O mito do blues Robert Johnson, o filme e o livro Encruzilhada

Dizem que um jovem norte-americano, de nome Robert Johnson (1911-1938), tocava violão como ninguém: um som mágico, irreverente e que contagi...

Mostrando postagens com marcador professora. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador professora. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Entrevista com Katia Oliveira da Silva Xavier, Professora de Língua Portuguesa e Letramento


Katia Oliveira da Silva Xavier nasceu na cidade de Curitiba em 1982. Formada em Letras – Português/Inglês e suas Respectivas Literaturas, pela Fundação Educacional de Duque de Caxias (FEUDUC) e Pós-Graduada em Educação Inclusiva pelo Centro Universitário Barão de Mauá. Filha de uma família humilde foi sempre incentivada a estudar. Aos cinco anos decidiu ser professora e desde então compartilha como os seus alunos o conhecimento. Foi premiada recentemente com o título internacional de Microsoft Innovative Educator Expert fazendo parte de um grupo seleto de educadores inovadores que compartilham ideias e experimentam novas abordagens de ensino. Mora em Almirante Tamandaré e leciona no Marista Escola Social Ecológica e Colégio Dom Bosco Bilíngue Colombo. 

ENTREVISTA: 

Conexão Literatura: Você é professora de Língua Portuguesa e Letramento na Marista Escola Social Ecológica. Poderia comentar? 

Katia Oliveira da Silva Xavier: Sou docente de Língua Portuguesa dos 6ºs e 7ºs anos. Iniciei na escola com o objetivo de melhorar o letramento dos educandos que vinham da rede municipal de ensino. 

Conexão Literatura: Você auxiliou alguns educandos na inscrição para o concurso literário CONTOS, MINICONTOS E POEMAS INFANTOJUVENIS, da Revista Conexão Literatura. Poderia comentar sobre a importância desse incentivo para as crianças? 

Katia Oliveira da Silva Xavier: Eu procuro sempre incentivar os meus alunos a se desafiarem. O processo de escrita em nosso país é algo laborioso. Essa habilidade quando adquirida ainda criança torna o estudante mais confiante e o faz se sentir capaz. O educando torna-se protagonista da própria aprendizagem colocando à prova, todo o conhecimento adquirido em sala de aula. O papel do professor é instigar a aquisição do conhecimento sempre. 

Conexão Literatura: Como foi o trabalho e o desenvolvimento dos poemas e minicontos com as crianças? 

Katia Oliveira da Silva Xavier: As crianças ficaram muito felizes com a possibilidade de ter um e-book com contos e/ou poemas escritos por eles. E se aventuraram na escrita com muita dedicação e atenção. Como estamos em um período remoto, o desenvolvimento das produções foi árdua. Nos deparamos com educandos com atraso de entrega dos poemas/contos para correção, falta dos alunos nas aulas destinadas a produção dos textos e outros. Porém, todos se dedicaram muito para que apesar dos contratempos o nosso objetivo fosse cumprido. 

Conexão Literatura: Você pretende continuar incentivando os educandos para essa área de publicação infantojuvenil?  

Katia Oliveira da Silva Xavier: Com certeza, nós já estamos nos preparando para o Volume II dos CONTOS, MINICONTOS E POEMAS INFANTOJUVENIS da Revista Conexão Literatura. E com a seleção de cinco poemas na edição anterior, o número de alunos que querem participar simplesmente dobrou. 

Conexão Literatura: Como o leitor interessado deverá proceder para ler os poemas e minicontos dos educandos no e-book CONTOS, MINICONTOS E POEMAS INFANTOJUVENIS? 

Katia Oliveira da Silva Xavier: Todos estão disponíveis na página da Revista Conexão Literatura, intitulada CONTOS, MINICONTOS E POEMAS INFANTOJUVENIS. Os leitores poderão fazer o download e se deliciar com belos poemas e contos. 

Conexão Literatura: Existem novos projetos em pauta? 

Katia Oliveira da Silva Xavier: Recentemente, finalizamos com alguns educandos um livro chamado ESTUDANTES DE HOJE, CORDELISTAS DO AMANHÃ. Nesse, os alunos escreveram cordéis que falam um pouco das coisas que eles apreciam fazer, iremos escrever o volume II em breve. E continuar participando da seleção da Revista Conexão Literatura. 

Perguntas rápidas: 

Um livro: Pequeno Manual Antirracista de Djamila Ribeiro          

Um (a) autor (a): Machado de Assis

Um ator ou atriz: Samuel L. Jackson

Um filme: O menino que descobriu o vento.

Um dia especial: O nascimento do meu filho que hoje é uma estrelinha lá no céu. 

Conexão Literatura: Deseja encerrar com mais algum comentário? 

Katia Oliveira da Silva Xavier: Venho agradecer a oportunidade de estar compartilhando a minha paixão pela educação. Acredito que essa pode mudar comportamentos, vidas e melhorar gerações.

Compartilhe:

domingo, 25 de novembro de 2018

Ada Magaly Matias Brasileiro e o livro A emoção na sala de aula, por Sérgio Simka e Cida Simka

Ada Magaly Matias Brasileiro - Foto divulgação
Fale-nos sobre você.

Sou formada em Letras; especialista em Língua Portuguesa, Linguística e Didática e Tecnologia do Ensino Superior; mestra em Língua Portuguesa e doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela PUC Minas. Sou professora há 25 anos e já atuei da Educação Infantil ao Ensino Superior. A sala de aula sempre foi, para mim, um lugar especial! No Ensino Médio, dediquei-me ao ensino de Língua Portuguesa e à Produção Textual; no nível universitário, dei ênfase, também, à Escrita Acadêmica, à Metodologia Científica e à Linguística Textual, pautando-me, principalmente, pelos pressupostos do Interacionismo Sociodiscursivo (ISD). Tenho me dedicado à pesquisa, à docência e à construção de disciplinas para o ensino a distância e a material didático que disponibilizo na internet. Das minhas publicações, destacam-se os livros “Estilo e Método”, “Manual de Produção de Textos Acadêmicos e Científicos” e “Leitura e Produção Textual”. Recentemente, publiquei o livro “A emoção na sala de aula: impactos na interação professor/aluno/objeto de ensino”.

ENTREVISTA:

Fale-nos sobre o livro “A emoção na sala de aula”.

Desânimo, vergonha, agressividade, frustração, desrespeito, entusiasmo, prazer, satisfação, alegria... são algumas das inúmeras emoções que constituem as interações professor/aluno, interferindo no funcionamento e na produtividade de uma aula. O livro traz o resultado da minha pesquisa de doutorado, realizada na PUC Minas, sob orientação da professora Juliana Assis.
Trata-se de um investimento etnográfico, que me permitiu integrar-me a duas salas de aula das séries finais do Ensino Fundamental, desde o primeiro dia do ano letivo. Na conclusão deste estudo, eu apresento quatorze quadros emocionais que ocorrem reiteradamente nas interações em sala de aula (professor/aluno ou aluno/aluno), as quais interferem positiva ou negativamente no engajamento dos alunos na aula e, por conseguinte, no alcance dos objetivos didáticos pautados pelos professores.

O que a motivou a escrevê-lo?


Em minha experiência como docente, várias questões sempre me incomodaram. Por exemplo: “Por que um mesmo plano de aula gera aulas diferentes? Por que um professor é bem-sucedido em uma turma e em outra não? Por que alunos de uma mesma turma se comportam diferentemente na sala de aula, variando o tempo e o professor? Como o aluno se envolve na aula proposta? Como ocorre a relação de afetividade do aluno com o objeto de estudo? Quais os efeitos dessa afetividade?” Essas perguntas indiciavam, a meu ver, marcas da emoção no ambiente de ensino/aprendizagem, algo, talvez, determinante da interação professor/aluno, que interferiria na aceitação das proposições do professor pelo aluno e, por conseguinte, do seu envolvimento e produtividade na aula.
Essa possibilidade aguçou em mim o desejo de investigar as emoções mais recorrentes nas atividades desenvolvidas na sala de aula, verificando como as emoções interferem na construção da relação de aceitação ou rejeição dos alunos a determinadas aulas. O resultado me trouxe muitas respostas que, agora, compartilho com meus colegas professores. É certo que, quanto mais conhecemos as regularidades da aula, mais possibilidades temos nós, professores, de compreender características estruturais da sala de aula, suas recorrências e, portanto, sermos mais exitosos em nossos propósitos didáticos.

Fale-nos sobre os outros livros de sua autoria.

Sempre gostei de escrever, por isso, desde cedo, quando atuava na educação básica, dediquei-me à organização de obras com coletâneas dos meus alunos, pois acredito na formação do aluno na produção textual, a partir do momento em que ele ganha leitores. Publiquei, posteriormente, algumas obras autorais. Duas delas são investimentos independentes e trazem pesquisas genealógicas. Três outras tematizam a produção textual e a escrita acadêmica: Estilo e Método – esgotado; Leitura e Produção Textual, e Manual de Produção de Textos Acadêmicos e Científicos. Este último, por exemplo, publicado pela Editora Atlas, traz orientações práticas sobre “como fazer?” vinte e quatro gêneros acadêmico-científicos, do resumo à tese. Era uma carência que eu sentia em minhas aulas e resolvi produzi-lo, pensando em meus alunos. A aceitação do público, no entanto, demonstrou que não se tratava de uma carência apenas minha, mas de muitos professores e alunos pelo Brasil afora. A resposta positiva que tive surpreendeu-me e, ao mesmo tempo, motivou-me a continuar escrevendo, sem medo!  

Como analisa a questão de leitura no país?


Quando lançamos o olhar para os dados publicados pelo Market Research World (2016) e outros institutos de pesquisa que se dedicam a trazer índices de leitura no mundo, vemos que as horas de dedicação à leitura dos brasileiros (cerca de 5 horas semanais) é a metade do que se apresenta em primeiro lugar (Índia, cerca de 10 horas) e a tendência é que nos desanimemos. Entretanto, há de se considerar que, mesmo que lentamente, o volume de leitura do brasileiro vem aumentando, tendo alcançado uma média de 5 livros ao ano, conforme pesquisa Retratos da Leitura no Brasil (2016).
Outro aspecto a se observar é que tais índices levam em conta apenas a leitura de livros (impressos ou e-book), excluindo a dos jornais, revistas, redes sociais etc., o que deixa o panorama negativo e, por que não dizer, irreal, já que atualmente, a nossa maior carga de leitura é por meios digitais.
Agora, para incentivar a leitura, três atores dessa cena precisam assumir seus papéis e funções: o governo, a escola e a família. O poder público deve se responsabilizar pelo aparelhamento das escolas e atualização de funcionários especializados e amantes da leitura. A escola deve buscar alternativas metodológicas adequadas ao público que atende, disponibilizando-lhe a multiplicidade de obras, explorando as várias funções da leitura; e a família, juntamente com os dois outros elos, deve valorizar e estimular a leitura em casa, além de favorecer a cultura por meio do exemplo.
Assim, a despeito de todas as evidências de pouco investimento ou hábito de leitura no Brasil, vejo a questão com otimismo. As pessoas estão presenteando mais livros, compartilhando suas leituras em blogs, demonstrando mais motivação e orgulho por terem lido determinadas obras, ouvindo audiobooks... e isso tudo é, inegavelmente, dado positivo!

Quais os seus próximos projetos?

Pretendo investir na área dos meus estudos atuais, que é a didática da escrita acadêmica. Este é o objeto de pesquisa do meu projeto de Pós-Doutorado e da minha atuação profissional de (quase) sempre. Sinto que há muitas publicações na área, mas estão muito dispersas, além disso, não conheço iniciativas que tratem, exatamente, das metodologias de ensino da escrita acadêmica, pois, tacitamente, entende-se que os alunos já saibam tal escrita quando entram nas universidades, assim como os alunos esperam que os professores irão ensiná-los. Instala-se um conflito sério no meio acadêmico e acredito que a minha pesquisa poderá contribuir para a amenização desse problema.


*Sérgio Simka é professor universitário desde 1999. Autor de cinco dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a coleção Mistério, publicada pela Editora Uirapuru. Membro do Conselho Editorial da Editora Pumpkin e integrante do Núcleo de Escritores do Grande ABC.

Cida Simka é licenciada em Letras pelas Faculdades Integradas de Ribeirão Pires (FIRP). Coautora do livro Ética como substantivo concreto (Wak, 2014) e autora dos livros O acordo ortográfico da língua portuguesa na prática (Wak, 2016), O enigma da velha casa (Uirapuru, 2016) e “Nóis sabe português” (Wak, 2017). Integrante do Núcleo de Escritores do Grande ABC.
Compartilhe:

sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Biografia de Lucy Sayão Wendel, professora por 49 anos, enaltece o poder transformador da educação e da figura do mestre como inspiração

Lucy Sayão Wendel - Foto divulgação
Escrito por Jayme Serva, livro sobre educadora que lecionou para milhares de alunos e inspirou muitos deles a seguir a carreira científica será lançado em setembro pela editora Laranja Original

Entre as tantas crises que o Brasil vive hoje, a da educação talvez seja a mais aguda (e não devidamente percebida, já que a econômica e a política dominam a cena). Nestes tempos, é mais do que oportuno ler o que conta “Lucy – Uma Vida Professora”, perfil biográfico escrito por Jayme Serva sobre Lucy Sayão Wendel, uma educadora que marcou época na docência de Química para estudantes do ensino médio em São Paulo.

A publicação, que será lançada em setembro pela editora Laranja Original é, à primeira vista, o perfil biográfico de uma professora admirável – só por isso, já merece atenção. Lucy Sayão Wendel começou sua carreira (ou “a vida professora”, a que bem se refere o título do livro) quase que por acaso: recém-separada do marido, precisava trabalhar. As possibilidades vieram tanto da indústria química, como das escolas. Estas acabaram conquistando Lucy, e Lucy a elas.

Só contando o Santa Cruz, em 33 anos de escola, ela teve aproximadamente 10 mil alunos. Somados aos anos em que lecionou em instituições como Mackenzie, Roosevelt, Santa Maria e tantas outras, forma-se uma multidão de alunos atendidos. Dentre eles, celebridades do mundo empresarial, intelectual e artístico. Um ponto a destacar em sua atuação é que houve muitos ex-alunos de Lucy que resolveram estudar química por influência de suas aulas.

Mas quem é essa mulher que foi capaz não apenas de ensinar, mas de influenciar a vida de tantas pessoas? É isso o que o livro procura contar, começando pela surpreendente chegada do avô de Lucy, ao Brasil. Engenheiro e geógrafo dinamarquês, Guilherme Wendel foi um desbravador ligado à Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo, que fez o reconhecimento e registro de todo o território do Estado no começo do século 20, embrenhando-se nas então fechadas matas do território paulista.

Ao mesmo tempo em que entrelaça a trajetória da educadora e as peripécias de sua vida, o livro traça também o percurso de vários dos grandes educadores com quem Lucy trabalhou ou estudou. Para isso, o autor fez diversas entrevistas com a professora e com pessoas que, de alguma forma, trazem a memória dessa história.

O resultado vai além do simples perfil biográfico. “Lucy – Uma Vida Professora” fala sobre Educação e sobre um tempo em que o educador tinha um papel reconhecido e respeitado. É um trabalho que, ao mesmo tempo, homenageia uma grande educadora e semeia a questão: por onde anda hoje a grande Educação?

Lucy – Uma Vida Professora ● Primeiro lançamento
Data: 5 de setembro de 2018, das 18h30 às 21h30
Local: Colégio Santa Cruz [Foyer do Teatro Santa Cruz] - Av. Arruda Botelho, 255, Alto de Pinheiros

Lucy – Uma Vida Professora ● Segundo lançamento + Bate-papo sobre educação com Ana Inoue (Instituto Acaia) e Fernando Reinach (Fundo Pitanga e O Estado de S. Paulo)
Data: 10 de setembro de 2018, das 18h30 às 21h30
Local: Livraria da Vila - R. Fradique Coutinho, 915 - Vila Madalena, São Paulo - SP, 05416-011

Lucy – Uma Vida Professora
Editora: Laranja Original
Preço: R$ 45,00
Páginas: 205
ISBN: 978-85-92875-43-5

Sobre o autor Jayme Serva
Jayme Serva é redator por profissão. Atuou em agências de publicidade nacionais e multinacionais, como Wunderman, Publicis-Norton, Newcomm Bates (atual Y&R) e Leo Burnett. Também foi colaborador de diversos veículos de comunicação, como as revistas Pequenas Empresas & Grandes Negócios (Editora Globo), Brasileiros, Morar (Folha de S.Paulo), Meio & Mensagem, Propmark (estas últimas especializadas no mercado de comunicação), o jornal Folha de S.Paulo e o site carioca Blue Bus. Em 2017, lançou seu livro de poesia Cem Sonetos, Pouco Mais, Pouco Menos.

Sobre a editora Laranja Original
A editora Laranja Original nasceu da iniciativa do escritor, poeta e arquiteto Filipe Moreau de criar um espaço no mercado editorial para a obra de novos autores. Hoje, a editora já se identifica como especializada em poesia, embora traga também em seu catálogo crônica, romance e até ensaios e biografias.

Além dos livros, a editora também produz CDs, pois, desde o início, a música fez parte de seu escopo de trabalho. Hoje, já há três CDs em seu catálogo, e outros estão por vir.

Em ambos os casos (livros e CDs), o material é produzido com esmero nos projetos gráficos, pois a editora tem como princípio a qualidade total do que produz. Entre os artistas gráficos que fazem projetos para a Laranja Original, há desde jovens reconhecidos no meio, como Flávia Castanheira, até os já historicamente consagrados, como Hélio de Almeida. [www.laranjaoriginal.com.br]
Compartilhe:

Baixe a Revista (Clique Sobre a Capa)

baixar

E-mail: ademirpascale@gmail.com

>> Para Divulgação Literária: Clique aqui

Curta Nossa Fanpage

Siga Conexão Literatura Nas Redes Sociais:

Posts mais acessados da semana

ANTOLOGIAS LITERÁRIAS

POEME-SE

CONHEÇA A REVISTA PROJETO AUTOESTIMA

LIVRO: O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE

LIVRO DESTAQUE

CEDRIK - ROBERTO FIORI

Leitores que passaram por aqui

Labels