JÁ DISPONÍVEL: Jornal em São Camilo da Maré, novo livro de Ademir Pascale (Mafra Editions)

  Três jovens interligados vivenciam as feridas que a nossa sociedade perpetua: violência, injustiça e bullying, numa comunidade carente do ...

Mostrando postagens com marcador palestras. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador palestras. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 22 de junho de 2022

Vem aí! "9º Festival da Diversidade Cultural de Itanhaém": teatro, música, dança, artesanato e palestras

 

Tradicional Festival da cidade conta com atrações ligadas à cultura, educação, direitos humanos e cidadania

Tradicional Festival da cidade conta com atrações ligadas à cultura, educação, direitos humanos e cidadania

Fotos: https://drive.google.com/drive/u/2/folders/1I7nBARIGcngQlKFnmdL-8zW_1CHXvzZG

Entre os dias 25 e 26 de junho, das 14h às 22h, a Praça Narciso de Andrade, Conhecida como Centro Histórico de Itanhaém será, pela primeira vez, palco do “Festival da Diversidade Cultural de Itanhaém”, que chega à 9ª edição com uma programação gratuita e repleta de atrações ligadas ao teatro, música, dança, artesanato, direitos humanos e palestras. Ao longo de dois dias, qualquer interessado terá a oportunidade de vivenciar experiências culturais e de entretenimento. O Festival é uma realização da produtora Santuarium Cultural, que por meio do PROAC, da Secretaria de Economia Criativa do Estado de São Paulo, e com apoio da Prefeitura Municipal de Itanhaém, pretende trazer ao público uma mostra da pluralidade cultural e artística internacional, brasileira e regional. 

A programação focada na cultura, educação, direitos humanos e cidadania, contação de história, capoeira, danças típicas e étnicas, música tradicional e folclórica, a inclusão sob vários aspectos, performances teatrais, performances artísticas LGBTQI+, apresentações de cultura afro-brasileiras e matrizes africanas e ações culturais.

O evento é uma oportunidade para que artistas locais e de outras regiões possam levar aos moradores do litoral de São Paulo mais lazer e cultura, tendo a diversidade de ideias e culturais como base: Quando utilizamos o termo diversidade é muito importante termos claro que estamos nos referindo ao ser humano em suas diversas possibilidades de existência, ou seja, etnia, gênero, raça, nacionalidade, religião, regionalidade e faixas etárias. É exatamente neste sentido que o festival se empenha em prestar o serviço não apenas no fortalecimento da identidade de cada um dos segmentos abordados, mas também na integração entre eles e, desta integração, um exemplo real de convivência harmônica dentro de um conceito de cultura de paz. Segundo Gilberto Freyre, o brasileiro típico tem um pé na senzala, ou na taba, pois somos quase todos mestiços. A arte e a cultura são meios para se quebrar dogmas, preconceitos e barreiras; resgatar a cidadania cultural e valorizar a diversidade, inclusive como forma de sobrevivência”, explica Luciana Dara, idealizadora e coordenadora do evento desde sua 1ª edição.

Entre as atividades, haverá a contação de histórias, com a atriz Kelly Franco, que trará de forma lúdica histórias do nosso folclore, itãs do candomblé e lendas misteriosas, de forma que mesmo as crianças aprendam se divertindo. Ela estará acompanhada da mãe, a humorista Gell Correia, famosa das pegadinhas do SBT que estará animando a festa também.

O Grupo Afoxé Laroye Brasil trará os toques e cantos do Afoxé da Bahia.

A consciência negra e os aspectos da diversidade cultural serão abordados nas palestras de Júlio Tumbi Are, respeitado especialista em relações étnico-raciais, multiculturalismo, antropologia, direito, ciências sociais e pedagogia.

A indígena Tamikuã Pataxó, de Alagoas, fará atividade de ensino da pintura indígena. Esses povos carregam no rosto a identidade. A pintura tem tanto sentido para os indígenas, que expressa o que o indivíduo representa no grupo e até o estado civil. A mistura mais comum que define os traços é feita de urucum e jenipapo.

Ainda entre indígenas, membros das tribos Mborai Mirim e Rio Branco, de Itanhaém, trarão o belíssimo coral guarani com cânticos sagrados, além do artesanato e o convite aos que queiram conhecer as tribos e participar de vivências culturais que costumam promover.

Estará representando o Xamanismo Andino Amazônico, Inti Wahua, da Nação KetchuaInti Wahua (Filho do Sol). Nascido em Cochabamba na Bolívia e atualmente residente de São Paulo, trará música, artesanato e experiências. Atua por todo o Brasil divulgando o Xamanismo e a cultura Andina. Lino Hauman - De Cuzco, Peru, fará show musical com zampoñas, também conhecidas como as flautas Andinas.

Na vertente LGBTQIA+ haverá quatro performances Drag Queen, como por exemplo, a de Zazá Up, do coletivo Mascárate de Embu Guaçu, que esteve em Itanhaém na 8ª edição do evento. Pouco antes, Sonia Aliha fará apresentação burlesca: “Sou considerada uma dançarina Drag Queen feminina, por fazer transformações em mim e nos figurinos, e criar minhas próprias maquiagens artísticas. A Dança pra mim, é mais do que perfeição de movimentos. é Alma, liberdade de expressão, e principalmente respeito pelo o que um Artista mostra com seu corpo.”

Um momento de fé e cultura. De origem portuguesa, O Reisado de Itanhaém já acontece há cerca de três séculos, desde o início da Vila Nossa Senhora da Conceição de Itanhaém. O grupo fará os cantos dos versos de entrada, pedidos, agradecimentos e despedidas do Reisado, além de cantos de Itanhaém.

"Até a década de 60, o grupo era formado somente por homens e com músicos que tocavam instrumentos de sopro. A partir de 1970, jovens, crianças e mulheres começaram a participar. As músicas são acompanhadas por instrumentos de corda, percussão e de sopro, com laços do "vira lusitano". O violão, o cavaco, a timba e o pandeiro são os instrumentos mais presentes", esclarece Ernesto Bechelli, um dos coordenadores do grupo.

Entre as apresentações musicais estão confirmados os grupos Forró CaiçaraToque de Sedução (samba e pagonejo) e o cantor Franco Rossignolli, com repertório de músicas latinas e italianas. Franco ou “El Floritto”, como gosta de ser chamado, foi uma das revelações da Virada Inclusiva 2019, no Parque da Água Branca em São Paulo.

A animação continuará com Bendito Carimbó, do Belém do Pará, e Cecília Mani, dançarina que se apresenta Brasil afora levando a beleza e alegria carimbó em vários eventos e festividades.

A arte da consciência das ruas, Hip-Hop, Trap, Funk raiz terá voz por Grimas100g, Frank Apache e Muny Hare, que além de terem importante atuação junto às comunidades de Embu-Guaçu, cantam letras inspiradoras e positivas tão importante aos jovens.

O evento conta com diversas vertentes de danças, como o Tribal da Ohana Danças, danças ciganas e Brasileiras de Cia Aysla Martins, cuja professora também é coreógrafa da Escola de Samba Gaviões da Fiel, a dança gaúcha de Constância Reis, além de Desireé PaivaHadassa AmirahFlores do CarimbóGuerreira de OyaSilmara Almeida, e Betty Rian, nascida em 1932 e professora de dança no Conviver Itanhaém, incentivo e exemplo de amor à dança à todos da cidade.

Mais informações nas redes sociais da Santuarium Cultural - @santuariumcultural 

Serviço:

“9º Festival da Diversidade Cultural de Itanhaém”

Centro Histórico de Itanhaém

25/06 e 26/06, 14h às 22h, grátis.

Compartilhe:

terça-feira, 12 de junho de 2018

Luís Henrique Araújo, a Araújo´s Organizações e a Araújo´s Organizações em Revista, por Sérgio Simka e Cida Simka

Luís Henrique Araújo
A Araújo´s Organizações é uma empresa de consultoria e assessoria estabelecida em Mauá (SP) desde 1981. Seu fundador e diretor, o advogado Luís Henrique Araújo, fala, nesta entrevista exclusiva, um pouco sobre sua trajetória profissional e pessoal.

A Araújo´s Organizações promoveu em setembro/2017 o seu “3º. Workshop”, ao qual concorreram mais de 200 pessoas. Qual o balanço desse evento e qual a intenção de promovê-lo?

Claro que para nós foi positivo. Profissionalizamos o máximo possível, e para mensurar o resultado do evento, bastava olhar para o nosso entorno e ver a satisfação das pessoas que participaram, que estava estampada nos rostos delas. E mais, que ninguém arredou o pé até o último bloco. Veja que estávamos em um sábado.
Em verdade, a primeira ideia surgiu em apresentar nossa empresa para nossa equipe, e mostrar a todos o que cada departamento realiza e como a direção conduz. Algumas pessoas entenderam que poderíamos levar isto para nossos clientes e amigos, que vez por outra sempre nos questionam do segredo de nosso sucesso. Então, resolvemos desfraldar para todos os interessados. E o sucesso foi total.

Este ano teremos nosso 4º Workshop no dia 31 de agosto, faremos um evento diferente dos outros anos; esse será à noite, das 18h às 22h, teremos a presença de palestrantes convidados, e trataremos de um tema atual de nosso mercado: Resiliência. É nas adversidades que crescemos. O evento será em Santo André (SP) no Hotel Plaza Mayor, iremos fazer com que as pessoas saiam de sua zona de conforto e busquem um crescimento pessoal e empresarial.

Já virou clichê dizer que o Brasil está em crise. Parece que a sua empresa passa imune a ela, tanto que, em abril do ano passado, foi inaugurada uma filial em Santo André. Qual a receita do sucesso?

A receita é não se aculturar com coisas ruins. Elas existem desde quando Deus fez o mundo, mas não as valorizamos. Sempre buscamos estar com fatores eloquentes e que nos ajudem a crescer, não só materialmente, mas como pessoa interior. Com isso, vivemos sempre uma sinergia positiva. Daí, o segredo de não estarmos na crise, até porque ainda que nos chamem para participar dela, nós não queremos (risos).

A sua empresa tem por hábito investir em seus quadros. Esse se constitui em um dos diferenciais da Araújo´s Organizações? E por que você tem o costume de chamar os que trabalham com você de talentos e não de colaboradores?


Note bem, um homem passou aqui há mais de dois mil anos, e deixou este ensinamento, ou seja, devemos investir no capital humano. Ele nos deu um exemplo, pois investiu em 12 homens e olha que até hoje, ninguém consegue se afastar do projeto de vida Dele. Nosso maior investimento é no capital humano e isso tem dado resultados fantásticos.
Colaborador não tem comprometimento com ninguém, agora o talento, o primeiro compromisso é com ele mesmo, imagina com o seu entorno então. Para nós, todos os membros de nosso quadro são e devem ser somente talentos, pois será assim que amealharemos sucesso, ou seja, com pessoas talentosas.

A Araújo´s Organizações tem uma história de triunfos, o que tem incomodado muita gente. Como você lida com isso? 

Em verdade eu tenho um pouco de pena dos incomodados, pois a estes o que se verifica é a incompetência. Mesmo assim, nos colocamos à disposição deles, para que, em querendo, lhes transmitamos o segredo do sucesso. Aqui, deixo uma palhinha: “Trabalho, trabalho e muito trabalho” (risos).

Em suas palestras, você aborda a importância de fugir de situações em que o aspecto negativo esteja presente, ou seja, você propõe pensar e agir de forma positiva. Fale-nos um pouco sobre essa questão.


O que acontece é que para o negativo, não precisamos andar muito para poder encontrar, basta olhar para frente, para os lados, para trás, e ele está lá instalado e ávido para te pegar. Eu aprendi na vida que tudo o que é fácil, não deve ser valorizado, pois de alguma forma, lhe trará mau agouro. De sorte que aprendi não olhar para os invejosos, os pobres de espírito, as desgraças alheias, as famigeradas crises, entre tantas outras coisas que podem influenciá-lo negativamente. Masaharu Taniguchi uma vez me ensinou no livro “A Verdade da Vida” que: “Pensamentos negativos atraem coisas negativas e pensamentos positivos atraem coisas positivas”. Eu me nego e também aos meus, valorizar pensamentos negativos. As pessoas que comigo convivem costumam referendar: “Como é incrível, você está sempre de bem com a vida”. Isto é muito bom, pois viro uma energia positiva a todos que me procuram.

Você teve uma infância marcada por dificuldades de toda ordem e hoje é um empresário bem-sucedido. A que deve sua história de sucesso?

Primeiro, por ter uma crença muito forte em Deus; depois, sempre olhar para as necessidades de minha família, e nesta senda ainda, valorizar cada ser humano a quem dependo dele direta ou indiretamente e depois disso, tudo acontece como você mesmo pode verificar o que me vai às mãos nos dias de hoje.

Você é uma pessoa realizada e feliz?


Não existe pessoa realizada e nem pessoa feliz. Existem pessoas que realizam e que vivem a felicidade. Assim é minha vida, assim é o meu dia a dia. Meus talentos sempre afirmam: “Estar ao lado do Araújo é viver constantemente no fio de novas emoções.” 

A Araújo´s Organizações já publicou 18 edições da Araújo’s Organizações em Revista. Fale-nos sobre elas. O que o levou a publicá-las?

A Araújo´s Organizações em Revista foi criada para ser um canal de comunicação entre os empresários e corpo técnico da nossa Organização, através de artigos do dia a dia do empresário. Além, é claro, de preparar-nos para o próximo projeto de comunicação, que será a criação de franquias, que já saiu do papel, que é a primeira filial, estabelecida em Santo André, e as demais, estamos aguardando uma segurança jurídica, politica e econômica de nosso país. Mas ela supera nossas expectativas, e a cada dia, temos mais certeza ainda de que ela está cumprindo sua função social e educativa. Não são poucos os elogios que eu e nossa equipe recebemos dia a dia.

Site: http://araujosorganizacoes.com.br
https://araujosorganizacoes.com.br/Revistas

*Sérgio Simka é professor universitário desde 1999. Autor de cinco dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a coleção Mistério, publicada pela Editora Uirapuru.

Cida Simka é licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Coautora do livro Ética como substantivo concreto (Wak, 2014) e autora dos livros O acordo ortográfico da língua portuguesa na prática (Wak, 2016), O enigma da velha casa (Uirapuru, 2016) e “Nóis sabe português” (Wak, 2017).
Compartilhe:

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Sesc Santo André recebe encontro com ilustradores e curadores da exposição "Linhas de Histórias - O livro ilustrado em sete autores"

Ilustradores e curadores da exposição “Linhas de Histórias – O Livro Ilustrado em Sete Autores” (crédito: Amanda Costa)
Atividades que acontecem nos dias 28 e 29 de outubro contam com palestras e oficinas

Nos dias 28 e 29 de outubro (sábado e domingo), o Sesc Santo André realiza o Encontro Linhas de Histórias – O Livro Ilustrado Em Sete Autores. As atividades integram o universo da exposição e conta com a presença de cinco dos sete ilustradores, além dos curadores e convidados.

Para abrir as atividades no dia 28/10, acontece o bate-papo “O livro ilustrado é literatura”, com o poeta, professor, crítico e editor, Augusto Massi, que abordará sobre a palavra e a escrita dentro do livro ilustrado. No mesmo dia é possível assistir a palestra “Caminhos da construção do livro ilustrado”, com os ilustradores Nelson Cruz, Roger Mello e Andrés Sandoval. A conversa será sobre os caminhos singulares de construção do objeto gráfico e narrativo, em que cada autor irá compartilhar pensamentos, processos de pesquisa e escolhas em algumas de suas obras.

No dia seguinte, os curadores Stela Barbieri, Fernando Vilela e Odilon Moraes, estarão juntos no debate sobre “A exposição Linhas de História e o livro ilustrado na contemporaneidade”. Neste encontro, eles irão contar como nasceu o projeto da exposição, além de dialogar sobre suas motivações, reflexões, linhas de pesquisa e abordagens. E para encerrar, Eva Furnari e Renato Moriconi estarão juntos na roda de conversa sobre “O humor no livro ilustrado: narrativas inusitadas”. Essa mesa tratará da estrutura da narrativa, dos atributos dos personagens e das cenas inusitadas que capturam nossa atenção ao nos apresentar situações engraçadas.

Além das palestras, o público também é convidado a participar de oficinas, com o intuito de vivenciar o universo do livro ilustrado. No dia 28/10, acontece a “Dramaturgia Visual”, com Roger Melo. A ideia é “compor” um personagem através dos vazios e dos objetos que o cercam e desenvolver peças gráficas que criem narrativas inaugurais. Ainda no dia 28/10, Andrés Sandoval dará a oficina “Desenho Livre”, em que a proposta é trabalhar silhuetas com estêncil e rolinhos de pintura, pintar e desenhar em longas faixas de papel que ao final do encontro serão transformadas em um livro sanfonado.
Já no dia 29/10, Renato Moriconi trabalhará as possibilidades narrativas contidas no uso de colagens na criação de imagens a partir de exemplos de filmes, pinturas, cartazes e de suas experiências, na oficina “A Colagem Como Recurso Narrativo”. Também no dia 29/10, Nelson Cruz irá ministrar “Ilustração: Da criação a Propriedade Intelectual”. Essa oficina será um espaço para deflagrar em cada participante o reconhecimento de um projeto autoral e individual a partir da leitura de fragmentos de textos, pesquisa, criação dos primeiros esboços, layout e pintura.

Cada participante poderá se inscrever em uma oficina por dia, porém é possível se inscrever em todas as mesas, que irão contar com interpretação de Língua de Sinais Brasileira (Libras). As inscrições podem ser feitas a partir do dia 17/10, às 14h, pelo Portal Sesc SP sescsp.org.br ou nas Centrais de Atendimento das unidades do Sesc.

SOBRE A EXPOSIÇÃO “LINHAS DE HISTÓRIAS – O LIVRO ILUSTRADO EM SETE AUTORES”
Em cartaz até o dia 26/11 no Sesc Santo André, a exposição, com curadoria de Fernando Vilela, Odilon Moraes e Stela Barbieri, investiga o processo criativo dos ilustradores Andrés Sandoval, Angela Lago, Eva Furnari, Roger Mello, Renato Moriconi, Nelson Cruz e Javier Zabala, mostrando inspirações e formas de criação singulares de cada um dos artistas. Cada ilustrador é disposto como um planeta no espaço expositivo. Interligados por referências em comum, além de particularidades, eles transformam o local numa espécie de sistema planetário interconectado.
Para quem desejar continuar a visita pela exposição, pode baixar gratuitamente o aplicativo do Sesc São Paulo, disponível nas lojas App Store e Google Play. Nele é possível ter acesso ao conteúdo exclusivo como o vídeo do processo de montagem, galeria de fotos, além do encontro e entrevistas com os artistas e curadores.

PROGRAMAÇÃO DO ENCONTRO:
Abertura: “O livro ilustrado é literatura” - Com Augusto Massi, mediação de Odilon Moraes
Quando: 28/10, sábado, das 15h30 às 17h
Onde: Teatro
Ingresso: Grátis
Com interpretação em Libras.

"Caminhos da construção do livro ilustrado" - Com Nelson Cruz, Roger Mello e Andrés Sandoval. Mediação: Fernando Vilela
Quando: 28/10, sábado, das 17h30 às 19h
Onde: Teatro
Ingresso: Grátis
Com interpretação em Libras.

“A exposição Linhas de História e o livro ilustrado na contemporaneidade” - Com Stela Barbieri, Fernando Vilela e Odilon Moraes. Mediação: Ana Luísa Sirota
Quando: 29/10, domingo, das 15h30 às 17h
Onde: Teatro
Ingresso: Grátis
Com interpretação em Libras.

“O humor no livro ilustrado: narrativas inusitadas” - Com Eva Furnari e Renato Moriconi. Mediação: Stela Barbieri
Quando: 29/10, domingo, das 17h30 às 19h
Onde: Teatro
Ingresso: Grátis
Com interpretação em Libras.

OFICINAS:
“Dramaturgia Visual” - Com Roger Melo
Quando: 28/10, sábado, das 10h30 às 13h
Onde: Espaço de Tecnologias e Artes
Ingresso: R$ 20,00 (inteira), R$ 10,00 (aposentado, pessoa com 60 anos ou mais, pessoa com deficiência, estudante e servidor de escola pública com comprovante), R$ 6,00 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc  e dependentes). Não recomendado para menores de 16 anos. Vagas Limitadas.

“Desenho Livre” - Com Andrés Sandoval
Quando: 28/10, sábado, das 10h30 às 13h
Onde: Espaço de Eventos
Ingresso: R$ 20,00 (inteira), R$ 10,00 (aposentado, pessoa com 60 anos ou mais, pessoa com deficiência, estudante e servidor de escola pública com comprovante), R$ 6,00 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc  e dependentes). Não recomendado para menores de 16 anos. Vagas Limitadas.

“A colagem como recurso narrativo” - Com Renato Moriconi
Quando: 29/10, domingo, das 10h30 às 13h
Onde: Espaço de Tecnologias e Artes
Ingresso: R$ 20,00 (inteira), R$ 10,00 (aposentado, pessoa com 60 anos ou mais, pessoa com deficiência, estudante e servidor de escola pública com comprovante), R$ 6,00 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc  e dependentes). Não recomendado para menores de 16 anos. Vagas Limitadas.

“Ilustração: Da criação a propriedade intelectual” - Com Nelson Cruz
Quando: 29/10, domingo, das 10h30 às 13h
Onde: Espaço de Eventos
Ingresso: R$ 20,00 (inteira), R$ 10,00 (aposentado, pessoa com 60 anos ou mais, pessoa com deficiência, estudante e servidor de escola pública com comprovante), R$ 6,00 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc  e dependentes). Não recomendado para menores de 16 anos. Vagas Limitadas.

SERVIÇO:
SESC SANTO ANDRÉ
Rua Tamarutaca, 302 – Vila Guiomar – Santo André
Telefone – (11) 4469-1311
Estacionamento (vagas limitadas): Credencial Plena – R$ 5 (R$ 1,50 por hora adicional) |
Outros – R$ 10 (R$ 2,50 por hora adicional).
Informações sobre outras programações:
sescsp.org.br/santoandre | facebook.com/SESCSantoAndre
Compartilhe:

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Alice Vitória, escritora mirim de apenas 14 anos, já publicou 4 livros, ministra palestras e contação de histórias para crianças e já teve seu trabalho exposto na The London Book Fair/Inglaterra

Alice Vitória, tem 14 anos, mora em Aracaju/SE, estuda o 2° ano do Ensino Médio em escola pública, adora ler (já leu 2.500 livros), gosta de jogos online e é autora de 04 livros de contos infantis: O Monstro de Chocolate, A Bruxinha Boazinha e Os Ratinhos de Circo, Aurora uma Labra-lata muito Especial e O Monstro Invisível. Os livros de Alice Vitória são traduzidos simultaneamente para o inglês, francês e espanhol (a pedido da autora).
Seus livros já foram expostos em 3 edições da Bienal Internacional de São Paulo, Bienal do Livro e da Leitura de Brasília, FENELIVRO (Feira Nordestina do Livro/Recife/PE) e de outros eventos literários regionais.
O MONSTRO DE CHOCOLATE, o mais famoso livro da autora, já foi apresentado no palco do programa Raul Gil em forma de teatro (uma adaptação dos diretores do programa) e também já exposto na The London Book Fair/Inglaterra, com absoluto sucesso, o que lhe rendeu um destaque na revista Isto É (edição de 19 de abril de 2013), com o título "Ela não é Alice do País das Maravilhas, mas é a Alice que orgulha o Brasil”!
Alice Vitória sonha com um mundo melhor, onde todas as crianças sem distinção de cor e classe social, tenha pleno acesso ao livro e possam viver a infância em toda sua plenitude, por isso faz a sua parte, realizando os projetos:
1- “Um sonho Possível”, projeto de incentivo à leitura e escrita e de promoção para a infância, através do qual desenvolve contação de histórias e palestras de incentivo à leitura e escrita em escolas particulares, escolas públicas e ONGs que atendem o público infanto-juvenil. Tem também como meta, realizar “O Encontrinho Internacional de Crianças e Jovens Escritores”, para exposição dos livros escritos por crianças e jovens de até 17 anos e apresentação dos autores ao público.
2- “Criança Feliz: Toda Criança no Parque”, projeto em parceria com o American Park, que leva crianças que vivem em abrigos sergipanos, crianças atendidas pela LBV (Legião da Boa Vontade) e de escolas públicas de bairros pobres de Aracaju, ao parque de diversão, na semana da criança ou semana do natal;
3- E o projeto “Papai Noel Literário”, através do qual arrecada livros novos e usados (em bom estado) em escolas particulares e do seu próprio acervo, para presentear crianças de bairros periféricos de Aracaju, na semana do natal.
Além desses projetos, a escritora também se dedica com afinco aos seus estudos, em 2016, ela fez as provas para o ENEM e alcançou a pontuação necessária para o curso de Medicina Veterinária em duas universidades Federais e algumas particulares, mas como só tem 14 anos e na ocasião ainda cursava o 1º ano do Ensino Fundamental (estuda em escola pública e o ano letivo estava atrasado por causa das greves), só poderia entrar na universidade através de um recurso na justiça, mas nem ela prefere seguir sua vida normalmente e concluir o Ensino Médio primeiro.
Atualmente Alice Vitória está escrevendo seu primeiro livro voltado para o público juvenil, um livro de literatura fantástica ou de ficção. Também está preparando o lançamento de um livro infantil que conta a história de uma menina africana, através do qual ela pretende colaborar para o combate da fome na África, doando a sua parte da venda do livro.

ENTREVISTA:

Conexão Literatura: Poderia contar para os nossos leitores quem a incentivou e como foi o seu início no meio literário?

Alice Vitória: Minha primeira e maior incentivadora até hoje, é minha mãe que lia pra mim desde que estava grávida. Quando nasci continuou lendo e desde os primeiros dias me ninava com histórias, com 3 meses de idade ela comprou meu primeiro livro, um livro de plástico que me servia de mordedor. Cresci em meio aos livros e vendo ela ler, então aos 3 anos já lia livros pequenos e me tornei uma leitora voraz. Aos 4 comecei a escrever, mas foi aos 5 que escrevi minha primeira história, influenciada pelo livro “O Reizinho Mandão” de Ruth Rocha, pelos gibis da Turma da Mônica do Maurício de Souza e pelo Sitio do Pica Pau Amarelo do Monteiro Lobato, os quais gosto muito. Minha mãe foi quem mais me incentivou, desde o início ela acreditou em mim, desde o primeiro momento quando terminei de ler “O Reizinho Mandão” e fiquei fascinada pela história e perguntei: “mãe, quem escreve livros é o quê?” Ela respondeu que era escritora e eu disse que queria ser escritora igual a Ruth Rocha e fui para o quarto e escrevi minha primeira história, que ela guarda até hoje. Depois continuei escrevendo e insistindo com ela e com meu pai que queria que minhas histórias virassem livros igual aos que eu lia, insisti tanto que eles acabaram produzindo e publicando meu primeiro livro, de modo independente.

Conexão Literatura: Com apenas 14 anos você já é escritora e já publicou livros. Poderia comentar?

Alice Vitória: Como já disse antes, nasci e cresci em meio aos livros, comecei a escrever com 5 anos e lancei o meu primeiro livro aos 7 anos, tenho 04 livros publicados, todos de modo independente, infelizmente, as editoras brasileiras não acreditam muito em crianças e adolescentes.
“O Monstro de Chocolate” (publicado em 04 idiomas: português, inglês, francês e espanhol) é o meu primeiro livro e também o mais famoso. Já foi apresentado em forma de teatro no programa do Raul Gil no SBT. Com ele, já participei de duas Bienais de São Paulo, e já foi exposto na “The London Book Fair”, em Londres e em outros eventos nacionais, regionais e local. Este livro conta a história das irmãs Vivi e Glorinha, que são loucas por chocolate e por isso, abrem a porta para um estranho e quase são raptadas pelo monstro de chocolate, um bandido procurado pela polícia.
“A Bruxinha Boazinha e os Ratinhos de Circo” (prefaciado pelo Maurício de Sousa) é o meu segundo livro e conta a história de Ana Clara, uma bruxinha abandonada pela mãe, que é criada pela fada Clarita, mas, ao começar desenvolver características de bruxa, é hostilizada e sofre com o bullying, então foge do reino das fadas para o mundo das bruxas onde também é hostilizada por não saber fazer maldades e acaba sendo expulsa, depois de perambular sozinha pelo mundo, acaba encontrando um circo onde é acolhida, faz amizade com dois ratinhos de circo e se torna a principal atração do circo.
“O Monstro Invisível”, fala do medo do escuro e conta a história de Lucas, um menino que não consegue dormir sozinho em seu quarto, pois diz que quando as luzes se apagam, monstros horríveis, invisíveis para os adultos, o assustam.
E “As Travessuras de Aurora, uma Labra-lata Muito Especial”, conta a história de minha cadela, que morreu quando eu tinha 7 anos, eu sofri muito com sua morte e escrever uma história com ela com personagem, me ajudou a superar sua perda.
Estou sempre lendo e escrevendo alguma coisa, tenho um bom acervo de coisas escritas, poesias, histórias etc.

Conexão Literatura: Foi fácil ou você encontrou barreiras na publicação dos seus livros?

Alice Vitória: Não foi fácil, encontrei muitas barreiras, como a desconfiança das pessoas, que achavam que não tinha sido eu que tinha escrito, até me chamavam num cantinho longe de meus pais e diziam: “olhe o papai e a mamãe não está ouvindo, agora fale a verdade aqui pra tia, ou pro tio, não foi você que escreveu este livro, não é?” eu tinha apenas 07 anos e isso me deixava muito triste. Além da dificuldade financeira, minha mãe pegou dinheiro emprestado no banco, para realizar meu sonho. Pois como já disse antes, as editoras e as demais instituições, não acreditam muito em uma criança, minha mãe até enviou minhas histórias para as editoras, mas a maioria não respondeu e as que enviaram uma resposta, me parabenizaram e disseram pra eu continuar escrevendo, mas no momento não tinham interesse. Meus pais resolveram eles mesmos publicar meus livros, não foi fácil, mas não desisti.

Conexão Literatura: Poderia destacar um trecho de um dos seus livros do qual você considera especial?

Alice Vitória: Só um? Todos os meus livros são especiais, O Monstro de Chocolate, por ter sido o primeiro, tenho um carinho todo particular. Mas, vou destacar um trecho de “As Travessuras de Aurora, um Labra-Lata Muito Especial”, este livro é muito peculiar para mim, pois conta a história da minha primeira cachorra, que me era muito especial. Vou colocar um trecho do início e outro do fim, que gosto muito.
“Vivi queria tanto um cachorro, que fez de tudo para conseguir. Recorreu até aos seres mágicos. Pediu a fada madrinha da Cinderela para que ela transformasse um rato em cachorrinho, mas ela disse que não sabia fazer mágicas no mundo real, só no mundo da fantasia. No natal escreveu uma carta ao Papai Noel, pedindo um cachorrinho ou cachorrinha, podia ser qualquer raça, grande ou pequena, não importava, dizia a carta. Mas o Papai Noel lhe deu de presente de natal uma linda boneca Barbie. Vivi até gostou do presente, mas não era a mesma coisa. Um dia, da janela de seu quarto viu passar uma estrela cadente e pediu a ela um cachorrinho. Mas a estrela cadente atravessou o céu muito rápido e não ouviu seu pedido.”
“Foram todas para o jardim, o céu estava lindo todo estrelado, mas Vivi viu uma estrela especial, que era a mais brilhante e parecia piscar pra ela. Então achou que a sua amiga era aquela estrela, com os olhos cheios de lágrimas e o coração apertando seu peito, mandou um beijinho se despedindo de sua amiga Aurora, a estrela piscou novamente e ela sorriu. A partir daquele dia, sempre que sente saudade de sua amiga, Vivi vai ao jardim, olha pro céu e procura aquela estrela que sempre pisca como que lhe sorrindo.”

Conexão Literatura: Você também ministra palestras e faz contação de histórias para crianças, sendo que em 2016 esteve no Centro Comunitário de Assistência Social da Legião da Boa Vontade (LBV), em Aracaju, para promover um bate-papo sobre seus livros e fazer a contação de histórias para os meninos e meninas atendidos pelo programa Criança: Futuro no Presente! Conte mais pra gente e diga como os interessados poderão convidá-la para futuros eventos.

Alice Vitória: Bem, eu adoro ler, é meu passatempo preferido e gostaria que outras crianças e jovens, também descobrissem como a leitura é prazerosa. Então, desenvolvo junto com meus pais o projeto “Um Sonho Possível” que desenvolve atividades de incentivo à leitura e escrita em escolas públicas e particulares, também em ONGs e instituições de atendimento à criança e adolescente, como a LBV (Legião da Boa Vontade) e o GAAC (Grupo de Apoio à Criança com Câncer). Nas escolas públicas e nestas instituições, após a contação de história e “bate-papo”, faço doação de meus livros para as salas de leitura e realizo sorteio para as crianças, infelizmente não posso dar a todas, se pudesse faria isso com o maior carinho. Já nas escolas particulares, conto histórias para as turmas menores e para as maiores faço uma pequena palestra sobre o prazer de ler e acabo falando sobre como escrever livros também, pois geralmente me perguntam sobre e com isso, também divulgo e vendo os meus livros. Geralmente, as escolas particulares e organizadores de eventos entram em contato com meus pais pelo e-mail: irsouza5@hotmail.com ou amorozzojorge@gmail.com
Mas, meu projeto não se resuma só à leitura, pois também acho que toda criança tem de fato (não só no papel), direito ao lazer, então, tenho uma parceria com um grande parque, que vem a Aracaju uma vez ao ano, e nos últimos 2 anos, levei quase mil crianças e adolescentes de escolas públicas, da LBV e de abrigos, ao parque de diversão. A maioria delas só tinham visto um parque na TV, é fantástico ver o brilho dos olhos delas e o sorriso estampado na cara de puro êxtase. Teve um menino de 12 anos que nunca tinha ido a um parque e ficou tão ansioso tadinho que tremia e disse que não conseguiu dormir à noite, nem comer direito durante de tão ansioso que estava. Saber que sou um pouquinho responsável por esse momento de felicidade para centenas de crianças, também me deixa êxtase. Outra atividade que desenvolvo, é o “Papai Noel Literário”, quando arrecado livros e brinquedos e dou de presente de natal as crianças de bairros pobres.

Conexão Literatura: É verdade que você mantém um clubinho para leitura no Facebook?


Alice Vitória: Sim. Como já disse antes, amo ler, e já li mais de 2,5 mil livros (2.500), leio 07 livros por semana quando estou de férias e em período escolar leio no mínimo 02 livros de 300 páginas semanalmente. Quando menor, que só lia contos infantis (livros pequenos), cheguei a ler 10 livros em um dia (estava de férias) e 350 livros em 1 ano. Como leio desde os 03 anos e sempre fui uma leitora voraz, então cheguei a esta marca, sei porque sempre anoto os livros que leio.
Porém hoje, que já estou na literatura juvenil, leio romances, desde os clássicos da literatura nacional como José de Alencar, Machado de Assis... A autores modernos como Maurício de Sousa, Pedro Bandeira, Regina Drummond e Carolina Munhoz. Também leio bastante livros de autores internacionais de literatura fantástica, como a Stephenie Meyer (saga Crepúsculo), Rick Riordan (saga Percy Jackson e os Olimpianos), Jennifer A. Nielsen (trilogia do Reino), Cassandra Clare e Holly Blake (Saga Magisterium) etc. Esses livros, principalmente dos últimos autores, são grandes, têm geralmente mais de 300 páginas, então reduzir o número de livros lidos ao ano. Mais este ano, já li 50 livros. Então na página https://www.facebook.com/clubinhodaleituraAliceVitoria/ dou dicas de leituras, público resumo de livros que já li, posto poesias que gosto, frases de incentivo à leitura etc. O mesmo faço no meu Instagram: @alicevitoria_escritora  (https://www.instagram.com/alicevitoria_escritora/).

Conexão Literatura: Como o leitor interessado deverá proceder para saber mais sobre você e seus livros?

Alice Vitória: Podem acessar as minhas redes sociais (Facebook e Instagram) nos endereços acima, ou os blogs: http://principadodainfancia.blogspot.com.br/ e https://encontrinhointernacional.blogspot.com.br/ . Os livros, no momento, só estão disponíveis com os meus pais, interessados poderão entrar em contato pelo e-mail: amorozzojorge@gmail.com ou irsouza@hotmail.com

Perguntas rápidas:

Um livro: A Moreninha, de Joaquim Manoel de Macedo
Um (a) autor (a): Rick Riordan
Um ator ou atriz: Dove Cameron
Um filme: Guardiões da Galáxia
Um dia especial: 10 de julho de 2010, o lançamento do meu primeiro livro “O Monstro de Chocolate”

Conexão Literatura: Deseja encerrar com mais algum comentário?

Alice Vitória: Atualmente, estou escrevendo um livro juvenil de literatura fantástica, em parceria com meu primo, estamos no 5º capítulo e pretendo publicar ainda este ano, de preferência através de uma editora.
Também pretendo publicar um livro de conto infantil, que fala sobre uma menina africana, e com ele quero ajudar as crianças que passam fome na África, doando minha parte do dinheiro arrecadado com a venda de cada livro.
Mas principalmente, quero chamar a atenção das editoras, para que elas comecem a olhar e dar mais oportunidades para as crianças e jovens que se interessam pela escrita literária e sonham em publicar um livro, pois temos muitas crianças e jovens talentosos de norte a sul deste país e são eles o futuro da literatura brasileira, por isso deveriam serem mais incentivados, se não, muitos acabarão desistindo.
Conheço mais de 40 crianças e adolescentes que com eu, escrevem e publicam de modo independente suas histórias e estão à espera de uma oportunidade. Por isso, tenho um projeto chamado O ENCONTRINHO, que objetiva realizar um evento literário, onde reunirá crianças e jovens escritores de todo o Brasil e de outros países como: Portugal, Itália e Estados Unidos (conheço escritores mirins desses países), onde esses escritores denominados autores mirins, poderão expor seus livros e demonstrarem seu talento e assim, chamar a atenção do universo literário para os novos talentos que surgem a todo momento. Há 03 anos que estou em busca de apoio para realizar este projeto, mas infelizmente ainda não consegui. Para concluir, quero agradecer a Revista Conexão Literatura pela oportunidade, muito obrigada!


Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA
clique sobre a capa

DO INCISIVO AO CANINO - BERT JR.

MAFRA EDITIONS

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

DIVULGUE O SEU LIVRO

FUTURO! - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels