10 superséries baseadas em livros, por Ademir Pascale

Como bom leitor, adoro assistir séries baseadas em livros (também sou cinéfilo) e nesses tempos conturbados de pandemia, passei a assistir a...

Mostrando postagens com marcador ilustradora. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ilustradora. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 16 de agosto de 2021

Ligia Camolesi e seu trabalho como ilustradora e designer, por Cida Simka e Sérgio Simka

Ligia Camolesi - Foto divulgação

Fale-nos sobre você.

Meu nome é Ligia Camolesi, tenho 23 anos e moro em São Paulo. Me formei em Design pela ESPM em 2020, e atualmente trabalho como ilustradora free-lancer, além de designer em uma startup de saúde. O desenho e as histórias sempre foram uma parte especial da minha vida, pois quando era criança já adorava escrever e ilustrar meus próprios livrinhos à mão. Os anos se passaram e continuo fazendo a mesma coisa... :)

ENTREVISTA: 

Fale-nos acerca dos livros que ilustrou e sobre o seu livro. O que a motivou a escrevê-lo? 

O livro mais recente que ilustrei, "Me chamem de Daniel, porque Daniel é o meu nome", foi escrito pela autora Elizângela Teixeira e publicado pela editora Bambolê. O livro conta a história de Daniel, um menino autista de 14 anos, que nos traz diversas reflexões sobre as coisas que nos definem, e aquelas que não nos deveriam definir. Sobre as pequenas coisas da vida, que muitas vezes nos parecem simples, mas que têm um grande significado para Daniel. O livro "O menino pescador e o dragão", lançado pela editora Polo, também conta com minhas ilustrações. 

Além destes, tenho um livro ilustrado de minha autoria, mas não publicado, chamado Vovó. Inspirado na minha própria infância, ele conta a história do laço de amizade entre uma menina e sua avó, que vivem muitos momentos especiais juntas, mas que em um momento têm que se despedir. O livro pode ser conhecido aqui: https://www.ligiacamolesi.com/livro-vovo

Você é ilustradora e designer. Fale-nos sobre seu trabalho.

Como ilustradora, minha especialidade são as técnicas tradicionais: aquarela, lápis de cor, pastel, colagem, paper cutting, entre outras. A área que eu mais gosto de ilustrar é a de literatura infantojuvenil. Adoro histórias que envolvem fantasia, imaginação, aventuras, amor e natureza. Já ilustrei dois livros que foram publicados, e atualmente estou trabalhando no terceiro, que será publicado pela Saíra Editorial. Desenvolvi também outros livros, que ainda não foram publicados: o "Meu Livro de Poesias", o "Vovó”, o "Qual animal você mais gosta" e o "Willodhy e o Cristal Encantado"

Criei também capas de livros clássicos em paper cutting, que podem ser vistas aqui: https://www.ligiacamolesi.com/capas-de-livros-papercut.  

E uma série de capas de livros para a coleção "O Mundo de Jane Austen", que será publicada pela editora Novo Século este ano. 

Como designer, eu crio projetos gráficos para livros (entre eles, posso citar o livro "Me chamem de Daniel, porque Daniel é o meu nome"), faço diagramações, crio artes para redes sociais, embalagens, identidades visuais, cartazes, materiais corporativos, entre outros. Você pode conhecer meu trabalho de design aqui: https://www.ligiacamolesi.com/design

O que tem lido ultimamente?

Atualmente estou lendo o livro "O Caminho do Artista" de Julia Cameron, que é um guia para estimular a criatividade.  Recentemente, li também a bela graphic novel "A Chegada" do autor e ilustrador Shaun Tan, que narra com lindas imagens a história de vários imigrantes que se veem obrigados a fugir para um país desconhecido. Li também recentemente "O Príncipe Feliz", um belo conto infantil de Oscar Wilde, ilustrado por Maisie Paradise Shearring. 

Como o leitor interessado deverá proceder para adquirir o seu livro e saber um pouco mais sobre você e o seu trabalho? 

O livro "Me Chamem de Daniel, porque Daniel é o meu nome" pode ser adquirido neste link:

https://linktr.ee/editorabambole

Para saber mais sobre mim e sobre o meu trabalho, você pode acessar meu site: https://www.ligiacamolesi.com/, ou visitar meu instagram: https://www.instagram.com/ligiacamolesi/


CIDA SIMKA

É licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Autora, dentre outros, dos livros O enigma da velha casa (Editora Uirapuru, 2016), Prática de escrita: atividades para pensar e escrever (Wak Editora, 2019), O enigma da biblioteca (Editora Verlidelas, 2020), Horror na biblioteca (Editora Verlidelas, 2021) e O quarto número 2 (Editora Uirapuru, 2021). Organizadora dos livros Uma noite no castelo (Editora Selo Jovem, 2019), Contos para um mundo melhor (Editora Xeque-Matte, 2019), Aquela casa (Editora Verlidelas, 2020), Um fantasma ronda o campus (Editora Verlidelas, 2020) e O medo que nos envolve (Editora Verlidelas, 2021). Colunista da revista Conexão Literatura.

SÉRGIO SIMKA

É professor universitário desde 1999. Autor de mais de seis dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a série Mistério, publicada pela editora Uirapuru. Colunista da revista Conexão Literatura. Seu mais recente trabalho acadêmico se intitula Pedagogia do encantamento: por um ensino eficaz de escrita (Editora Mercado de Letras, 2020) e seu mais novo livro juvenil se denomina O quarto número 2 (Editora Uirapuru, 2021). 

Compartilhe:

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Emoção guardada em pote

Lançamento de Bilica Chorona reúne autora e ilustradora em sessão de autógrafos dia 22/9, às 16h, na Travessa do Leblon

Mães choram. Choram de preocupação, choram por medo, choram por cansaço e choram até por coisa nenhuma. Mas pode ser um susto quando a criança descobre que elas têm isso, pelo menos isso, em comum com o restante da humanidade. Foi dessa memória, o dia que descobriu que havia lágrimas no rosto da sua mãe, que nasceu a inspiração para o primeiro livro da educadora e observadora de mundo Isabelle Borges, vencedora no ano passado da I Seleção de Originais da Editora Lago de Histórias, com Bilica Chorona.

O lançamento com sessão de autógrafos será realizado no próximo dia 22/9, na Livraria da Travessa do Leblon, a partir das 16h, e contará com a presença da ilustradora Taline Schubach, que vem da Espanha para dividir com os leitores a alegria (ou seria o choro?) deste momento.

O nome da personagem é uma homenagem ao avô de Isabelle, que a apelidou de Bilica na infância. “Senti que esse deveria ser o nome dela”. Mas Bilica bem poderia ser Maria, Alice, Joana ou qualquer outra, afinal a menina chorava para se fazer entender. O problema é que não a compreendiam totalmente.

- Ela ainda não tinha aprendido que a palavra também podia dar jeito em dor ralada, em medos do mundo e em vontades do peito.

A autora se remete às suas lembranças e de como também abria o berreiro quando ainda não sabia dizer o que queria. “Este livro não é exatamente sobre minha vida, mas as histórias sempre levam um pedaço do escritor amarrado nas palavras”, conta a autora.

Com quarta capa da escritora Edna Bueno, para quem escrever é um jeito de estar no mundo, invadir e tocar, uma das grandes perguntas que o livro faz é como engolir se as lágrimas teimam e transbordam. Será que choro acaba um dia? Adultos não choram? Onde guardam o choro? A vida se encarrega, contudo, de contar seus segredos e, devagarzinho, quando menos se espera, a menina acaba fazendo uma descoberta surpreendente.

Para Isabelle Borges, a percepção do pranto, que se inicia na infância, e o modo como ele percorre nosso corpo até chegar a vida adulta é uma temática para todas as idades. “Trabalhei e estudei muitos anos com a infância e estrear na literatura infantil com essa história, que me traz tanta verdade e afeto, é um grande presente e conquista. Toda vez que olho o livro me emociono... isso me preenche de amor”, diz.

SERVIÇO
Bilica Chorona
Editora: Lago de Histórias
Formato: 25x25
Páginas: 32p
Preço: R$ 39,90

Sessão de autógrafos
22 de setembro - sábado
16h
Livraria Travessa Leblon (Avenida Travessa de Melo Franco, 290)

SOBRE A AUTORA
Isabelle Borges é educadora, mestre em psicologia do desenvolvimento, pós graduada em Amadurecimento Lúdico, escritora, observadora de mundo e caçadora de poesia. Autora na antologia “No fundo de doze histórias corre um rio”, pela Editora Casa da Palavra, acumula certo estudo em subir em árvore, sentir o vento no rosto e dançar palavra. Coloca como um dos seus maiores objetivo ajudar o outro a alcançar sua criatividade pelo pé e existir-se em si mesmo. Gosta de ver as pessoas de corpo inteiro, sendo toda a poesia que cabe em si.

Editora e Casa Cultural Lago de Histórias
A Casa Cultural Lago de Histórias é um desdobramento da editora homônima, fundada em novembro de 2016 no Rio de Janeiro, na mesma noite de lançamento dos livros Mais felizes do que sempre, Bia sem pressa, Os medos de Bel, e Soldado. Em 2017, o catálogo ganhou reforço de Olga e Grande ou pequena? Ainda em 2017, reforçaram o catálogo: A Moça Artista do Topo do Morro e Vicky, todos de autoria da escritora e pedagoga Helena Lima. Em agosto de 2018 chegou ao mercado editorial pela Lago de Histórias o bilíngue Todos os pais do mundo / All the dads in the world, do professor e músico André Tavares.

Com uma proposta rara no Rio de Janeiro, de oferecer oficinas de criação literária e de artes regulares para crianças, em horário complementar à escola e de segunda a sexta-feira, a Casa Cultural Lago de Histórias abriu suas portas em abril de 2017.

É voltada também para pais, professores e todos que desejam despertar ou aperfeiçoar sua escrita e leitura.
Compartilhe:

sábado, 11 de agosto de 2018

 O trabalho como ilustradora de Camila Carrossine, por Sérgio Simka e Cida Simka


Fale-nos sobre você.

Me chamo Camila Carrossine e moro em São Paulo.
Sou diretora de Arte e ilustradora.
Desenho desde pequena e, depois de muita dúvida, escolhi estudar Artes. Me formei em bacharelado em Artes Plásticas e fiz pós-graduação em Direção de Arte.
Divido meu tempo entre projetos de animação e ilustração.

ENTREVISTA:

Fale-nos sobre os livros que ilustra.

Os livros que ilustro são minhas histórias. Mesmo quando o texto não é meu, eu assimilo aquilo como meu, me aproprio… e na narrativa visual que crio sempre tento colocar a minha interpretação daquela história.
Assim, a ilustração não serve como muleta para o texto e sim soma-se a ele e se transforma em algo novo, único.

Fale-nos sobre seu processo de criação.

Quando recebo um texto pra ilustrar, primeiro leio bastante. Acredito que devo ser leitora antes de ser ilustradora. Leio muitas vezes o texto e começo a fazer pequenas anotações das ideias visuais que vão surgindo no decorrer dessa leitura.
O passo seguinte é fazer os esboços do livro todo e montar um boneco. Depois desenho tudo de novo, corrijo proporções, melhoro a composição da imagem, acrescento detalhes.
Passo para as cores e texturas. Escolho uma paleta de cores, essa escolha é muito importante, pois as cores transmitem sensações e ditam o tom do livro – mais nostálgico, melancólico, frenético ou engraçado…
Uso diversos materiais, lápis de cor, aquarela, tinta acrílica, mas geralmente meu processo se inicia com lápis grafite e papel, depois vou para o computador para colorir.
Finalizadas as ilustrações o livro vai para a gráfica e todos ficam ansiosos para ver o livro pronto e pelo dia do lançamento.

Fale-nos sobre seu trabalho como ilustradora. Quantos livros já ilustrou? Quem quiser conhecer seu trabalho como deve proceder?


O trabalho como ilustradora é muito prazeroso, amo o que faço. Quando desenho, entro em um mundo só meu onde tudo é possível.
Já ilustrei mais de 30 livros publicados e quem quiser conhecer mais sobre o meu trabalho pode visitar meu site: www.camilacarrossine.com.

Como analisa a questão da leitura no país?

Nossos livros (especialmente os infantis, que é a área com a qual estou mais familiarizada) são conhecidos no mundo inteiro, traduzidos para muitos países e fazem bonito quando comparados aos livros de países tradicionais como Inglaterra ou França. Esse crescimento se deu graças aos escritores e artistas talentosos que temos e também devido aos investimentos do governo nas últimas duas décadas.
Mas faz uns três anos que estamos vivendo uma fase complicada do mercado editorial no país. Com editoras e livrarias fechando e editais de literatura reduzidos ou cancelados,  a quantidade de livros publicados vem diminuindo bastante. Isso certamente influenciará negativamente na quantidade de leitores do Brasil. Especialmente dos leitores que não estão nas grandes cidades.

O que tem lido ultimamente?

Sou bastante eclética e gosto de ler mais de um livro por vez, dependendo de como estou me sentindo naquele dia escolho um livro ou outro. Acabei de ler “Sono" do Murakami e no momento estou lendo dois – “Minha vida na França” de Julia Child e “Cem anos de solidão” de Gabriel García Márquez.

Quais os seus próximos projetos?

Em animação estamos para começar a pré-produção do nosso primeiro longa-metragem “Mundo Proibido” e em ilustração, estou finalizando um livro sobre paternidade que será lançado nesse ano próximo ao Dia dos Pais.


*Sérgio Simka é professor universitário desde 1999. Autor de cinco dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a coleção Mistério, publicada pela Editora Uirapuru. Membro do Conselho Editorial da Editora Pumpkin.

Cida Simka é licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Coautora do livro Ética como substantivo concreto (Wak, 2014) e autora dos livros O acordo ortográfico da língua portuguesa na prática (Wak, 2016), O enigma da velha casa (Uirapuru, 2016) e “Nóis sabe português” (Wak, 2017).
Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels