicado na Amazon: https://tinyurl.com/y3rm9ogw
Compartilhe:

segunda-feira, 29 de maio de 2017

20 citações de Não há amanhã, de Gustavo Melo Czekster


No dia 29 de março deste ano, o escritor gaúcho Gustavo Melo Czekster lançou seu segundo livro de contos. Autor também de O Homem Despedaçado (2011), Czekster escreve narrativas que misturam visões realistas e fantásticas do mundo, entrelaçando sonhos e realidade. Por meio de metáforas líricas e repletas de referências literárias, os contos do autor evidenciam as questões mais essenciais e profundas da existência, principalmente seu aspecto efêmero (tanto é que quatro dos vinte contos desta obra são chamados Efemeridade e todos eles completam uns aos outros, apesar de poderem ser lidos individualmente).
O livro é uma incrível viagem lírica ao subconsciente, ideal para leitores vorazes que gostam de ver como a literatura é um universo incessantemente expansível, pois as citações a clássicos literários, tanto direta quanto indiretamente, são um dos diferenciais destes contos, como por exemplo, no conto “Mercúrio deve Morrer”, narrativa esta que só pode ser considerada uma obra prima da literatura contemporânea nacional: o conto trata-se de uma criativa reflexão sobre as motivações existenciais humanas, ao mesmo tempo em que reúne em uma peça fictícia diversos ícones literários os quais morrem em suas respectivas obras.
Diversos são os contos deste livro os quais podem ser mencionados como destaques, mas se eu fosse mencionar todos eles, acabaria tendo que listar todos, pois a obra é impressionante pelo conjunto completo. Porém, os contos que mais me marcaram, particularmente, foram Os que se arremessam, uma das melhores narrativas da literatura mundial, que é uma reflexão sobre viver no limite, se arremessar, de maneira a tornar-se eterno, ter a experiência completa da existência através do ato de quase destruí-la, e também A Passionalidade dos Crimes, o qual mostra o poder de um texto.
Enfim, leia abaixo uma lista com 20 citações das mais marcantes encontradas em Não há amanhã (seleção difícil de fazer para chegar a somente 20!) e, caso você também já tenha lido o livro, comente sugerindo mais citações dele. Caso ainda não tenha lido-o, estas citações podem dar alguma ideia do que esperar quando ler a obra (ou não, pois a leitura dos contos completos surpreende muito mais!).

“Pesadelos caminham nos limites não traçados do absurdo.” – página 13

“Os demônios estavam fugindo pelo buraco aberto na sua cabeça.” – página 14

 “[...] sua obsessão: a última palavra. O gatilho. Aquilo que algumas pessoas iluminadas conseguem descobrir, mas não suplantar. O nome secreto que cada alma possui.”  p.31

“Não existe texto inocente, o que implica em dizer que todo texto é um crime passional. Escrevemos procurando a vítima, procurando a morte que desliza entre as linhas, sempre próxima, sempre neblina.” – p.33

“Da tristeza nasce um sentido possível para a vida. A música nunca me deixa só, é quem me acompanha nos prados infinitos, é quem preenche meus passos com ruídos invisíveis, é minha amiga nas noites repletas de parafina escorrendo.” – p.37

“Não sei o motivo pelo qual faço isso. Não sei o motivo de tanta dor. Seria tão simples não criar, sufocar a voz que nunca se cala, manter a música presa dentro do corpo.” – p. 39

“A música toma forma na minha frente, e sei, no meu mais íntimo, que hoje todos irão entender. Que eu não sou um homem, mas uma música que anda.” P.39

“Quando falo em se arremessar, estou falando sobre o correr e se jogar, impulsionar-se, perder os limites e, por breves, inebriantes segundos, tornar-se eterno. [...] Engana-se quem pensa que arremesso é sinônimo de morte. O grande objetivo é chegar perto e não morrer, apesar de acidentes acontecerem.” – p. 43

“Palavras são ervas daninhas capazes de derrubarem a mais resistente das sanidades.” – p.45

“O mundo é formado por um sem-fim de eventos apavorantes” – Efemeridade, várias páginas.

“[...] talvez o ato de buscar algo seja inerente a todo ser humano[...].” – p. 67

“É divertido imaginar-se anônimo, sem cargas, sem experiências, sem temores ou paixões, uma tábua em branco a ser preenchida pelo mundo.” – p.79

“Somos nada que um dia retorna ao nada, e o sentido final de tudo é desaparecer no vazio. Afinal, se um livro pode morrer, qualquer coisa pode morrer.” – p.83

“O desejo de destruição pelo simples prazer de destruir é o mais humano de todos.” – p.113

“Andaríamos no meio de indefinições e incertezas, rodeados por um mundo que se constrói e se desvanece dentro de cada olhar.” – p.114

“A cidade sonhava os homens no seu interior. Não éramos reais, somente partes minúsculas de um tudo que não compreendemos.” – p.115

“O autor é falível e frágil, o texto não, e o sonho de cada escritor deveria ser morrer tão logo a obra venha ao mundo, pois nada mais deveria ser dito.” – p. 118

“O único sentido da existência é esperar o fim; somos meras vírgulas, nunca pontos finais.” – p.119

“Assim como a borboleta, a vida inteira não passa de um prenúncio da morte. O personagem só existiu para deixar de existir [...].” - p.130

“Quando se entra em harmonia, o Tempo desaparece, transformando o passado, presente e futuro em um amálgama de sensações.” – p.145

Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels